Fepesp - Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 20 de agosto de 2024

Por Beth Gaspar em 23 de agosto de 2022

23/08 - Resolução de conflitos por mediação bate recorde, só o patronal do Superior é que não quer. E mais: só 1 em 10 professores acham que alunos vão aprender o que devem este ano

.

Ensino Superior:  converse com seus colegas, prepare-se para parar no dia 5. A decisão pela greve é uma questão de dignidade. Veja todos os motivos para a decisão das assembleias, aqui: https://youtu.be/KlUUHtzHeew

 

Resolução de conflitos: arbitragem dá salto em meio à pandemia e casos batem recorde - A arbitragem, meio de resolução de conflitos alternativo ao Judiciário, deu um salto em meio à pandemia. Bateu a marca de mil casos em andamento. O número - recorde - foi registrado nas oito principais câmaras do país, que expandiram suas áreas de atuação. Além de questões societárias e discussões contratuais entre empresas, vêm recebendo demandas trabalhistas. “Esse crescimento se deve à confiança no instituto. Estamos com quase 26 anos da Lei de Arbitragem e o Brasil é um case internacional”, diz a autora Selma Lemes. A lei que está em vigor - nº 9.307 - tem como raiz a lei modelo da Uncitral, órgão da ONU que estuda regras para o desenvolvimento do direito comercial mercantil. Valor Econômico 23/08  http://glo.bo/3PRaC1i


Mesmo assim, o patronal recusa qualquer proposta de mediação, não aceita arbitragem. Por que? O que eles tem a esconder?. ‘Não aceitam a mediação, que poderia mostrar um caminho para a solução negociada do conflito, por não terem como sustentar seus argumentos diante de um mediador, que poderia ser o próprio desembargador do TRT. O quer eles escondem?” Fepesp, 22/08  https://bit.ly/3KdyGdl

 

 

 

POLÍTICA EDUCACIONAL

Só 1 em cada 10 professores acha que seus alunos vão aprender o esperado este ano –  Os números vêm de uma pesquisa realizada no primeiro semestre com professores de escolas públicas e particulares de todo o País pelo Instituto Península. Ao serem questionados sobre como está a aprendizagem dos alunos na volta às aulas, 11% disseram que devem cumprir o esperado para o ano letivo. A mesma pergunta havia sido feita em 2020, quando o índice foi de 26%, e em 2021, quando 14% tinham dito que seus alunos aprenderiam o previsto. Estadão, 22/08  https://bit.ly/3wkkdXi

 

Alunos de SP aprendem só 45% do esperado após quase dois anos de pandemia - Os danos do fechamento das escolas na pandemia seguem devastadores mesmo depois de um ano da retomada parcial das aulas presenciais. Estudantes das escolas estaduais de São Paulo, ao final de 2021, haviam aprendido menos da metade (45%) do que era esperado para os últimos dois anos caso as aulas não tivessem sido interrompidas, e 31% corriam alto risco de evasão escolar. A conclusão é de uma pesquisa feita pela Universidade de Zurique com base em dados fornecidos pela Secretaria da Educação paulista. O estudo englobou alunos do ensino fundamental 2 (6º ao 9º ano) e do ensino médio, a partir dos boletins escolares e de provas específicas de português e de matemática Folha de S. Paulo, 23/08  https://bit.ly/3dQvt7x

 

Fies: convocação de candidatos da lista de espera começou nesta segunda; veja o que é preciso fazer - Todos os não pré-selecionados na chamada única são automaticamente incluídos na lista de espera. A consulta à lista e a inclusão dos novos dados devem ser realizadas na plataforma do fundo de financiamento (acessounico.mec.gov.br/fies). Segundo o Ministério da Educação, em 2022, foram ofertadas 110.925 vagas de financiamento pelo Fies. Estadão, 22/08  https://bit.ly/3AGntyR

 

ELEIÇÕES 2022

Bolsonaro mente no JN e coloca condição para aceitar resultado das eleições - Ele foi o primeiro candidato ao Planalto a participar da série de entrevistas com presidenciáveis no programa da TV Globo. Durante a sabatina, houve panelaços em diversas capitais do país. Folha de S. Paulo, 23/08  https://bit.ly/3ccrr8T


Fiocruz diz que democracia é valor universal em carta a presidenciáveis com propostas para a saúde - O documento, despachado nesta segunda-feira (22), se refere à pandemia da Covid-19 como "uma das mais graves e complexas crises que já assolaram o país e o mundo", pede uma revisão do modelo de desenvolvimento vigente no país e reitera seu apoio ao SUS (Sistema Único de Saúde). Monica Bergamo, 22/08  https://bit.ly/3dS7THy

 

 

Coração de Dom Pedro 1º chega ao Brasil recebido por ministros
Nexo, 22/08
https://bit.ly/3AD3b9s

O coração do imperador Dom Pedro 1º chegou a Brasília na manhã desta segunda-feira (22). O órgão do integrante da família real portuguesa responsável por proclamar a Independência do Brasil em 7 de setembro de 1822 foi trazido ao Brasil por um avião da FAB (Força Aérea Brasileira) para fazer parte das comemorações dos 200 anos do evento.

O órgão, que está preservado em formol, foi recebido pelo embaixador de Portugal no Brasil, Luís Faro Ramos, e pelos ministros Paulo Sérgio Nogueira, da Defesa, e Marcelo Queiroga, da Saúde. Na terça-feira (23), o presidente Jair Bolsonaro vai receber a relíquia na rampa do Palácio do Planalto em uma cerimônia com honras militares, na qual será utilizado o mesmo rito adotado na recepção de chefes de Estado. Na sequência, o órgão ficará alojado no interior de uma cripta no Itamaraty, envolto por uma cápsula de vidro.

O coração vai ficar no Brasil até 8 de setembro, quando será enviado de volta a Portugal. Nesse período, o público poderá vê-lo em exposição no Itamaraty. No entanto, essas visitas precisarão ser previamente agendadas, exceto nos fins de semana. A Polícia Federal e as Forças Armadas são as responsáveis pela segurança do órgão de Dom Pedro 1º, que governou o Brasil até 1831, ano em que retornou a Portugal.

Outros restos mortais dele e dos demais integrantes da Casa Imperial estão sepultados em uma cripta sob o Monumento à Independência, no Parque da Independência, em São Paulo, desde que foram trazidos ao Brasil em 1972, como parte das comemorações dos 150 anos do evento. O coração de Dom Pedro 1º teve um destino diferente devido a um pedido dele próprio, que queria que o órgão ficasse na cidade portuguesa do Porto.

A solicitação do governo brasileiro para trazer o órgão ao Brasil pela primeira vez na história teve que ser aprovada pelos vereadores da Câmara Municipal do Porto. Além disso, o Instituto de Medicina Legal da cidade portuguesa fez uma perícia para aprovar a viagem. As autoridades do Brasil não confirmaram quais foram os custos de todo o procedimento envolvendo a iniciativa, mas confirmaram que eles ficaram próximos aos valores que geralmente são empregados nas visitas de chefes de Estado de outros países.

Conteúdo Relacionado

crossmenu