Fepesp - Federação dos Professores do Estado de São Paulo

terça-feira, 25 de outubro de 2022

Por Beth Gaspar em 25 de outubro de 2022

25/10 - Educação no topo da lista do Google, passe livre no 2º turno em SP, Escola sem Partido agora defende o agro, as eleições no SinproSP, e mais: o ataque a granada e o extremismo brasileiro

.

Prêmio Vladimir Herzog de Jornalismo e Direitos Humanos chega aos 44 anos com cerimônia nesta terça-feira, 25, às 20h no Tucarena da PUC. Todos convidados! Na foto, violência policial merece menção honrosa para repórter Fabio Teixeira. Os premiados estão aqui:    https://bit.ly/3gASZqq

 

Eleições 2022: Educação é o termo mais pesquisado no Google; confira a listaAnálise dos termos e assuntos que estão sendo pesquisados pelos usuários nos últimos dias, feita pelo serviço Google Trends, mostrou que nos últimos 30 dias o tema mais pesquisado pelos eleitores é a educação, por meio do termo “Escola”, que chegou ao pico máximo do gráfico na semana passada (17).

Nos últimos 30 dias analisados pelo Google, o termo “Escola” foi ultrapassado somente em único momento: no dia 3 de outubro (um dia após o primeiro turno das Eleições 2022), quando o “Dólar” chegou a ser mais repercutido. Por outro lado, as pesquisas sobre a moeda se mantiveram quase o período inteiro na segunda colocação do gráfico. Olhar Digital, 24/10  https://bit.ly/3gE9x0S

 

Haddad: ‘País é governado por um grupo de bandidos, e Tarcísio se dispôs a ser joguete na mão deles’ – O candidato do PT ao governo de São Paulo, Fernando Haddad, criticou duramente seu adversário, Tarcísio de Freitas (Republicanos), nesta segunda-feira (24). Haddad afirmou que as “únicas coisas” que Tarcísio propõe ao estado são ameaças. “Desobrigar a vacina, tirar as câmeras dos uniformes policiais e vender a Sabesp”, cita. “Até o Estatuto da Criança e do Adolescente ele cogitou não cumprir”, disse o ex-prefeito paulistano e ex-ministro da Educação. O candidato do PT participou de sabatina do jornal Valor Econômico e da rádio CBN.

Sobre educação, o ex-ministro defendeu a “reestruturação das carreiras de docentes em São Paulo”. Ele defendeu ainda a proposta do Bilhete Metropolitano. “Será processo gradual de inclusão de cidades ao bilhete da capital”, disse. Moradores das cidades vizinhas teriam bilhete integrado ao sistema paulistano. “Os técnicos vão definir o prazo que precisa durar o bilhete. Mas vamos definir tarifa que seja menor a que se paga hoje”, propôs. Rede Brasil Atual, 24/10  https://bit.ly/3Tvtup0

 

‘The Guardian’ destaca negacionismo de Tarcísio em querer tirar câmeras de uniformes de PMs -  A proposta do candidato a governador de São Paulo Tarcísio de Freitas (Republicanos) de “reavaliar” o programa estadual Olho Vivo, – que prevê a instalação de câmeras nos uniformes de policiais militares –, vem ganhando repercussão negativa também na imprensa internacional. Além das críticas de especialistas brasileiros em segurança pública que apontam “retrocesso”, o plano de Tarcísio, de remover os equipamentos, recebeu destaque crítico em reportagem do jornal britânico The Guardian, publicada nesta segunda-feira (24).

A reportagem destaca que, após de São Paulo ter se tornando o primeiro estado do Brasil a instalar câmeras corporais nas fardas de PMs, em um ano o programa alcançou “resultados impressionantes”. Com base em dados da Secretaria estadual de Segurança Pública e da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o jornal mostra que o número de pessoas mortas nos chamados “confrontos” com a polícia caiu mais da metade. Rede Brasil Atual, 24/10  https://bit.ly/3Feluoc

 

Prefeito de SP cede e decide oferecer passe livre no 2º turno -  O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), anunciou nesta segunda-feira (24) que a cidade de São Paulo disponibilizará transporte público coletivo gratuito durante o segundo turno das eleições, no próximo domingo (30).

"Começará às 6 horas e vai até as 20 horas, com catraca livre. Ou seja, quem entra pela porta da frente, desce pela porta da frente. Quem entra pela porta de trás, desce pela porta de trás", afirmou Nunes na saída de uma reunião com entidades que defendiam a gratuidade. Monica Bergamo, 24/10  https://bit.ly/3SzFMvt

 

POLÍTICA EDUCACIONAL

Após derrotas de Escola Sem Partido, grupos miram gênero e críticas ao agro na sala de aula – A disputa pelo que se ensina em sala de aula mudou, mas não acabou após as derrotas em série do movimento Escola Sem Partido. Plataforma eleitoral do presidente Jair Bolsonaro (PL), as iniciativas para mudar currículo e material escolar foram repaginadas e ganharam um caráter setorial. De um lado, miram questões de gênero e sexualidade; de outro, uma suposta difamação do agronegócio nas escolas.

Na campanha de 2018, as questões de gênero já eram um dos flancos da atuação do Escola Sem Partido, mas não o único. O movimento, criado em 2004, inicialmente combatia o que dizia ser uma doutrinação de esquerda nas escolas brasileiras. Com o tempo, incorporou a luta contra a abordagem de conteúdos ligados à sexualidade. Folha de S. Paulo, 24/10  https://bit.ly/3gFufgM

 

Enem 2022: locais das provas são divulgados; candidatos relatam instabilidade no site do Inep - Os locais das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2022 foram divulgados nesta segunda-feira, 24. A página do participante (aqui) apresentou instabilidades, segundo relatos de candidatos, ainda durante a manhã. Procurado pela reportagem, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) disse que o acesso à plataforma gov.br estava intermitente em função de uma manutenção realizada pelo Ministério da Economia. Na edição deste ano, nos dias 13 e 20 de novembro, 3.396.632 estudantes estão aptos a realizar o exame. Estadão, 24/10   https://bit.ly/3gEqatf

 

SINDICATOS

As eleições no sindicato dos professores de SP   Começou [nesta segunda-feira] (24) a eleição para a diretoria do Sinpro-SP – Sindicato dos Professores da rede privada da Capital. Vai até quarta, dia 26. A entidade tem cerca de 21 mil sócios, incluindo aposentados que não lecionam mais. Tem direito toda professora ou professor sindicalizado ao Sinpro-SP até 23 de abril, em dia com suas obrigações de associado.

APOSENTADO QUE NÃO LECIONA MAIS – Professora ou professor, que havia se filiado enquanto estava em atividade, tornou-se sócio remido ao deixar a sala de aula, com direito a todas as garantias e serviços do Sinpro-SP. Vota na Sede (Rua Borges Lagoa, 170, Vila Mariana), das 7 às 20 horas, dias 24, 25 e 26.

URNAS – Itinerantes circularão por escolas e faculdades, de todos os portes e níveis de ensino, em todas as regiões da Capital. Há urna fixa na Sede (Borges Lagoa, 170), das 7 às 20 horas, pra receber voto de professor aposentado e outros que optarem por votar no SinproSP.

CHAPA 1 – Encabeçada pelo professor Celso Napolitano, da Fundação Getúlio Vargas, que foi também, por vários anos, presidente do Diap – Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar. Hoje, atua junto a cursos de pós-graduação e consultoria para a FGV. A chapa é eclética, com professores do Básico ao Superior. Um terço de mulheres, ou seja, oito.

PROPOSTAS – Manter integralmente direitos e garantias da Convenção Coletiva. Organização da categoria para reivindicações em relação às novas tecnologias aplicadas ao ensino; inserção cada vez maior do Sindicato nos estabelecimentos, para efeitos de trabalho de base e mobilizações cívicas por democracia e cidadania.

CIVISMO – “Nos três primeiros dias da semana, a categoria elege sua direção. Dia 30, todos votam por um governo democrático, que valorize a educação, a democracia, o emprego e a renda”, afirma Celso Napolitano. Agência Sindical,  24/10  https://bit.ly/3Nb2jgT

 

Coral do Sinpro se apresenta neste sábado na Biblioteca Municipal de Campinas  Dia 29/10, sábado, às 10h, o Coral do Sinpro Campinas realiza apresentação no Sarau Lítero-Musical da Biblioteca Municipal de Campinas (Av. Benjamin Constant, 1633 – Centro). No programa, músicas brasileiras e natalinas. A entrada é franca.

A participação no Coral é aberta a toda e qualquer pessoa que goste e queira cantar. Não é necessário ser professor, nem sindicalizado (a) e nem é preciso conhecer música. É importante lembrar que na abertura dos ensaios há um período de exercícios vocais para a educação e aquecimento da voz. Sinpro Campinas,  24/10  https://bit.ly/3N4Drar

 

TRABALHO

STF: licença-maternidade começa a contar a partir da alta hospitalar, não do parto  O Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria para considerar que a contagem para licença-maternidade e salário-maternidade começa no dia da hospitalar do recém-nascido e/ou da mãe (o que for por último), e não no do parto. A discussão da ADI 6327 ocorre em plenário virtual até às 23h59 desta sexta-feira (21/10). Conforme a decisão, os benefícios devem ser prorrogados em casos em que a internação hospitalar for superior a duas semanas.

A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) já garante a prorrogação de duas semanas em caso de internações mais curtas, no entanto, para casos de internação com prazo maior a extensão do direito não era garantida. Jota,  22/10  https://bit.ly/3zfm8xP

 

Como o ataque de Jefferson expõe o extremismo brasileiro
Nexo, 24/10
https://bit.ly/3N2xcE6

Aliado do presidente atira e joga granadas em policiais que tentavam prendê-lo. O ‘Nexo’ conversou com um cientista político e um historiador sobre as parcelas mais radicalizadas do bolsonarismo.

Desde 2020, Roberto Jefferson xinga ministros do Supremo e defende ações armadas em nome da “liberdade”, expondo a face mais radicalizada do bolsonarismo, um movimento de extrema direita estimulado pelos discursos do presidente Jair Bolsonaro. Em 2021, o ex-deputado e ex-presidente do PTB foi preso — e depois mandado para prisão domiciliar — por insuflar violência contra ministros da mais alta corte do país.

No domingo (23), Jefferson colocou em prática aquilo que já vinha sugerindo que faria: atirou de fuzil e lançou granadas em policiais federais que foram até sua casa, na cidade de Comendador Levy Gasparian, no interior do Rio de Janeiro, a fim de levá-lo para a cadeia por causa da reincidência de ataques ao Judiciário. O caso expõe o extremismo brasileiro que veio à tona com a chegada de Bolsonaro ao poder e segue uma escalada desde então.

O que veio antes dos tiros e granadas - Na sexta-feira (21) a ABJD (Associação Brasileira de Juristas pela Democracia) havia solicitado ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, a revogação da prisão domiciliar e a decretação da prisão preventiva de Roberto Jefferson, após a publicação de um vídeo feito por Jefferson xingando a ministra Cármen Lúcia e chamando o Tribunal Superior Eleitoral de “latrina”.

Na gravação ele compara a ministra com “prostitutas”, “arrombadas” e “vagabundas”. O vídeo foi publicado nas redes sociais da filha do ex-deputado, já que ele está impedido de usar seus perfis por determinação de Moraes.

O extremismo brasileiro no bolsonarismo - Para Odilon Caldeira Neto – professor de história contemporânea da UFJF (Universidade Federal de Juiz de Fora) e um dos coordenadores do Observatório da Extrema Direita –, Roberto Jefferson “assumiu um ponto de referência para as tendências mais radicais do bolsonarismo”. Ou seja, ele se tornou um foco de mobilização entre determinados setores mais radicais do bolsonarismo.

Mas esse papel já foi cumprido por outras pessoas – Caldeira Neto citou, por exemplo, os blogueiros bolsonaristas Oswaldo Eustáquio e Allan dos Santos, o caminhoneiro Zé do Trovão e o próprio ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub.

“Essas figuras que fazem a ligação entre o núcleo duro do bolsonarismo e as bases são cotidianamente colocadas como ‘bucha de canhão’ do processo de radicalização constante, depois são largadas no mar. Mas o processo continua. E em crescente”, disse o professor ao Nexo.

O impacto das ações de Jefferson - Para Caldeira Neto, do Observatório da Extrema Direita, o caso de Jefferson “diz respeito a essa necessidade de uma mobilização e de uma pulsão constante dessas possibilidades de rupturas institucionais pelo próprio bolsonarismo e pelo núcleo duro da campanha de Bolsonaro”.

O professor da UFJF falou sobre como essa mobilização pavimenta um caminho para uma ação de contestação das eleições presidenciais, cujo segundo turno está marcado para 30 de outubro. Bolsonaro está atrás de Lula nas pesquisas de intenção de voto do segundo turno.

Nesse sentido, o pesquisador entende que a moderação do discurso de Bolsonaro visando o segundo turno das eleições não significa que não haja risco institucional. “Depois das eleições, já não temos uma evidência disso [moderação]. Uma importante característica do bolsonarismo e do governo Bolsonaro é sua imprevisibilidade”.

Conteúdo Relacionado

crossmenu