Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 25 de setembro de 2022

29 de janeiro de 2022| ,

Volta às aulas e vacinação infantil: não é com denúncias e ameaças que se atingirá a imunização total nas escolas

“Não terá sentido o esforço de conscientização, as campanhas para a universalização da proteção vacinal, se a volta ao ambiente escolar ocorrer precipitadamente, no início de fevereiro. Além de um programa intensivo de testagem de todos os atores envolvidos na relação ensino-aprendizagem, faz-se necessário adiar o retorno às aulas presenciais pelo tempo que for preciso para assegurar o combate à disseminação do vírus”.

COVID-19, ÔMICRON: FEDERAÇÃO DOS PROFESSORES
PEDE ADIAMENTO TEMPORÁRIO DE AULAS PRESENCIAIS

 

Em oficio encaminhado na manhã desta segunda-feira, 31/01, ao secretário estadual de Educação, Sr. Rossieli Soares, a Federação dos Professores do Estado de São Paulo pede o adiamento temporário da volta às aulas no Estado de São Paulo, incialmente previsto para esta quarta-feira, dia 2 de fevereiro, até que os escolares possam receber a segunda dose da vacinação infantil em curso (veja abaixo a íntegra do ofício).

Veja a íntegra do ofício aqui, ou clique na imagem acima

Segundo o oficio, assinado por Celso Napolitano, presidente da Federação e em nome dos 24 sindicatos integrantes da entidade, “esta solicitação leva em conta o sucesso representado pela vacinação da população adulta do Estado de São Paulo no combate à disseminação do vírus da SARS-CoV-2, que causa a Covid-19, e a aprovação pela Anvisa da vacinação para crianças de 5 a 11 anos”.

“Reconhecemos a importância pedagógica, psicológica e social das aulas presenciais” afirma o professor Napolitano no documento, “mas entendemos que, nesse momento, o objetivo mais importante é a defesa da vida e a proteção do sistema público de saúde. Queremos, com nossa posição, defender os estudantes, os profissionais da educação, da saúde e toda a comunidade”, tanto nas escolas públicas como nas particulares.

 

 

AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO: ‘DEIXEM AS FAMÍLIAS DECIDIR!’

A Federação dos Professores do Estado de São Paulo dirigiu-se oficialmente nesta quinta-feira, 03/02, ao Conselho Estadual de Educação com um apelo pela saúde da comunidade escolar: em forma de ofício dirigido à presidente do CEE-SP, professora dra. Ghisleine Trigo Silveira, pede que os conselheiros considerem a gravidade da pandemia e intercedam pela interrupção temporária das aulas presenciais:

 

Leia aqui a íntegra do oficio da Fepesp ao Conselho Estadual de Educação de SP

“Por ser competência do CEE, ‘como órgão normativo, deliberativo e consultivo do sistema educacional público e privado paulista’, estabelecer regras para todas as escolas de todas as redes, solicitamos que V.Sa. leve ao conjunto de conselheiras e conselheiros, a proposta de deliberação da não obrigatoriedade das atividades escolares presenciais, possibilitando assim, como ocorreu nos períodos agudos de contaminação, que as famílias decidam livremente sobre a conveniência ou não de manter seus jovens em atividades remotas, nessa situação emergencial e, esperamos, transitória que estamos vivenciando”, diz o oficio assinado pelo presidente da Fepesp, Celso Napolitano, em nome dos 24 sindicatos integrantes da Federação.

 

Vacina sim, Macarthismo não!

Por Celso Napolitano

(artigo publicado na página 3 da Folha de S. Paulo em 29/01)

Com a aproximação do início do ano escolar, volta à baila a discussão sobre o retorno às aulas presenciais. Dessa vez, com dois novos componentes: a nova variante ômicron do vírus SARS-CoV-2, que causa a Covid-19, e a aprovação pela Anvisa da vacinação para crianças de 5 a 11 anos.

A volta à vida saudável em sociedade não virá com a força bruta, com denúncia de pais ou decretos falsamente liberalizantes. Virá com o esforço de toda a sociedade, que aderiu maciçamente à vacinação, e com a colaboração dos gestores educacionais. Notificar o conselho tutelar, denunciar pais ou responsáveis, colocar familiares contra a parede é o tipo de brutalidade que devemos extirpar do nosso convívio, notadamente no ambiente escolar. Optar pelo conflito, estimular o denuncismo, “cancelar”, tem sido a prática de governantes fracos e seus fanáticos seguidores.

Todos queremos a volta plena das atividades escolares, sobretudo no ensino básico. Ainda que se reconheça todo o empenho dos e das docentes em manter o processo educativo e o vínculo com os estudantes no ambiente virtual, refazendo o planejamento pedagógico e transformando seus lares em estúdios, a interação presencial professor-aluno é fundamental, notadamente no Brasil, com abissais diferenças socioeconômicas, deficiente cobertura de internet e parcos recursos tecnológicos, principalmente do poder público.

Porém, a volta ao ambiente acadêmico deve ocorrer com segurança, o que somente pode ser propiciado pela imunização da totalidade dos atores envolvidos no processo pedagógico, o que inclui toda a comunidade escolar, inclusive as crianças. A ômicron contagia e espalha o vírus com espantosa velocidade, a ponto de a própria OMS compará-la ao sarampo.

A vacina é o elemento fundamental para impedir a disseminação do vírus ou, ao menos, mitigar os seus efeitos e consequências, permitindo que o sistema de saúde possa funcionar de modo adequado, sem stress. Esse cenário, com 80% da população adulta imunizada, permitiu a flexibilização das medidas restritivas em São Paulo. Restou provado que não há como garantir condições sanitárias ideais em recintos fechados, como salas de aula, sem que as pessoas estejam vacinadas. Mas não é com denúncias e ameaças que se conseguirá atingir o objetivo da vacinação universal nas escolas. O macarthismo não tem lugar no ambiente acadêmico.

Haverá de produzir maior efeito se a comunidade escolar – gestores, educadores, alunos – isenta de paixões políticas, à luz da ciência, acolher e promover ações que convençam as crianças e suas famílias temerosas e resistentes, sobre a segurança e eficácia das vacinas em deter o avanço avassalador dessa variante e que o respeito à saúde pública implica na observação de regras de comportamento social que por vezes conflitam com interesses pessoais.

Mas, será de fundamental importância que sejam seguidas as recomendações científicas de que a imunização total somente ocorre após a segunda dose. Não terá sentido o esforço de conscientização, as campanhas para a universalização da proteção vacinal, se a volta ao ambiente escolar ocorrer precipitadamente, no início de fevereiro. Além de um programa intensivo de testagem de todos os atores envolvidos na relação ensino-aprendizagem, faz-se necessário adiar o retorno às aulas presenciais pelo tempo que for preciso para assegurar o combate à disseminação do vírus.

Voltaremos um pouco mais tarde, mas voltaremos com segurança e sem o risco de novos recuos.

 

Celso Napolitano, professor, é presidente da Federação dos Professores do Estado de São Paulo e diretor do Sindicato de Professores de São Paulo.

 

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio