Fepesp - Federação dos Professores do Estado de São Paulo

segunda-feira, 18 de julho de 2022

Por Beth Gaspar em 18 de julho de 2022

18/07- informativo diário da Fepesp com nova apresentação, mais rápido de ler sem prejuízo do conteúdo, e mais: ‘nosso povo está morrendo’, o ato por Bruno e Dom na Sé

.

A Conferência Nacional Popular da Educação, Conape 2022, reuniu educadores de todo Brasil durante três dias em Natal neste fim de semana. Veja aqui:  https://bit.ly/3IN6oG3

 

Ao vivo: transmissão do Ato Político-Cultural e Grande Caminhada da Educação, CONAPE 2022) -  Caminhada pelas ruas de Natal/ RN, que marcou a realização da Conferência Nacional Popular da Educação. FNPE; 16/07    https://bit.ly/3ocU48i

A Conape como espaço de mobilização e luta pela educação -  A CONAPE, que tem nesse ano o tema “Reconstruir o País: a retomada do Estado democrático de direito e a defesa da educação pública e popular, com gestão pública, gratuita, democrática, laica, inclusiva e de qualidade social para todos/as/es”, e como lema a “Educação pública e popular se constrói com democracia e participação social: nenhum direito a menos e em defesa do legado de Paulo Freire”, será uma festa da educação nesse momento que antecede as eleições gerais em nosso país. Sinteal; 15/07   https://bit.ly/3cn7j3M 



Campanha “Educação não é mercadoria” é relançada -
 Há mais de 10 anos, essa mesma campanha fora lançada pra denunciar a mercantilização e, numa segunda fase, a financeirização do Ensino Superior. Segundo a entidade, a campanha nunca deixou de estar ativa e é extremamente atual. Agora, diz respeito também à educação básica, sobre a qual avançam cada vez mais as grandes corporações de capital aberto.  Agência Sindical; 16/07  https://bit.ly/3OgoZeo

POLITICA EDUCACIONAL

Mais de 90% dos brasileiros divergem de Bolsonaro e aprovam gênero e educação sexual nas escolas -  De acordo com o levantamento Educação, Valores e Direitos, 70% dos brasileiros acreditam que a escola é mais preparada do que os pais para falar de temas como puberdade e sexualidade. A maioria, – 91% –, também avalia que a educação sexual ajuda a crianças e adolescentes identificar e se prevenir contra o abuso sexual. Os dados  indicam que a população sabe que discutir esses temas na escola também é importante para combater violência e preconceitos.   Rede Brasil Atual; 16/07   https://bit.ly/3ocR1wS


38% dos adolescentes da cidade de SP já sofreram bullying, segundo pesquisa do IBGE
-  Quase quatro em cada dez alunos do 9º ano do ensino fundamental na cidade de São Paulo já sofreram bullying, segundo dados de uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados na última quarta-feira (13). Os dados mostram que 38,3% dos estudantes desta faixa etária, entre 13 e 15 anos, já sofreram este tipo de violência psicológica na capital paulista. G1; 16/07  http://glo.bo/3zdPvB7


Aposta em ensino a distância gera demissão em massa de professores universitários -  A BBC News Brasil pediu posicionamento sobre a situação dos professores para a Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), que representa faculdades particulares em todo o país, mas a entidade preferiu não se manifestar.  BBC Brasil; 15/07 https://bbc.in/3uSbyuj


Mais de 750 bibliotecas públicas fecharam no Brasil em 5 anos - Cerca de 800 bibliotecas públicas foram fechadas no Brasil nos últimos cinco anos. O mais recente levantamento, referente ao ano de 2020, foi divulgado pela BBC Brasil neste sábado (16) e está disponível no banco de dados do SNBP (Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas), do governo federal.  Nexo; 17/07  https://bit.ly/3IODvsI

 

SAÚDE

Brasil encerra a semana com óbitos por covid-19 em nova alta. E sem remédio -  O Brasil registrou mais 311 mortes e 107.959 novos casos de covid-19 no último período de 24 horas, de acordo com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). Nos últimos sete dias, as mortes pela doença totalizam 1.751, aumento de 6,8% na comparação com a semana anterior. Nesta sexta-feira (8), a média de óbitos de vítimas calculada em sete dias ficou em 250. É o maior número desde 25 de março, quando estava em 253. Em 14 dias, esse índice teve crescimento de 19%. Em 30 dias, a alta chega a 67,7%.  Agência Sindical; 30/06 https://bit.ly/3nvWEWL

 

Ato inter-religioso na Sé começa com oração indígena para Bruno e Dom: ‘Nosso povo está morrendo’
Rede Brasil Atual; 16/07
https://bit.ly/3coyxXJ

O ato-inter-religioso organizado por várias entidades começou às 10h10 deste sábado (16), na Catedral da Sé, em São Paulo, já com um momento de emoção com a presença das viúvas de Bruno Pereira e Dom Phillips, durante oração conduzida por Maximo Wassu. Beatriz Matos e Alessandra Sampaio ficaram ao lado do representante indígena, diante de uma igreja lotada.

Afonso Moreira Jr., da Federação Espírita do Estado de São Paulo, abriu o evento chamando as crianças e os jovens do Coral Opy Mirim. “Segundo algumas culturas indígenas, aqueles que já partiram são considerados como sementes. Sementes lançada à terra das quais brotará nova vida.

Defesa de direitos - Maria, do grupo Guarani, pediu justiça para Bruno e Dom, “pessoas boas que estavam defendendo os nossos direitos”. “É uma tristeza, nosso povo está morrendo pelos nossos territórios.” Depois dela, a cantora Marlui Miranda se apresentou ao lado de Toninho Carrasqueira.

A  iniciativa do evento foi da Frente Inter-religiosa Dom Paulo Evaristo Arns por Justiça e Paz, em parceria com a Comissão Justiça e Paz de São Paulo, a Comissão Arns de Direitos Humanos, o Instituto Vladimir Herzog e a seção paulista da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Violência política - A sociedade brasileira já se uniu contra a ditadura, lembra o bispo, ordenado padre por outro líder religioso sempre lembrado por sua resistência ao autoritarismo, dom Paulo Evaristo Arns. Agora, é preciso se mobilizar novamente, “de modo mais visível”. E denunciar crimes como as violações contra os povos indígenas, a degradação ambiental e das condições de vida, o desemprego e a volta ao chamado mapa da fome. E denunciar a violência, “sobretudo a política, essa ameaça que vem sendo feita todos os dias pelo presidente da República”, contra a democracia e o processo eleitoral.

“Voltar ao processo civilizatório não será tão fácil”, pondera dom Pedro. “Por isso, é muito importante que estejamos atentos, vigilantes”, acrescenta. “As forças populares e as igrejas sempre se pautaram por um ativismo não violento.”

Conteúdo Relacionado

crossmenu