Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 28 de outubro de 2021

6 de agosto de 2021

06/08 – o email para relatar violação de protocolos sanitários, escolas privadas de SP voltam mas famílias decidem esperar, politica esportiva e educação, e mais: parecer do voto impresso é derrotado na Câmara

.

Fepesp e Procon formaram parceria para o cumprimento dos protocolos sanitários pelas escolas na volta presencial às aulas. Em caso de ocorrência de violação de protocolos, informe aqui: proconfepesp@fepesp.org.br

 

Procon: Fepesp assina acordo que obriga protocolo sanitário
Agência Sindical; 05/08
https://bit.ly/3ju49Ll

O presidente da Federação dos Professores do Estado de São Paulo (Fepesp), Celso Napolitano, assinou em conjunto com o diretor-executivo do Procon-SP, Fernando Capez, uma carta de intenções para garantir o cumprimento de protocolos sanitários por parte das escolas particulares.

Com a confirmação do retorno presencial das atividades, a ideia é garantir a proteção de professores, funcionários, alunos e seus familiares. O protocolo de intenções Procon-Fepesp estipula que o órgão governamental tem competência para fiscalizar se as instituições de ensino estão seguindo as recomendações estabelecidas pelo governo do Estado.

A Fepesp pede que, caso as escolas estejam descumprindo as determinações, seja enviada denúncia através do e-mail proconfepesp@fepesp.org.br. Na denúncia, deve estar indicado o nome da instituição, endereço e qual o protocolo que não está sendo seguido. Em seguida, a entidade encaminhará as denúncias ao Procon.

Para Celso Napolitano, tanto educadores quanto alunos e familiares desejam o retorno pleno das atividades escolares. “Porém, quero crer que não exista alguém que o retorno se dê de maneira avassaladora, de modo a propiciar a disseminação do coronavírus. É preciso que a volta se dê em termos responsáveis”, afirma o dirigente.

Parceria – “Procuramos órgãos do governo para poder estabelecer uma parceria em termos de fiscalização desses protocolos. Encontramos no Procon, através do diretor Fernando Capez, uma pessoa que entendeu e se sensibilizou à nossa preocupação com a saúde de todos”, explica Celso Napolitano.


Escolas privadas de SP voltam, mas famílias decidem esperar
Correio do Povo; 04/08
https://bit.ly/37nxrWn

Mesmo autorizadas a atender 100% dos matriculados, escolas particulares da capital paulista não viram o retorno de todos os alunos. Famílias, principalmente de estudantes do ensino médio, adiaram o retorno na espera da vacinação dos adolescentes.

As unidades se prepararam para oferecer aulas presenciais a todos, mas muitas famílias optaram por ainda manter os filhos em casa, acompanhando as atividades remotas. A decisão é mais recorrente entre os estudantes do ensino médio.


Bolsonaro publica MP para adiar pagamento de internet a escolas públicas
Estadão; 05/08
https://bit.ly/3iob9tT

O presidente Jair Bolsonaro editou uma medida provisória para deixar de fornecer internet gratuita para as escolas públicas. A MP retira o prazo para que o governo repasse R$ 3,5 bilhões para garantir acesso para professores e alunos de instituições públicas de ensino básico.

Bolsonaro já havia vetado a lei que determinava o repasse do dinheiro para essa área, mas o veto foi derrubado em sessão do Congresso no dia 1º de junho. De acordo com a nova regra, a União teria até o dia 10 de junho para encaminhar o valor.

 

Artigo: ‘Brasil só terá acesso ao esporte se a política esportiva estiver ligada à educação’
Folha de S. Paulo; 05/08
https://bit.ly/3CfHgDY

Por PVC, Jornalista e autor de “Escola Brasileira de Futebol”: “O Brasil tem chance de comemorar seu recorde de medalhas se alcançar 20, com oito de ouro. O quadro é apenas uma convenção, não oficial, que espelha quem tem maior ou menor desempenho olímpico.

Quem está acima no ranking dos medalhistas é quem tem mais ouro, mesmo que a soma de todas as medalhas seja menor. “Vai tentar mudar a cor”, diz Galvão Bueno quando há garantia de medalhas, como a do futebol, ou como foi a da pugilista Bia Ferreira ao garantir o bronze –e podia mudar para ouro.

No final da tarde de quarta (4), o Brasil estava em 16º lugar. Dos 15 países à frente, só dois têm mais habitantes: China e EUA. Normal estar atrás de Grã-Bretanha, Itália, França, Japão… Sempre foi assim. Dos 13 acima do Brasil, e com população menor, dois chamam a atenção: Cuba e Nova Zelândia.

Não vale nem falar dos cubanos, porque são mais olímpicos do que nós desde Tóquio-1964, e porque alguém tentará ideologizar. Cuba tem mais medalhas, entre outras razões, porque o regime fazia propaganda a partir do esporte. Há 11 milhões de cubanos e 210 milhões de brasileiros.

Deixa para lá. Ou alguém vai querer falar do capitão.

Num país como o Brasil, só haverá acesso ao esporte se a política esportiva estiver ligada à educação.

Adhemar Ferreira da Silva, bicampeão olímpico no atletismo, foi demitido pelo prefeito Jânio Quadros, na década de 1950, sob o pretexto de a prefeitura não poder admitir “vagabundos”. Trinta anos mais tarde, Jânio proibiu o skate na cidade, porque era coisa de maconheiro.

Há décadas sabemos que os medalhistas brasileiros são heróis. Exceto os que jogam futebol ou vôlei, que fazem parte do nosso DNA. Como a canoagem faz para os 4 milhões de neozelandeses”.

 

POLÍTICA EDUCACIONAL

Presidente da Capes nomeia sua aluna de doutorado para diretoria internacional
Folha de S. Paulo; 05/08
https://bit.ly/2VoSyW6

A presidente da Capes, Claudia Mansani Queda de Toledo, nomeou para a diretoria de Relações Internacionais do órgão uma advogada e professora que ainda não terminou o doutorado.

A nova diretora, Lívia Pelli Palumbo, 35, faz pós-graduação no Centro Universitário de Bauru, instituição de ensino que é da família da presidente da Capes. Lá também estudou o ministro da Educação, pastor Milton Ribeiro.

A presidente da Capes, além disso, orienta a nova diretora de Relações Internacionais em seu doutorado.

Ligada ao MEC (Ministério da Educação), a Capes é a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Trata-se do órgão de regulação, avaliação e fomento da pós-graduação no país.

Palumbo foi nomeada nesta quarta-feira (4) em substituição a Heloísa Hollnagel, professora da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). O fato de ela ainda não ter completado a pós-graduação gerou críticas entre acadêmicos.

 

CORONAVÍRUS

Covid: Abaixo de 900, média de mortes volta a patamares de 8 de janeiro
UOL; 05/08
https://bit.ly/3lDwvWk

O Brasil registrou hoje 1.086 novas mortes de covid-19, elevando o total para 560.801 óbitos desde o início da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes ficou abaixo de 900 pela primeira vez desde 8 de janeiro.

Os dados foram obtidos pelo consórcio de veículos de imprensa, do qual o UOL faz parte, com informações das secretarias estaduais de saúde. Foram 882 mortes em média nos últimos sete dias, o que indica uma tendência de queda de -22% na comparação com 14 dias atrás. Este já é o sexto dia consecutivo que o país tem queda na média de mortes.

 

  


Por 23 a 11, parecer do voto impresso é derrotado na Câmara
Rede Brasil Atual; 05/08
https://bit.ly/3jsNBmT

O substitutivo à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 135, do voto impresso, foi derrotado por 23 votos a 11. Foi uma derrota do governo no debate que levou a constantes ataques presidenciais à Justiça Eleitoral. Realizada na noite desta quinta-feira (5), a sessão da comissão especial da Câmara durou menos de uma hora. Mas o tema ainda deve ir a plenário, com novo parecer. O encarregado de elaborar novo texto, pela rejeição, é o deputado Júnior Mano (PL-CE).

O parecer apresentado ontem pelo agora ex-relator, Filipe Barros (PSL-PR), provocou ainda mais críticas, em especial pela regra de apuração manual dos votos. “Na nossa opinião, o sistema de voto eletrônico tem mecanismos vários de aferição em que o voto do cidadão é respeitado”, disse o deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), logo depois da votação no colegiado. “Em 25 anos, ainda não veio a público nenhuma fraude documentada. (…) Que o presidente da República aprenda que as instituições querem a democracia.”

 

Fux reage a novos ataques de Bolsonaro contra o STF e cancela reunião entre poderes
Rede Brasil Atual; 05/08
https://bit.ly/3jnlVQs

Em reação aos incessantes ataques do presidente Jair Bolsonaro ao Judiciário, repetidos hoje (5), o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, fez pronunciamento para anunciar o cancelamento de uma reunião entre os poderes.

“O presidente da República tem reiterado ofensas e ataques de inverdades a integrantes desta Corte, em especial os Ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes”, disse Fux, em gesto inédito desde a redemocratização do país. “Diante dessas circunstâncias, o Supremo Tribunal Federal informa que está cancelada a reunião outrora anunciada entre os chefes de Poder”. O encontro foi anunciado em 12 de julho, mas foi adiado, em razão de Bolsonaro ter sido internado para investigar dores abdominais e uma crise de soluços.

Segundo Luiz Fux, “o pressuposto do diálogo é o respeito mútuo entre as instituições e seus integrantes”. No breve comunicado, Fux enfatizou que “quando se atinge um dos integrantes, se atinge a Corte por inteiro”. Acrescentou que Bolsonaro “mantém a divulgação de interpretações equivocadas de decisões do plenário, bem como insiste em colocar sob suspeição a higidez do processo eleitoral brasileiro”.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio