Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 25 de outubro de 2021

26 de agosto de 2021

26/08 – Ministro da Educação denunciado à PGR, de onde veio o ‘inclusivismo’, presidente fura fila de escola militar, e mais: os 67 anos da carta-testamento de Getúlio, leia na íntegra

.

Nos próximos dias, vamos travar batalhas importantes no Congresso Nacional. Na Câmara, por respeito a emendas no projeto de lei 5595, no Senado, pela não apreciação da medida provisória 1045.

 

Vereador de SP denuncia ministro da Educação à PGR por fala sobre pessoas com deficiência
Monica Bergamo; 26/08
https://bit.ly/2XOhpTR

O vereador paulistano Celso Giannazi acusa o ministro da Educação, Milton Ribeiro, de discriminação contra pessoas com deficiência. Em entrevista à TV Brasil, Ribeiro disse que elas “atrapalhavam” outros alunos quando colocadas numa mesma sala de aula. Giannazi apresentou uma notícia-crime à Procuradoria-Geral da República.


‘Inclusivismo’: ministro usa termo da teologia para falar de educação de crianças com deficiência; entenda
G1; 24/08
https://glo.bo/3mwDXD7

O termo “inclusivismo“, mencionado mais de uma vez pelo ministro Milton Ribeiro, não é usado em discussões acadêmicas ou em políticas públicas da área de educação, segundo especialistas.

Quatro teóricos ouvidos pelo G1 afirmam que a expressão provavelmente foi “inventada” pelo ministro para criticar a matrícula de crianças com deficiência em escolas comuns. Para Maria Teresa Eglér Mantoan, doutora em educação e coordenadora do Laboratório de Estudos e Pesquisas em Ensino e Diferença da Unicamp, “inclusivismo” seria “uma criação imprópria para significar uma inclusão impingida [forçada]”.

O termo não consta na versão mais atualizada do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (Volp), de 2021, nem nos principais dicionários: “Michaelis”, “Houaiss” e “Aurélio”.

É uma expressão nova que existe, a princípio, apenas na teologia – exatamente a área de formação do ministro Ribeiro – para representar uma ideia sem ligação com o debate educacional.

 

Ministro da Educação deveria assistir e aprender com a Paralimpíada
Estadão; 24/08
https://bit.ly/3ye5qeY

A iniciativa do Comitê Paralímpico é um recado claro a muitas pessoas. O nosso ministro da Educação (que 90% dos brasileiros possivelmente não sabem o nome), Milton Ribeiro, insistiu nesta semana que crianças com deficiência “atrapalham” o aprendizado dos demais estudantes.

“Nós não queremos o inclusivismo”, disse o chefe da pasta da Educação ao tentar explicar sua preconceituosa teoria. ‘Inclusivismo’ é mais um daqueles termos inventados pela direita bolsonarista que compactua com ideias conspiratórias e discriminatórias. ‘Globalismo’, ‘terraplanismo’, ‘ideologia de gênero’, ‘kit gay’, ‘mimimi’. O vocabulário é extenso. Tão extenso que o Estadão fez, em 2019, um ‘glossário Bolsonaro’ para que as pessoas pudessem entender o que se passava na cabeça dos integrantes do governo.

 

Artigo: ‘Milton Ribeiro não está sozinho’
Carta Capital; 24/08
https://bit.ly/3DionAX

Por Fernando Cássio: “Depois do arroubo de sinceridade do ministro da educação Milton Ribeiro, que afirmou que a “universidade deveria ser para poucos”, as redes sociais ficaram em polvorosa. A declaração do ministro foi quase generalizadamente repudiada. Quase. Entre os elaboradores e promotores do NEM nas redes estaduais, o que vimos, quando não silêncio, foi a tentativa explícita de se desvencilhar da posição elitista de Ribeiro.

O erro de Milton Ribeiro foi ter traduzido em português claro a concepção de todos os que já trabalham para implementar o NEM [os itinerários formativos de Linguagens, Matemática, Ciências Naturais, Ciências Humanas e profissionalizantes previstos na Lei 13.415/2017 (produto final da MP 746/2016)] nas redes estaduais. Ele não está sozinho. Só está carente de um pouco do verniz que as fundações e institutos empresariais com seu linguajar floreado sobre “equidade” e o “resgate da possibilidade de sonhar”, oferecem.

 

Bolsonaro pede para Exército matricular filha em colégio militar sem passar por processo seletivo
Folha de S. Paulo; 26/08
https://bit.ly/3ymvxAp

O presidente Jair Bolsonaro pediu ao comandante do Exército, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, que dê tratamento especial à filha dele, Laura Bolsonaro, 10, e que a criança seja matriculada no Colégio Militar de Brasília de forma excepcional, sem passar pelo processo seletivo a que são submetidos meninos e meninas que disputam as vagas abertas na unidade de ensino.

Segundo o Exército, o comandante ainda não proferiu uma decisão a respeito do pedido. O general aguarda uma manifestação do Departamento de Educação e Cultura da Força, conforme previsto em regulamento que trata do funcionamento dos colégios militares, afirmou o CCOMSEx à reportagem nesta quarta (25). A partir disso, a questão “será levada para despacho com o comandante”.

 

Pres. Prudente: Câmara aprova projeto que visa informar nas escolas contatos e endereços de conselhos tutelares
G1; 24/08
https://glo.bo/3kxGZo6

A Câmara Municipal de Presidente Prudente aprovou 11 projetos de leis durante a sessão ordinária desta segunda-feira (23). Entre os textos apreciados está a determinação da afixação de cartaz nas escolas públicas e particulares do município com informações sobre os números de telefones e endereços de conselhos tutelares.

O projeto “tem como escopo garantir os direitos da criança e do adolescente, bem como sua segurança e conhecimentos aos canais de denúncia”.

 

CORONAVÍRUS

Variantes do coronavírus: como surgem, quantas são e o impacto na pandemia
Capricho; 25/08
https://bit.ly/3gzr8nH

Até o momento, os cientistas identificaram quatro variantes classificadas como de preocupação. A primeira encontrada foi a Alfa, registrada inicialmente no Reino Unido. Depois, foram notificados  casos das variantes Beta, na África do Sul, e da Gama, no Brasil. Em outubro de 2020, foi identificada, na Índia, a variante Delta, que está sendo a mais comentada.

A Delta tem sido motivo de preocupação para os especialistas por ser mais transmissível que as outras. De acordo com a OMS, a variante está presente em 130 países do mundo. No Brasil, foram  registrados 1.051 casos dela em 15 estados até 17 de agosto. Com o aumento de casos da variante, países como os Estados Unidos, que já estavam livre da maior parte das medidas de restrições impostas  por causa da pandemia, precisaram voltar atrás. Apesar do aumento de casos nos EUA estar atingindo também as pessoas imunizadas, 97% das internações e 99% dos óbitos são de não-vacinados.

 

 

O NEGÓCIO DA EDUCAÇÃO

Educação começa a entrar nos pacotes de benefício
Valor Econômico; 24/08
https://glo.bo/3Demcyl

O tema da educação dos funcionários ganha novos contornos nas grandes empresas. Além de estar inserida na já conhecida universidade corporativa, que oferece uma série de qualificações e trilhas de aprendizagem para o empregado, educação agora entra no pacote de benefícios. “O benefício de auxílio educação vem ganhando espaço nos pacotes flexíveis e nesta última edição [da pesquisa da Mercer Marsh Benefícios] está entre os benefícios mais prevalentes”, comenta Mariana Dias Lucon, diretora de produtos e consultoria da Mercer Marsh Benefícios.

O levantamento a que Lucon se refere foi divulgado em junho deste ano e incluiu a participação de 737 companhias. “Normalmente, as empresas permitem que os colaboradores direcionem pontos flexíveis para o auxílio educação e incluem no menu de escolhas cursos de graduação, pós e idiomas. Ou, ainda, treinamentos que possam apoiar na capacitação profissional e que podem ser oferecidos por plataformas digitais que vão desde cursos técnicos a comportamentais.”


Startup Driven recebe aporte de R$ 16 mi para formar futuros líderes da tecnologia
Link; 25/08
https://bit.ly/3Be67qn

Mirando diminuir não só a escassez de profissionais de tecnologia do Brasil, mas também fomentar a formação de líderes para comandar equipes de desenvolvedores, a startup de educação Driven anunciou na terça-feira, 24, que recebeu um aporte de R$ 16 milhões, liderado pelo fundo paulistano Iporanga.

O cheque também contou com a participação dos fundos ONEVC, FundersClub e 3G Radar. Ainda, investidores-anjo conhecidos do ecossistema de inovação do País marcaram presença, como Patrick Sigrist (do iFood), Sergio Furio (da Creditas) e Brian Requarth (da VivaReal). Eles se juntaram aos sócios atuais Arpex Capital (Stone), Daniel Castanho (Ânima) e Pedro Thompson (Exame).

 

 

História: carta de Getúlio Vargas completa 67 anos e reforça luta contra golpistas
Rede Brasil Atual; 23/08
https://bit.ly/2Y0qc5p

A carta-testamento deixada pelo presidente Getúlio Vargas, após ter dado um tiro no próprio peito em 24 de agosto de 1954, completa 67 anos e permanece atual. O texto alerta para a ação das elites antidemocráticas, que já naquele tempo tinham os mesmos projetos contra os interesses do povo brasileiro e a soberania nacional.

O suicídio de Vargas “barrou a tentativa de golpe e levantou grande parte do povo contra líderes de direita, partidos e mídia golpistas de então, derrotando-os fragorosamente. Venceu a democracia e venceram os interesses maiores do povo brasileiro”, segundo o Fórum 21, que resgatou o documento histórico.

Leia a carta de Getúlio Vargas:

“Mais uma vez, as forças e os interesses contra o povo coordenaram-se novamente e se desencadeiam sobre mim.

Não me acusam, me insultam; não me combatem, caluniam e não me dão o direito de defesa. Precisam sufocar a minha voz e impedir a minha ação, para que eu não continue a defender como sempre defendi, o povo e principalmente os humildes.

Sigo o destino que me é imposto. Depois de decênios de domínio e espoliação dos grupos econômicos e financeiros internacionais, fiz-me chefe de uma revolução e venci. Iniciei o trabalho de libertação e instaurei o regime de liberdade social.

Tive que renunciar. Voltei ao governo nos braços do povo. A campanha subterrânea dos grupos internacionais aliou-se à dos grupos nacionais revoltados contra o regime de garantia do trabalho. A lei de lucros extraordinários foi detida no Congresso. Contra a Justiça da revisão do salário-mínimo se desencadearam os ódios.

Quis criar a liberdade nacional na potencialização das nossas riquezas através da Petrobrás, mal começa esta a funcionar, a onda de agitação se avoluma. A Eletrobrás foi obstaculada até o desespero. Não querem que o trabalhador seja livre. Não querem que o povo seja independente.

Assumi o Governo dentro da espiral inflacionária que destruía os valores do trabalho. Os lucros das empresas estrangeiras alcançavam até 500% ao ano. Nas declarações de valores do que importávamos existiam fraudes constatadas de mais de 100 milhões de dólares por ano. Veio a crise do café, valorizou-se o nosso principal produto. Tentamos defender seu preço e a resposta foi uma violenta pressão sobre a nossa economia a ponto de sermos obrigados a ceder.

Tenho lutado mês a mês, dia a dia, hora a hora, resistindo a uma pressão constante, incessante, tudo suportando em silêncio, tudo esquecendo, renunciando a mim mesmo, para defender o povo que agora se queda desamparado. Nada mais vos posso dar a não ser meu sangue. Se as aves de rapina querem o sangue de alguém, querem continuar sugando o povo brasileiro, eu ofereço em holocausto a minha vida.

Escolho este meio de estar sempre convosco. Quando vos humilharem sentireis minha alma sofrendo ao vosso lado. Quando a fome bater à vossa porta, sentireis em vosso peito a energia para a luta por vós e vossos filhos. Quando vos vilipendiarem, sentireis no meu pensamento a força para a reação.

Meu sacrifício nos manterá unidos e meu nome será a vossa bandeira de luta. Cada gota de meu sangue será uma chama imortal na vossa consciência e manterá a vibração sagrada para a resistência. Ao ódio respondo com o perdão. E aos que pensam que me derrotaram respondo com a minha vitória.

Era escravo do povo e hoje me liberto para a vida eterna. Mas esse povo de quem fui escravo não mais será escravo de ninguém. Meu sacrifício ficará para sempre em sua alma e meu sangue terá o preço do seu resgate.

Lutei contra a espoliação do Brasil. Lutei contra a espoliação do povo. Tenho lutado de peito aberto. O ódio, as infâmias, a calúnia, não abateram meu ânimo. Eu vos dei a minha vida. Agora ofereço a minha morte. Nada receio. Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na história”.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio