Fepesp - Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 18 de junho de 2024

Por Beth Gaspar em 11 de junho de 2021

11/06 - Começa hoje vacinação de educadores a partir de 18 anos em SP, deputados contra punição a responsáveis por educação domiciliar, MEC não quer gastar com internet em escolas, e mais: o novo conto do vigário, pirâmide de Pix

.
 

 

'Precisamos vacinar a população’, diz Queiroga sobre o fim da obrigatoriedade de máscara para vacinados
O Globo; 10/06

https://outline.com/pm52J3O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, negou nesta quinta-feira que desobrigará o uso de máscara facial neste momento para pessoas que já se vacinaram contra a Covid-19. No entanto, a medida é estudada pelo ministério. Ainda não há data para que seja adotada, mas a expectativa dele é que seja em breve.

— Queremos que seja o mais rápido possível, mas precisamos vacinar a população — afirmou o cardiologista.

Sem detalhar, o cardiologista disse que o presidente Jair Bolsonaro pediu um estudo sobre o relaxamento do uso de máscaras no país, a exemplo do que tem ocorrido em outros países. Contudo, negou que houvesse pressão do governo para adoção da medida.



Brasil passa de 480 mil mortos por covid-19, mas Bolsonaro segue campanha contra máscaras
Rede Brasil Atual; 10/06
https://bit.ly/3iMyiaf

Brasil registra 2,5 mil novos mortos por covid, no dia em que presidente anuncia que deu ordem ao ministro da Saúde para emitir parecer desobrigando máscaras por vacinados e já contaminados

A decisão de Bolsonaro contraria recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS). Primeiramente, “ignora” que pessoas que já foram infectadas pela covid-19 podem ser reinfectadas. Já sobre as vacinadas, “esquece” que os imunizantes não impedem a transmissão do vírus. Além disso, o Brasil vacinou pouco sua população, sendo pouco mais de 10% os vacinados com duas doses. Ou seja, ainda é grande a vulnerabilidade dos brasileiros ao coronavírus.



SP inicia vacinação contra Covid de professores com mais de 18 anos nesta sexta
G1; 11/06
https://glo.bo/3waaOzv

A cidade de São Paulo inicia nesta sexta-feira (11) a vacinação contra a Covid-19 de profissionais da educação com idade entre 18 e 44 anos. A estimativa da Prefeitura de São Paulo é que 83.359 pessoas deste grupo sejam imunizadas.

Estão elegíveis nesta etapa professores de todos os ciclos da educação básica e temporários da educação estadual, municipal, privada ou federal. Também estão incluídos nesta fase auxiliares de serviços gerais, de limpeza, mediadores, merendeiras, monitores, cuidadores, diretores e vice-diretores, assim como secretários e coordenadores.

Para receber as doses, é necessário mostrar o QR Code recebido como comprovante de cadastro no site "Vacina Já Educação" (cadastre-se aqui) com número do CPF, nome completo e e-mail. Também será exigida a apresentação de documento de identificação, comprovantes de vínculo empregatício na cidade de São Paulo e de residência na capital.


Governo de São Paulo quer acelerar volta das aulas presenciais no segundo semestre
Estadão; 11/06
https://bit.ly/3zlnchV

São Paulo pretende intensificar a volta presencial dos alunos das redes pública e particular no segundo semestre. Com a vacinação dos professores e outros funcionários da educação, anunciada ontem para começar nesta sexta-feira, 11, a ideia é liberar as escolas para receberem mais estudantes. Hoje, elas só podem atender 35% deles por dia. O plano do secretário de Educação, Rossieli Soares, é acabar com os índices de ocupação e focar apenas no cumprimento dos protocolos.


CORONAVÍRUS

Para 89% dos pais, pandemia faz com que filhos passem mais tempo na TV, no celular e no videogame
Folha de S. Paulo; 10/06
https://bit.ly/2TTCHNT

Pesquisa Datafolha, encomendada pelo C6 Bank para medir os impactos da pandemia na educação, mostra outros reflexos da quarentena imposta pelo coronavírus no comportamento de crianças e adolescentes: para 69% dos pais, os filhos ficaram mais dependentes; para 64%, ficaram mais irritados, ansiosos ou estressados; para 54%, os filhos engordaram; para 52%, ficaram mais tristes; e, para 45%, os filhos passaram a reclamar que se sentem sozinhos.

Já a avaliação da experiência com o ensino remoto dividiu as opiniões dos pais: 38% classificaram como ótimo ou bom; 30%, como regular e 31%, como ruim ou péssimo. A taxa de aprovação é maior entre os matriculados na rede particular, com 43% –ante 37% para pais de filhos em escolas públicas.

A satisfação com o ensino remoto também muda conforme a idade do aluno. Entre os os mais velhos, com idades de 16 a 18 anos, o índice de aprovação chega a 45%. Já para os pais que têm filhos entre 6 e 10 anos, cai para 36%.

 


POLÍTICA EDUCACIONAL

CCJ da Câmara aprova projeto que impede punição a responsáveis por educação domiciliar
Valor Econômico; 10/06
https://glo.bo/3geANjL

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira, por 35 votos a 24, projeto de lei para que os pais ou responsáveis que adotarem a modalidade de educação domiciliar (homeschooling) para crianças ou adolescentes não sejam punidos criminalmente por abandono intelectual. O projeto precisa passar pelo plenário da Câmara e, depois, pelo Senado.

A proposta é uma das duas encampadas pelo governo Bolsonaro para permitir o homeschooling, que o Supremo Tribunal Federal (STF) tornou ilegal até que o Congresso regulamente o tema. A outra está sob relatoria da deputada Luisa Canziani (PTB-PR) e deve ser votada direto no plenário para regulamentar o que é a educação domiciliar.

Já o projeto que diz que deixar os filhos fora das escolas tradicionais e educá-los em casa não é crime é de autoria da deputada Bia Kicis (PSL-DF), presidente da CCJ, e contou com apoio do governo Bolsonaro.

 

Negócio dele é lousa e giz: deputados criticam ministro da Educação por definir como 'dificuldade extra' despesa com internet de alunos
Agência Câmara; 09/06
https://bit.ly/3gpfB9y

Deputados da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados criticaram nesta quarta-feira (9) o ministro da área, Milton Ribeiro, por colocar como problema orçamentário a destinação de R$ 3,5 bilhões para levar internet gratuita a estudantes de baixa renda e a professores da rede pública de ensino.

Na avaliação dos parlamentares, em vez de definir como “dificuldade extra”, o governo federal deveria aproveitar a oportunidade para remanejar recursos de outros ministérios, priorizando a educação.

Milton Ribeiro também foi criticado por determinar que a próxima edição do Enem busque avaliar apenas conhecimentos técnicos. “Já orientei o Inep [Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais] para que a prova tenha caráter técnico, sem vieses ideológico ou partidário de quaisquer matizes”, afirmou. “Todos nós temos uma ideologia. O que eu questiono é esse ou aquele grupo tentar impor a sua ao outro.”

 



Fique alerta para não cair em novo conto do vigário: como o Pix está sendo usado para esquemas de pirâmide
Poder360; 11/06
https://bit.ly/2SuaBZp

Um possível novo esquema de pirâmide está viralizando nas redes sociais nos últimos dias, dessa vez utilizando o Pix, meio de pagamento eletrônico lançado pelo Banco Central em outubro de 2020.

A tática consiste na criação de um grupo, normalmente no aplicativo WhatsApp, em que pessoas possam ir recrutando outros membros. Cada um desses novos participantes têm de transferir uma quantia em dinheiro para seu anfitrião – de R$ 1 a R$ 5. Depois disso, a pessoa é promovida a “administrador“, podendo repetir o processo com seus amigos e conhecidos.

“Desconfie sempre que uma oferta parecer boa demais para ser verdade, como ganhar muito dinheiro chamando pessoas para transferirem dinheiro sem motivo algum e ganhar uma parte desses valores. Nesse caso, não entre nessa e denuncie o esquema para a autoridade policial, que tem a competência legal para coibir esse tipo de crime”, disse a autoridade monetária, em posicionamento enviado ao Poder360.

“Infelizmente, o Pix ou qualquer outro meio para a transferência de recursos podem ser usados por pessoas mal-intencionadas para aplicar golpes”, completa o BC.

Procurado, o TikTok divulgou a seguinte nota na tarde de 4ª feira (9.jun): “Não permitimos conteúdo que promova ou incentive atividades ilegais. Nossa principal prioridade é garantir que a plataforma seja um lugar seguro para todos. Por isso, trabalhamos constantemente para detectar e remover conteúdo que viole nossas Diretrizes da Comunidade”.

 

ENTENDA O ESQUEMA - Os “grupos de Pix” normalmente são criados por uma só pessoa, e depois compartilhado com amigos, conhecidos e seguidores nas redes sociais.

  1. início – um grupo é criado no WhatsApp e compartilhado por seu anfitrião com outras pessoas;
  2. dinheiro girando – cada novo participante deverá pagar de R$ 1 a R$ 5 para quem o convidou. Depois disso, poderá virar administrador –convidando assim seus amigos e conhecidos;
  3. fim do grupo – quando a capacidade de membros chega ao seu limite, um novo grupo pode ser criado para dar sequência ao esquema.

Conteúdo Relacionado

crossmenu