25 de abril de 2019

25/04 – Procuradoria não quer sigilo na Previdência, professores da Metodista em greve, o show do 1º de Maio, e mais.

.

Combine no Sindicato, organize sua caravana e participe.
Veja mais aqui: http://bit.ly/2PrDSxH

 

 

PGR cobra de ministro da Economia explicações 
sobre sigilo de pareceres da Previdência
Folha de S. Paulo; 24/04
http://bit.ly/2GvxCkE

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão vinculado à PGR (Procuradoria-Geral da República), enviou nesta quarta-feira feira (24) um ofício ao ministro da Economia, Paulo Guedes, cobrando dele explicações sobre o sigilo imposto a pareceres e estudos técnicos que embasam a reforma da Previdência.

 

Em dez anos, reforma da Previdência 
deve acabar com 5 milhões de empregos
Sinpro SP; 24/04
http://bit.ly/2L57Ucb

O desempenho da economia brasileira nos próximos anos será desastroso, com uma média de 450 mil novos desempregados por ano e uma redução de um ponto no Produto Interno Bruto (PIB), caso seja aprovada a PEC da Previdência, defendida pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL). É o que afirma o economista Marcelo Manzano, pesquisador do Centro de Estudos Sindicais de Economia do Trabalho (Cesit) da Unicamp. “Essa afirmação é fruto de uma perspectiva muito particular e equivocada da equipe econômica liberal do governo de que o que determina o nível de emprego numa sociedade é o custo da mão-de-obra. Se for mais baixo, haverá uma maior demanda por trabalhadores. Isso não é verdade, infelizmente, é uma falsa associação que é feita com outros mercados, como o mercado de bananas, tomates etc. O mercado de trabalho não funciona assim. Há uma relação técnica entre o número de trabalhadores empregados e a atividade econômica”, disse o economista.

 

Artigo | Um outro enfoque sobre a Previdência
Revista Fórum; 24/04
http://bit.ly/2VjPcBC

Por Cid Benjamin: Na terça-feira desta semana foi aprovada na Comissão de Constituição de Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados a proposta de reforma da Previdência do governo Bolsonaro. Segundo os governistas, ela é essencial para o equilíbrio das contas públicas, porque a Previdência tem um rombo que as contamina. Mentira. Tanto é assim que o próprio governo, num comportamento inédito, indefensável e vergonhoso, tentou manter sigilo sobre os números que poderiam desmascará-lo. O que está em jogo é outra coisa. É a disputa pelos recursos públicos. Eles vão ter destinação social ou servirão para engordar ainda mais os lucros do grande capital?

 


Contee propõe audiência sobre os danos 
da reforma da Previdência para as professoras
Contee; 24/04
http://bit.ly/2DwSxTO

A coordenadora da Secretaria de Relações do Trabalho da Contee, Nara Teixeira de Souza, e o coordenador da Secretaria de Comunicação Social, Alan Francisco de Carvalho, se reuniram terça-feira (23), na Câmara Federal, com a deputada Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO) para apresentar as ponderações e preocupações da Confederação a respeito dos grandes prejuízos imputados pela proposta de reforma da Previdência às mulheres, sobretudo as professoras da educação básica, que estão entre as mais atingidas.

 

Profissionais da educação de MT param 
para cobrar aumento e contra a Reforma da Previdência
G1; 24/04
https://glo.bo/2UEiIxl

Os profissionais da educação de Mato Grosso fazem, nesta quarta-feira (24), uma paralisação de 24 horas para cobrar valorização salarial e uma mobilização contra a Reforma da Previdência. Com o movimento, as aulas estão suspensas em 128 escolas do estado, que corresponde a 30% do total de 368 unidades. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público (Sintep-MT), que representa a categoria, a paralisação integra um ato nacional, que marca a 20ª Semana Nacional em Defesa e Promoção da Educação Pública.

 


Cultura e política marcam atos 
do 1º de Maio em todo o país
Rede Brasil Atual; 23/04
http://bit.ly/2vlXz0U

Ao menos 10 estados brasileiros organizam atos para memorar o Dia Internacional do Trabalhador. Com foco na oposição à proposta de “reforma” da Previdência, as centrais sindicais e trabalhadores de diversas categorias vão às ruas no 1º de Maio também em defesa de direitos trabalhistas e políticas sociais. Em São Paulo, onde pela primeira vez as entidades farão um ato de forma unificada no Vale do Anhangabaú, na região central, o evento terá início às 10h, com apresentações artísticas e culturais. Leci Brandão, Ludmilla, Simone e Simaria, Paula Fernandes, Toninho Geraes, Mistura Popular, Maiara e Maraísa, Kell Smith e Júlia e Rafaela estão entre os que já confirmaram presença. À tarde, o palco terá um ato político.

 

Metodista: ou paga os salários ou é GREVE
Sinpro ABC; 24/04
http://bit.ly/2Gwn7xA

Os professores e professoras da universidade Metodista decidiram em assembleia realizada no último dia 23, terça feira, pela GREVE caso a universidade não pague em 48h os salários atrasados. Caso não haja atendimento da pauta de reivindicações os professores entrarão em greve, sem assinatura de ponto, a partir de segunda–feira, dia 29.

 

 


Ensino domiciliar é mais um instrumento de privatização da educação
Carta Educação; 24/04
http://bit.ly/2Zx2km6

A educação domiciliar traz consigo diversos retrocessos e perigos: fere o direito à socialização, essencial para o desenvolvimento socioafetivo de crianças e adolescentes; deixa crianças que sofrem abuso de qualquer natureza dentro de suas casas à mercê de seus abusadores; compromete o desenvolvimento intelectual dos estudantes, uma vez que esse é associado ao desenvolvimento social; representa mais uma medida de desprofissionalização do professor, substituindo um profissional com formação universitária e pedagógica obrigatória de no mínimo quatro anos por qualquer pessoa e/ou manual de aprendizagem.

 

Debate sobre programa ideal de alfabetização no Brasil 
ignora formação de professores
Folha de S. Paulo; 24/04
http://bit.ly/2DsY8KP

Meta da área de educação do governo Jair Bolsonaro (PSL), a alfabetização ganhou novo destaque recentemente por causa de um decreto sobre a nova política nacional sobre o tema. O sucesso da política esbarra, segundo especialistas, no perfil da formação dos professores, considerado deficiente, e no desafio de chegar às escolas, ligadas às redes estaduais e principalmente, municipais de ensino. Apesar de praticamente universalizar as matrículas no ensino fundamental, o Brasil ainda não garante a alfabetização das crianças. Na última avaliação de alfabetização, de 2016, mais da metade das crianças de 8 anos não alcançaram níveis satisfatórios em português e matemática.

 

 


Deputados criam CPI para atacar 
autonomia das universidades públicas de São Paulo
Rede Brasil Atual; 24/04
http://bit.ly/2L1QfCg

Vice-líder do governo Doria na Assembleia Legislativa de São Paulo, o deputado Wellington Moura (PRB) é o autor da proposta de abertura de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que pretende fazer uma ofensiva contra as universidades públicas do estado. O objeto divulgado no Diário Oficial é vago: “Investigar irregularidades na gestão das universidades públicas”. Segundo o deputado, o objetivo é apurar gastos com professores e funcionários e o “aparelhamento da esquerda” na Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e Universidade Estadual Paulista (Unesp).

 

Secretário da Educação Superior do MEC é nomeado
Estadão; 24/04
http://bit.ly/2GFyHYz

Último cargo vago no primeiro escalão do Ministério da Educação, a Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior (Seres) será ocupada por Ataíde Alves, técnico que já ocupava cargo na pasta desde o governo passado, segundo apurou o Estado. Responsável pelo credenciamento de novas faculdades, a Seres tem grande visibilidade e, por isso, a indicação para o posto vinha sendo disputada dentro do governo. Inicialmente, o ministro Abraham Weintraub pretendia reconduzir Silvio Cecchi, que chefiou a secretaria no governo Michel Temer, mas o nome encontrou resistências no Planalto. Com histórico de atuação no setor, Alves surgiu como a opção.

 

 


Preocupação com a ciência deve ser levada para as ruas, 
diz Paulo Artaxo
SBPC; 23/04
http://bit.ly/2PwPXSn

A discussão sobre o futuro da Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) brasileira tem que ser levada para as ruas, afirma o físico Paulo Artaxo, considerado um dos pesquisadores brasileiros mais influentes no mundo. “As preocupações sobre que Brasil queremos precisam ser discutidas com toda a sociedade, com todos que quiserem participar e estiverem preocupados com o futuro desse país”, defendeu Artaxo, em entrevista ao Jornal da Ciência. Diante da queda do orçamento para investimentos do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), de quase R$ 4,6 bilhões no ano passado, para algo em torno de R$ 2,9 bilhões este ano, com o contingenciamento de 42% anunciado no fim de março, a situação se agrava ainda mais. “Com esse contingenciamento, ficamos abaixo da situação de penúria”, afirmou.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio