Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 20 de fevereiro de 2024

16 de novembro de 2022

16/11 – Enem resistiu a Bolsonaro mas tem recorde de abstenção, Covid volta a preocupar, intolerância nas escolas, e mais: uma conferência do clima na Amazônia?

.

[addthis tool="addthis_inline_share_toolbox_whwi"]

Ensino Superior: procure já o seu sindicato e informe-se sobre a negociação da PLR 2022 na sua Instituição!

 

 

 

Enem 2022 teve 26,7% de abstenção; número de inscritos foi o segundo menor desde 2005 Os candidatos que compareceram ao exame neste domingo, 13, tiveram que responder 45 questões de linguagens e 45 de Ciências Humanas, além de produzir uma redação. Muitas das questões abordaram temas sociais, como racismo, violência contra a mulher, direito à moradia e desigualdade social. O período de ditadura militar brasileiro, no entanto, que historicamente caía no exame, não foi abordado.

O tema da dissertação foi “Desafios para a valorização de comunidades e povos tradicionais no Brasil”. Além disso, mais algumas questões trataram de povos indígenas, desmatamento e meio ambiente. Professores de cursinhos elogiaram a criticidade e a atualidade do conteúdo.. Estadão 14/11  https://bit.ly/3TF3ebc

 

 

 Enem resistiu a Bolsonaro, avaliam servidores do Inep – Servidores do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), órgão do governo que realiza o Enem, têm comemorado nos bastidores a amplitude de temas abordados na prova de 2022. Para eles, o exame resistiu às investidas ideológicas do governo Jair Bolsonaro (PL).

Sob condição de anonimato, servidores do Inep disseram à Folha que ter conseguido pautar na prova temas importantes para o debate social é demonstração de força da área técnica do órgão, apesar de ataques do atual governo. Folha de S. Paulo 13/11  https://bit.ly/3TF3ebc

 

Projeto proíbe contratação de professor temporário na educação básica sem processo seletivo – Em análise na Câmara dos Deputados, o projeto inclui a medida na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional , que já prevê que o ingresso na carreira do magistério público se dará exclusivamente por concurso público de provas e títulos.

Autor do texto, o deputado Kim Kataguiri (União-SP) ressalta que estados e municípios fazem com frequência a contratação de professores substitutos temporários para atender a necessidades temporárias. Câmara Notícias 10/11  https://bit.ly/3ExIXjj

 

 Artigo: ‘Repensar o Conselho Nacional de Educação’ – O anúncio, na semana passada, dos novos nomes que comporão o Conselho Nacional de Educação (CNE) traz de volta um debate sobre suas funções. Ele foi pensado para ser um órgão de estado, pois, entre outras características, seus membros são nomeados para mandatos de quatro anos, e a cada dois anos uma parcela é renovada, o que significa que um novo governo federal sempre conviverá em boa parte do mandato com integrantes escolhidos numa gestão anterior.

Na prática porém, o protagonismo do conselho pode ser turbinado ou esvaziado, a depender dos humores de quem estará no MEC. O CNE é um órgão de assessoramento do ministério, com atribuições para escrever normas e deliberações sobre políticas educacionais. No entanto, mesmo que de lá brotem as melhores ou as piores propostas, elas só entrarão em vigor se forem homologadas pelo ministro. Isso significa que a capacidade de realmente influenciar a política pública na ponta vai depender da qualidade da articulação de seus membros com o poder executivo. Por Antonio Gois, O Globo 14/11  https://bit.ly/3ExIXjj

 

SAÚDE

Uso de máscaras pode voltar a ser obrigatório em São Paulo. Anvisa retém aprovação de nova vacina – A Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo divulgou números da nova onda nesta sexta-feira (11). Em apenas duas semanas, a ocupação de enfermarias na Grande São Paulo aumentou 81% e de UTIs, 65%. O governo emitiu um comunicado para reforçar a necessidade de que todos se vacinem com quatro doses (duas do ciclo normal e duas de reforço). Além disso, apontou para a necessidade do uso de máscaras.Rede Brasil Atual, 12/11  https://bit.ly/3GmNuGQ


Cartão de vacinação pode ser exigido na matrícula da educação infantil ao quinto ano do ensino fundamental – Um projeto em análise no Senado (PL 5654/2019) prevê que pais ou responsáveis de alunos da educação infantil até a primeira etapa do ensino fundamental deverão apresentar um comprovante de vacinação na hora da matrícula. Caso faltem vacinas, a escola deve informá-los sobre quais doenças não estão cobertas, reforçar a importância de completar a imunização e orientá-los a procurar imediatamente uma unidade básica de saúde. Senadores alertam para quedas nos índices de imunização infantil e a ameaça da volta de epidemias graves como tuberculose, polio e sarampo. Rádio Senado, 11/11  https://bit.ly/3THpwsT

 


INTOLERÂNCIA

Pai de aluno com epilepsia vai à Justiça contra recusa de matrícula na rede particular em SP – O motorista Ricardo Neimar, 54, enfrenta desde o mês passado uma série de recusas ao tentar matricular o filho no primeiro ano do ensino fundamental em São Paulo. Enzo, 5, foi diagnosticado com epilepsia refratária e faz uso de canabidiol para controlar as convulsões. A peregrinação da família pelas zonas norte e leste da capital acontece porque nenhuma das escolas particulares contatadas por Neimar —sete, até o momento— diz ter condições de atendê-lo.

Um dos casos citados por Neimar envolve o Instituto Educacional Candelária, na Vila Maria, zona norte de São Paulo. “Minha esposa visitou a escola, levou a documentação e ficou acertado de fazer a matrícula dele e assinar o contrato em 27 de outubro. No mesmo dia em que ela levou a documentação, eles ligaram dizendo que não tinham mais vaga”, relata. Yahoo Notícias, 11/11  https://bit.ly/3AlN7rY

 

Professora chamada de ‘macaca’ em escola de SP critica descaso – “Como se o racismo não fosse estrutural e sistêmico, que precisasse ser combatido de forma institucional”, afirma a professora Ana Koteban, 41, que trabalha na rede municipal de São Paulo, que diz não ser o primeiro caso de ódio e intolerância na escola.

Ela registrou um boletim de ocorrência na Decradi, delegacia especializada em crimes raciais e de intolerância, no dia 26, e pediu que a gestão da escola tomasse providências. Folha de S. Paulo, 15/11  https://bit.ly/3OedB4I

 

Colégio Porto Seguro tem histórico de comportamentos preconceituosos – O episódio de racismo ocorrido no Colégio Visconde de Porto Seguro, revelado pela Ponte na semana passada e que culminou com a expulsão de oito alunos que participaram de manifestações de apologia ao nazismo, não é um caso isolado. Ex-alunos e ex-funcionários da instituição de ensino centenária contaram que bullying, comparações preconceituosas e intolerância velada sempre fizeram parte da rotina da escola. Ponte Jornalismo, 10/11  https://bit.ly/3O9TB2S

 

O NEGÓCIO DA EDUCAÇÃO

Cogna tem prejuízo maior no 3º tri por alta de juros; receita da Kroton cresce – A Cogna, maior grupo de educação do país, reportou nesta quinta-feira prejuízo líquido de 211 milhões de reais no terceiro trimestre, acima da perda de 152 milhões apurada um ano antes, em resultado pressionado pelo aumento de despesas financeiras na esteira da alta da taxa Selic.

A receita líquida, no entanto, avançou 4,1%, a 1,06 bilhão de reais, com expansão também na vertical de ensino superior Kroton. Terra 10/11  https://bit.ly/3Amktah

 

 

“O Brasil não pode ficar isolado”, diz Lula na COP 27, prometendo fazer uma conferência do clima na Amazônia
Valor Econômico, 16/11
http://glo.bo/3EyRMJO

O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva se comprometeu em tentar fazer a conferência do clima das Nações Unidas de 2025, a COP 30, na Amazônia. Ele manifestou o desejo em sua primeira fala internacional, na COP 27, em Sharm el-Sheikh, no estande do Consórcio dos Governadores da Amazônia Legal.

Lula disse que “faremos uma luta muito forte contra o desmatamento ilegal. Cuidaremos dos povos indígenas e vamos criar o Ministério dos Povos Originários. Queremos dar cidadania às pessoas”. Lembrou a importância da biodiversidade – “que ainda nem conhecemos”.

Sem citar explicitamente os anos de governo de Jair Bolsonaro, explicou o isolamento do país. “O Brasil não viajava para nenhum país e nenhum país viajava para o Brasil. Era como se estivéssemos sofrendo um bloqueio, que não era econômico ou político, mas era simplesmente um bloqueio contra a democracia, contra o negacionismo e contra um governo qu

“Pode ficar certo que vamos falar com o secretário-geral da ONU (António Guterres) e vamos pedir para que a COP de 2025 seja feita no Brasil, e no Brasil, seja feita na Amazônia”, disse Lula.

 

O que é a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2022 – A 27ª conferência do clima da Organização das Nações Unidas (ONU), a COP 27, mais comumente referida como Conferência das Partes da UNFCCC, ou COP27,[1] está sendo realizada como a 27ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, e ocorre de 6 de novembro a 18 de novembro de 2022[2] em Sharm El Sheikh, Egito . Será realizado sob a presidência do ministro egípcio das Relações Exteriores, Sameh Shoukry, com a presença de mais de 90 chefes de estado e representantes de 190 países.

Contexto – A conferência é realizada anualmente desde o primeiro acordo climático da ONU em 1992. É usado pelos governos para concordar com políticas para limitar o aumento da temperatura global e se adaptar aos impactos associados às mudanças climáticas. Wikipedia, 16/11   https://bit.ly/3AnGky3

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio