Fepesp - Federação dos Professores do Estado de São Paulo

sexta-feira, 27 de novembro de 2020

Por Beth Gaspar em 27 de novembro de 2020

27/11 - Particulares tem 27% de professores contaminados em volta às aulas; ministro não quer homologar aula remota; 14º salário a professores, sabe onde? E mais: vote no segundo turno!

.

 

 

Para forçar volta à escola, MEC resiste em homologar permissão de aula remota até fim de 2021
Folha de S. Paulo; 27/11
https://bit.ly/33iocVO

O MEC (Ministério da Educação) não quer homologar a resolução do CNE (Conselho Nacional de Educação) que estendeu a autorização para as aulas remotas até o fim de 2021 em função da pandemia de Covid-19. Dessa forma, a pasta tenta forçar o retorno a aulas presenciais, segundo relatos feitos à Folha.

Integrantes da alta cúpula da pasta comandada pelo pastor Milton Ribeiro informaram a interlocutores o objetivo de barrar a decisão do CNE, apesar de dois secretários da pasta terem votado a favor do texto no conselho.

Ribeiro confirmou, na noite desta quinta-feira (26), que vai conversar com o CNE sobre a não homologação. O ministro fez a fala em transmissão ao vivo pelas redes sociais com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).


'Nós queremos o retorno das aulas', diz ministro da Educação
O Globo; 27/11
https://outline.com/XMU6YU

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, disse nesta quinta-feira que o governo quer o retorno das aulas presenciais no Brasil. A declaração foi dada durante live com o presidente Jair Bolsonaro, nas redes sociais do presidente.

— Mandamos o dinheiro para o retorno das aulas, nós queremos o retorno das aulas — disse Ribeiro.

— Tu defende aula presencial? — questionou Bolsonaro.

— Claro que eu defendo, mas isso não depende da gente. Conforme o STF decidiu, isso está na mão de prefeitos e governadores. Vamos tomar todos os cuidados... — respondeu o ministro da Educação.

 


Ministro da Educação nega acordo e responderá por homofobia
Terra; 26/11
https://bit.ly/3mj3qwY

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, rejeitou o acordo oferecido pela Procuradoria-Geral da República (PGR) que poderia livrá-lo da abertura de inquérito por homofobia no Supremo Tribunal Federal (STF). Para isso, o ministro teria de admitir que cometeu crime ao dizer, em entrevista ao Estadão, publicada em setembro, que o "homossexualismo (sic)" é "fruto de famílias desajustadas". A declaração levou a PGR a pedir a abertura de uma investigação na Corte.

 

Enquete com escolas particulares de SP diz que 13% tiveram casos confirmados de Covid, 27% registraram casos de contaminação entre os professores
Folha de S. Paulo; 27/11
https://bit.ly/3mj3qwY

Uma pesquisa com pouco mais de 400 colégios particulares de São Paulo identificou que 13% deles registraram ao menos um caso confirmado de Covid-19 entre os alunos desde que reabriram.

O levantamento foi feito por entidades que representam o setor. O estado possui mais de 5.000 instituições de ensino privado na educação básica.

A pesquisa, realizada pela Abepar (Associação Brasileira de Escolas Particulares) e pelo Sieeesp (Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado), mostrou que 27% das unidades registraram casos de contaminação entre os professores.

 

Programação completa do evento em https://www.sinprosp.org.br/noticias/4134

 

João Pessoa: Prefeito anuncia pagamento do 14º salário a todos os profissionais da Educação
Paraíba Online; 26/11
https://bit.ly/3nZEQ4o

Com um investimento de R$ 13 milhões para reconhecer e estimular as boas práticas de ensino desenvolvidas em João Pessoa, o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, anunciou, nesta quinta-feira (26) a data do pagamento do 14º salário a todo os profissionais da Educação na Capital.

No próximo dia 15, em torno de 9 mil profissionais da Educação, entre professores, gestores, especialistas e equipe de apoio como merendeiras e vigilantes receberão o Prêmio Escola Nota 10, como forma de reconhecimento pelo desempenho pedagógico e funcional das unidades de ensino.

Este ano, com a pandemia do novo Coronavírus, a premiação destaca o trabalho dos profissionais que se reinventaram e desenvolveram estratégias que garantiram a continuidade do ano letivo para os 65 mil alunos da rede.

 

Recife: Profissionais de educação protestam novamente por aumento salarial
JC Net; 26/11
https://bit.ly/3o2nWSI

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe) realizou novo protesto na manhã desta quinta-feira (26) em frente ao Palácio do Campo das Princesas, sede do governo estadual, em reivindicação pelo pagamento do Piso Salarial com repercussão na carreira de toda a educação. Além da manifestação, que teve baixa adesão, professores e professoras, analistas, administrativos e demais trabalhadores e trabalhadoras paralisaram as atividades por 24h, tanto presenciais, quanto remotas. A gestão estadual, no entanto, informa que não houve prejuízo às atividades e que as escolas seguem funcionando normalmente.

O Sintepe critica o aumento apenas do piso salarial sem repercussão na carreira proposto pelo Governo de Pernambuco em Projeto de Lei 1.720/2020, enviado para a Assembleia Legislativa. Segundo o sindicato, a medida beneficia apenas 5.611 professores e deixa de fora 57.389 professores e servidores da educação.

 

Curitiba: Professores completam uma semana em greve de fome contra o governo
Folha de S. Paulo; 27/11
https://bit.ly/3fHHXLj

Até esta quinta-feira (26), dez dos 47 professores que iniciaram o movimento em frente à sede do Executivo, em Curitiba, continuam sem comer.

Na quinta-feira passada (19), o grupo ocupou o prédio da Assembleia Legislativa, buscando apoio dos deputados para pressionar o governo contra o edital, mas a Justiça determinou que eles deixassem o local. Desde então, os professores estão acampados sob a marquise, na área externa do Palácio Iguaçu.

Durante a semana, integrantes de movimentos sociais e sindicais do estado promoveram atos no local e em outros municípios prestando solidariedade aos docentes. A APP-Sindicato, que representa os educadores, promoveu uma assembleia geral na tarde desta quinta para deliberar sobre a continuidade da mobilização. A maioria, no entanto, votou contra uma greve geral da categoria.

 

Brasil tem 47,9 mil novos casos em 24 horas e aumenta média de mortes por covid-19
Rede Brasil Atual; 26/11
https://bit.ly/369GUAI

O Brasil registrou 654 óbitos por covid-19 e mais 47.898 novos casos da infecção causada pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas. As informações são do Conselho Nacional de Secretários de Saúde, o Conass, em boletim divulgado na início da noite desta quarta-feira (25). Desde o início da pandemia, em março, já são 170.799 óbitos, de um total de 6.166.606 casos oficialmente registrados.

Segundo levantamento que considera os dados dos últimos sete dias, feito por veículos de imprensa junto às secretarias estaduais de saúde, desde o dia 15 de novembro o país continua apresentando tendência de alta na média móvel de mortes. Considerando os últimos sete dias, a média móvel de óbitos foi de 472, uma aceleração de 29% com relação ao mesmo período imediatamente anterior.

 

Eleições 2020: com que roupa se pode ir votar?
Estadão; 27/11
https://bit.ly/3fGxZdt

Com relação a vestuário, a legislação eleitoral apenas regula roupas ou acessórios de apoio a um determinado partido ou candidato. Não é proibido usar camisetas, bonés, botons, máscaras, entre outros acessórios, que apoiem algum candidato ou legenda, desde que seja uma manifestação “individual e silenciosa” de apoio. As exceções a essa regra são os fiscais e mesários.

O que não é permitido pela lei é uma aglomeração de pessoas com roupas padronizadas ou uniformizadas fazendo barulho ou pedindo votos para um determinado candidato antes do fim da votação, às 17h. Esse tipo de ação é considerado crime de Boca de Urna.

A condenação por Boca de Urna pode levar à prisão por seis meses a um ano, que pode ser substituída por prestação de serviços à comunidade, além do pagamento de multa que pode variar de R$ 5 mil a R$ 15 mil, suspensão do título de eleitor e mais uma série de penalizações.

 

TSE cobra multa de quem justificou o voto pelo e-Título
IstoÉ; 27/11
https://bit.ly/3fE405E

No primeiro turno das eleições de 2020, no dia 15 de novembro, o e-Título apresentou instabilidades, mas 400 mil eleitores haviam conseguido usar o aplicativo para justificar a ausência na urna (até as 8h30 do domingo). No entanto, para aqueles que conseguiram utilizar a ferramenta, está sendo cobrada uma multa, como se a justificativa de ausência não tivesse sido realizada. As informações foram divulgadas pelo Tilt, canal de tecnologia do Uol.

 

Após testes, TSE reafirma segurança para apuração do 2º turno
O Tempo; 27/11
https://bit.ly/2V8uLpw

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE), afirmou por meio de nota na noite desta quinta-feira (26) que realizou novos testes nos últimos dias no computador e nos sistemas que fazem a totalização de votos e divulgação de resultados de todo o país.

Segundo o comunicado, a avaliação dada pela Secretaria de Tecnologia da Informação do TSE é de que o sistema está devidamente preparado para a realização exitosa do segundo turno. O experimento foi realizado nos dias 24/11 e 25/11, com a participação de cartórios eleitorais de 24 estados brasileiros. De acordo com a Justiça Eleitoral, “o objetivo foi validar a performance e a eficácia dos sistemas de transmissão e recebimento de arquivos de urna, bem como de totalização e de divulgação de resultados”.

Conteúdo Relacionado

crossmenu