7 de abril de 2021

07/04 – mortandade diária de covid passa de 4 mil no Brasil, Justiça do Rio decide por volta às aulas e cancela vacinação de professores, a campanha salarial da Educação Básica, e mais: Stravinski, o compositor de uma pandemia  

.

Depois de dez meses de negociação e de um silêncio no início deste ano, o Semesp encaminha proposta formal que renega tudo o que foi negociado até agora. Falta seriedade nessa proposta. Aqui: https://bit.ly/3dHKSDh

 

 

CORONAVÍRUS

Número diário de mortos por covid-19 no Brasil passa de 4 mil
Valor Econômico; 07/04
https://glo.bo/3wz7HBD

Depois de pouco mais de um ano e um mês de pandemia, o Brasil chegou ao assombroso número de 4 mil registros de mortes por covid-19 em um intervalo de 24 horas.

De segunda para terça-feira, foram contabilizadas 4.211 mortes, segundo levantamento feito pelo consórcio de veículos de imprensa junto às secretarias estaduais de Saúde. Com isso, o total de mortes provocadas pelo novo coronavírus atinge 337.364.


Estamos pagando a falta de vacinas com a vida dos trabalhadores, diz Dieese
Rede Brasil Atual; 04/04
https://bit.ly/3uuvrVL

Levantamento realizado pelo estúdio de inteligência de dados Lagom Data, publicado nesta segunda-feira (5) pelo jornal El País Brasil, mostrou o aumento da letalidade entre trabalhadores considerados essenciais, e que deveria ter prioridade na fila da vacina. Entre janeiro e fevereiro deste ano, com o agravamento da pandemia, frentistas de postos de gasolina, caixas de supermercado e motoristas de ônibus tiveram aumento de mais de 60% nos óbitos registrados, na comparação com o mesmo período de 2020, ainda antes da eclosão da doença.

O estudo, feito com as bases de dados do Novo Caged, ligado ao Ministério da Economia, inclui apenas os trabalhadores formais. Mas, de acordo com o supervisor do escritório do Dieese em São Paulo, Victor Pagani, os índices de letalidade para os trabalhadores informais devem ser equivalentes.

 

Brasil deve considerar seriamente fazer lockdown, diz Anthony Fauci
Folha de S. Paulo; 07/04
https://bit.ly/31QyoUx

Enquanto grande parte do mundo vê uma diminuição no número de casos e mortes por Covid-19, o Brasil vive seu maior pico na pandemia e responde hoje por um em cada três mortos pelo novo coronavírus no mundo.

“Todos reconhecem que há uma situação muito grave no Brasil”, afirmou o médico americano Anthony Fauci em entrevista exclusiva à BBC News Brasil.

Fauci é um dos olhares preocupados que a situação sanitária do país atraiu. Líder da força-tarefa contra a pandemia nos Estados Unidos, o médico ganhou proeminência global ao contrariar publicamente as declarações do então presidente americano Donald Trump, que minimizou a gravidade da pandemia e atuou contra medidas de distanciamento social e a favor de tratamentos sem eficácia comprovada contra a covid, como a hidroxicloroquina.


Vacinados ainda podem transmitir o vírus da covid? É provável que sim; entenda
Estadão; 06/04
https://bit.ly/3mqRZ6W

“As pessoas já vacinadas não devem abandonar suas máscaras neste momento. A pandemia não acabou”, disse o virologista John Moore. Diante do aumento das infecções, é especialmente importante que as pessoas imunizadas continuem a proteger aquelas que ainda não receberam a vacina, afirmam os especialistas.

Ensaios clínicos foram realizados somente para avaliar se as vacinas previnem contra doença grave e morte. A pesquisa do CDC, apresentada na segunda-feira, ofereceu a conclusão bem-vinda de que as vacinas são extremamente eficazes na prevenção da infecção.

O estudo abrangeu 3.950 profissionais da saúde, socorristas e outros que têm um alto risco de infecção. “Claramente, algumas pessoas vacinadas contraíram a doença”, disse Duprex. “Estamos freando os sintomas, mantendo as pessoas fora dos hospitais. Mas não tornamos elas completamente resistentes a uma infecção”.

 

DEFESA DA VIDA

Após aglomeração, Prefeitura de SP reorganiza teste de covid em professores
UOL; 06/04
https://bit.ly/3cVZorW

Depois de inúmeras denúncias de aglomerações nos CEUs (Centros Educacionais Unificados) no primeiro dia de testes de covid-19 em profissionais da Educação, a Prefeitura de São Paulo decidiu reorganizar os horários e datas.

Ontem, o Sindsep (Sindicato dos Trabalhadores na Administração Pública de São Paulo) criticou a iniciativa da gestão de Bruno Covas (PSDB) e disse o governo municipal promoveu uma “fila de covid”. Nos CEUs Aricanduva, Paulista e Alto Alegre, os representantes da categoria chegaram a dizer que houve falta de kits de coleta.

A testagem de covid-19 em professores não é obrigatória, mas uma recomendação da Prefeitura para o retorno presencial, que está previsto para 12 de abril, caso o governo estadual não prorrogue a fase emergencial da pandemia. Na semana passada, o município classificou a educação como serviço essencial.

 

Rio de Janeiro: Justiça revoga liminar e autoriza reabertura de escolas
Folha de S. Paulo; 07/04
https://bit.ly/3t0kStf

A Justiça do Rio de Janeiro revogou nesta terça-feira (6) a decisão proferida no domingo (4) que impedia a autorização dada pela prefeitura de capital para a reabertura de escolas. Anunciada na sexta-feira (2), a volta às atividades vale tanto para rede pública como particular da cidade.

A nova decisão foi dada pelo presidente do TJ-RJ, desembargador Henrique Figueira. O magistrado entendeu que é atribuição do Poder Executivo definir as medidas que entende razoável no combate à pandemia.

 

Outra do Rio de Janeiro: Juiz suspende vacinação de profissionais da educação
Folha de S. Paulo; 07/04
https://bit.ly/3t0kStf

Decisão liminar da 5ª Vara da Fazenda Pública do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro suspendeu nesta terça-feira (6) a inclusão dos profissionais da educação no calendário de vacinação estadual, que previa a imunização do grupo a partir da segunda quinzena de abril.

O juiz Wladimir Hungria também determinou que apenas os agentes de segurança pública que atuam diretamente no combate à pandemia da Covid-19 poderão ser vacinados, conforme nota técnica do Ministério da Saúde.

 

RS: Trabalhadores da educação pedem amplo debate para o retorno às aulas
Zero Hora; 06/04
https://bit.ly/2PFuGKI

Professores do ensino privado do Rio Grande do Sul afirmam que só a imunização contra a covid-19 garante um retorno seguro.

Ao atender pedido de posicionamento sobre a questão diante da 1ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre a Federação dos Professores, Trabalhadores Técnicos e Administrativos e Auxiliares Empregados em Estabelecimentos de Ensino (Fetee-Sul) deixou claro que a posição das entidades trabalhistas – entre elas o Sindicato dos Professores do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (Sinpro/RS) – é preservar a vida dos profissionais de educação evitando o retorno as atividades presenciais em um momento sem previsibilidade dos rumos da pandemia.

 

Minuto Fepesp: como está a campanha salarial 2021 da Educação Básica
Fepesp; 06/04
https://youtu.be/uSe6rKDJH0Y

Saiba o ponto em que estamos na campanha salarial 2021 da Educação Básica neste minuto: o patronal tem o que decidir. A proposta de professores e auxiliares está na mesa, queremos defender nossos direitos e nossa vida, e manter o que o Tribunal decidiu no dissídio do ano passado. Não é pouco, *depende da nossa mobilização*. E de conquistar respeito, de escolas que brincam com a morte no pior momento da pandemia.

 

O que Igor Stravinsky compôs durante uma pandemia
Nexo; 07/04
https://bit.ly/3sWsiO8

Terça-feira (06/04) marcou os 50 anos da morte de um dos maiores compositores do século 20, Igor Stravinsky. O compositor que nasceu em São Petersburgo (Rússia) em 1882 e morreu aos 88 anos em 1971 também viveu as dificuldades de uma pandemia: em 1918, ele foi contaminado pela gripe espanhola, responsável por interromper seu trabalho.

Alguns anos antes, em 1910, o Stravinsky se mudou com a família para a Suíça e, três anos depois, compôs “A sagração da primavera”, que ficou marcada não apenas como sua obra-prima, mas também por ser uma composição seminal do século 20, com sua complexa e inovadora estrutura rítmica.

 

O compositor se preparava para voltar para a Rússia, mas seus planos foram frustrados pela Primeira Guerra Mundial (1914-1918). Com a Revolução Russa de 1917, tornou-se um exilado político em solo suíço e parou de receber dinheiro pelos direitos autorais de suas obras.

Exilado, com quatro filhos para alimentar e uma esposa tuberculosa para cuidar, Stravinsky vivia uma crise financeira e, sem perspectivas de compor para orquestras, começou a trabalhar na peça musical “A história de um soldado”.

Exposição virtual – O compositor é tema de uma exposição virtual inaugurada na terça-feira (aqui: https://linktr.ee/Theatromunicipal) . Parte da série “Compositores no Municipal”, do Centro de Documentação do Teatro Municipal do Rio, a mostra é focada na ligação de Stravinsky com o espaço cultural carioca. O compositor visitou duas vezes o teatro, em junho de 1936 e em setembro de 1963.

Na primeira vez, ele aceitou um convite de Heitor Villa-Lobos para dois concertos e um recital. Em 1963 voltou ao Rio de Janeiro, já aclamado como o grande revolucionário da música do século 20, o que transformou a visita em um grande acontecimento. No Municipal, o compositor regeu sua composição “O beijo da fada” (1928), executada pela Orquestra Filarmônica de Londres.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio