Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 28 de fevereiro de 2024

2 de dezembro de 2022

02/12 – Governo recua de corte de verba nas federais, pichação racista na USP manda estudante para a África, revisão da aposentadoria passa no STF, e mais: acordo entre pais e filhos pode evitar dependência digital

.

[addthis tool="addthis_inline_share_toolbox_whwi"]

Ensino Superior: para que a PLR vire realidade, você e seus colegas precisam eleger três representantes para a comissão de negociação de cada instituição. Se você quer ajuda para cumprir esta etapa, entre já em contato com o seu sindicato – esse dinheiro é um direito seu!  Assista agora, compartilhe!

 

 

Governo recua de bloqueio no orçamento de universidades e institutos federais – Após repercussão negativa, os R$ 366 milhões congelados voltaram a ser liberados no fim da manhã desta quinta-feira (1º).  O bloqueio havia tirado R$ 244 milhões das universidades e R$ 122 milhões dos institutos, segundo informações das instituições —totalizando R$ 366 milhões de congelamento. A medida foi feita para atender as regras do teto de gastos, que limitam o aumento de despesas do governo. Folha de S. Paulo 01/12  https://bit.ly/3ujVuB5

 

Universidades reagem a corte de R$ 244 mi no orçamento da educação superior Um novo bloqueio de recursos para as universidades federais, no valor de R$ 244 milhões, provocou reações negativas entre dirigentes de entidades representativas do setor. A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) informou que o bloqueio, feito na segunda-feira, inviabiliza o funcionamento das instituições, pois os recursos seriam usados no pagamento de despesas como contas de luz e bolsas de estudos. Correio Braziliense 01/12  https://bit.ly/3gS9Eq1

 

 

Artigo: Ensino superior – não podemos esquecer – Em geral, quanto mais anos de estudo tiver a população de um país, maior será a sua riqueza, medida pelo percentual do Produto Interno Bruto (PIB) per capita, que se acentua exponencialmente com a qualidade da oferta. Por isso, é importante que o Brasil veja como anda seu ensino superior, que tem muitos problemas a serem resolvidos, tanto na esfera pública, como particular.

Há muita coisa acontecendo fora dos muros das universidades, que hoje já não são mais os únicos nichos produtores de conhecimento. Ou a universidade percebe isso ou perderá parte de seu prestígio social. Por Mozart Neves Ramos. professor emérito da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em Correio Braziliense 01/12  https://bit.ly/3GZEI1I

 

 

CIDADANIA

Moradia da USP amanhece com pichação racista – O Crusp (Conjunto Residencial da Universidade de São Paulo), a moradia para estudantes da USP, amanheceu nesta quinta-feira (1º) com pichação de cunho racista.

Segundo relatado nas redes sociais por Marcos Morcego, 22, aluno do 4º semestre do curso de ciências sociais da universidade, a frase “Volta P/ África” apareceu em uma das paredes do bloco G do alojamento. Na terça (29), pichações com suásticas, símbolo nazista, foram encontradas no DCE (Diretório Central dos Estudantes) e na Faculdade de Direito. Folha de S. Paulo 01/12  https://bit.ly/3XPUrGq

 


ONGs pedem ao Porto Seguro R$ 15 mi de indenização por separar aluno bolsista de pagante – Nesta quarta-feira (30), as ONGs Educafro e Ponteduca entraram com um pedido de conciliação extra-judicial com Colégio Porto Seguro, um dos mais tradicionais de São Paulo. As entidades dizem que a escola segrega os alunos bolsistas dos pagantes e, por isso, pedem uma indenização de R$ 15 milhões por danos morais coletivos e sociais. FSP 01/12  https://bit.ly/3um81Ee

 

 

A força da educação antirracista no combate ao trabalho infantil – Crianças e adolescentes negros são maioria entre as pessoas de cinco a 17 anos que estão em situação de trabalho infantil no Brasil. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNADC) de 2019, representam 66,1% dessa população. Daí a necessidade de uma reflexão profunda sobre a questão racial no combate e erradicação de todas as formas desta grave violação de direitos.Por Glamour Política & Direitos 01/12  https://bit.ly/3XPUrGq

 

 

Carta da sociedade civil apresenta medidas para combater censura na educação – A carta levanta pontos emergenciais para enfrentar os retrocessos dos últimos anos, como a extinção do Programa de Escolas Cívico-militares, o posicionamento contra os projetos que visam descriminalizar e regulamentar o ensino domiciliar, a retomada da cláusula de exclusão de livros discriminatórios e fim da imposição do método fônico no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) e o fim do Manual de Taxonomia do Disque 100, que havia criminalizado a abordagem da igualdade de gênero nas escolas. Contee 01/12  https://bit.ly/3XLN6bb

 

 

O NEGÓCIO DA EDUCAÇÃO

Arco Educação recebe proposta de General Atlantic e Dragoneer para fechar capital; ações fecham com salto de 27,7% – As gestoras de investimentos General Atlantic e a Dragoneer enviaram ao Conselho da Arco Educação uma proposta preliminar para adquirir todas as ações ordinárias Classe A em circulação não pertencentes a elas e à família controladora (Oto de Sá e Ari de Sá). A empresa educacional brasileira é dona dos sistemas COC, Dom Bosco e Ari de Sá e é listada na Nasdaq. Os papéis dispararam 25,77%, a US$ 11,37, na bolsa americana.

Segundo o documento, os fundadores estão apoiando a transação proposta e, nos termos da oferta, manterão o mesmo poder de voto que têm agora (ou seja, continuarão a controlar a empresa). InfoMoney  01/12  https://bit.ly/3Y3Zp2L

 

 

Inep define cronograma do Censo da Educação Superior – De acordo com a portaria, a coleta dos dados do censo será realizada entre 2 de fevereiro e 23 de junho de 2023. As instituições de ensino superior que não enviarem os dados nesse período serão notificadas entre 26 e 30 de junho de 2023.  Correio do Povo 01/12  https://bit.ly/3XPUrGq

 

 

TRABALHO

Aposentados vencem disputa no STF e ganham direito a reajuste – A União perdeu hoje, no Supremo Tribunal Federal (STF), uma questão bilionária, que vai impactar a Previdência Social e ser mais uma pressão sobre o teto de gastos. Trata-se da tese conhecida como “revisão da vida toda”. O placar foi de seis votos a cinco a favor dos aposentados — que ganharam o direito ao recálculo de seus benefícios e a elevar os valor recebidos.

Para pedir a revisão, o beneficiário deve ter se aposentado pelas regras anteriores à reforma da Previdência de novembro de 2019. Valor Econômico  01/12 http://glo.bo/3Fj7l8Q

 

Veja os próximos passos da revisão da vida toda do INSS no Supremo – Segundo o advogado Fernando Gonçalves Dias, o aposentado que já tem uma ação na Justiça em andamento, seja em uma vara previdenciária ou em um Juizado Especial Federal, vai começar a receber antes de quem não procurou a Justiça.

Para quem não entrou na Justiça, a correção só pode ser solicitada em até dez anos, contados a partir do mês seguinte ao primeiro pagamento do benefício. Se o pagamento da primeira aposentadoria foi feito em novembro de 2012, por exemplo, o prazo para pedir uma revisão de cálculo se encerra em dezembro de 2022. Além disso, o benefício precisa ter sido concedido com base nas regras da lei 9.876, de novembro de 1999. Folha de S. Paulo  01/12 https://bit.ly/3ETTggF

 

Transição: Lula fala em ‘nova regulação sem volta ao passado’ – No encontro entre sindicalistas de várias centrais e ramos de atividade e o presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, nesta quinta-feira (1º) em Brasília, assuntos como Ministério do Trabalho, “reforma” trabalhista e negociação coletiva ganharam destaque. Uma revogação pura e simples da lei de 2017 está descartada, assim como o retorno da contribuição (imposto sindical). Será criada uma mesa de negociação para discutir os principais pontos a serem revistos e que poderão ganhar nova redação. Rede Brasil Atual 01/12 https://bit.ly/3ivzxfE

 

 

 


Diálogo e acordos entre pais e filhos podem evitar dependência digital
Folha, 01/12
https://bit.ly/3gXlsY3

Negociações constantes podem evitar ou mitigar o vício em redes sociais e jogos online

Em Travessia, novela das 21h da Rede Globo, o adolescente Theo, vivido por Ricardo Silva, passa a maior parte dos seus dias na frente do computador. Praticamente todas as cenas em que ele aparece são filmadas em seu quarto, sentado na frente da tela, imerso em jogos e conversas online. Por terem intensas jornadas de trabalho e considerarem o filho extremamente inteligente, seu pai e sua mãe ainda não se atentaram para uma possível dependência digital do jovem, tema que a autora Glória Perez pretende explorar na trama.

O que a novela tem abordado faz parte da realidade de muitas famílias ao redor do mundo. Recursos digitais como as redes sociais são, hoje em dia, fonte de informação, entretenimento e forma de escapismo de muitas pessoas, inclusive no Brasil, um dos países do mundo que mais usam redes sociais e aplicativos digitais diariamente.

Essa atmosfera online que permeia nosso cotidiano envolve inúmeras estratégias para nos mantermos conectados. São muitos estímulos por minuto, provocados pelo excesso de informação, muitas das quais visuais, e por notificações que não param de chegar e que, certamente, interferem na nossa concentração e atrapalham muitas das nossas atividades diárias.

Por isso, é fundamental manter um processo constante de diálogo e negociação acerca do tempo gasto em redes sociais para puro entretenimento, bem como sobre o que fazem nas redes enquanto estão online. Com isso, é importante perceber que esse deve ser um acordo estabelecido com os jovens, processo em que nós, adultos, expomos a nossa preocupação com seu desenvolvimento pleno e com a consequente necessidade de equilibrar o tempo de permanência e uso que fazem das redes.

Os hábitos digitais e suas consequências para nossa vida cotidiana devem ser tema constante para autoanálise do adulto e para alicerçar o pleno desenvolvimento de crianças e adolescentes, a fim de que sejamos todos cidadãos mais bem resolvidos diante dos apelos, narcisismos e ilusões que as redes fomentam.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio