Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 14 de abril de 2024

8 de fevereiro de 2022

08/02 – Quase metade das crianças ainda não sabem ler ou escrever, alunos da GV reclamam por presencial, as dívidas do FIES, e mais: escola deve pagar por teste de Covid

.

[addthis tool="addthis_inline_share_toolbox_whwi"]

Alerta do SinproSP: se a escola exigir teste de Covid para sua presencial, deve pagar pelo teste. Leia mais aqui:  https://bit.ly/3rvtIRr

 

 

 

 

POLÍTICA EDUCACIONAL

Sobe para 41% fatia das crianças de 6 a 7 anos que não sabem ler e escrever
Folha de S. Paulo; 08/02
https://bit.ly/334NU39

O Brasil atingiu o maior patamar, desde 2012, de crianças de 6 e 7 anos que não sabem ler e escrever. No ano passado, chegou a 40,8% a fatia da população dessa faixa etária que não havia sido alfabetizada, o equivalente a 2,4 milhões.

Os dados são de um estudo divulgado nesta terça-feira (8) pelo Todos pela Educação, com base na Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) do IBGE. Na pesquisa, os responsáveis pelos domicílios responderam se suas crianças sabiam ler e escrever.

 

Alunos da FGV e do Mackenzie protestam contra adiamento de volta presencial
Estadão; 07/02
https://bit.ly/3GHfBwY

Depois de dois anos com aulas online, alunos do ensino superior protestam contra instituições que adiaram mais uma vez a volta presencial este mês. Nesta segunda-feira, 7, estudantes da Fundação Getulio Vargas (FGV) fizeram uma manifestação na frente do prédio, na Bela Vista, na região central da cidade, pedindo o retorno ao câmpus. Estudantes também reclamam do ensino remoto no Mackenzie, Cásper Líbero e em universidades federais.

Neste momento, não há nenhum impedimento na capital ou no Estado para o funcionamento do ensino superior presencial. As escolas públicas e particulares de ensino básico já retornaram este mês. Em 27 de janeiro, o Conselho Nacional de Educação (CNE) divulgou nota sobre o ano letivo de 2022 no básico e superior dizendo que o retorno presencial às aulas “deve ser a prioridade do País (…) considerando os déficits de aprendizado constatados desde o ano de 2020”. Diz ainda que onde “a intensidade do contágio da covid-19 for classificada em nível elevado pelas autoridades sanitárias competentes”, a volta pode ser adiada.


MP se reúne nesta terça com pastas estadual e municipal da Educação de SP em busca de solução para falta de vagas
G1; 07/02
https://glo.bo/3B8FAvL

O Ministério Público de São Paulo solicitou explicações para as secretarias municipal e estadual da Educação sobre a falta de vagas nas escolas públicas na retomada das aulas presenciais. O prazo para resposta vence em 14 de fevereiro, no entanto, o MP-SP irá se reunir com representantes das duas pastas e a Defensoria Pública nesta terça-feira (8).

Apesar de as crianças terem voltado para as escolas nesta segunda-feira (7), o número de crianças sem matrícula garantida ultrapassa os 5 mil.

Tanto na rede estadual quanto na municipal faltam vagas. Na sexta-feira (4) o déficit no primeiro ano do Ensino Fundamental na rede pública, incluindo escolas municipais e estaduais, era de 4.200 vagas. Nesta segunda, o número subiu para 5.020.

 

Monitoramento de escolas não é atribuição de promotor que notificou colégios
Folha de S. Paulo; 07/02
https://bit.ly/3gxMf9C

O procurador-geral de Justiça de São Paulo, Mario Sarrubbo, decidiu que não é do promotor Cesar Ricardo Martins, da área do consumidor, a atribuição de monitorar a situação das escolas de São Paulo em relação à Covid.

Martins havia notificado 20 escolas particulares da capital a exigir teste negativo para Covid-19. A decisão de Sarrubo atende a pedido do Geduc (Grupo de Atuação Especial da Educação), também do Ministério Público, que argumentou que já tinha um procedimento anterior sobre a situação das escolas diante da pandemia.

 

Podcast: o perdão das dívidas com o Fies
Nexo; 07/02
https://bit.ly/336xs2p

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (7) que o perdão de dívidas com o Fies (Fundo de Financiamento Estudantil) será regulamentado na quinta (10). O “Durma com essa” explica os planos do governo, resgata o histórico do programa que ampliou as vagas para pessoas de baixa renda em universidades privadas e mostra como o tema entra no debate eleitoral. O episódio traz também a redatora Mariana Vick falando sobre os entraves na vacinação infantil contra a covid-19 e o repórter especial João Paulo Charleaux comentando as baixas no primeiro escalão do governo do Peru.

 

CORONAVÍRUS

Recuperados da covid sofrem com perda de memória, depressão e ansiedade
Rede Brasil Atual; 07/02
https://bit.ly/3GBV0tQ

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) identificaram danos cognitivos e transtornos psiquiátricos de longo prazo em pacientes que se recuperaram da covid-19. Mais da metade (51,1%) relatou ter problemas de memória após a infecção. Outros 13,6% desenvolveram transtorno de estresse pós-traumático. Além disso, 15,5% apresentaram transtorno de ansiedade generalizada, sendo que em 8,14% deles o problema surgiu após a doença. A depressão também afetou 8% dos pacientes. Destes, 2,5% apresentaram os sintomas ligados ao transtorno somente após a internação.

A pesquisa completa foi publicada nesta segunda-feira (7) na revista General Hospital Psychiatry. O estudo foi feito com 425 pacientes que se recuperaram das formas moderada e grave da covid-19, avaliados no Hospital das Clínicas, na capital paulista, entre seis e nove meses após a alta hospitalar.

 

 

Queiroga é convocado para explicar demora na vacinação de crianças e insistência na cloroquina
Rede Brasil Atual; 07/02
https://bit.ly/3siItWQ

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) identificaram danos cognitivos e transtornos psiquiátricos de longo prazo em pacientes que se recuperaram da covid-19. Mais da metade (51,1%) relatou ter problemas de memória após a infecção. Outros 13,6% desenvolveram transtorno de estresse pós-traumático. Além disso, 15,5% apresentaram transtorno de ansiedade generalizada, sendo que em 8,14% deles o problema surgiu após a doença. A depressão também afetou 8% dos pacientes. Destes, 2,5% apresentaram os sintomas ligados ao transtorno somente após a internação.

 

 

O NEGÓCIO DA EDUCAÇÃO

Movimento incentiva acesso a ensino superior com cashback na primeira mensalidade
Estadão; 07/02
https://bit.ly/3HA4Qha

Para estimular o ingresso na educação superior, a plataforma Pravaler criou o movimento Estuda que Muda, que dá benefícios a quem busca financiamento estudantil privado. A empresa se uniu a instituições de ensino superior (mais de 500 em todo o Brasil), sociedade civil e associações, como a Associação Nacional das Universidades Particulares (Anup) e o Congresso Brasileiro da Educação Superior Particular (CBESP), para incentivar quem deseja começar ou retomar os estudos.

Entre os dias 7 e 20 de fevereiro, os interessados em obter crédito por meio do site do movimento poderá ter acesso a benefícios como cashback de R$ 200 no valor da primeira mensalidade e seguro estudantil até o final do curso. Podem se inscrever pelo site do Pravaler também calouros e veteranos que precisam do auxílio para seguir com os estudos.

 

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio