Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 06 de dezembro de 2021

25 de novembro de 2021| , , ,

Dissídio vira Convenção Coletiva: Educação Básica dá lição de pressão e negociação

Com a pressão dos comitês nas escolas e das assembleias dos dias 20 a 24, o patronal cedeu. O que era dissídio virou acordo, não vai ter recurso ao TST, o reajuste e a PLR estão garantidos e o direitos valem até 2025!

Foi assinado nesta quinta-feira, 25/11, comunicado conjunto entre a Federação dos Professores de São Paulo-Fepesp e os representantes das escolas particulares de Educação Básica reunidos no Sieeesp, a Feeesp e Sinepes, que garante pagamento de abonos e reajustes salariais, além de manter as cláusulas sociais das convenções coletivas de trabalho de professores e auxiliares de administração escolar até 2025.

 

Pelo acordo, discutido e aprovado em rodadas de assembleias em todo o Estado entre 20 e 24 de novembro, fica garantido o pagamento da PLR (Participação em Lucros e Resultados) de 11% neste ano, 15% em 2022 e 18% em 2023.

O acordo estabelece pisos salariais, mantem o reajuste de salários estabelecido em dissídio (6,29%, retroativo a 1º de março), bem como recupera qualquer defasagem de salários provocada pela inflação em 2022 e 2023.

Todas as cláusulas contidas nas convenções coletivas de trabalho de professores e de auxiliares de administração escolar serão mantidas. Algumas cláusulas, que haviam sido excluídas das convenções em função de recurso patronal ao Tribunal Superior do Trabalho (como o pagamento de ‘janelas’, ou o intervalo entre aulas) voltam à convenção coletiva.

 

No lugar do dissídio – Este acordo, negociado pela Fepesp junto ao patronal, substitui o dissídio da Educação Básica privada julgado pelo TRT em 20 de setembro passado, com a garantia de que os representantes das escolas não impetrar embargos ou recursos junto ao TST, como ocorreu com o dissídio de professores e pessoal administrativo de 2019/2020.

É importante ressaltar que o índice de 11% para o pagamento da PLR é o índice mínimo que deve ser pago por todas as escolas abrangidas pelo acordo. Em escolas onde foram formadas comissões de negociação (como indicado pelo dissídio de 2021) e houve acordo por índices de PLR ou abono acima do mínimo, o índice superior deve ser mantido.

Foram mantidas também, neste acordo, a garantia de emprego até 20 de dezembro a todos os profissionais de educação (como determinado no julgamento do dissídio de 2021), bem como a garantia de emprego de 180 dias a todos os integrantes de comissões paritárias para discussão da PLR nas escolas.

 

O texto integral do Comunicado Conjunto 01/2021 – Educação Básica, está aqui.

E veja abaixo todas as suas cláusulas sociais:

Educação Básica – Dissídio Coletivo 2021 – Professores

Educação Básica – Dissídio Coletivo 2021 – Auxiliares de Administração Escolar

Assembleias da Educação Básica decidem: conversão de dissídio em convenções, reajustes e direitos até 2025

Educação Básica: publicado acordão, cláusulas sociais garantidas por quatro anos

 

 

Recomendadas para você

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio