Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 27 de fevereiro de 2024

27 de junho de 2022

27/06 – IES vão ao STF por vagas de Medicina, o ‘pressentimento’ ouvido por Ribeiro, cursinhos populares da USP com inscrições abertas, e mais: violência sexual e a proteção da criança na escola

.

[addthis tool="addthis_inline_share_toolbox_whwi"]

 

ENSINO SUPERIOR

Disputa bilionária por vagas de Medicina chega ao Supremo e provoca racha entre instituições de ensino privadas
O Globo; 27/06
http://glo.bo/3u5DAlS

A disputa pelo lucrativo mercado de cursos de Medicina chegou ao Supremo, provocando um racha entre instituições privadas de ensino superior. Em jogo, a abertura de um mercado bilionário que tem as mensalidades mais caras do ensino privado, na casa dos R$ 7 mil a R$ 12 mil, e que está num limbo regulatório desde 2018, quando o Ministério da Educação proibiu, por cinco anos, a abertura de novas vagas por meio de editais do Mais Médicos.

No início de junho, a Anup (Associação Nacional de Universidades Privadas, entidade presidida por Elizabeth Guedes, irmã do ministro da Economia) — que tem entre seus principais associados a Afya, Cogna/Kroton e YDUQS —  entrou com uma ação no Supremo para tentar barrar a tramitação de uma centena de pedidos de liminar espalhados por tribunais de todo o país demandando que o MEC retome o processo de avaliação de pedidos de abertura de novas vagas.

Desde o início do ano, três entidades de ensino superior conseguiram liminares para obrigar o MEC a avaliar pedidos de abertura de 403 vagas. Entre elas, a UniFTC, da Bahia, recém adquirida pelo fundo Mubadala, dos Emirados Árabes Unidos, e que obteve o direito de solicitar 199 vagas adicionais para seu campus em Feira de Santana, onde uma mensalidade custa R$ 11,2 mil. O Centro Universitário Dom Bosco, de São Luiz, conseguiu o direito a solicitar a abertura de 84 vagas.

 

CORRUPÇÃO NO MEC

No dia da prisão de Milton Ribeiro, governo pagou R$ 1,8 bilhão em emendas
Estadão; 26/06
https://bit.ly/3R1wglc

No dia da prisão do ex-ministro Milton Ribeiro, na tarde da última quarta, o governo Bolsonaro fez o pagamento de R$ 1,8 bilhão em emendas de relator, o chamado orçamento secreto. O dinheiro foi repassado a redutos de políticos da base aliada para bancar gastos na área da Saúde.

Pouco mais de R$ 7 bilhões estão prometidos para até o fim desta semana, segundo técnicos envolvidos no trâmite orçamentário. A torneira foi aberta em meio a uma crise que acerta em cheio o presidente, mas também tem relação com o calendário eleitoral. Como a legislação veda transferências a partir do dia 2 de julho, o governo tem só até sexta-feira para irrigar prefeituras de aliados que poderão ajudá-lo na campanha eleitoral.

 

Entenda o caso Milton Ribeiro, os áudios e as suspeitas de interferência de Bolsonaro
Folha de S. Paulo; 25/06
https://bit.ly/3xW50fc

No dia em que foi deflagrada a operação Acesso Pago, que teve como alvos o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro e pastores ligados a ele, o presidente Jair Bolsonaro (PL) se apressou em dizer que a investigação era um sinal de que a Polícia Federal trabalhava sob seu governo sem sofrer interferência.

A revelação de interceptações telefônicas feitas pela PF, porém, levantou suspeitas sobre o suposto vazamento da operação e de suposta ingerência do chefe do Executivo no caso.

O que foi dito nas conversas interceptadas pela Polícia Federal? Em ligação com sua filha no dia 9 de junho, Milton Ribeiro afirmou que o presidente Jair Bolsonaro teria dito estar com um “pressentimento” de que iriam atingi-lo por meio da investigação contra o ex-ministro.

“Hoje o presidente me ligou, ele está com pressentimento, novamente, que eles podem querer atingi-lo através de mim. É que tenho mandando versículos para ele”, disse Ribeiro, na conversa revelada pela GloboNews e confirmada pela Folha.

 

‘O presidente me ligou… Ele tá com um pressentimento’, disse Milton Ribeiro à filha
Rede Brasil Atual; 24/06
https://bit.ly/3xYEMIJ

Os desdobramentos do caso Milton Ribeiro parecem ter fugido ao controle do governo Jair Bolsonaro. Mesmo com a interferência na Polícia Federal a favor do ex-ministro da Educação, apontada pelo próprio delegado Bruno Callandrini, que conduziu a Operação Acesso Pago, o Planalto não tem como cobrir todas as frentes para abafar o caso. A Justiça Federal em Brasília enviou nesta sexta-feira (24) a investigação ao Supremo Tribunal Federal (STF). A justificativa para apelar à mais alta Corte do país é justamente a interferência na apuração que, segundo suspeitas, vem do “alto”.

 

POLÍTICA EDUCACIONAL

Cursinhos populares da USP estão com inscrições abertas
Agência Brasil; 26/06
https://bit.ly/3ylRN0l

Os cursinhos populares ligados à Universidade de São Paulo (USP) estão com inscrições abertas para aulas no segundo semestre. As aulas são gratuitas ou com preços acessíveis e há oportunidades na capital e em Ribeirão Preto.

Na capital paulista, o Cursinho Popular da Poli-USP, da Escola Politécnica, está com inscrições abertas até o dia 29 de junho, com uma taxa de R$ 15. Os candidatos devem se inscrever no site do cursinho e a seleção dos inscritos é feita por meio de prova e entrevista. Os aprovados pagam uma taxa única de matrícula no valor de R$ 100. Não há mensalidades.

O Cursinho Popular da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) está com vagas abertas para a modalidade de ouvinte na turma presencial, que funciona de segunda a sexta, das 14h às 19h20, na própria faculdade. As inscrições podem ser feitas por meio de um formulário até o dia 27 de junho.

Os estudantes da Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Atuária (FEA) também organizam um curso preparatório para o vestibular e o Enem. Estão abertas vagas em turmas de Ciclo Básico, “para alunos desde o segundo ano do ensino médio até pessoas que querem voltar a estudar”,

Em Ribeirão Preto, o cursinho também é organizado pelos estudantes da Faculdade de Direito. As inscrições estão abertas até o dia 4 de julho. O funcionamento é gratuito com apoio de entidades parceiras que doam materiais didáticos.

Na Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP, a iniciativa foi batizada de Cursinho Popular Clarice Lispector. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até o dia 3 de julho por formulário on-line.

 

MEC corta R$ 619 milhões de colégios e universidades federais
O Globo; 24/06
http://glo.bo/3NmSQ4z

A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) e a Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif) anunciaram nesta sexta-feira que as instituições federais de ensino perderam, juntas, mais de R$ 600 milhões do orçamento discriminado em junho.

As universidades federais tiveram um corte de R$ 217 milhões nesta sexta-feira e R$ 220 milhões no começo do mês. Metade desse dinheiro, segundo a Andifes, foi remanejado para o Programa de Garantia de Atividade Agropecuária. Já os colégios da rede federal perderam R$ 92 milhões agora e outros R$ 92 milhões no começo do mês. Juntas, os cortes somam R$ 619 milhões.

 

Artigo, por Leonado Sakamoto: ‘Com veto, Bolsonaro tira da educação do pobre e põe no tanque de gasolina’
UOL; 24/06
http://glo.bo/3NmSQ4z

“Dizem que o presidente da República não gosta de ser chamado de “Robin Hood às Avessas”, sempre tirando dos pobres. Mas é ele mesmo quem alimenta a alcunha ao abraçar ações como a redução do imposto de combustível negando a reposição de recursos que seriam usados em serviços públicos que beneficiam os mais vulneráveis.

Nesta quinta (23), Jair Bolsonaro (PL) sancionou o projeto de lei que limita o ICMS sobre combustíveis, energia elétrica, comunicações e transporte. Mas vetou a compensação que o Congresso Nacional tinha aprovado para que estados e municípios pudessem manter os mesmos valores que desembolsavam em educação e saúde públicas antes da nova lei”.

 

 

O NEGÓCIO DA EDUCAÇÃO

Faculdade XP vai investir R$ 100 milhões em TI
Valor Econômico; 27/06
http://glo.bo/3u5g9ZU

Com investimento de cerca de R$ 100 milhões, a Faculdade XP , negócio de educação do grupo financeiro, vai arcar com 100% da mensalidade dos alunos das graduações de tecnologia, cujas primeiras turmas começam em agosto. Serão 400 vagas, entre bacharelados e tecnólogos, a cada semestre. A estratégia é atrair estudantes de alto rendimento acadêmico para suas graduações de TI, ou seja, um perfil de aluno que tende a ter uma carreira bem sucedida e, com isso, a faculdade vai criando uma marca de reputação que, por sua vez, vai refletir nos outros cursos pagos da casa.

Para atrair esses alunos, as novas graduações terão forte vínculo com a XP Investimentos, que entrou no mercado de ensino superior há sete meses ao comprar a faculdade de ensino a distância IGTI. O modelo acadêmico será baseado em estudos de casos reais (projetos), sendo a maior parte deles ligada à corretora. Vários executivos do grupo financeiro vão ministrar aulas, que serão remotas.

 

ELEIÇÕES 2022

100 dias da eleição: veja as principais datas do calendário eleitoral
Nexo; 24/06
https://bit.ly/3u4u5TZ

Daqui a [menos de] cem dias, em 2 de outubro de 2022, o Brasil vai às urnas para escolher deputados, senadores, governadores e presidente. Por conta da agilidade da apuração com as urnas eletrônicas, no mesmo dia já serão divulgados resultados para o pleito.

Para governadores e, eventualmente, para a Presidência, um segundo turno pode ser realizado entre os dois mais votados, se ninguém alcançar mais de 50% dos votos válidos. A segunda votação vai ocorrer no dia 30 de outubro, no último domingo do mês.

As candidaturas devem ser confirmadas até o dia 15 de agosto. No dia seguinte, a campanha oficial já começa nas ruas e na internet. O horário eleitoral gratuito no rádio e na TV só começa dez dias depois, em 26 de agosto.

O programa eleitoral, os comícios, a propaganda na rua e na internet têm datas específicas para acabar no primeiro turno e retornar no segundo. A data de posse de governadores e presidente será no dia primeiro de janeiro, enquanto deputados e senadores tomam posse no mês seguinte.

 

SAÚDE

Média de óbitos pela covid-19 é a maior desde o início de abril
Rede Brasil Atual; 24/06
https://bit.ly/3bsstgk

O Brasil registrou 334 mortes e 60.384 casos de covid-19 nas últimas 24 horas, de acordo com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). Assim, em todo o país, a média móvel de óbitos calculada em sete dias ficou em 188, voltando a subir. É a maior marca desde 4 de abril, quando a média estava em 194. Em uma semana, esse índice registrou alta de 37,2%. Em 14 dias, de 33,3%.

Do mesmo modo, a média de casos, que ficou em 49.970, é a maior desde 2 de março, quando atingiu 51.039. Em uma semana, o índice teve aumento de 33,6%. Em 14 dias, o avanço é um pouco menor, de 24,9%.

 

Campinas: anúncio de liberação do uso de máscaras em escolas a partir de agosto divide especialistas; veja opiniões
G1; 24/06
http://glo.bo/3u7Fvqa

A Secretaria de Saúde de Campinas (SP) decidiu que, a partir de agosto, quando as aulas retornarem após as férias de julho, as máscaras não serão mais obrigatórias nas escolas municipais, estaduais e particulares. A justificativa da secretaria para a decisão foi a projeção de um cenário epidemiológico mais controlado nos próximos meses (veja abaixo o posicionamento).

O g1 conversou com três especialistas de diferentes áreas para comentar a medida anunciada pela metrópole. Dois deles consideraram que o momento escolhido para anunciar a retirada das máscaras não foi apropriado.

Já um terceiro acredita que a medida foi plausível, mas reforçou a importância dos cuidados individuais contra as doenças respiratórias.

 

 

 

 

Violência sexual: a proteção da criança na escola e a desumanização na Justiça
Sinpro SP; 27/06
https://bit.ly/3NqyAim

Em tempos de homeschooling e outras agendas nefastas, é bom prestar atenção.

Uma professora de Goiás reconheceu sinais de abuso sexual no desenho feito por sua aluna de 12 anos. O conselho tutelar foi chamado, a polícia investigou o caso, prendeu o suspeito e já enviou o inquérito para a Justiça. A notícia foi divulgada pelo G1 e outros veículos de imprensa, no início de junho.

No dia 20 de junho, uma reportagem assinada por Paula Guimarães, Bruna de Lara e Tatiana Dias, publicada no The Intercept Brasil, denunciou a crueldade de uma juíza e uma promotora que tentaram impedir o aborto de uma criança de 11 anos, vítima de estupro aos 10 anos de idade.

As jornalistas tiveram acesso à gravação da audiência, que é estarrecedora.

Desumanas e cruéis, a juíza e a promotora tentaram induzir a menina a prosseguir com a gravidez. Joana Riberio Zimmer, a juíza, pergunta à vítima de apenas 11 anos qual a expectativa dela em relação à gravidez, se ela gostaria de ver o bebê nascer ou escolher o seu nome. Diante da negativa, insiste “por quanto tempo [a criança] aceitaria ficar com o bebê na barriga (…) pra gente acabar de formar ele, dar os medicamentos para formar o pulmãzinho dele? (…) tu suportarias ficar mais um pouquinho com ele, mais duas, três semanas?” Por fim, pergunta se “o pai do bebê concordaria com a adoção”!!!

Mirela Dutra Alberton, a promotora, segue na tortura: “O que a gente queria ver se tu concordarias é se a gente mantinha (sic) mais uma  duas semanas na tua barriga, invés de deixar ele morrer agonizando (…) porque ele vai nascer chorando” [o que não é verdade].

A professora na escola de Goiás e a juíza e a promotora de Santa Catarina são dois exemplos em campos diametralmente opostos. O primeiro caso revela uma professora que honrou a sua profissão e atesta a importância da escola na vida das crianças e jovens.

No segundo caso, essas duas senhoras, cujos salários são pagos com os nossos impostos, colocaram suas convicções pessoais e religiosas acima da lei e contra os cidadãos. Desumanas, sem empatia, elas são um exemplo do estrago que o fundamentalismo ultraconservador pode provocar na sociedade.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio