Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 27 de fevereiro de 2024

17 de maio de 2022

17/05 – Lucros no Ensino Superior privado, as assembleias da sexta-feira 13, homeschooling vai a voto na Câmara, e mais: fila do desemprego mostra fracasso da economia de Bolsonaro

.

[addthis tool="addthis_inline_share_toolbox_whwi"]

Ensino Superior: enquanto o patronal chora e reclama da economia nas negociações desta Campanha Salarial 2022 no Ensino Superior, as instituições trazem notícias de lucros no primeiro trimestre do ano, matrículas em alta, crescimento de demanda no presencial. Por isso, e por considerar inaceitável um reajuste de apenas 4% agora e minúsculos 2% em janeiro, todas as assembleias dos sindicatos integrantes da Fepesp rejeitaram a proposta patronal nas assembleias de sexta-feira, 13. Leia tudo aqui.

 

 

O NEGÓCIO DA EDUCAÇÃO

Ânima (Anhembi-Morumbi, São Judas) está em processo de readequação de mensalidades das faculdades da Laureate
Valor Econômico; 16/05
http://glo.bo/3yFXwig

Considerando as unidades já consolidadas, a captação cresceu 13,3% no presencial e 125% no on-line

A Ânima está em processo de adequação de preço das mensalidades das faculdades da Laureate, cujo processo de venda foi concluído em 2021, o que pressionou o processo de novas matrículas neste começo de ano.

No primeiro trimestre, as faculdades adquiridas registraram 30,7 mil novas matrículas em cursos presenciais e 24,7 mil no ensino a distância (EAD). No entanto, não foram divulgados os números de 2021 porque os sistemas entre os grupos são distintos, o que impede a comparação.

Considerando as unidades já consolidadas, a captação cresceu 13,3% no presencial e 125% no on-line.

 

Ânima Educação (ANIM3) tem lucro ajustado de R$ 51 milhões no primeiro trimestre de 2022
Money Times; 16/05
http://glo.bo/37XoEhW

A Ânima Educação (ANIM3) registrou lucro líquido ajustado de R$ 51 milhões no primeiro trimestre (1T22), de acordo com balanço divulgado nesta segunda-feira (16), antes da abertura do mercado.

O lucro líquido ajustado demonstra o que seria um resultado recorrente ao retirar o impacto dos itens não recorrentes, baixa de despesa financeira por pré liquidação de dívida e da amortização de intangível referentes às aquisições recentes, afirma a empresa.

A receita líquida da Ânima no 1T22 cresceu 120% na comparação anual, ao somar R$ 902 milhões e R$ 408,7 milhões, respectivamente.

A base de alunos da companhia saltou 145% no 1T22, ao totalizar uma carteira de 332.809 clientes, sendo 131.190 orgânicos e 201.619 via aquisições de universidades e grupos educacionais.

 

Uniasselvi cresce 36%
Valor Econômico; 17/05
http://glo.bo/37XoEhW

A Vitru, grupo de ensino a distância dono da Uniasselvi, matriculou 382 mil novos alunos no primeiro trimestre, alta de 36,2% quando comparado a igual período de 2021. O tíquete médio da mensalidade cresceu 8,5% para R$ 300,60. A companhia, cujas ações são negociadas na Nasdaq, apurou lucro líquido ajustado de R$ 24 milhões, crescimento de 10,5%.

Considerando o lucro ajustado, a alta foi de 65,6%. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) subiu 18% para R$ 47,4 milhões. A margem do respectivo indicador ficou estável em 26,7%. A receita líquida subiu 18%, para R$ 177,8 milhões. A aquisição da UniCesumar, que vai fazer a Vitru dobrar de tamanho está em fase final de análise pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). A expectativa é que a autarquia acompanhe a recomendação da Secretaria Geral do Cade, que indicou pela aprovação do negócio sem restrições.

 

Cruzeiro do Sul: Lucro líquido de R$ 19 milhões no 1º trimestre
Valor Econômico; 17/05
http://glo.bo/3liRNqY

A Cruzeiro do Sul Educacional teve lucro líquido de R$ 19 milhões no primeiro trimestre deste ano, segundo demonstrações financeiras enviadas à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) nesta segunda-feira. Os valores referem-se aos atribuíveis aos acionistas controladores.

A receita líquida totalizou R$ 473,3 milhões no período de janeiro a março deste ano, aumento de 11,6% sobre os R$ 423,9 milhões no mesmo intervalo do ano anterior.

O lucro antes de juros impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado foi de R$ 142,9 milhões nos três primeiros meses deste ano, aumento de 10,3% ante o Ebitda de R$ 129,6 milhões no mesmo período do ano anterior.

 

Kroton e Yduqs veem volta da demanda por curso presencial
Valor Econômico; 13/05
http://glo.bo/3wp9YAm

Os dois maiores grupos de ensino superior privado, Kroton e Yduqs, tiveram crescimento de dois dígitos no número de novas matrículas na graduação presencial, marcando uma retomada dessa modalidade, que foi duramente afetada nos dois últimos anos de pandemia, quando as aulas migraram para o formato on-line.

 

CAMPANHA SALARIAL 2022

Ensino Superior: em assembleias, professores do Superior rejeitam proposta
Agência Sindical; 16/05
https://bit.ly/3sG6HLQ

Os professores do Ensino Superior do Estado de São Paulo realizaram assembleias simultâneas na sexta (13) e decidiram por rejeitar a proposta das instituições, apresentada em rodada de negociação na última quarta (11).

O patronal ofereceu reajuste de 4% agora, retroativo a março, mais 2% em janeiro de 2023, além de Abono de 30% em outubro.

Negociação – Celso Napolitano, presidente da Fepesp, analisa as dificuldades que estão sendo enfrentadas. “Os grandes grupos econômicos, como Kroton, Ânima, Estácio e Unicsul, estão representados na comissão patronal de negociação e têm conseguido dar a tônica nas propostas. Eles querem estabelecer parâmetros mínimos de salários e condições de trabalho”, esclarece.

Contudo, os Sindicatos não cederam nas negociações. “A proposta de reajuste de 6% nos salários é inaceitável e desprovida de qualquer razoabilidade. As instituições continuam mantendo altas margens de lucros, graças às mudanças estruturais realizadas”, afirma Luiz Antonio Barbagli, presidente do Sindicato dos Professores de São Paulo (SinproSP).

 

 

POLÍTICA EDUCACIONAL

Homeschooling: projeto de lei que regulamenta educação domiciliar no Brasil deve ser votado na Câmara Federal nesta terça-feira
JC Online; 16/05
https://bit.ly/3FR5t5I

Tema bastante polêmico e uma das principais apostas do presidente Jair Bolsonaro na área educacional, a educação domiciliar no Brasil deve ser discutida, mais uma vez, na Câmara dos Deputados, em Brasília.

Está prevista, na sessão desta terça-feira (17), votação do projeto de lei 2.401/2019, do Poder Executivo, que regulamenta a prática no País. Também chamada de homeschooling, trata-se da prática de crianças e jovens serem educadas em casa, por suas famílias, e não em escolas.

Atualmente, segundo a a Associação Nacional de Educação Domiciliar (Aned), somente 15 mil estudantes entre 4 e 17 anos estudam em casa. São 7.500 famílias que praticam o homeschooling, também conforme a entidade.

Para o Supremo Tribunal Federal, a educação domiciliar não é permitida. O entendimento da maioria foi que essa prática não é inconstitucional, mas prevaleceu o entendimento de que a educação domiciliar é proibida dado que não existe uma lei que a regulamente.

 

USP busca apoio de empresas e de ex-alunos para oferecer bolsas a cotistas
Folha de S. Paulo; 16/05

https://bit.ly/3wwBITt

Após atingir em 2021 a meta de seu programa de cotas, de reservar 50% das vagas de todos os cursos para estudantes de escolas públicas, a Universidade de São Paulo pretende agora organizar uma política de apoio aos cotistas. Entre as estratégias está a de buscar convênios com empresas e ex-alunos para oferecer bolsas aos estudantes, e um edital com as regras para essa colaboração será lançado nas próximas semanas.

Um modelo para isso deverá ser o de uma parceria com o Itaú-Unibanco, que começou em 2018, quando foi implementado o programa de cotas da USP, cuja inclusão se ampliou gradualmente, a cada ano. Em parceria com a universidade, o banco sorteou 80 cotistas para receber mensalmente auxílio de R$ 800 até o fim da graduação.

 

SAÚDE

Covid: São Paulo acaba com exigência do passaporte da vacina
Metrópoles; 16/05
https://bit.ly/3G7ItQl

A prefeitura de São Paulo determinou que não é mais necessário apresentar o comprovante de vacinação contra a Covid-19 para entrar em eventos, que ficou conhecido como passaporte da vacina.

A mudança consta de decreto publicado no Diário Oficial no último sábado (14/5). Desde setembro do ano passado, o passaporte vacinal passou a ser obrigatório para eventos com 500 pessoas ou mais. Mas a partir de janeiro deste ano, festas, shows, grande eventos, clubes ou casas noturnas passaram a exigir a imunização para a entrada das pessoas não importando o número de presentes.

 

 

 

Trabalhadores dormem na fila em busca de vaga no Mutirão do Emprego
Folha de S. Paulo; 16/05
https://bit.ly/3NezZJg

A expectativa para conseguir uma ocupação com carteira assinada fez a faxineira Roseli Aparecida Mariano Cavalcanti, 57 anos, dormir na fila em busca de uma vaga no Mutirão do Emprego do Sindicato dos Comerciários, realizado nesta segunda-feira (16), das 8h às 17h, no vale do Anhangabaú, região central da capital paulista.

Fazendo bicos na limpeza de banheiros, na qual ganha R$ 50 por 12 horas de trabalho, Roseli quer mudar de vida. Ela chegou ao local às 19h do domingo (15) e era a primeira de uma fila que, às 8h, tinha cerca de mil trabalhadores. “Dormi sentada, no frio, e fiquei pensando no quanto é difícil para quem precisa viver na rua.”

A espera valeu a pena. Roseli conseguiu a vaga de emprego tão desejada, após dois anos de severo desemprego, período em que precisou ser ajudada por outras pessoas. “Sempre tem um que ajuda, mas a gente quer trabalho, não quer ficar dependendo de ninguém”, afirma.

Conhecido por suas longas filas, o feirão de vagas recebeu, neste primeiro dia, menos participantes do que em edições anteriores. Mesmo assim, até as 9h, 1.200 senhas já haviam sido distribuídas. Em ocasiões anteriores, esse número chegou a 3.000. O balanço final, no entanto, aponta um total de 3.600 senhas distribuídas nesta segunda.

 

Inflação e desemprego batem recorde e passam de 10% no Brasil
Nexo; 16/05
https://bit.ly/38rciim

Desde o terceiro trimestre de 2021, os dois indicadores estão acima dos 10%. É a primeira vez que isso acontece na série histórica que começou em 2012

Enquanto o desemprego trimestral estava acima dos 10% desde 2016, a inflação havia desacelerado e estava em níveis mais baixos durante o governo Temer. No entanto, desde 2020, os preços no Brasil estão subindo, puxados pelas altas nos alimentos e combustíveis. A alta dos alimentos, sobretudo, afeta de maneira desproporcional os mais pobres, também mais vulneráveis ao desemprego.

Os dados do gráfico começam em 2012 e não são comparáveis com os de anos anteriores por conta de diferenças metodológicas na mensuração de desemprego. O Nexo produziu outro gráfico com os dados entre 1991 e 2016, com as pesquisas antigas de desemprego, que foram descontinuadas.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio