Fepesp - Federação dos Professores do Estado de São Paulo

quinta-feira, 29 de julho de 2021

Por Beth Gaspar em 29 de julho de 2021

29/07 - Poucas universidades definiram como será o retorno às aulas, especialistas temem repique de covid com reabertura geral de SP, CNPq com a menor dotação em 21 anos, e mais: Brasil campeão no ranking mundial de 'país em declínio'

.

É você quem garante a independência do Sindicato. Não recebemos verbas do Estado, não recebemos ajuda do patrão. Dependemos da nossa união através da sindicalização e da sua contribuição negocial - decidida em assembleia.

 

 


Mesmo com autorização, poucas universidades de SP definiram como será volta às aulas
CBN; 27/07
https://glo.bo/3xbnZji

A partir do dia 2 de agosto, o ensino superior poderá retornar com as atividades presenciais respeitando o limite de 60% da capacidade. Professores ressaltam que muitas instituições demitiram parte do corpo docente, o que pode prejudicar a retomada.

Levantamento feito pelo sindicato dos professores de São Paulo aponta que no ano passado, só na capital, mais de três mil professores foram demitidos do ensino superior

Ouça a reportagem da CBN, com entrevista de Celso Napolitano, neste link.

 

Veja aqui o questionamento de Celso Napolitano sobre o retorno às atividades presenciais no ensino superior, autorizado para o próximo dia 2 de agosto: quem vai assegurar que as condições de trabalho são seguras para professores, funcionários e alunos?
TV Globo; 28/07

 

Agosto é janela para reabrir escolas, mas volta depende de protocolos
Valor Econômico; 29/07
https://glo.bo/3784I84

A volta sustentada das aulas presenciais depende de comunicação eficaz com a comunidade escolar e atenção aos protocolos.

A medida deve ser tomada como urgente, mas não sem levar em conta os cuidados sanitários e as particularidades de cada local e rede escolar, afirma João Alegria, gerente do laboratório de educação da Fundação Roberto Marinho. “

As explicações dos especialistas não eliminam o receio sobre a volta, afirma Cícero Igor dos Santos, estudante de ensino médio do Sergipe. “A minha maior preocupação e dos meus colegas é se realmente seria seguro a volta às aulas. É algo que tem de ser muito bem estudado e estruturado”, conta ele, que é asmático e se diz apreensivo.


Campinas: ação do MPT contra Prefeitura cobra afastamento de 185 profissionais da educação com comorbidades sem segunda dose
G1; 28/07
https://glo.bo/37esnDv

O Ministério Público do Trabalho (MPT) entrou com uma ação civil contra a Prefeitura de Campinas (SP), nesta quarta-feira (28), para pedir à Justiça que 185 profissionais da educação municipal que possuem comorbidades da Covid-19 e ainda não completaram o esquema vacinal sejam afastados do trabalho presencial sem a perda do salário.

Na ação, com pedido de liminar, o MPT requer o pagamento de multa diária de R$ 30 mil se a prefeitura descumprir a possível determinação judicial. Além disso, quer que a administração municipal seja condenada a pagar indenização por dano moral coletivo de R$ 800 mil por expor "desnecessariamente a risco acentuado os trabalhadores da educação com comorbidades e sem a imunização completa".

 

Espírito Santo: associação decide ingressar com ação contra retorno presencial obrigatório
Século Diário; 27/07
https://bit.ly/3yetnDA

Impetrar uma Ação Civil Pública (ACP) contra a obrigatoriedade do retorno presencial dos estudantes capixabas. Essa é uma das medidas decididas pela 1ª Plenária Estadual da Associação dos Pais de Alunos do Espírito Santo (Assopaes), realizada de forma virtual nessa segunda-feira (26).

O objetivo é restabelecer o direito das famílias dos estudantes de decidirem sobre a adesão ou não às aulas presenciais, enquanto perdurar a situação de descontrole da pandemia de Covid-19. Direito que foi violado pela Portaria conjunta Sesa/Sedu nº 6-R, publicada no último dia 21 de julho, numa atitude ainda inédita no país.

 

POLÍTICA EDUCACIONAL

Com menor dotação em 21 anos, CNPq nega relação entre cortes e “apagão”
Valor Econômico; 29/07
https://glo.bo/3zK8SPF

Os sistemas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) ainda não têm prazo para reparo, previsão que deve ser dada até o fim desta quinta-feira, indicou ontem a direção do órgão.

Chamado de “apagão da ciência” pelos cientistas, o incidente completa sete dias hoje. O prejuízo principal é a falta de acesso à  plataforma Lattes, banco nacional de currículos com detalhes sobre a produção acadêmica de cada pesquisador. Outras plataformas inacessíveis são a Carlos Chagas, com informações sobre concessão e andamento de bolsas, e o Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil, que indica os temas de pesquisa dos especialistas brasileiros.

 

Comissão ouve ministro da Educação sobre fraude no exame de avaliação do ensino superior
Agência Câmara; 28/07
https://bit.ly/3zIcNw8

A Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados realiza audiência pública na próxima quarta-feira (4) com a presença do ministro da Educação, Milton Ribeiro, para debater denúncia contra o Centro Universitário Filadélfia (UniFil), de Londrina (PR).

O deputado Leo de Brito (PT-AC), que pediu a vinda do ministro, citou reportagem do jornal Folha de S. Paulo, segundo a qual Milton Ribeiro protelou enviar à Polícia Federal apuração de fraude em entidade ligada a pastores aliados.

"Segundo a notícia, o ministro atuou nos bastidores a favor de um centro universitário denunciado por fraude no Enade 2019. A instituição é presbiteriana, assim como o ministro, que é pastor", disse o deputado.

 

CORONAVÍRUS  

Prefeitura de SP vai vacinar pessoas de 28 anos na sexta (30) e na segunda (2)
Monica Bergamo; 28/07
https://bit.ly/3l55MBL

A Prefeitura de São Paulo confirmou a vacinação contra a Covid-19 de pessoas de 28 anos na próxima sexta-feira (30) e na segunda-feira (2).

A imunização da faixa etária, inicialmente programada para esta quinta (29) e sexta, havia sido adiada pelo órgão municipal.

 

Brasil registra 1.344 mortes por covid-19. Em São Paulo, Doria anuncia fim do isolamento
Rede Brasil Atual; 28/07
https://bit.ly/3zM6yrb

O Brasil registrou hoje (28) mais 1.344 mortes pela covid-19 em um período de 24 horas,chegando a 553.179 vítimas do vírus. O país está praticamente a um dia de bater os 555 mil mortos pela pandemia desde o início do surto, em março do ano passado. Foram 48.013 novos infectados no período, totalizando 19.797.086 . Se por um lado os números de contágios e óbitos recuam enquanto a vacinação avança, os patamares seguem entre os mais elevados do mundo.

 

Se reabertura em SP virar vale-tudo, pode haver repique de Covid, dizem especialistas
Folha de S. Paulo; 28/07
https://bit.ly/2UTiyZu

O fim das restrições ao comércio e aos serviços em São Paulo, a partir de 17 de agosto, não pode ser sinônimo de abandono do uso de máscaras e do distanciamento social.

Para infectologistas, sem essas medidas de proteção o estado pode viver um repique da pandemia.

Nesta quarta-feira (28), o governador João Doria (PSDB) anunciou que não haverá mais limites de ocupação ou de horários nos estabelecimentos comerciais do estado a partir de 17 de agosto, quando prevê ter toda a população adulta vacinada com a primeira dose contra a Covid.

Apesar dos indicadores de internação e óbitos em queda no estado e do avanço da vacinação, especialistas dizem que o fim das restrições precisa ser acompanhado com cautela, especialmente devido à presença da variante delta no país.

 

 

 

 

Brasileiros lideram ranking mundial de sensação de viver em 'país em declínio'
BBC Brasil, F5; 28/07
https://bit.ly/3ibbobz

Uma pesquisa de opinião feita em 25 países traz uma visão desalentadora de boa parte da população global a respeito de suas respectivas instituições políticas —e os brasileiros têm uma percepção negativa acima da média mundial.

Mais de dois terços (69%) dos mil brasileiros entrevistados afirmam que o país está em declínio, o maior índice observado entre todos os países participantes da pesquisa de opinião Broken-System Sentiment in 2021, realizada pela empresa Ipsos.

São 12 pontos percentuais acima da (já alta) média mundial de 57% de pessoas que têm a percepção de viver em países em declínio. Os índices são altos também no Chile, na Argentina e na África do Sul, todos com 68%.

Além disso, 72% dos brasileiros disseram acreditar que a sociedade do país está "falida", índice semelhante aos respondentes da Hungria e só superado pelo da África do Sul (74%).

É importante que a liderança em um ranking de sentimentos tão negativos cause desconforto no Brasil, opina Helio Gastaldi, porta-voz da Ipsos.

"Espero que a pesquisa cumpra o papel de dar um chacoalhão. A crítica (às instituições políticas) é generalizada ao redor do mundo, mas não de forma tão aguda quanto no Brasil", afirma Gastaldi à BBC News Brasil.

Esse sentimento já havia se manifestado nas pesquisas anteriores da Ipsos sobre o mesmo tema, em 2016 e 2019."É um sentimento que persiste e que coincide com o que notamos em outros estudos e pesquisas que fizemos para clientes, em que se percebe hoje no Brasil um sentimento de decepção e insegurança. Passa uma ideia de grande preocupação com o futuro", prossegue Gastaldi.

Conteúdo Relacionado

crossmenu