24 de maio de 2019

24/05 – Defesa da Previdência unifica trabalhadores no dia 14 de junho, mensalidade em universidades públicas? impeachment do ministro da Educação, e mais.

.

Professoras, professores e pessoal administrativo sindicalizados aos sindicatos integrantes da Fepesp passam a ter um site exclusivo de compras: é o novo Clube de Vantagens [Sindicato Forte – Você Forte], que oferece descontos em produtos e serviços que interessam a todos. Saiba mais, aqui: http://bit.ly/2YIUHaV

 

 


Defesa da Previdência une 
todas as centrais sindicais do país 
Brasil de Fato; 23/05
http://bit.ly/2Etlr7y

A Greve Geral que vai parar o Brasil no dia 14 de junho é um esforço unitário para barrar a reforma da Previdência do governo Bolsonaro (PSL) e interromper a sequência de projetos que estão acabando com os direitos sociais. A paralisação foi chamada durante as manifestações unitárias do Dia Internacional do Trabalhador e da Trabalhadora. Será a primeira vez em que todas as centrais sindicais – CUT, CTB, CSP-Conlutas, CGTB, CSB, Força Sindical, Intersindical, Nova Central e UGT -, além das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo e dos partidos políticos, deixarão de lado suas diferenças para lutarem juntas.


Sinpro ABC: Metodista assina acordo, mas estamos de olho 
Sinpro ABC; 23/05
http://bit.ly/2VXsNem

Em audiência de conciliação no TRT-SP ontem, a Universidade Metodista se comprometeu a cumprir 12 cláusulas para saldar dívidas trabalhistas com os docentes e garantir estabilidade por 90 dias. Uma 13a cláusula penal preconiza como multa o pagamento de um salário ao professor lesado pelo não cumprimento de qualquer das cláusulas.

 


Sinpro Guarulhos: 2ª Plenária da Educação em Guarulhos, 
25 de Maio às 10h
Sinpro Guarulhos; 23/05
http://bit.ly/2wiZ5Bo

Todos e todas contra os cortes na educação e contra o fim da aposentadoria.

 


Derrotar a reforma e resistir ao desmonte do Estado Brasileiro; 
Debate com: Denise Gentil, André Singer e Ivan Valente
Ivan Valente; 23/05
http://bit.ly/2YLEOAu

A previdência social está na linha de frente do retrocesso. O projeto em trâmite na Câmara retira direitos, reduz benefícios e ataca os ganhos dos setores mais vulneráveis da sociedade, além de privilegiar os bancos. Mas não para por ai. A educação, ciência e tecnologia sofrem cortes orçamentários significativos, os professores são atacados em sala e sofrem censura em seu trabalho, o Ministro da Educação se limita à perseguição ideológica e se caracteriza pela incapacidade de gestão. A conjuntura política é marcada por uma dilaceração social e recuos civilizatórios marcantes. Liberdade de posse e porte de armas e munição é a aposta que acalenta os sonhos do conservadorismo fundamentalista. Moro é o piloto do faroeste urbano.

 

 


Weintraub condiciona desbloqueio de verba no MEC 
a fundo da Lava Jato
UOL; 23/05
http://bit.ly/2VZlSl9

Em um vídeo publicado hoje nas redes sociais, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, condiciona o desbloqueio de verbas no MEC (Ministério da Educação) a recursos provenientes de uma multa paga pela Petrobras nos Estados Unidos, no âmbito da Operação Lava Jato. Hoje, cerca de R$ 5,8 bilhões do orçamento da pasta estão contingenciados. Os bloqueios atingem recursos que vão desde a educação infantil até a pós-graduação. O valor da multa da Petrobras, no entanto, é de cerca de R$ 2,5 bilhões.

 

 


‘Hora da mobilização 
de quem se interessa por educação e ciência é agora’
Rede Brasil Atual; 23/05
http://bit.ly/2K3pH19

De que maneira se pode resistir ao ataque promovido pelo governo Jair Bolsonaro ao conhecimento, às universidades e à cultura? As consequências da ofensiva seriam reversíveis? O professor Ricardo Lodi, diretor da Faculdade de Direito da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), discorre sobre essas questões: “A força dos estudantes e professores no dia 20, nas ruas de todo o Brasil, mostrou que é possível resistir. A autonomia universitária está na Constituição mas precisa ser tirada do papel”, diz Lodi. “A hora da mobilização de quem se interessa por educação, ciência e tecnologia é agora, porque as universidades ainda estão funcionando. Se esses cortes forem efetivados, as universidades vão parar antes do final do ano por falta de recursos.”

 

Artigo: Vladimir Safatle | Uma velha má ideia
Folha de S. Paulo; 24/05
http://bit.ly/2M4O1Tb

É muito interessante perceber como funciona o sistema de circulação de ideias entre nós. Na semana passada, por exemplo, o Brasil conheceu uma série de manifestações que mobilizaram mais de 1 milhão de pessoas em ao menos 170 cidades contra o ataque à educação nacional. Logo depois, começaram a circular as arquiconhecidas propostas a respeito da necessidade de pagamento de mensalidades em universidades públicas, seja de forma extensiva, seja inicialmente para a pós-graduação.

 

 


Randolfe pede impeachment do ministro da Educação
Senado Notícias; 23/05
http://bit.ly/2HWcWTp

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) anunciou em Plenário, nesta quinta-feira (23), o encaminhamento ao Supremo Tribunal Federal (STF) e à Procuradoria-Geral da República (PGR) de um pedido de impeachment do ministro da Educação, Abraham Weintraub. No dia anterior, senadores de diversos partidos defenderam a deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP) — que também teria sido vítima da disseminação de informações falsas pelo ministro — e protestaram contra o titular da pasta de Educação. O senador Jorge Kajuru (PSB-GO) também anunciou que pediria o impeachment de Abraham Weintraub.

 

Fundeb: o que é, o que paga 
e como andam as discussões de renovação do fundo
Nova Escola; 21/05
http://bit.ly/2HzL6gT

O  Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) é o principal mecanismo de financiamento da Educação Básica pública brasileira. Formado por recursos provenientes dos impostos, transferências dos estados e por uma parcela complementar de recursos federais, o Fundeb é aplicado exclusivamente na Educação Básica e a distribuição de recursos é feita de acordo com o número de alunos matriculados nas redes.

 

 


Os ministros do governo Bolsonaro que mentiram no currículo
Exame; 23/05
http://bit.ly/30Ftl7t

No Brasil, mentir no currículo é algo praticado por cerca de 7 em cada 10 profissionais, de acordo com um levantamento da empresa DNA Outplacement. Políticos e figuras públicas, que não deveriam se surpreender de ter suas vidas vasculhadas, também não hesitam em florear suas experiências pregressas.

 

Moro pediu verba de multa da Petrobras para seu ministério
Folha de S. Paulo; 24/05
http://bit.ly/2Qn1gNx

O ministro Sergio Moro, da Justiça, tentou convencer a procuradora-geral Raquel Dodge e Jair Bolsonaro a destinarem à pasta dele a multa paga pela Petrobras nos EUA no âmbito da Lava Jato. Dodge, no entanto, preferiu recomendar que o montante, de cerca de R$ 2,5 bilhões, fosse destinado à educação. Bolsonaro concordou com a ideia.

 

 


Milton Santos: 12 livros em PDF para download
Farofa Filosófica
http://bit.ly/2JCJDJ8

Milton Santos (1926 – 2001) destacou-se por seus trabalhos em diversas áreas da geografia, em especial nos estudos de urbanização do Terceiro Mundo. Foi um dos grandes nomes da renovação da geografia no Brasil ocorrida na década de 1970. Sua obra caracterizou-se por apresentar um posicionamento crítico ao sistema capitalista, e seus pressupostos teóricos dominantes na geografia de seu tempo.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio