10 de maio de 2019

10/05 – Dissídio na Educação Básica, professores, estudantes e pesquisadores nas ruas contra Bolsonaro, ‘chocolatinhos’ do ministro viram piada, e mais.

.

 

Os sindicatos de professores de Guarulhos, Santos, São José do Rio Preto e São Paulo deram entrada nesta quinta-feira, 09/05, a pedido de dissídio coletivo sobre a Campanha Salarial 2019, para a renovação de suas convenções coletivas de trabalho.

Esses quatro sindicatos, entre os 25 sindicatos integrantes da Fepesp, não aprovaram em suas assembleias nenhuma das duas propostas apresentadas pelo grupo patronal. O Sieeesp, que representa os estabelecimentos de ensino na rede privada do Estado de São Paulo, assumiu posição intransigente e negou-se a voltar a negociar, procurando impor uma proposta não construída na mesa de negociações.

O dissídio foi impetrado no Tribunal Regional do Trabalho da 2ª região (São Paulo, Capital).

Um segundo pedido de dissídio – Outros vinte sindicatos integrantes da Fepesp também preparam pedidos de dissídio coletivo. Esses vinte sindicatos haviam aprovado a proposta de acordo por um ano formulada oficialmente pelo Sieeesp que, inexplicavelmente, negou-se a assinar os acordos. A alegação do Sieeesp, de que não havia apresentado proposta de acordo por um ano, é falsa, está documentada e foi desmentida em nota pública assinada pelo conjunto de Sinpros integrantes da Fepesp (veja nota completa abaixo).

Este segundo pedido de dissídio está em fase de juntada de documentos e deverá ser apresentado nos próximos dias ao Tribunal Regional do Trabalho da 15ª região (Campinas), que atende as bases onde a maioria destes 20 sindicatos tem atuação.

Apenas um dos 25 sindicatos integrantes da Fepesp não entrará em dissidio algum: o SAAE Rio Preto, de São José do Rio Preto, que representa exclusivamente auxiliares de administração escolar,  já assinou convenção coletiva por dois anos para a sua base.

Saiba maishttp://bit.ly/2WrIffa

 

 

Trabalhadores da Educação vão parar no dia 15 
contra reforma e cortes de verbas
Mundo Sindical; 09/05
http://bit.ly/2VU139z

As trabalhadoras e os trabalhadores da educação básica e superior, pública e privada, das cinco regiões do país vão cruzar os braços na próxima quarta-feira (15) contra reforma da Previdência e o corte de verbas para educação, anunciado na semana passada pelo ministro Abraham Weintraub. O anúncio do corte de verbas aumentou o apoio à greve nacional da categoria, convocada no início de abril pela Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação (CNTE) para defender a aposentadoria e o ensino público e funcionar como um esquenta para a greve geral da classe trabalhadora no dia 14 de junho.

 


Ataque de Bolsonaro à educação leva às ruas estudantes, 
professores e pesquisadores
Rede Brasil Atual; 09/05
http://bit.ly/2WAYN4a

No aquecimento para a greve nacional de setores da educação no próximo dia 15 de maio, professores, estudantes e pesquisadores de diversas áreas do conhecimento realizaram nesta quarta-feira (8) a Marcha pela Ciência – Contra os cortes e o desmanche da Educação em diversas cidades do país.

 

Os cortes na Educação e os recursos do petróleo
Revista Fórum; 09/05
http://bit.ly/2LAAWkk

No programa Fórum Sindical desta quinta-feira (9), com Antônio Raimundo Teles (SindipetroNF) e Ivan Longo (Fórum): o desmonte que o governo Bolsonaro vem promovendo na área da Educação está totalmente relacionado ao desmonte da Petrobras. Nos últimos dias, o governo anunciou corte de 30% nas verbas destinadas às universidades e institutos federais. A Petrobras, por sua vez, vem passando por um processo de privatização, que diminui os recursos da exploração do petróleo que, por lei, deveriam ir para a Educação.

 

Sinpro ABC: Sobre as falsas informações publicadas pela Metodista
Sinpro ABC; 09/05
http://bit.ly/2VTl9AP

O Sindicato dos Professores do ABC – SinproABC, esclarece as informações publicadas pela Universidade Metodista (UMESP) na quinta- feira, dia 09, e ressalta sua indignação quanto ao conteúdo divulgado oficialmente pela Instituição utilizado pela imprensa local. O informe direcionado aos professores e professoras mente e desrespeita categoricamente os docentes. Inicialmente o texto comete um erro crasso quando afirma de modo capcioso que [sic] “que esta tudo em dia, exceto o que esta atrasado”. É preciso explicar que a frase retrata uma inverdade, pois, os professores e professoras da Universidade Metodista deflagraram a greve e há uma semana paralisaram as atividades em resposta aos salários atrasados.

 

Debate no Senado expõe mazelas da reforma da Previdência
Contee; 09/05
http://bit.ly/2Hbcxxn

A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado realizou nesta quinta-feira, 9, audiência Pública presidida pelo senador Paulo Paim (PT-RS) “Previdência e Trabalho”, com foco nos Direitos Humanos. O debate contou com a presença de Cristina de Castro, integrante do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) e da diretoria plena da Contee.

 

 


Em BH, bancada conservadora tenta aprovar mordaça aos professores
Brasil De Fato; 08/05
http://bit.ly/2VibYpz

Tramita em primeiro turno na Câmara dos Vereadores de Belo Horizonte, a Proposta de Emenda à Lei Orgânica – PELO 03/2017. O texto, que tem autoria de 14 vereadores, veta qualquer menção ou ensino nas salas de aula da capital, de temas relacionados à gênero e sexualidade. Além disso, também determina que os conteúdos ensinados nas escolas se restrinjam apenas ao que é estabelecido no Plano Nacional de Educação, através da Base Nacional Comum Curricular. A oposição denuncia que além de ser uma tentativa de aprovar, por outras vias, o projeto Escola Sem Partido, a justificativa do texto também é infundada, uma vez que as diretrizes estabelecidas pelo PNE são linhas gerais para o ensino.

 

Política Nacional de Alfabetização: 
entenda as polêmicas presentes na PNA
Nova Escola; 03/05
http://bit.ly/2Q5S4gx

A Alfabetização é uma área de muitas polêmicas e poucos consensos. Estabelecer uma política pública para essa temática requer um longo debate em que pesquisadores, especialistas e professores que defendem diferentes métodos, regras e tempos de aprendizagem expõem seus argumentos, suas pesquisas e evidências científicas. O Brasil tem uma política que regulamenta o processo de Alfabetização. Ainda que haja críticas a esse modelo, a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) estabeleceu que a Alfabetização deve ser feita nos dois primeiros anos do Ensino Fundamental, com o 3º ano como prazo limite, e as orientações aos professores mesclam a perspectiva construtivista e a consciência fonológica.

 

 


Não sabe fazer contas: Ministro compara verba 
para Educação com ‘chocolatinhos’
Estadão; 09/05
http://bit.ly/2YhrvYv

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, tentou usar o didatismo para dizer que não está retirando verba das universidades públicas brasileiras – apenas contingenciando até setembro. Ele colocou cem chocolates sobre uma mesa em um vídeo ao vivo com o presidente Jair Bolsonaro nesta quinta-feira, 9.  “Estou pedindo para que se coma três chocolatinhos e meio depois, em setembro. Isso é segurar um pouco”, disse Weintraub. A proporção, no entanto, não corresponde ao contingenciamento anunciado de 30% do orçamento das instituições.

 

Instituições privadas de ensino devem buscar qualidade, 
afirma Semesp
O Documento; 08/05
http://bit.ly/2JcKRKP

Para atrair e manter estudantes, o ensino superior privado brasileiro deve investir em qualidade. Em busca de experiências que possam ser replicadas no Brasil, reitores e representantes de instituições brasileiras percorrem institutos e escolas na Índia e em Singapura desde o início do mês. Participante da missão brasileira, o diretor executivo do Semesp, Rodrigo Capelato, afirma que é possível perceber as inovações durante as visitas. O Semesp é a entidade que representa mantenedoras de ensino superior do Brasil.

 

 

Comissão derrota governo, tira Coaf de Moro 
e o deixa com o Ministério da Economia
O Globo; 09/05
https://glo.bo/2E0rHUe

A comissão especial para analisar a Medida Provisória que montou o governo de Jair Bolsonaro no início do ano aprovou, na manhã desta quinta-feira, a transferência do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Justiça para o Ministério da Economia. Dos 25 parlamentares que votaram, 14 apoiaram a medida. A medida ainda deve passar pelo plenário da Câmara dos Deputados e do Senado antes de entregar em vigor. Além disso, a comissão devolveu a Funai e a demarcação de terras para o Ministério da Justiça a contragosto de Moro.

 

Na mira de Bolsonaro no Brasil, 
Paulo Freire é homenageado em Nova York
O Globo; 09/05
https://glo.bo/2JsCQR8

Se no Brasil o presidente Bolsonaro quer revogar o título de patrono da Educação dado em 2012 a Paulo Freire (1921-1997), em Nova York o educador recebe homenagem de professores e alunos. Focada no trabalho com jovens infratores, a Exalt Youth inaugura sede em Manhattan com sala de aula batizada com o nome do pernambucano.

 


Governo pede liberação da publicidade infantil 
e Conanda reage
Agência Envolverde; 08/05
http://bit.ly/2JwxNiA

A liberação da publicidade direcionada a crianças voltou ao debate público no Brasil. O pontapé para o retorno da discussão veio do governo federal, que solicitou, por meio do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, uma revisão da norma que veta a publicidade infantil e o uso de personagens infantis em anúncios comerciais. O pedido foi encaminhado ao Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda) por meio de uma nota técnica assinada pelo diretor de Formação, Desenvolvimento e Fortalecimento da Família, Paulo Tominaga, em março deste ano. Em abril, após ser oficialmente notificado, o colegiado emitiu, em resposta ao Ministério, um documento que se contrapõe à manifestação da pasta.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio