23 de outubro de 2020

23/10 – educação infantil não volta às aulas em SP, Brasil é país com professor menos valorizado, assembleia do  Ensino Superior – e mais, Eleições 2020: candidato de Bolsonaro despenca na pesquisa.

.

 

Vem aí: a assembleia do Ensino Superior, para deliberar propostas, garantir direitos conquistados e lacrar de vez a campanha salarial!
Leia tudo aqui:   https://bit.ly/2HpXPW8

 

Prefeitura de SP autoriza aulas, mas só para ensino médio
Estadão; 22/10
https://bit.ly/3jhHqA8

A Prefeitura de São Paulo autorizou nesta quinta-feira, 22, as escolas públicas e particulares a voltarem com aulas presenciais apenas para alunos do ensino médio. Até agora, o prefeito Bruno Covas (PSDB) só havia permitido a abertura na capital de escolas para atividades extracurriculares, como esportes, acolhimento e inglês. A mudança vale a partir do dia 3 de novembro.

“Vamos chamar para voltar apenas os professores que já estão imunizados”, disse o prefeito Bruno Covas. Isso será verificado por meio do censo sorológico, que começou a ser feito este mês com professores e estudantes da rede municipal e mostrou que 13,2% deles já têm anticorpos.  Segundo Caetano, se não houver docentes suficientes com teste positivo nessas escolas, serão chamados outros, do fundamental 2.

“Diante dos resultados, entende-se que não é oportuna a volta integral dos escolares”, disse o secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, depois de mostrar dados de abertura na Europa que demonstram aumento de casos.


Volta às aulas em SP: as críticas à decisão de Covas
Estadão; 22/10
https://bit.ly/34l2Wj2

O Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado (Sieeesp) criticou nesta quinta-feira, 22, a decisão do prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), de só liberar aulas curriculares presenciais para alunos do ensino médio a partir de 3 de novembro.

Para Celso Napolitano, presidente da Federação dos Professores do Estado de São Paulo (Fepesp), entidade que representa docentes da rede privada, a decisão de liberar aulas no ensino médio não tem “benefício pedagógico” e haverá baixa procura. Napolitano criticou a defesa de retorno feita pelo sindicato que representa as escolas particulares.

“Eles estão considerando que a presença do aluno na escola facilitará a rematrícula, só estão pensando na questão comercial, em vez de ter uma atitude mais propositiva em termos pedagógicos.”

Oito em cada dez paulistanos são contrários ao retorno das aulas presenciais ainda em 2020, segundo revelou uma pesquisa Ibope/TV Globo/Estadão divulgada na semana passada.

 

Censo mostra que 13% de professores e alunos já foram contaminados pelo novo coronavírus em São Paulo
Monica Bergamo; 23/10
https://bit.ly/2TjbDEn

A primeira fase do censo da educação da cidade de São Paulo descobriu que cerca de 13% de professores, funcionários e alunos das escolas municipais da capital paulista já foram contaminados pelo novo coronavírus.

Nesta primeira etapa, 65 mil pessoas passaram pelos exames sorológicos. Eles são feitos com coleta de sangue que revelam a presença de anticorpos, indicando se já houve ou não contato com o coronavírus, ainda que a pessoa não tenha ficado doente nem apresentado qualquer sintoma da Covid-19.


Recife: Após caso de covid-19 em escola particular, Sinpro quer acionar Justiça para suspender aulas presenciais
JC Net; 21/10
https://bit.ly/34nDJVq

Com a suspensão das aulas presenciais para as turmas de 3º ano do ensino médio do Colégio Damas, localizado no bairro das Graças, Zona Norte do Recife, pelos próximos 14 dias, a partir desta quinta-feira (22), em decorrência da contaminação de alguns alunos pela covid-19, o presidente do Sindicato dos Professores da Rede Particular (Sinpro), Helmilton Bezerra, afirmou que os casos registrados fazem com que a categoria tenha ainda mais medo de ser contaminada pelo vírus durante as aulas presenciais. Ainda segundo ele, a categoria entrará, mais uma vez, com um pedido na Justiça para suspensão das aulas presenciais em toda rede privada de ensino de Pernambuco.

 

Brasil é o país com menor valorização dos professores, indica estudo internacional
Folha de S. Paulo2 21/10
https://bit.ly/3mk3ewZ

O Brasil é o país onde os professores têm menor prestígio na sociedade. A profissão é vista como sendo desrespeitada e mal paga.

O estudo foi feito pela Varkey Foundation, organização educacional, para avaliar a percepção da população de 35 países sobre a carreira docente. O levantamento considera como os professores são avaliados em relação a outras profissões e percepções implícitas e explícitas.

Na comparação com profissionais de outras áreas, os brasileiros são os que pior avaliam os professores. Em uma escala de 0 a 14 para indicar o status da carreira docente, o Brasil tem nota 5. Na China, a nota é 9. Nos lugares em que os alunos têm melhor desempenho escolar, há maior prestígio.

“Existem muitas razões para explicar por que o status do professor é tão baixo no Brasil. Salário é apenas uma peça de um grande e complexo quebra-cabeça”, diz a fundação.

 

Ensino superior: sindicatos irão convocar assembleia
Radio Peão Brasil; 22/10
https://bit.ly/2IQCzcu

Os sindicatos integrantes da Fepesp irão convocar, na próxima semana, assembleia de professores e de auxiliares de administração escolar para deliberar sobre proposta de renovação da sua convenção coletiva de trabalho. Nesta quinta-feira, 22/10, a Federação promoveu reunião estadual do seu Conselho de Entidades Sindicais (CONES) para discutir propostas formalizadas pelas mantenedoras de instituições de ensino superior privadas e encaminhar sua deliberação pelas categorias.

“Depois de um longo processo de negociação, que se estendeu também pelas limitações impostas pela pandemia, chegamos a um ponto em que os professores e os auxiliares devem ser chamados a discutir e deliberar suas opções”, diz Celso Napolitano, que coordena a comissão de negociação dos sindicatos.

 

Garantia semestral de salários para docentes em escolas particulares
Sinpro Campinas; 22/10
https://bit.ly/3dQPpTs

Os professores da Educação Básica ou Superior que forem demitidos a partir do dia 16 de outubro devem receber o pagamento dos salários até o final de do recesso, em janeiro de 2021.

Esse é um direito garantido pelas Convenções e pelos Acordos Coletivos de Trabalho da categoria.

Na Educação Básica, os professores devem receber os salários até o dia 20 de janeiro. Já os docentes da Educação Superior têm o direito de receber os salários até o dia 18 do mesmo mês.

Os acordos do Sesi, do Senai e do Senac garantem o pagamento dos salários até um dia antes do início das aulas em 2020 e, no Senac, até 19/01.

 

Educação Básica: não recebeu a PLR 2020? Denuncie já!
Sinpro S J do Rio Preto; 22/10
https://bit.ly/2TkD54E

A participação nos lucros e resultados (PLR) é uma conquista garantida na Convenção Coletiva de Trabalho. O benefício de 18% de PLR ou Abono Especial deve ser calculado sobre o salário integral.

 

 Crise da Covid evidencia importância do papel dos professores
A Gazeta; 22/10
https://bit.ly/3dQQoTEPara compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link https://www.agazeta.com.br/paisemestres/crise-da-covid-evidencia-importancia-do-papel-dos-professores-1020 ou utilize os recursos oferecidos na página. Textos, fotos, artes e vídeos da Rede Gazeta estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo digital e/ou do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização da Rede Gazeta (agenciaag@redegazeta.com.br). As regras têm como objetivo proteger o investimento que a Rede Gazeta faz para produzir um conteúdo jornalístico de qualidade. 

Eleições, pesquisa Datafolha em São Paulo: Russomanno cai, Covas lidera e Boulos sobe
Rede Brasil Atual; 22/10
https://bit.ly/2HopV3P

O atual prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), ultrapassou Celso Russomanno (Republicanos) na disputa eleitoral, segundo pesquisa do Datafolha divulgada no início da noite desta quinta-feira (22). Mas a situação configura empate técnico: Covas agora tem 23% e o deputado, que perdeu sete pontos, está com 20%.

Quem também mostra tendência de crescimento é Guilherme Boulos (Psol), que foi para 14%, em terceiro lugar. Márcio França está perto, em novo possível empate técnico, com 10%.  Jilmar Tatto, do PT, também cresceu, e foi de 1% para 4% das intenções de voto.

A pesquisa espontânea (em que nenhum nome é apresentado ao entrevistado) mostra três candidatos praticamente empatados: Covas (13%), Russomanno e Boulos (11% cada). França tem 5%.

 

Apoio de Bolsonaro derrete campanha de Russomanno em São Paulo
Rede Brasil Atual; 22/10
https://bit.ly/35us86f

O derretimento de Celso Russomanno  (Republicanos) e o aumento de sua rejeição, mostrados pelo Datafolha em pesquisa divulgada nesta quinta-feira (22), eram previstos por analistas e apareceriam na medida em que o apoio do presidente Jair Bolsonaro ao candidato fosse se tornando claro para a opinião pública. Russomanno caiu de 27% para 20% desde a última pesquisa (8 de outubro), antes da propaganda de rádio e TV. E sua rejeição cresceu impressionantes 17 pontos percentuais em um mês. Foi de 29% para 38% desde a pesquisa anterior, mas era de apenas 21% na penúltima.

 

Eleitores preferem candidatos com pautas sobre saúde, educação e covid-19
Poder360; 22/10
https://bit.ly/2TlDST0

A menos de 30 dias do 1º turno das eleições municipais, pesquisa do Instituto Locomotiva, em parceria com a escola de formação política RenovaBR, mostra que a maioria dos eleitores brasileiros está mais interessada em candidatos a prefeito com pautas voltadas para a saúde, educação e ao combate à covid-19.

De acordo com a pesquisa, para 16% dos eleitores, a prioridade dos gestores e vereadores deveria ser a saúde. Já para 12%, as medidas de combate à covid-19. Outros 9% acham que a educação deveria ter mais atenção. Leia a pesquisa na íntegra aqui.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio