4 de dezembro de 2020

04/12 – MEC, o ministério enferrujado; o que fazer em demissão no fim de semestre; Estado omite dados de Covid e mais: toda a programação da FLIP virtual.

.


Pandemia abriu caminho para plataformas e mercantilismo na Educação.
Artigo de Flavio Ilha, aqui:   https://bit.ly/3nTUdv7 
 

 

 

Depois de publicar portaria, MEC decide ouvir reitores sobre a volta das aulas presenciais
Folha de São Paulo; 04/12
https://bit.ly/37xG8gx

Um dia após publicar portaria que determinava o retorno das aulas presenciais em janeiro, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, decidiu ouvir reitores de universidades e institutos federais e faculdades particulares.

A determinação, publicada nesta quarta (2), foi questionada por dirigentes das instituições de ensino, que a consideraram inconstitucional por desrespeitar a autonomia universitária. Também afirmaram que não haveria tempo hábil ou recurso financeiro para o retorno presencial em 4 de janeiro.

No mesmo dia da publicação, o ministro afirmou à CNN que revogaria a portaria e que faria uma consulta pública para discutir o tema. Ele disse que “não esperava tanta resistência”. Na contramão de novas medidas de restrição que vem sendo adotadas nos Estados, o ministério havia decidido liberar a volta de estudantes universitários para dentro das salas de aula.

Integrantes da pasta, no entanto, avaliam que o recuo enfraquece ainda mais o ministro, por isso, estudam ajustes à portaria para não ter de revogá-la. Entre as mudanças avaliadas está atrelar o retorno compulsório das aulas presenciais ao mês de início da vacinação no país.

 

Toffoli manda PF tomar depoimento do Ministro da Educação
IstoÉ; 04/12
https://bit.ly/3qDdm70

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que a Polícia Federal marque o depoimento do Ministro da Educação, Milton Ribeiro, sobre a acusação da prática do crime de homofobia.

Em entrevista ao Estadão, publicada em setembro, Ribeiro disse que o ‘homossexualismo (sic)’ é resultado de ‘famílias desajustadas’. A declaração levou a Procuradoria-Geral da República (PGR) a pedir a abertura de um inquérito, mas Toffoli, relator do caso na Corte, decidiu que o ministro fosse ouvido antes da instauração do procedimento.

 

Opinião: ‘Sob Bolsonaro, a pasta da Educação enferrujou’
UOL; 03/12
https://bit.ly/3mIx3aS

Por Josias de Souza: “Desde que Milton Ribeiro chegou à Esplanada, tem-se a sensação de que o Nada despacha no principal gabinete do Ministério da Educação. Tenta-se alcançar o ministro com os olhos. Tenta-se enxergá-lo em seu assento. Inútil. O olhar atravessa o Nada e vai bater no couro do espaldar da poltrona.

Desejava-se um ministro menos espalhafatoso do que Abraham Weintraub. Mas Jair Bolsonaro exagerou. Agora, só de raro em raro o ministro da Educação abandona sua invisibilidade. Ressurge em grande estilo, como se desejasse provar que existe.

No mundo real, há um país por fazer. Esse país clama por qualificação e produtividade. Coisas que não serão obtidas senão com uma educação de excelência. Mas o governo está preocupado com seus fantasmas ideológicos, com a camisinha, com a orientação sexual dos alunos e com a maquiagem da história.

Esse cenário se ajusta à célebre metáfora de Hegel, sobre a “Coruja de Minerva que só voa quando o crepúsculo chega”, significando que só podemos entender o tempo em que vivemos quando ele já tiver se esgotado.

Mantido o cenário atual, em que o ministro da Educação imagina que pode mandar abrir universidades na pandemia sem conversar com os reitores, a compreensão só virá quando já for tarde demais. Sob Bolsonaro, o MEC enferrujou”.

 

Fepesp apoia greve dos professores da Metodista de Piracicaba
Agência Sindical; 04/12
https://bit.ly/3onRESj

Professores da Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep) estão em greve desde segunda (30). O motivo da paralisação é o atraso no pagamento de salários, 13º, férias e no depósito do Fundo de Garantia, segundo denuncia a Federação dos Professores do Estado de SP – Fepesp.

Em Nota, a Fepesp manifesta apoio ao justo movimento. “Vocês estão sendo forjados na luta e dão exemplo a toda a categoria com sua explosão de participação em uma justa paralisação”, diz o documento.

Segundo Conceição Fornasari, diretora de educação da Fepesp e presidente do Sindicato dos Professores de Campinas e Região (Sinpro-Campinas), a situação é grave e a paralisação foi o último recurso. “Só decretamos essa greve para que sejamos ouvidos”, afirmou Conceição.

 

Fim de semestre: orientações do sindicato em caso de demissão sem justa causa
Sinpro Sorocaba; 03/12
https://bit.ly/3g7Tcgx

O ano letivo está chegando ao fim e esse pode ser um momento de mudanças. A garantia semestral de salários dificulta os desligamentos no meio de semestre e por isso, as demissões por iniciativa das escolas e instituições de ensino superior se concentram no final do semestre letivo.

Também os pedidos de demissão são mais frequentes nessa época e é preciso fazer a comunicação de forma correta, para garantir o recebimento dos salários até o final do recesso, em janeiro.

O Sinpro-Sorocaba preparou um guia de orientação básica sobre demissão no final do ano, seja ela por iniciativa da empresa ou a pedido da professora ou do professor para orientar a categoria da melhor forma possível. Afinal, conhecer os direitos é o primeiro passo para exigir que eles sejam respeitados.

Veja os guias aqui  e  aqui.

 



Nesta sexta e sábado: Feira Literária de Santo André
Sinpro ABC; 04/12
https://bit.ly/3g7Tcgx

A Feira Literária de Santo André (Felisa) chega neste ano a sua terceira edição. Por conta da pandemia da covid-19 ocorrerá de forma virtual, neste final de semana (4 e 5 de dezembro).

A página de Facebook da feira é a www.facebook.com/feiraliterariastoandre, e lá você encontra toda a programação do evento, que contará com o concurso Felisa Poética, saraus, lançamento de livros, debates, contação de histórias e muito mais.

Lançada pelo Sindicato dos Bancário do ABC em parceria com a Coopacesso e o Sindicato dos Professores da rede privada (Sinpro ABC), a Felisa vem se tornando referência no meio cultural da região por apresentar novos autores, propor discussões em várias frentes artísticas e sociais e estimular a produção e difusão da cultura.

 

‘Startups’ de educação levantaram US$ 175 milhões em investimento
IstoÉ; 03/12
https://bit.ly/39Fn0zJ

As startups de educação levantaram um montante de US$ 175,5 milhões no Brasil, desde 2010. O levantamento, chamado de Distrito Edtech Report, foi realizado com 559 edtechs pela incubadora de startups Distrito. A região sudeste lidera o ranking das regiões do País com o número desse tipo de startup, com 68%. Somente São Paulo concentra 45,3%das edtechs do país. Na sequência estão as regiões Sul (16,4%), Nordeste (8,2%), Centro-Oeste (6,3%) e Norte (0,9%). Entre as edtechs que mais se destacam no setor estão: Hotmart, Alura, Educa+ Brasil, Sanar, Passei Direto, Trybe, Geekie, Arco, Portal Educação e Descomplica.

 

 

Letalidade: Brasil perto de 6,5 milhões de casos de covid-19 e 175 mil vítimas. Nos EUA, 3 mil mortes em 24h
Rede Brasil Atual; 04/12
https://bit.ly/37Csd8L

Por dia, a “gripezinha” mata mais que o atentado de 11 de setembro de 2001 nos EUA. Já no Brasil, Fiocruz revela descontrole em 22 estados.

O Infogripe da Fiocruz ainda revela que em 22 das 27 unidades da Federação a covid-19 está em crescimento. A tendência, de acordo com o boletim, é de crescimento de moderado a forte dos casos e mortes, tanto em curto como em longo prazo.

Os estados com focos pandêmicos fora de controle são Amazonas, Pará, Rondônia, Tocantins, Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.


Doria omitiu 2.506 internações por covid-19 para recuar São Paulo apenas à fase amarela
Rede Brasil Atual; 04/12
https://bit.ly/2L3LN6l

Dados do Censo Covid mostram que havia 12.195 pessoas internadas com covid-19 na rede pública paulista e não 9.689, como informado pelo governador quando recuou o estado para a fase amarela de isolamento, menos restritiva.

Os dados diferem inclusive do boletim diário da covid-19 que o governo Doria divulga à imprensa em São Paulo. No sábado, o boletim atualizado as 12h informava haver 9.755 pessoas internadas, sendo 5.661 em enfermaria e 4.094 em UTI. A taxa de ocupação de UTI informada era de 51,1% no estado.

 

 

Neste fim de semana: tudo o que você precisa saber para acompanhar a Flip, que será virtual neste ano
Folha de S. Paulo; 03/12
https://bit.ly/37yGsvA

A Flip, Festa Literária Internacional de Paraty, um dos marcos mais importantes no calendário anual dos amantes da literatura, terá uma edição bem diferente do normal.

Pela primeira vez, não terá curador, não fará homenagem a nenhum autor nem a paisagem litorânea da cidade histórica fluminense.

As 12 mesas do evento, que segue até domingo, terão acesso livre e gratuito pela internet. Podem ser acompanhadas no site da Flip Virtual, no canal de YouTube da festa  e em todas as suas redes sociais. Todas terão a opção de tradução simultânea ou de ouvir a conversa no áudio original.

São 21 autores convidados, numa edição também mais enxuta que o normal. A maioria deles é negra e dois terços foram definidos por Fernanda Diamant, curadora que pediu demissão em agosto e não foi substituída. A equipe da organização da Flip deu seguimento aos convites.

 

SEXTA, 4 DE DEZEMBRO

16h – A primeira mesa do dia reúne o escritor Jonathan Safran Foer, autor de livros populares como “Tudo se Ilumina” e “Extremamente Alto e Incrivelmente Perto”, que divulga seu novo livro “Nós Somos o Clima”, de ensaios literários sobre o aquecimento global. Ele já se envolvera com a causa ambiental antes com o livro “Comer Animais”, em que aborda o veganismo.

18h – Eileen Myles conversa com suas tradutoras Bruna Beber e Mariana Ruggieri. Um dos principais ícones da contracultura e da literatura queer, Myles lançou, pela Todavia, “Chelsea Girls”, uma obra escrita ao longo de 14 anos que a autora define como uma espécie de “On the Road” dedicado à experiência feminina.

20h30 – O dia termina com uma conversa entre a colombiana Pilar Quintana e a brasileira Ana Paula Maia. Quintana publicou “A Cachorra”, pela Intrínseca, um livro que retrata uma mulher que não consegue ter filhos e desenvolve uma relação deturpada de maternidade com uma cadela.



SÁBADO, 5 DE DEZEMBRO

16h – O dia começa com uma conversa com Lilia Schwarcz (foto acima), autora de “Sobre o Autoritarismo Brasileiro”, que publicou também recentemente com Heloisa Starling o “Dicionário da República” e “A Bailarina da Morte”, sobre a gripe espanhola no Brasil.

18h – A mesa seguinte é com o vencedor do último prêmio Jabuti de melhor romance, Itamar Vieira Junior. O autor baiano ganhou o prêmio por “Torto Arado”, trama que narra o crescimento de duas irmãs em uma fazenda e reflete sobre a ancestralidade negra e a resistência dos povos quilombolas.

20h30 – O dia termina com uma das mesas mais esperadas do evento —que já está gravada desde o último sábado, por exigência dos autores. O cantor Caetano Veloso (foto abaixo) e o filósofo espanhol Paul B. Preciado discutem a quebra de paradigmas sexuais.

 

DOMINGO, 6 DE DEZEMBRO

14h – O último dia de Flip começa com um debate sobre saraus e incentivo à leitura, trazendo como convidados Rodrigo Ciriaco, idealizador do projeto “Literatura (É) Possível” e poeta publicado pela editora Nós, e Elisa Pereira, escritora que mora em Paraty e fundadora do sarau Fuzuê Literário na cidade.

16h – A americana Regina Porter conversa com o gaúcho Jeferson Tenório. Ambos são autores que construíram livros centrados na formação de famílias negras —ela com “Os Viajantes”, obra que acompanha uma árvore genealógica ao longo de várias décadas, com ambições quase de um “Game of Thrones”, e ele com “O Avesso da Pele”, livro elogiado em que um jovem refaz a trajetória do pai, morto pela violência de um policial racista.

18h – A MC Roberta Estrela D’Alva, uma das principais slammers do país, medeia uma conversa entre dois performers e escritores que desafiam as convenções de arte e de gênero —Danez Smith e Jota Mombaça.

20h30 – O encerramento da Flip continua no slam. A paulistana Nathalia Leal, que criou o pioneiro Slam de Quinta em Paraty, conversa sobre a arte com Luz Ribeiro, que já foi à Copa do Mundo de Slam e ajudou a criar o Slam das Minas em São Paulo.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio