Fepesp - Federação dos Professores do Estado de São Paulo

quarta-feira, 26 de maio de 2021

Por Beth Gaspar em 26 de maio de 2021

26/05 - 86% dos paulistanos aprova fechamento de escolas, parlamentares alertam contra homeschooling, diretor do Enem exonerado

.
Confira horário e link no seu sindicato: agora é a hora de discutir e deliberar sobre os seus direitos. Saiba mais aqui:   https://bit.ly/2Sp3YqF

 



Maioria dos paulistanos aprova fechamento de escolas. Para 86%, risco de contágio é alto
Rede Brasil Atual; 25/05
https://bit.ly/2TeChBn

A maioria dos paulistanos ainda considera inadequada a retomada das aulas presenciais nas creches e escolas em meio à pandemia de covid-19. De acordo com a pesquisa “Viver em São Paulo: Saúde e Educação”, divulgada nesta terça-feira (25) pela Rede Nossa São Paulo, para 59% a manutenção do fechamento das escolas, com aulas a distância, ainda é essencial para frear os contágios, ante 33% da população que considera adequada a volta às aulas presenciais.

Realizado em parceria com a empresa Inteligência em Pesquisa e Consultoria (Ipec), o levantamento traz a percepção dos paulistanos sobre os impactos da pandemia na educação. E revela que o principal temor, entre a parcela das pessoas que considera inadequada interromper o fechamento das escolas, está no risco alto de contágio (93%) e que as instituições não têm estrutura para evitar o contágio durante as aulas (89%). Mesmo entre aqueles que disseram concordar totalmente ou parcialmente com a volta às aulas, 86% temem a contaminação nos ambientes escolares e até 81% compartilham a análise sobre a falta de estrutura.

 

Frio já desafia os protocolos de aula presencial em SP em meio à covid-19
UOL; 25/05
https://bit.ly/2RDrtfX

As aulas presenciais, que ainda caminham a passos lentos para retomar o ritmo normal, agora precisam enfrentar o frio. Nas últimas duas semanas, o tempo trouxe o nariz escorrendo, a tosse, a dor de garganta — e o medo da covid-19.

Crianças passaram a ser mandadas para casa, turmas inteiras suspensas por causa da coriza de um colega. Mesmo com a reclamação de alguns pais, especialistas dizem que o contexto de alta transmissão do vírus e de vacinação lenta exige que os alunos esperem um resultado negativo de um caso suspeito ou fiquem 14 dias em casa para voltar à sala de aula


Rio de Janeiro: Direção de escola cívico-militar é exonerada após críticas a cerimônia com alunos
Estadão; 25/05
https://bit.ly/3hQPzhX

A secretaria municipal de Educação do Rio de Janeiro exonerou nesta terça-feira, 25, a direção da escola municipal Cívico-Militar Carioca General Abreu, situada no bairro do Rocha (zona norte), por desrespeito ao protocolo sanitário e conduta incompatível com o ambiente escolar. Estudantes perfilados no pátio repetiram frases ditadas por funcionário. Sindicato vê tentativa de 'doutrinação' em unidade na zona norte da capital fluminense.

O Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Estado do Rio de Janeiro (Sepe-RJ) recebeu imagens e vídeos da cerimônia e fez uma denúncia ao Ministério Público do Estado do Rio (MP-RJ), à Comissão de Educação da Câmara de Vereadores e à secretaria municipal de Educação (SME).

 

POLÍTICA EDUCACIONAL

Diretor de área responsável pelo Enem é exonerado do Inep
G1; 26/05
https://glo.bo/3vnEGYX

Após dois meses no cargo, o tenente-coronel aviador Alexandre Gomes da Silva foi exonerado da Diretoria de Avaliação da Educação Básica do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). A mudança foi publicada na edição desta quarta-feira (26) do Diário Oficial da União.

O departamento é responsável, por exemplo, pela organização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que ainda não tem data marcada em 2021, e pelo Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), cuja aplicação neste ano ainda é incerta.


Frente Parlamentar de Educação alerta sobre projeto de homeschooling
Correio Braziliense; 25/05
https://bit.ly/2TiCnYW

Deputado Professor Israel Batista afirma que a falta de acompanhamento do Estado pode causar afastamento de crianças da educação.

“Esse projeto é perigoso. Embalaram como um benefício aos pais que desejam ensinar os filhos em casa. Mas, na prática, pode resultar no abandono de crianças e adolescentes, pois o texto não prevê acompanhamento do Estado. Vamos voltar no tempo e desconsiderar marcos importantes para a educação brasileira”, alerta o deputado Professor Israel Batista, presidente da Frente Parlamentar Mista da Educação.

De acordo com a pesquisa “Avanços e desafios para a infância e a adolescência no Brasil”, do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), de 1990 a 2013 o percentual de crianças com idade escolar obrigatória fora dos colégios caiu 64%. Houve também redução do analfabetismo de 88% entre brasileiros de 10 a 18 anos. O ECA e a LDB tem impacto no número de evasão escolar, com o homeschooling, no entanto, por falta de controle do Estado, esses índices poderiam voltar a crescer.


Pandemia acelera tecnologia e pode mudar educação, diz ministro da Ciência
Rádio Bandeirantes; 25/05
https://bit.ly/3fF0ick

A pandemia do novo coronavírus teve impacto significativo na educação e na ciência, criando oportunidades para uma mudança ampla no cenário atual do ensino no Brasil.

A avaliação é de Marcos Pontes, ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação. Durante participação nesta terça-feira (25) no Fórum Rádio Bandeirantes – Educação & Tecnologia, Pontes apontou que o cenário internacional da Covid-19 acabou obrigando a tecnologia a dar novos passos.


CORONAVÍRUS

Avanço de casos, infecção em alta e maior lotação de UTIs indicam piora da pandemia
Estadão; 26/05
https://bit.ly/34kAL3a

Mais casos, taxa de contaminação crescente em alguns Estados, como São Paulo, e maior ocupação de leitos de UTI indicam um recrudescimento da pandemia da covid-19 no Brasil. Um dos principais dados é a média de diagnósticos por dia, que está acima dos 65 mil positivos, acréscimo de 8% em 14 dias. O avanço em registros leva a risco maior de contaminação e de internação, ampliando a pressão sobre o sistema e a possibilidade de óbitos.

Para definir como a doença vai evoluir, se considera entre o contágio e a possível morte de um paciente no período de até seis semanas. "O aumento do número de casos vai ser precedido obrigatoriamente pelo aumento do número de mortes", explica Alexandre Naime Barbosa, chefe do setor de infectologia da Unesp de Botucatu (SP) e consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia.

 

Imunidade de rebanho é perigosa e pode induzir milhares de óbitos, diz [capitã cloroquina] à CPI
Valor Econômico; 25/05
https://glo.bo/3wvV3Tl

A secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, admitiu nesta terça-feira que a imunidade de rebanho é perigosa para grandes populações e pode induzir a milhares de óbitos.

“Induzir imunidade através do efeito rebanho é extremamente perigosa. Para grandes populações, você não sabe quantas pessoas vão precisar ser submetidas a esse tipo de teoria e ela pode induzir a milhares de óbitos. Então, eu não concordo com isso de forma generalizada. Em pequenos grupos populacionais isso pode ser usado”, disse Mayra, em depoimento à CPI da Covid.

 

 

O NEGÓCIO DA EDUCAÇÃO

Cogna (Kroton) prepara aquisições para o segundo semestre
Valor Econômico; 25/05
https://glo.bo/2QTm6Zv

Dona dos maiores grupos de ensino superior e de educação básica do país, a Cogna viu seu negócio de faculdades - que representa 60% da receita da companhia - encolher nos últimos dois anos. A queda deve-se a uma combinação de fatores como concorrência mais acirrada no mercado de graduação on-line, impossibilidade de aquisição de grandes instituições de ensino por questões concorrenciais, redução do Fies (programa de financianento estudantil do governo federal) e crise econômica.

No primeiro trimestre, a Cogna começou a colher os resultados iniciais das ações adotadas no ano passado. A margem Ebitda da Kroton, empresa da Cogna que reúne os negócios de ensino superior, aumentou 9,3 pontos percentuais; o volume de alunos parou de cair. A Cogna voltou a gerar caixa. Agora, com um alívio no endividamento, que chegou a bater em três vezes o Ebitda e que obrigou o grupo a negociar os ‘covenants’ (compromissos financeiros) de suas debêntures, a Cogna planeja comprar faculdades de medicina e plataforma de tecnologia a partir do segundo semestre.

Conteúdo Relacionado

crossmenu