3 de junho de 2020

03/06 – SP pensa em volta às aulas em agosto, estudantes pedem cancelamento de ano letivo, caduca MP de veto a reitores – e mais

.


O Ministério da Educação (MEC) homologou parcialmente o parecer do Conselho Nacional de Educação (CNE) com regras sobre a educação na pandemia, e autorização para que atividades remotas passem a valer como carga horária.
Assim, atenção às recomendações:
• Mantenha registro detalhado de suas atividades diárias.
• Mantenha sua atividade dentro do horário normal de trabalho.
• Avise o sindicato se houver qualquer pedido ou exigência de trabalho, reunião, lives ou conferências além do seu horário normal de trabalho!
Leia tudo aqui:
   https://bit.ly/2MABHrn

 

 

Escolas públicas e particulares de SP devem voltar em agosto com aula uma vez por semana
Estadão; 03/06
https://bit.ly/36WIN2t

Por Renata Cafardo – As escolas devem voltar a funcionar no Estado de São Paulo no início de agosto com 20% dos alunos. O plano que será anunciado na sexta-feira, 5, pelo governo do Estado valerá para escolas estaduais, municipais, particulares, universidades, Fatecs e até cursos de inglês. Ainda se discute se será um grupo de 20% dos alunos frequentando as aulas todos os dias da semana ou se grupos diferentes de 20% dos estudantes irão uma vez por semana, completando 100% na sexta-feira.

Segundo apurou o Estadão, o esquema funcionaria por duas semanas e depois o número de crianças e jovens aumentaria aos poucos. O governo do Estado descartou a possibilidade, antes aventada, de iniciar as aulas com os alunos mais novos, da educação infantil (zero a 5 anos). O protocolo da volta prevê também uso de máscaras e distanciamento de 1,5 metro dentro das salas de aula. Quem não estiver nas aulas presenciais teria de continuar com atividades a distância, tanto em instituições públicas quanto nas particulares. O plano vale para o todo o Estado, mas cada região paulista pode determinar uma data de reabertura.

 

Particular se prepara e prevê modelo híbrido
Estadão; 03/06
https://bit.ly/36WIN2t
Escolas particulares de elite aguardam as determinações oficiais do governo para organizar melhor a volta, mas já começaram a elaborar planos. Muitas acreditam que o segundo semestre terá modelo híbrido de ensino, com aulas presenciais e também a distância.

O grupo que inclui os Colégios Oswald de Andrade, Elvira Brandão e Piaget já está comprando medidores de oxigenação e termômetros para que a temperatura dos alunos seja medida na porta da escola. A ideia também é voltar às aulas dividindo as turmas pela metade e escalonando os dias de aulas presenciais.

Quem fica em casa poderia ver a mesma aula pelo computador. “Estamos lendo protocolos de todos os países para montar o nosso, mas é tudo muito novo. Por exemplo, vai ter recreio ou não, como será o lanche da cantina?”, diz o diretor da rede, Claudio Giardino.

No Colégio Bandeirantes, a preocupação maior também é com os alunos do 3.º ano do ensino médio que precisam concluir a etapa. Segundo a diretora pedagógica da escola, Mayra Ivanoff, eles devem ser os primeiros a voltar. O Bandeirantes também está organizando grupos com psicólogos para o acolhimento emocional de professores e alunos por causa da pandemia. “Tudo ainda é muito incerto. Como vamos fazer um discurso de não interação para os adolescentes?”

“É importante olhar para as pontas, como o 3.º ano, para os alunos poderem aproveitar melhor essa despedida da educação básica, ainda com os momentos de incertezas pelo Enem”, diz a diretora pedagógica da Escola da Vila, Fernanda Flores. A escola montou um grupo com professores, pais, alunos e funcionários para planejar como será a volta.

Fernanda diz se preocupar também com os pequenos, da educação infantil, que aproveitam pouco o ensino a distância e cujos pais precisam da escola para voltar a trabalhar. “Estamos tentando reduzir o número de crianças nas turmas, para 5 ou 8. Mesmo assim, quanto menores eles são mais complexa é a questão de distanciamento e uso de máscara.”

Secretário estadual da Educação de SP, Rossieli Soares, é internado com Covid-19
G1; 02/06
https://glo.bo/2XtuAqX

O secretário estadual da Educação de São Paulo, Rossieli Soares (foto), está internado com confirmação de Covid-19. Segundo o governo paulista, Rossieli está no Hospital Nove de Junho, no Centro de São Paulo, e passa bem.

O secretário vai cumprir o período de isolamento e toda a equipe que trabalha diretamente com ele passará por testes. Por causa da proximidade com o médico nas coletivas de imprensa diárias, tanto Doria quanto o prefeito Bruno Covas (PSDB) também realizaram testes à época, mas os resultados foram negativos.

 

Bombando no Twitter: estudantes pedem cancelamento do ano letivo
Correio Braziliense; 03/06
https://bit.ly/36WVdYc

A hashtag #cancelaoanoletivo2020 é o assunto do momento da rede social Twitter no Brasil. Até o momento, foram mais de 60 mil tweets com o termo. E o número cresce minuto a minuto. O movimento começou quase que por brincadeira, com estudantes fazendo piada sobre as dificuldades que estão enfrentando seja porque estão sem aulas seja porque as aulas a distância trazem desafios demais.

O pedido pelo cancelamento do ano letivo na mídia social está sendo construído por uma série de memes e também por um cartaz que sintetiza reclamações dos estudantes. Falta de internet (ou de internet de qualidade), falta de ambiente apropriado e falta de saúde mental para lidar com a EAD (educação a distância) estão entre as queixas dos alunos.

 

 

Caduca MP que garantia ao presidente escolher reitores das universidades federais
Rede Brasil Atual; 02/06
https://bit.ly/2zWxnQl

O presidente Jair Bolsonaro sofreu mais uma derrota. Perdeu a validade hoje (2) a Medida Provisória (MP) 914/2019, que dava a ele a prerrogativa de escolher – e não apenas referendar – o nome do reitor de universidades, institutos federais de ensino superior e do Colégio Pedro 2º. Uma comissão mista (senadores e deputados) chegou a apresentar 204 emendas à MP, mas não passou disso.

Pela medida provisória, Bolsonaro mudava a atual regra para escolha do reitor, pela qual professores, alunos e funcionários das unidades federais indicam nomes que comporão uma lista tríplice. O nome mais votado é confirmado pelo presidente, para um mandato de quatro anos.

Mobilização total contra a MP 927, que arrasa os direitos trabalhistas
Contee; 02/06
https://bit.ly/3cuFNf9

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino — Contee, que representa mais de 1 milhão de professores e técnicos administrativos que atuam na educação privada, do ensino básico ao superior, conclama todos os trabalhadores e trabalhadoras e suas entidades filiadas a manifestarem seu repúdio à Medida Provisória (MP) 927, que tem como relator o deputado Celso Maldaner (MDB-SC) e pode ser votada na primeira semana de junho pela Câmara dos Deputados.

 

Brasil bate novo ‘recorde’: 1.262 mortes em 24 horas. São Paulo lidera crescimento da tragédia
Rede Brasil Atual; 02/06
https://bit.ly/3gNPdpe

No boletim desta terça-feira (2) sobre a situação da pandemia de covid-19 no Brasil, o Ministério da Saúde afirmou que 1.262 novas mortes foram oficialmente registradas em decorrência da infecção nas últimas 24 horas. É o maior número de óbitos contabilizados em um só dia desde a chegada do novo coronavírus ao país, em fevereiro.

Em número de novos casos registrados, também recorde, foram 28.936 de ontem para hoje. Agora o país soma 555.383 casos confirmados. Cerca de 223 mil pessoas contraíram o vírus, mas se recuperaram da doença.

‘Destino’, diz Bolsonaro – Por sua vez, ao sair do Palácio do Planalto na manhã de hoje, Bolsonaro atendeu ao pedido de uma apoiadora para que dissesse uma mensagem de conforto para as famílias em luto pelos seus mortos: “A gente lamenta todos os mortos, mas é o destino de todo mundo”, afirmou, sem esboçar nenhuma estratégia para enfrentar a pandemia. Completaram-se 18 dias que o governo não tem ministro da Saúde, desde a saída de Nelson Teich.

São Paulo – O estado de São Paulo registrou 327 mortes causadas por coronavírus nas últimas 24 horas, o maior número em um dia desde o começo da pandemia, e acumula 7.994 óbitos, também segundo os dados divulgados pelo Ministério da Saúde. O número de novos casos também foi o mais alto da crise de covid-19: 6.999, totalizando 118.295 pessoas contaminadas no estado, que segue sendo o epicentro da doença no país.

Cidades do interior têm potencial de propagação da COVID-19 semelhante ao de capitais, aponta estudo
Agência Fapesp; 03/06
https://bit.ly/2zX3CyS

O potencial de propagação da COVID-19 em cidades como Ribeirão Preto, no Estado de São Paulo, Campina Grande, na Paraíba, e Caruaru, em Pernambuco, equivale ao das capitais de alguns estados do país.

Os três municípios são cidades-polo, com grande concentração de indústrias, comércio e serviços, e têm importância estratégica na dinâmica de mobilidade regional, medida pelas fortes conexões que possuem com diversos outros municípios em termos de fluxo de pessoas.

“Essas cidades podem ajudar a acelerar e amplificar a interiorização da epidemia de COVID-19 ao servir de atalho para a propagação da doença para diversos outros municípios com os quais têm conexões”, diz à Agência FAPESP Leonardo Bacelar Lima Santos, pesquisador do Cemaden.

 

Escolas temem que adultos abandonem estudos após pandemia do coronavírus
Folha de S. Paulo; 02/06
https://bit.ly/377JaYp

Especialistas e escolas avaliam que alunos da EJA (Educação de Jovens e Adultos) façam parte de um dos grupos mais vulneráveis pela interrupção das atividades escolares e temem que eles desistam dos estudos.

A EJA também é uma das etapas do ensino que recebe menor atenção das políticas educacionais. Nos últimos anos, teve queda de 17% no total de matrículas no Brasil entre 2010 e 2018, num total de 3,5 milhões de alunos.

Entre os fatores que tornam esses alunos mais suscetíveis a não voltar para a escola estão a pouca habilidade para usar equipamentos eletrônicos, vínculos mais frágeis com a vida escolar e o maior risco de perda significativa de renda.

 

 

Fique em casa: cartilha da Turma da Mônica ensina a usar máscaras de proteção
Guia da Folha; 02/06
https://bit.ly/2XXDZWt

Cascão lavou as mãos, Magali ensinou a lavar alimentos, e agora chegou a vez de Mônica, Cebolinha e outros personagens da turma colaborarem com a prevenção contra o coronavírus.

Em uma nova cartilha disponível para consulta e download nas redes sociais da Turma da Mônica (veja aqui), eles aparecem com as carinhas cobertas e dão dicas sobre o uso de máscaras de proteção, baseadas em orientações da Anvisa.

Se no começo da pandemia, as máscaras geraram polêmica, hoje é certo que seu uso é essencial na proteção contra o vírus, sendo obrigatório em São Paulo e outras cidades do país.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio