Fepesp - Federação dos Professores do Estado de São Paulo

terça-feira, 10 de maio de 2022

Por Beth Gaspar em 10 de maio de 2022

10/05 - Faculdades privadas entram agora em cursos técnicos, justa causa para falta de máscara no trabalho, Escola sem Partido reclama de Bolsonaro, e mais: a surpresa de um diagnóstico em sala de aula

.

Uma hora - um pouco mais, um pouco menos - é o tempo que dura uma assembleia. Um ano é o tempo que dura o reajuste salarial que decidimos em assembleia e defendemos em negociação. E muitos anos é quanto tem durado direitos como bolsa de estudos, a garantia semestral de salários, férias coletivas em julho, recesso e outras cláusulas que as mantenedoras estão querendo reduzir ou eliminar. Você vai deixar? Participe da sua assembleia nesta sexta-feira, dia 13. Veja horário e link no seu sindicato, ou aqui: https://bit.ly/3w1gTRl

 

 

Número de alunos em cursos técnicos pode crescer 25% com oferta em faculdades privadas
Valor Econômico; 07/05
https://bit.ly/3kZheNO

As instituições de ensino superior privado estimam um incremento de cerca de 25% no volume de alunos matriculados em cursos técnicos com a recente portaria do Ministério da Educação (MEC) que permite a oferta dessa modalidade pelo setor particular. Em 2019, havia cerca de 1,8 milhão de alunos matriculados nessa modalidade de curso, que tem duração de um ano.

“É diferente do Pronatec, não há previsão de financiamento por parte do governo. Muitas instituições de ensino já têm infraestrutura para oferecer cursos técnicos”, disse Celso Niskier, presidente da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes), durante o XIV Congresso Brasileiro da Educação Superior Particular (CBESP).

As faculdades só podem ofertar cursos técnicos nas áreas em que já possuem graduação e cujos conceitos de qualidade acadêmica sejam 4 ou 5 (de um ranking em que a nota máxima é 5). Poderão ser oferecidos nas modalidades presenciais e on-line.

 

MEC facilita abertura de cursos técnicos pelas universidades privadas
Terra; 07/05
https://bit.ly/39blLKF

O Ministério da Educação (MEC) facilitou as regras para a abertura de cursos técnicos pelas universidades privadas brasileiras. O aval encurta o caminho para que instituições de ensino superior particulares atendam à demanda por cursos do tipo no novo ensino médio.

A norma estabelece que as faculdades só precisarão de autorização do MEC para oferecer cursos técnicos. Anteriormente, as instituições de ensino superior interessadas em oferecer formações técnicas tinham de pedir aval aos conselhos estaduais de educação, que regulavam a oferta desse tipo de curso. A liberação pelos conselhos, segundo o setor, era morosa.

 

Artigo, por Antonio Gois: ‘Ensino técnico estagnado’
O Globo; 09/05
http://glo.bo/39EQ8sY

“O Brasil possui, para padrões internacionais, um percentual baixíssimo de estudantes que concluem o ensino médio com formação técnica. Há razoável concordância entre especialistas que é necessário expandir essa modalidade, ainda que persistam divergências sobre como fazer isso. Discursos de valorização da educação profissional estavam no programa de governo de Jair Bolsonaro e de seus antecessores. O consenso (ou o mais próximo que foi possível chegar a isso no campo educacional) se refletiu inclusive numa das metas do (PNE) Plano Nacional de Educação, aprovado pelo Congresso em 2014. Os avanços desde então, porém, têm sido pífios.

Por fim, não devemos esquecer que, mesmo que sejamos capazes de oferecer ampla educação profissional de qualidade no nível médio – estamos bem longe disso -, será fundamental ter no horizonte políticas de qualificação constante ao longo da vida adulta. A ideia de uma formação (técnica ou universitária) que seja suficiente para garantir uma trajetória de sucesso profissional não faz mais o menor sentido frente os desafios do século XXI”.

 

POLÍTICA EDUCACIONAL

Fundador do Escola sem Partido cita 'abandono' de Bolsonaro, culpa Olavo e diz que ‘insistirá’ com o movimento
UOL; 09/05
https://bit.ly/3yo7Tao

Miguel Nagib, fundador do movimento Escola sem Partido (foto), acusou o presidente Jair Bolsonaro (PL) de ter "abandonado" o projeto, e culpou o falecido guru da extrema direita Olavo de Carvalho por essa debandada bolsonarista — o escritor morreu em janeiro, aos 74 anos, nos Estados Unidos.

O movimento Escola sem Partido ganhou força a partir de 2015 e tinha como causa "neutralidade do ensino" por meio da proibição de suposta "doutrinação ideológica" nas escolas, algo já considerado inconstitucional pelo STF (Supremo Tribunal Federal) em uma iniciativa semelhante.

Nagib diz que insistirá "neste assunto", pois o grupo "era uma luz de esperança para milhões de estudantes e famílias". "Era a chance da direita de impedir o uso político das escolas e das universidades pelos seus adversários. Era a 'pior ameaça' que a esquerda iria viver", completou.

 

Sindicato mobiliza mais de mil profissionais da educação em dia de paralisação em Anápolis
Diário de Goiás; 09/05
https://bit.ly/37BP5JS

O Sindicato dos Professores da Rede Municipal de Ensino de Anápolis (Sinpma) movimentou mais de mil professores no Dia “D” de Paralisação realizado pela categoria nesta segunda-feira (09/05). A deliberação já havia sido confirmada no último dia 27 de abril.

De acordo com a entidade, a escolha da data se deu pelo fato de não ser um dia letivo de modo que não houve aula em nenhuma instituição do município. A presidente do Sinpma, profª Márcia Abdala, disse que o movimento foi muito bom, apesar do assédio e da intimidação sofrida pelos professores, cerca de mil professores se fizeram presentes e contribuíram para um ato muito bonito.

 

SAÚDE

Tribunal confirma justa causa de funcionária que recusou máscara e vacina contra covid
Rede Brasil Atual; 09/05
https://bit.ly/3smcNkb

A 13ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2, que abrange a Grande São Paulo e a Baixada Santista) manteve demissão por justa causa de uma funcionária que não máscara de proteção no emprego e também se recusou a tomar vacina contra a covid-19. Ela trabalhava como cozinheira em um lar de idosos, onde permaneceu e janeiro de 2019 a janeiro de 2021, quando foi dispensada por falta considerada grave.

Ao se manifestar, o juiz convocado Roberto Vieira de Almeida Rezende citou decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o tema. “Trata-se de ato de mau procedimento, porquanto o uso do direito individual à intangibilidade do corpo não pode se prestar a colocar em risco o direito à saúde e à vida dos demais membros da coletividade” sustentou o magistrado.

 

 

  

'Descobri câncer após alerta de professor na aula'
G1; 06/05
http://glo.bo/3wf5hZD

Gabriella Barboza, de 22 anos (foto), foi orientada a procurar médico após ser chamada para ser modelo em um exame durante a aula. Jovem foi diagnosticada com um tipo de câncer de tireoide.

Era mais um dia de aula para a estudante de medicina Gabriella Barboza. Ela e os colegas de classe aprendiam sobre exames físicos na região da cabeça e do pescoço.

Em certo momento, a jovem foi chamada pelo professor Daniel Lichtenthaler para ser usada como modelo de como deveria ser feito um exame no pescoço. "Outros alunos já tinham sido chamados. Fui chamada quando ele explicou sobre a técnica para apalpar a tireoide", relembra Gabriella.

Enquanto o professor fazia o exame na frente da turma, a estudante percebeu algo diferente na reação dele. "Acredito que ele tenha ficado receoso de falar ali, mas notei que algo não parecia normal", diz a jovem. Ela conta que depois, no fim da aula, questionou o docente. "Perguntei se havia alguma coisa de diferente enquanto ele apalpava o pescoço, ele me disse: tem algo aí, dá uma olhadinha".

Depois desse alerta, ela fez exames e foi diagnosticada com um tipo de câncer de tireoide.

Ela classifica aquela aula, em meados de outubro de 2020, como um momento fundamental para a sua saúde. "Acho que se eu não tivesse ido naquele dia, talvez não descobrisse tão cedo a doença, o meu diagnóstico demoraria muito mais e poderia ser mais grave", diz a estudante, hoje com 22 anos.

O alerta durante a aula - A jovem, que estava no terceiro semestre de medicina, afirma que não tinha nenhum sintoma, muito menos havia notado qualquer alteração no pescoço.

Lichtenthaler, que é médico especialista em geriatria e clínica médica, conta que notou que a tireoide da aluna apresentava um aumento significativo e assimétrico. Esse motivo o levou a chamá-la para ser usada como modelo na demonstração técnica.

Conteúdo Relacionado

crossmenu