Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 13 de agosto de 2022

21 de maio de 2021

21/05 – Vem ai novo ‘tsunami’ da Educação, 3 em cada 10 escolares reclamam de ‘bullying’, governo Doria flexibiliza e admite que contaminação vai aumentar, e mais:  os sonhos e pesadelos dos brasileiros na pandemia

.

Patronal da Educação Básica já perdeu uma vez no Tribunal, vai perder de novo: campanha salarial vai a dissídio. Veja aqui: https://bit.ly/3ub1lX2

 



Entidades aderem à mobilização nacional e planejam outro ‘tsunami da educação’
Século Diário; 19/05
https://bit.ly/3oAm456

Dois anos após os protestos que encheram as ruas [no país], o movimento estudantil planeja mais uma mobilização no próximo dia 29 de maio. Seguindo a pauta nacional, o ato será contra os cortes e contingenciamentos financeiros do governo federal, que têm ameaçado o funcionamento de instituições públicas e prejudicado a pesquisa científica em várias partes do País.

Os atos, que serão realizados em vários estados, também denunciam os cortes em bolsas de pesquisas científicas, bem como os entraves para a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que ainda não tem data de aplicação em 2021. Na nota de convocação das entidades estudantis, as organizações denunciam o “iminente apagão da educação e da ciência e tecnologia no país”.

 

Patronal não negocia, vamos ao dissídio
Minuto Fepesp; 21/05

Celso Napolitano explica o passo-a-passo do processo de dissídio coletivo impetrado nesta semana pelos sindicatos integrantes da Fepesp, para fazer frente à intransigência dos donos de escola na negociação da campanha salarial 2021 na Educação Básica.

 

3 em cada 10 alunos de SP afirmam sofrer bullying; aparência é o principal motivo de agressões
Estadão; 20/05
https://bit.ly/3oAyzh4

Segundo a pesquisa, 29,72% dos alunos reportaram ter sofrido zombarias, intimidações ou humilhações nos 30 dias que antecederam o estudo, por pelo menos um motivo. Entre os que disseram sofrer bullying, 16,1% apontaram a aparência do corpo como o foco da agressão. A aparência do rosto aparece em seguida, com 14,5%.

Os estudantes também relataram sofrer humilhações por causa de cor ou raça (8,1%), religião (7,3%), orientação sexual (6,5%) e região de origem (6,2%). A pesquisa mapeou ainda que 10,2% dos estudantes admitem caçoar, intimidar ou zoar algum colega. Para o tópico relacionado ao bullying, foram ouvidos 31.340 estudantes.

O estudo, realizado pelo Instituto Ayrton Senna, ouviu 110 mil estudantes, do 5º e do 9º ano do ensino fundamental e do 3º ano do ensino médio, em novembro de 2019, antes da pandemia, portanto. Participaram da pesquisa 3.586 escolas da rede estadual.

 

Rio Gde do Sul: Professores da educação básica aprovam proposta para convenção coletiva
Extra Classe; 20/05
https://bit.ly/3fwoUUD

Os professores que atuam na educação básica do ensino privado do Rio Grande do Sul, nas escolas representadas pelo Sinepe/RS, aprovaram, em assembleia, realizada de forma virtual na noite desta terça-feira, 19, proposta para a renovação da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT 2021). O documento, negociado entre os Sindicatos das escolas e dos professores, regulamenta o salário e as condições de trabalho dos professores que atuam nos 20.525 postos de trabalho da educação básica privada.

Dentre os destaques da proposta aprovada estão a reposição da inflação aos salários, 6,22% em duas parcelas (junho e novembro), e a regulamentação do trabalho remoto. Todos os demais benefícios da Convenção Coletiva de Trabalho foram mantidos.

 

O NEGÓCIO DA EDUCAÇÃO

Vivo prepara lançamento de serviço em parceria com grupo educacional
Valor Econômico; 20/05
https://glo.bo/343ty7l

A Telefônica Brasil (Vivo) planeja lançar em breve um serviço para o setor de educação em parceria com mais de um grande grupo educacional, disse hoje o diretor-presidente da Telefônica Brasil, Christian Gebara.

Esse serviço está sendo desenhado nos mesmos moldes do que foi anunciado há alguns dias para a área de saúde. Nesse caso, trata-se de um marketplace (shopping digital) de saúde em parceria com a Teladoc Health, uma multinacional de telemedicina e saúde com sede nos Estados Unidos.

Para o setor de educação, o executivo disse que o novo serviço deverá cobrir o “gap” educacional que existe atualmente, com informações complementares para quem possui o ensino médio ou para pessoas que não conseguiram acesso a um ensino superior de qualidade.

 

POLÍTICA EDUCACIONAL

Mesmo com abstenção recorde, MEC mantém regra que retira isenção do Enem de ausentes
Folha de S. Paulo; 20/05
https://bit.ly/3ozyrP4

Ainda sem garantir que o exame será realizada neste ano, a pasta abriu nesta segunda (17) o período para que os estudantes peçam a isenção da taxa. Quem faltou na última edição deve justificar o motivo da ausência para não perder o benefício.

O ministério, no entanto, não alterou as regras para avaliar quem deixou de ir à prova por conta da pandemia de Covid-19. Para justificar a ausência, continuam valendo apenas os motivos de anos anteriores. É preciso apresentar documentos que comprovem, por exemplo, roubo, acidente de trânsito ou morte na família no dia do exame.


CORONAVÍRUS

Governo Doria admite que nova fase verde deve aumentar mortes por covid-19 em até 20%
Rede Brasil Atual; 20/05
https://bit.ly/2T7cmM6

O governo de João Doria (PSDB) admite que o número de mortes diárias pela covid-19 em São Paulo pode aumentar até 20% com o aumento das flexibilizações proposto pela nova fase da quarentena anunciada ontem (19), que é praticamente igual à fase verde já existente no Plano São Paulo, embora esteja entre as fases vermelha e laranja.

Em coletiva à imprensa na terça (19), ao se questionado sobre os possíveis impactos da nova fase na pandemia, o coordenador-executivo do Centro de Contingência do Coronavírus, João Gabbardo, confirmou que deve haver um aumento nos números de casos, internações em unidades de terapia intensiva (UTI) e mortes nas próximas quatro semanas. Período que englobaria a última semana da atual fase de transição e três semanas de nova fase verde.

 

Pazuello pode responder a três processos criminais e um cível por depoimento na CPI da Covid
El País; 20/05
https://bit.ly/3hKBsKT

Pelo que se apresentou nos interrogatórios na Comissão Parlamentar de Inquérito da Pandemia, o general e ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, poderia responder judicialmente a ao menos três processos, dois criminais e um cível. Nos dois dias de depoimentos,

Pazuello chamou para si a responsabilidade por quase todas as decisões tomadas no enfrentamento do coronavírus e, ao poupar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), acabou abrindo espaço para que fosse processado por prevaricação, por falso testemunho, por crimes contra a saúde pública e por improbidade administrativa, conforme analisado por advogados consultados pela reportagem.

 

Diante do ‘pior momento da pandemia’, Argentina anuncia novo confinamento total a partir de sábado
O Globo; 19/05
https://glo.bo/3vlp9sF

O governo da Argentina anunciou que, a partir de sábado, o país entrará em um novo período de confinamento total para conter o que o presidente Alberto Fernández chamou de “o pior momento da pandemia” de Covid-19.

Nas últimas 24 horas, foram registrados 35.884 casos e 435 mortes, indicando um cenário de segunda onda da doença — desde o dia 11 de abril, a média móvel está acima de 20 mil casos diários. A ocupação de leitos de UTI está em torno de 75%. O ritmo de vacinação também é considerado lento, com apenas 4,7% da população completamente imunizada.


TRABALHO

Vista suspende julgamento no STF de necessidade de negociação coletiva antes de demissão em massa
Agência DIAP; 21/05
https://bit.ly/3uck5VU

Pedido de vista do ministro Dias Toffoli interrompeu, nesta quinta-feira (20), o julgamento do Recurso Extraordinário (RE 999435), com repercussão geral (Tema 638), que discute a necessidade de negociação coletiva antes de demissões em massa. Na sessão desta quinta, apenas o ministro Luís Roberto Barroso proferiu voto.

Até o momento, 3 ministros entenderam que não há previsão legal que obrigue a negociação prévia nas hipóteses de demissões coletivas ou em massa, entre eles o relator, ministro Marco Aurélio. De outro lado, 2 ministros votaram para reconhecer a obrigatoriedade da negociação, em divergência aberta pelo ministro Edson Fachin.

“A demissão coletiva é um fato socialmente relevante, pelo impacto não apenas sobre os milhares de trabalhadores afetados, mas sobre toda comunidade onde vivem essas pessoas. Considero, portanto, legítimo e desejável o empenho em minimizar esse impacto”, declarou o ministro Barroso.

 

 

Quais são os sonhos e pesadelos dos brasileiros na pandemia
Valor Econômico; 21/05
https://outline.com/8XJRzj

Logo após a Organização Mundial da Saúde decretar a pandemia do novo coronavírus, em março de 2020, centenas de mensagens sobre “sonhos estranhos” abarrotaram as redes sociais. As pessoas contavam que estavam sonhando e lembrando mais dos sonhos, que esses pareciam mais vívidos e reais do que nunca. O livro “Sonhos Confinados – o que Sonham os Brasileiros em Tempos de Pandemia” (Autêntica, 272 págs., R$ 59,80), comprova o fenômeno e mostra que a atividade onírica revela-se um sinalizador sensível não só da vida psíquica, mas também da vida social nesse período.

Organizado pelos psicanalistas Christian Dunker, Cláudia Perrone, Gilson Iannini (na foto), Miriam Debieux Rosa e Rose Gurski, o livro reúne pesquisas realizadas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Universidade de São Paulo (USP) e Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), articulando a temática dos sonhos com política e psicanálise.

Os sonhos foram coletados por meio de formulários divulgados em mídias e redes sociais, totalizando mais de mil relatos em 2020. Uma parte dessa amostra, cerca de 10%, foi acompanhada pela escuta individual dos sonhadores, que foram estimulados a tecer associações livres dos sonhos com aspectos de suas vidas.

“Uma das funções dos sonhos é levar o inconsciente a ajudar nosso consciente a se organizar. Por isso, eles tendem a ser mais fortes nos momentos de transformação. Na pandemia, todo mundo, de alguma maneira, está passando por mudanças, seja de rotina, de perspectivas, sem falar no medo, nas perdas, nos impactos do campo coletivo. Daí que o inconsciente precisa trabalhar mais para dar conta disso”, explica.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio