8 de março de 2021

08/03 – Educação básica em greve quinta-feira na Capital, vacinação de professores ainda sem data, COC e Dom Bosco vendidas por 1 bilhão, e mais: Dia Internacional da Mulher no especial do Minuto Fepesp.

.

De todo o contingente de profissionais de educação no Estado de São Paulo, 80% são mulheres. Entre nossos sindicatos integrantes, são muitas que tem destaque na representação de professores, professoras e auxiliares de administração escolar. Neste 8 de março, a palavra está com elas
Clique na imagem acima para assistir.VOLTA ÀS AULAS

Professores da educação básica em greve a partir do dia 11, decide assembleia do Sinpro SP
Sinpro SP; 06/03
http://bit.ly/3rsCBsC

Por maioria de votos, professoras e professores das escolas particulares de São Paulo reunidos em assembleia no sábado, 06/03, decidiram entrar em greve a partir do dia 11 caso as atividades presenciais não sejam suspensas.

Seguindo o rito de greve, o SinproSP encaminhará, na segunda-feira (08), carta ao sindicato patronal com a pauta de reivindicações, dando 48 horas para iniciar negociações. Se as tentativas de negociação fracassarem, a greve começa no dia 11 com a suspensão das atividades presenciais e manutenção das aulas remotas continuam. Nova assembleia virtual será realizada no dia 11, às 19h.

Uma comissão de organização está sendo criada para organizar, desde segunda-feira, ações de informação, orientação e mobilização da categoria, distribuição de material para dar visibilidade à luta e estabelecer um diálogo junto à sociedade e, em particular, mães, pais e responsáveis das nossas alunas e alunos.


Vacinação de professores ainda não tem data e Ministério mantém ordem em lista de prioridades
G1; 06/03

http://glo.bo/3ehTUJd

A vacinação dos professores ainda não tem data para começar e não houve mudança no status desta categoria na lista de grupos prioritários para a vacinação contra a Covid-19 no Brasil, de acordo com nota do Ministério da Saúde enviada ao G1.

O esclarecimento da pasta do ministro Eduardo Pazuello vai contra um anúncio feito pelo Ministério da Educação (MEC) na quinta-feira (4). Também por meio de nota, o MEC diz que o ministro Milton Ribeiro enviou um ofício à Casa Civil pedindo a inclusão dos professores entre os grupos prioritários e que o pedido foi atendido. Milton Ribeiro chegou a comemorar como uma “vitória para a educação brasileira” a mudança que não foi confirmada pelo Ministério da Saúde.

 

Santos: Covid se espalha pelas escolas particulares do município
Diário do Litoral; 07/03
http://bit.ly/3bsb4ls

A falta de fiscalização aliada à complacência de empresários da Educação para com alguns pais de alunos está fazendo com que as escolas particulares de Santos se tornem também ambientes propícios para a disseminação de Covid-19.

Essa semana, depois de ler reportagem do Diário sobre o drama de duas colegas – uma de creche em e outra de escola estadual – professores e professoras da rede privada resolveram se manifestar anonimamente por medo de perderem seus empregos.

 

Professores da Baixada Santista morrem de Covid após volta às aulas presenciais
Diário do Litoral; 07/03
http://glo.bo/3ehW5MT

Na última semana, pelo menos dois professores que haviam retornado para as aulas presenciais na Baixada Santista morreram por covid-19: uma na rede particular de Santos e um na rede estadual de Guarujá. Nas redes municipais de cidades que tem atividades presenciais, foram confirmados 51 casos da doença.

 

Botucatu: prefeitura adia aulas presenciais do Ensino Fundamental por tempo indeterminado
G1 Bauru e Marilia; 07/03
http://glo.bo/2OfJCOW

Decisão vale para escolas particulares e públicas, que retornariam na próxima segunda-feira (8). Em Lins, prefeitura também suspendeu aulas após confirmação da variante brasileira do coronavírus.

Segundo a administração pública, a decisão ocorreu devido à situação de emergência que todo o estado de São Paulo vive diante do aumento do número de casos de Covid-19, que levou as cidades a regredirem para a fase vermelha do Plano São Paulo.


Ribeirão Pires: suspensas aulas presenciais nas escolas particulares
O Grande ABC; 07/03
https://bit.ly/2PKCbQr

A Prefeitura de Ribeirão Pires publicou nesta quinta-feira, dia 4, decreto municipal que suspende as atividades escolares presenciais na rede privada de ensino (Decreto Municipal N° 7.120/2021). A nova determinação valerá a partir deste sábado, dia 6, até o dia 19 de março. As aulas presenciais na rede estadual seguem suspensas até 22 de março e para a rede municipal a retomada de atividades dentro das unidades escolares está prevista para 5 de abril.


CORONAVÍRUS

Pandemia vs. Educação
Jornal da USP; 05/03
http://bit.ly/3cbbzQb

De um lado, o vírus, suas novas variantes, o risco do contágio, o medo da morte e uma pandemia fora de controle. De outro lado, solidão, depressão, perda de aprendizado, violência doméstica, desemprego, desnutrição e tantos outros males associados a uma condição de isolamento social que parece não ter data para acabar.

Encurraladas entre essas duas realidades, milhões de famílias brasileiras sofrem desde o início deste ano com a difícil decisão de enviar seus filhos de volta à escola ou mantê-los confinados em casa, limitados ao ensino remoto (ou sem ensino nenhum), aguardando a tempestade passar. É uma escolha que divide opiniões, até mesmo entre especialistas, e cuja resolução depende de uma quantidade enorme de variáveis coletivas e individuais.

 

Com volta às aulas, crescem casos de Covid e outras infecções respiratórias em crianças
Folha de S. Paulo; 05/03
http://bit.ly/3ekbj3O

Em meio à polêmica de as escolas paulistas terem ficado de fora da fase vermelha do Plano São Paulo, hospitais infantis públicos e privados registram aumento de casos e de internações de crianças por Covid-19 e por outros vírus respiratórios.

Com o retorno às aulas presenciais em fevereiro, vírus como o Influenza e o sincicial respiratório (VSR), principais causadores de síndromes gripais e bronquiolites, voltaram a circular. Em 2020, com as crianças em casa, eles tinham praticamente desaparecido.

Nesse cenário, o Sabará Hospital Infantil (SP) analisa também as chamadas coinfecções: crianças internadas por Covid e com outros vírus, como o VSR e o rinovírus.

“É algo que a gente tem que ficar atento porque não sabemos o que os dois vírus vão fazer juntos. Se vão potencializar a doença. Os primeiros a ver isso foram os hospitais públicos”, diz o infectologista Francisco Ivanildo Oliveira, gerente médico do Sabará.

 


O NEGÓCIO DA EDUCAÇÃO

Arco Educação compra sistemas educacionais COC e Dom Bosco por quase R$ 1 bi
CNN; 06/03
http://bit.ly/3ekrT3O

A empresa Arco Educação anunciou, neste sábado (6), um acordo para adquirir 100% do controle dos sistemas educacionais COC e Dom Bosco da empresa de educação Pearson. O valor anunciado do negócio é de R$ 920 milhões. O negócio ainda precisa ser aprovado pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Os dois sistemas estão em mais de 800 escolas do Brasil, especialmente na região Sudeste, e atendem a 210 mil alunos do ensino fundamental. A transação foi intermediada pelos escritórios Rotshchild & Co e Lobo de Rizzo pelo lado da Arco, enquanto Madrona Advogados e o JP Morgan representaram a Pearson.

 

Grandes negócios redefinem forças na educação básica
Valor Econômico; 08/03
http://glo.bo/3ewqoQb

A compra dos sistemas de ensino COC e Dom Bosco por R$ 920 milhões, no sábado, pela Arco Educação, e a troca de ativos entre as holdings Eleva e Cogna, que envolveu R$ 1,6 bilhão há menos de quinze dias, dão novos contornos à disputa de grandes grupos pelo mercado de educação básica. Os movimentos acentuam a busca por escala em dois segmentos distintos: sistemas de ensino, que fornecem conteúdo, serviços e orientação pedagógica a escolas, e a operação própria de colégios.

De um lado, a Arco Educação e a Vasta – controlada pela Cogna, maior grupo de ensino privado do país -, se consolidam na dianteira do mercado de sistemas de ensino. A holding Eleva, por sua vez, sai do segmento, para se concentrar na operação de escolas, negócio no qual a Cogna deixa de operar diretamente. Todos concorrem com o Grupo SEB, maior em número de escolas, e que também tem sistemas de ensino.

O mercado de educação básica, compreendido, de maneira abrangente, como a prestação de serviços da educação infantil ao ensino médio, virou “queridinho” dos investidores, após a redução do alcance do Fies, programa de financiamento estudantil do governo federal para o ensino superior, nos últimos anos.

Desde sua abertura de capital na Nasdaq, em 2018, a Arco se valorizou 92,57%. Na sexta-feira, fechou o pregão com valor de mercado de US$ 1,94 bilhão. A concorrente Vasta, também negociada na Nasdaq, vale US$ 1,13 bilhão. Sua controladora Cogna (ex-Kroton), que tornou-se uma gigante do ensino privado no Brasil primeiro com a consolidação do segmento de educação superior, tem valor de mercado de R$ 7,6 bilhões (US$ 1,3 bilhão), segundo a cotação de suas ações na sexta-feira na B3.

 

Mulheres repudiam ministra Damares em manifesto pelo 8 de Março
Rede Brasil Atual; 08/03
http://bit.ly/30oMn3a

A atuação da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos do governo Bolsonaro, Damares Alves, recebeu uma menção de repúdio na carta dos movimentos sociais com as bandeiras de luta das mulheres neste 8 de Março. O destaque foi feito por conta da ação da ministra contra o aborto legal. O manifesto foi assinado por 82 entidades da sociedade civil, que representam mulheres, negros, trabalhadores, LGBTs, advogados e uma série de segmentos sociais que lutam por direitos no país.

Dezenove livros escritos por mulheres que os homens deveriam ler
El País; 09/10/2017
https://bit.ly/3bpuQ0U

“As mulheres escrevem de maneira diferente aos homens. Temos muita conversa doméstica e pessoal. As mulheres se sentem confortáveis falando do pessoal, ao contrário dos homens. As mulheres sempre compraram livros escritos por homens, e se deram conta de que não eram livros sobre elas. Mas continuaram a fazê-lo com grande interesse, porque era como ler sobre um país estrangeiro. Os homens nunca devolveram a gentileza.” São palavras da pacifista e escritora nova-iorquina Grace Paley (1922-2007). Para devolver a gentileza, talvez devêssemos começar por estes 19 títulos.

 

Revista Gama; 08/03
http://bit.ly/3uZ1nCV

Gabriela Priolli, Joice Berth, Camila Coutinho, Teresa Cristina, Flavia Oliveira, Heloísa Buarque de Holanda e outras dizem à revista Gama o que falta para as mulheres conquistarem e manterem seu espaço. E mais: finanças femininas, literatura feminista e as transformações da última década

E ainda: No Dia das Mulheres, o Podcast da Semana traz o tema dinheiro, finanças pessoais e economia. Isso porque nestes tempos pandêmicos elas foram as mais prejudicadas no mercado de trabalho, na economia. E também porque a autonomia histórica que buscam as mulheres depende muito de independência financeira. Para discutir este tema, as convidadas deste episódio são: Flávia Oliveira é jornalista com décadas de experiência no jornalismo econômico. É comentarista do Globo News, colunista do jornal O Globo e da rádio CBN e podcaster no Angu de Grilo; Denise Damiani é autora do livro “Ganhar, Gastar, Investir: o livro do dinheiro para mulheres” (Sextante, 2016). A consultora é formada em engenharia de sistemas digitais e se dedica ao empoderamento feminino por meio da inteligência financeira.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio