Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 28 de fevereiro de 2024

24 de fevereiro de 2022

24/02 – O impacto da Educação na inflação, Milton Santos é nome de avenida em Salvador, o novo Manual de Defesa contra a censura nas escolas, e mais: 20 conteúdos para falar sobre o Dia da Mulher em aula

.

[addthis tool="addthis_inline_share_toolbox_whwi"]

 

 

Educação sobe 5,64% e se torna grupo de maior impacto no IPCA-15 de fevereiro
IstoÉ Dinheiro; 23/02
https://bit.ly/34ZkaWD

Os reajustes de mensalidades escolares no início do ano letivo impulsionaram os gastos das famílias com Educação em fevereiro, segundo dados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) divulgado nesta quarta-feira, 23, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O custo da Educação subiu 5,64% este mês, grupo de maior impacto no IPCA-15, uma contribuição de 0,32 ponto porcentual. A maior contribuição partiu dos cursos regulares (6,69%), devido aos reajustes praticados no início do ano letivo. Houve altas de preços no ensino fundamental (8,03%), pré-escola (7,55%), ensino médio (7,46%), creche (6,47%) e ensino superior (5,90%).

 

Maioria dos reajustes salariais ainda perde da inflação em janeiro, diz Dieese
Rede Brasil Atual; 23/02
https://bit.ly/3LV6nRj

No mês, 42% dos reajustes ficam abaixo do INPC. Um ano atrás, foram mais de 60%. Apesar da melhora, inflação segue pressionando negociações. Há um ano, em janeiro de 2021, apenas 11% dos reajustes incluíram ganho real. E 60,5% tiveram índice inferior ao INPC, usado como referência salarial.

“Em relação à variação real média – equivalente à média dos reajustes após desconto da inflação – os dados de janeiro de 2022 seguem em valor muito próximo ao observado nas duas datas-bases anteriores (em torno de -0,6%) e são idênticos aos apurados em janeiro de 2021”, afirma o Dieese.


POLÍTICA EDUCACIONAL

Fuvest divulga aprovados na segunda chamada nesta sexta-feira
Folha de S. Paulo; 23/02
https://bit.ly/3IhsCyB

A Fuvest divulga na próxima sexta-feira (25) a lista de candidatos aprovados na segunda chamada do vestibular da USP (Universidade de São Paulo). Os nomes poderão ser conferidos no site da instituição.

Quem for aprovado terá de se matricular entre as 8h de segunda (28) e as 16h de terça-feira (1º). O processo se dará em duas etapas, ambas virtuais.

 

Sistema Nacional de Educação tem votação adiada para 9 de março
Agência Senado; 23/02
https://bit.ly/33N2ugf

O projeto que cria o Sistema Nacional de Educação (SNE) deve ser votado no dia 9 de março. De autoria do senador Flávio Arns (Podemos-PR), o Projeto de Lei Complementar (PLP) 235/2019 seria votado no Plenário do Senado na tarde desta quarta-feira (23), na forma de um substitutivo apresentado pelo senador Dário Berger (MDB-SC), mas teve sua apreciação adiada. A matéria já havia sido aprovada na Comissão de Educação (CE), em novembro do ano passado.

 

Avenida da UFBA em Salvador recebe nome de Milton Santos. ‘Reparação histórica’
Rede Brasil Atual; 23/02
https://bit.ly/3pbRUqx

A Lei municipal 9.622, sancionada na segunda-feira (21) pela prefeitura de Salvador, deu o nome de Milton Santos a uma avenida no bairro de Ondina, onde fica o principal campus da Universidade Federal da Bahia (UFBA). O geógrafo e pensador brasileiro, nascido naquele estado, substitui o do político paulista Adhemar de Barros. Referência intelectual brasileira e internacional, Milton Santos morreu em 2001, aos 75 anos.

A proposta de mudança, apresentada pelo vereador soteropolitano Augusto Vasconcelos (PCdoB), foi aprovada após ampla mobilização nas redes sociais – mas houve resistência de grupos conservadores. Para o vereador, trata-se de uma “reparação histórica”.

 

Lançamento da nova edição do Manual de Defesa contra a Censura nas Escolas!
Facebook; 23/02
https://bit.ly/3hdjjE1

Promovido por mais de 80 organizações, a nova edição do Manual traz estratégias jurídicas, políticas e pedagógicas para o trabalho em rede, fazendo frente aos ataques contra a liberdade de ensino e o pluralismo pedagógico!

A primeira edição do manual, em 2018, foi fundamental para proteger profissionais e escolas da censura, perseguição e repressão. Nesta segunda edição, o manual traz novos casos e inclui as decisões recentes do Supremo Tribunal Federal, que concluíram pela inconstitucionalidade da censura nas escolas.

 

TRABALHO

Sinpro Campinas contesta artigo da Folha de S. Paulo e reitera sua preocupação com o retorno às aulas presenciais
Sinpro Campinas; 23/02
https://bit.ly/3M8mwmK

Na edição do último dia 22 de fevereiro, a Folha de S. Paulo publicou um artigo da jornalista Laura Mattos initulado “Manter universidades sem aulas presenciais é hipócrita e cruel.” O Sinpro Campinas não concorda com a jornalista quando ela diz ser “hipócrita” o argumento de universidades, e parte dos professores e dos estudantes, de que o ensino remoto deve ser mantido para “preservar a saúde” da comunidade universitária. Esta afirmação não se sustenta dentro da situação atual em que o país se encontra, em meio a uma pandemia que já ceifou a vida de mais de 644 mil brasileiros e mediante o aparecimento de uma nova cepa do vírus, muito mais contagiosa que as anteriores, e responsável pelo aumento do número de casos da doença, inclusive entre os jovens.

 

Tomador e prestador respondem juntos por fraude em terceirização, decide TST
Conjur; 22/02
https://bit.ly/3Ii5ro1

Nas ações trabalhistas que envolvem o reconhecimento de vínculo empregatício decorrente de fraude na terceirização, o litisconsórcio passivo deve ser composto pelas empresas tomadora e prestadora de serviços.

Esse foi o entendimento do Pleno do Tribunal Superior do Trabalho que concluiu nesta terça-feira (22/2) a fixação de uma importante tese jurídica sobre os desdobramentos da decisão do Supremo Tribunal Federal que permitiu a ampla terceirização de serviços.

Na prática, a fixação da tese pelo TST fará com que o trabalhador terceirizado possa apresentar ação contra ambas as partes — o tomador e o prestador de serviços.

 

 

 

CORONAVÍRUS

O julgamento que pode limitar a cobertura de planos de saúde
Nexo; 22/02
https://bit.ly/3LUHcyl

O Superior Tribunal de Justiça adiou um esperado julgamento sobre a cobertura obrigatória de planos de saúde nesta quarta-feira (23). A depender da decisão, as operadoras não precisarão pagar por tratamentos que não estejam expressamente previstos no rol de procedimentos da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar). Hoje, tribunais costumam decidir a favor de clientes que têm seus pedidos negados pelas empresas mesmo sob justificativa médica. O “Durma com essa” fala sobre como manifestações de mães de autistas e pessoas com deficiência movimentaram as redes sociais e dos argumentos em torno da discussão.

 

 

 


Dia das Mulheres: 20 conteúdos para se inspirar e levar a temática para a sala de aula

Nova Escola; 23/02
https://bit.ly/3BNwkh8

O mês de março está se aproximando, e com ele, vêm as reflexões  em torno do Dia das Mulheres – uma data que tem origens históricas: desde o século 19, as mulheres que faziam parte de movimentos operários se organizavam nos Estados Unidos e em países europeus, em luta pelos seus direitos. A partir disso, os movimentos feministas pelo mundo ganharam força pelo mundo.

Pautas relacionadas à conquista de melhores condições de trabalho, direito ao voto e equidade de gênero estiveram entre as prioridades dessas lutas. Em 1977, a Organização das Nações Unidas (ONU) decretou o 8 de março como o Dia Internacional da Mulher. Para saber mais, confira aqui a explicação completa por trás desse marco.

Esse dia pode ser uma ótima oportunidade para se pensar em como a desigualdade de gênero está presente na Educação, e em como promover o respeito e a valorização das mulheres desde cedo — não apenas em março, mas durante o ano todo. Por isso, separamos 20 conteúdos do acervo da NOVA ESCOLA para refletir sobre a temática, conhecer experiências inspiradoras e também sugestões de caminhos para trabalhar o assunto com a sua turma.

Profissão Educadora: as mulheres na Educação Infantil As origens desta etapa de ensino são muito relacionadas ao ato de cuidar, e como as tarefas vinculadas aos cuidados são historicamente ligadas às mulheres, não surpreende que elas sejam maioria entre as profissionais. Hoje o entendimento sobre o papel do professor da Educação Infantil é outro e muito mais amplo, e nesta reportagem as professoras compartilham as suas trajetórias, e apontam como a profissão foi modificada pela pandemia.

Dia das Mulheres: 8 perguntas para entender as discussões de gênero Para garantir direitos mais igualitários, é preciso desmistificar as questões de gênero na escola e fugir da desinformação. Por isso, entenda como essa discussão não interessa apenas às mulheres, e qual é o papel dos educadores nessa história.

Por que o Dia Internacional da Mulher não pode passar batido e deve estar na pauta o ano inteiro Assim como outras efemérides que temos no calendário escolar, a temática da equidade e a valorização das mulheres não deve ser pautada apenas em março. Entenda, nesta reportagem, a importância de se levar o assunto para a sala de aula durante todo o período letivo.

Como apoiar as meninas para evitar a evasão escolar  Esse é um desafio que está posto desde antes da pandemia: as meninas são mais vulneráveis para abandonar os estudos por motivos relacionados ao trabalho doméstico, violência sexual, casamento precoce e gravidez indesejada. Por isso, saiba mais sobre o assunto e conheça estratégias para apoiá-las a continuarem na escola.

Por que você não sonha em ser ministra da Educação? Apesar de serem maioria na Educação Básica, poucas profissionais chegam a ocupar lugares de liderança. Entenda como a desigualdade de gênero está presente na Educação conferindo relatos de educadoras que viram de perto a discriminação conforme avançaram em suas carreiras. Elas também compartilham como é possível mudar isso nas escolas e construir um futuro com mais equidade para as meninas.

Professora empodera estudantes no CE com Literatura de mulheres engajadas  A literatura é uma ferramenta poderosa para envolver os alunos nas discussões e lutas pela equidade. Essa é a estratégia utilizada pela professora Camile Baccin De Moura para promover os debates sobre ancestralidade, pertencimento, identidade e racismo. Ela apresentou autoras como Conceição Evaristo, Angela Davis, Chimamanda Ngozi Adichie, Djamila Ribeiro, Lélia Gonzalez, bell hooks e Grada Kilomba para adolescentes do Ensino Médio. Conheça o projeto e saiba também como é possível replicá-lo na sua realidade.

Mulheres na tecnologia: esse espaço também é nosso Finalista do Prêmio Global Teacher Prize, considerado o Nobel da Educação, a educadora Débora Garofalo compartilha sua trajetória para ressaltar a importância de se ensinar, desde cedo, que o lugar das meninas é também na área da tecnologia (e em qualquer outra que elas quiserem).

7 mulheres que mudaram a Educação Ao lembrar dos principais pensadores da Educação, é possível que pense em nomes como Paulo Freire, Jean Piaget e Lev Vygotsky. No entanto, engana-se quem acredita que não tivemos mulheres que marcaram a área — para além das milhares de educadoras que fazem isso diariamente em cada escola do Brasil. Neste conteúdo, conheça sete mulheres que contribuíram para refletir e transformar a Educação.

Vamos conhecer – e valorizar! – as mulheres da nossa vida? Não é preciso ir longe para encontrar mulheres inspiradoras. Essas figuras podem ser as mães, tias, avós, irmãs ou qualquer figura feminina das crianças. Saiba como se aproximar das famílias dos pequenos e promover essa troca de histórias na Educação Infantil.

Dia da Mulher: 3 sugestões para trabalhar representatividade feminina na alfabetização Que tal utilizar a temática para avançar na leitura e escrita dos alunos? A professora Mara Mansani compartilhou três propostas para estimular o respeito e a valorização das mulheres desde cedo.

A potência da literatura produzida por mulheres Diversificar a autoria dos livros trabalhados em sala de aula é uma forma de valorizar a diversidade enquanto estudam os diferentes gêneros textuais, além de apresentar novos pontos de vista, e ainda estimular a autoestima e a identificação das meninas, que podem se ver representadas nessas escritoras. Entenda, nessas reportagens, como é possível fazer esse trabalho nos anos finais do Ensino Fundamental – e de bônus, confira aqui 12 sugestões de autoras para apresentar aos seus alunos.

Siga as pegadas das mulheres na Arqueologia e na História Nos anos iniciais, explore desde as trajetórias das famílias até as marcas deixadas por figuras femininas ao longo de toda a história. Para isso, esses conteúdos vão auxiliar a construir propostas efetivas, que envolvam o estudo dos papéis das mulheres desde as primeiras sociedades humanas, e também a sua luta por emancipação.

Nem de menino, nem de menina: Brincadeiras para todos Desde a Educação Infantil, é preciso desmistificar que existam brincadeiras (ou brinquedos) de menina e de menino. Romper essa lógica é garantir experiências mais ricas para todos. Entenda como promover jogos e atividades que permitam uma maior liberdade de escolhas independente do gênero.

8 planos de aula para usar no Dia da Mulher Para preparar as atividades, confira algumas sugestões de como a temática pode ser trabalhada com a sua turma, visando inspirar uma reflexão sobre as conquistas femininas e as desigualdades que ainda persistem.

Como organizar e cuidar do espaço escolar

Esse vai especialmente para gestores: um NOVA ESCOLA BOX inteirinho que vai destacar a importância pedagógica do espaço escolar e refletir sobre planejamento.

Xadrez também é das meninas – como trabalhá-lo em sala Este jogo pode ser utilizado para aproximar todos os alunos da Matemática. Nessas reportagens, compreenda por que uma proposta como essa é tão interessante; veja como fazer esse trabalho nos anos iniciais; e conheça ainda sugestões de materiais sobre a história das mulheres no xadrez.

Mais mulheres (e meninas) na Matemática Um trabalho semelhante ao anterior pode ser feito nos anos finais ao aproximar as adolescentes das Ciências Exatas – e este conteúdo destaca como fazer esse trabalho. Combater os estereótipos de gênero que ainda cercam a aprendizagem e dar voz às meninas, valorizando seu raciocínio, é a saída para mantê-las engajadas.

A Ciência das mulheres Assim como na Matemática, a área da Ciência como um todo, historicamente, foi vista como um assunto “de meninos/homens”. Para ajudar a desmistificar esse tópico, conheça a participação das mulheres no campo científico ao longo da história e veja como estimular a participação de todos nas aulas de Ciência nos anos iniciais.

Descubra a vida das mulheres na Idade Média Apesar de muitos livros de história invisibilizarem o papel das mulheres medievais, elas foram princesas, copistas, camponesas e muito mais. Ampliar o entendimento sobre elas permite uma melhor compreensão dessa sociedade — além de desconstruir estereótipos. Saiba mais sobre a vida dessas figuras durante a Idade Média, e confira dicas de como levar esses tópicos para a sala de aula.

Cartas de afeto para mulheres inspiradoras Que tal trabalhar o gênero de carta, previsto na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), enquanto fomenta a valorização e o respeito às mulheres? Nesses conteúdos, reunimos informações sobre este tipo de texto, e preparamos orientações de como levar a proposta para os alunos de 3º e 4º ano, e também alguns passos para avaliar essas produções.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio