Fepesp - Federação dos Professores do Estado de São Paulo

quinta-feira, 13 de abril de 2023

Por Beth Gaspar em 13 de abril de 2023

13/04 - As assembleias de hoje no Ensino Superior. Policia Federal na cola de faculdades por fraudes no FIES. Lula na China. E mais: Marcelo Coelho diz que, reforma de verdade, ‘só com aumento de 500% no salário de professores!’

Ensino Superior: seis assembleias na rodada de hoje irão deliberar sobre reajuste salarial, condições de trabalho, direitos. Encontre a sua assembleia aqui:  https://bit.ly/3ZLHWvt

 

Ensino Superior: seis assembleias abrem hoje rodada de deliberações na Campanha Salarial 2023 - Professores e auxiliares de administração escolar do Ensino Superior privado participam, entre os os dias 13 e 18, de assembleia convocadas pelos Sindicatos, integrantes da Federação dos Professores de São Paulo (Fepesp). O objetivo é avaliar proposta das mantenedoras. Data-base é 1º de março.

“Com o respaldo da categoria, estamos prevendo esquentar a campanha e subir ainda mais o tom na mesa de negociações”, avalia Celso Napolitano, presidente da Fepesp e do SinproSP. Fepesp  10204  https://bit.ly/41dby5S


Veja aqui a lista das assembleias já marcadas – e avise suas colegas e seus colegas:

Hoje, 13/04, quinta-feira
Campinas
– 17h – virtual, veja link no site do sindicato
Presidente Prudente – 17h – link na convocação
Ribeirão Preto – 15h – virtual
São Paulo – 16h, inscrição até as 14h via https://www.sinprosp.org.br/assembleia/superior
Sorocaba – 16h, inscrição via whatsapp
Valinhos/Vinhedo – 18 h, na sede do sindicato

Amanhã, 14/04, sexta-feira
ABC – 17h, no sindicato
Jaú – 17h, no Sindicato
Saae S J Rio Preto – 16h, no sindicato

Na sequência: 15/04, sábado
Bauru – 9h, link via email
Franca – 9h, link via email
Guarulhos – 10h, no sindicato
Jacareí – 10h, link por email sinprojacarei@hotmail.com
Osasco – 9h, no sindicato
São Carlos – 10h, assembleia remota

17/04, segunda-feira
Jundiaí – 19h, inscrições no site
Santos – 15h, link via email

 

ENSINO SUPERIOR

PF e CGU investigam faculdades por suposta fraude para receber recursos do Fies- Esquema com servidores e advogados inseria dados falsos em sistema e liberava venda de títulos do Fies, diz a Polícia Federal. Ao todo, 20 faculdades supostamente beneficiadas pelas fraudes são alvo da operação; a lista não foi divulgada. A CGU diz que os valores já apurados - de quase R$ 21,3 milhões -  pagariam integralmente a formação superior de pelo menos 50 alunos em cursos de cinco anos.

Segundo a corporação, 77 policiais cumprem 20 mandados de busca e apreensão no Distrito Federal e em sete estados: Bahia, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Sergipe.

A TV Globo apurou que o alvo em São Paulo é a Universidade Santo Amaro (Unisa). A reportagem tenta contato com a instituição.G1 12/04  http://glo.bo/41oQwBz

 

Fraude no Fies: gestão Jair Bolsonaro manteve pagamentos a empresas cujas operações já estavam sob suspeita – Em abril de 2021, a Folha mostrou que funcionários do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) descobriram alterações nesse sistema para liberar pagamentos irregulares, à época, em 22 mantenedoras, que, por sua vez, controlavam 34 faculdades. Liminares aleatórias ou vencidas eram incluídas no sistema para autorizar repasses a universidades que não tinham certidões negativas de débitos de impostos.

A Unisa, uma das instituições investigadas, era controlada pelo empresário Antonio Veronezi, aliado do ex-ministro da Educação Abraham Weintraub e que, segundo a Folha revelou em 2019, conseguiu aprovação atípica de um doutorado na instituição.

Veronezi faleceu em janeiro de Covid-19. Na ocasião, foi homenageado pelo também ex-ministro Milton Ribeiro. Folha de S. Paulo  12/04  https://bit.ly/43vd7y1

 

A história do Fies: como o programa virou caso de polícia – No podcast ‘Durma com essa’, o jornal Nexo comenta como o programa de financiamento estudantil tornou-se alvo de fraudes por instituições agora sob investigação da Polícia Federal e da Controladoria Geral da União. Nexo  12/04  https://bit.ly/3KxlwbB

 

VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS

Escolas particulares de SP reforçam segurança; prevenção demanda ação pedagógica ampla – Supostos planos e ameaças tem mobilizado unidades de ensino a divulgarem medidas de proteção. Apoio à saúde mental dos estudantes é fundamental, aponta organização privada. Estadão  12/04  https://bit.ly/3myMEze

 

Plano de Tarcísio contra ataque a escolas cria linha direta de professor com PM e segurança privada – Para tentar frear a escalada de pânico provocada por ameaças de ataques a escolas que circulam na internet, o governo paulista deverá anunciar nesta quinta-feira (13) um pacote de prevenção à violência na rede pública do estado.

Entre as medidas está a criação de uma linha direta entre o estabelecimento de ensino e a Polícia Militar, que possivelmente funcionará em conjunto com a central 190, o número de emergência da PM. A contratação de empresas de segurança privada, com profissionais desarmados, também fazem parte da estratégia. Folha de S. Paulo  12/04  https://bit.ly/3MByhop

 

Ameaças de ataque às IES colocam instituições em alerta - Centro Universitário São Camilo, Belas Artes, Mackenzie e Fundação Santo André adotam reforço na segurança dos campus.

O SinproSP se posicionou, reafirmando sua convicção humanista e civilizatória: “No Brasil democrático que recuperamos e estamos reconstruindo, escolas precisam também voltar a ser universos de afetos, de encontros, de diálogos, de abraços, do exercício da solidariedade, tolerância e empatia, da gestão participativa, da rebeldia criativa e emancipatória”. Revista Ensino Superior 12/04  https://bit.ly/3mDgQch

 

Canal de denúncias para prevenir ataques a escolas – O formulário para denúncias já está disponível em www.mj.gov.br/escolasegura. Todos os conteúdos enviados serão mantidos sob sigilo. Folha de S. Paulo  10/04  https://bit.ly/3KoK3zL

 

LULA NA CHINA

Lula diz na China que o Brasil 'está de volta' ao cenário internacional - "O tempo em que o Brasil esteve ausente das grandes decisões mundiais ficou no passado", disse o presidente na cerimônia de posse de Dilma Rousseff no comando do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB, na sigla em inglês), o chamado de banco dos Brics - grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Terra 12/04  https://bit.ly/3MFC0RD

 

Atacada por Bolsonaro, China cria com Lula centro para desenvolver vacinas - Numa reviravolta completa da relação do Brasil com a China, os dois países vão assinar um acordo que cria o Centro Sino-Brasileiro de Pesquisa e Prevenção de Doenças Infecciosas.

O anúncio do acordo inédito está previsto para esta quinta-feira, em Pequim, e representa uma ruptura importante em relação ao posicionamento do Brasil sob o governo de Jair Bolsonaro. Trata-se de uma iniciativa da Fiocruz e do Centro de Excelência CAS-TWAS para Doenças Infecciosas Emergentes (CEEID, na sigla em inglês), por meio do Instituto de Microbiologia da Academia Chinesa de Ciências. Jamil Chade, em UOL 12/04  https://bit.ly/3o83l50

 

Governo Lula prepara medida para destravar 3.527 obras paradas na educação - A retomada de obras paradas foi colocada como prioridade do governo. A medida provisória deve estabelecer um arcabouço legal para normatizar a repactuação para retomada das obras. Há uma diversidade de motivos para essas paralisações —como contratos e convênios vencidos, atrasos em prestação de contas e valores desatualizados. Folha de S. Paulo 12/04  https://bit.ly/3KD3kxk

 

 

 

TECNOLOGIA

‘Delegar tarefas ao Chat GPT é abrir mão de aprender', afirma neurocientista - A neurocientista brasileira Suzana Herculano-Houzel diz que, apesar das preocupações, seria tolo e inútil imaginar que esse tipo de tecnologia possa ter seu uso restringido. “Uso consciente. Talvez isso seja melhor que a gente possa aspirar e desejar.” Valor Econômico  13/04  http://glo.bo/40WsYUN

 

 E MAIS

‘Falta muito para reformar de verdade o ensino médio’ - artigo, por Marcelo Coelho
Nexo  12/04
https://bit.ly/3zSWaQu S

Pode-se melhorar o currículo. Mas só vai dar certo mesmo no dia em que se fizer a principal, talvez a única, reforma do ensino realmente necessária: um aumento de 500% no salário dos professores.

 

Sempre é bom consultar as entidades envolvidas (em especial professores e alunos), de modo que não tenho nada contra o “freio de arrumação” imposto pelo governo Lula no caso da reforma do ensino médio.

Também não tenho nada contra a ideia geral apresentada pelo governo Temer. É um inferno ser obrigado a fazer três anos de química ou física quando se tem certeza de estar vocacionado para a dança, para o teatro ou para as letras.

O ensino de ciências deveria ser mais genérico, e menos voltado para a resolução de problemas com fórmulas e continhas que só são um condicionamento para testes de admissão.

Faço uma pergunta. Por que livros de história do Brasil ou de divulgação científica se tornam best-sellers entre o público adulto, constituindo leituras interessantíssimas para qualquer pessoa com alguma formação?

Os trabalhos de Laurentino Gomes sobre a independência do Brasil e a escravidão, os de Marcus du Sautoy sobre matemática, os de Stephen Jay Gould sobre evolução, vendem bem para o público geral.

Há centenas de outros assuntos capazes de familiarizar um estudante com o modo científico de pensar. Filosofia e história podem prover exemplos infinitos daquilo de que são capazes a inteligência, a coragem, a burrice e a covardia humanas.

Em vez de livros e mais livros didáticos com listas de exercícios torturantes, um adolescente poderia sair da escola com formação muito melhor se soubesse julgar o que é científico ou não, o que é superstição e o que não é, o que é realista e o que é delirante na vida social, o que faz ou não faz sentido em termos de ética e religião.

Com uma base razoável de português, lógica e matemática, qualquer livro de divulgação científica ou humanística poderia ser adotado para uso no ensino médio.

Mas sou suspeito nessa campanha. Embora tenha sido sempre bom aluno, minha antipatia pela vida escolar é sem limites. Como eu detestava tudo aquilo! Havia bons professores, às vezes. Só que até hoje sonho com provas e trabalhos para entregar. Passei muitos fins de semana, muitas madrugadas, sendo triturado por tarefas inúteis.

No mínimo, isso poderia ser feito no horário de aulas mesmo. Ah, não!! Ouço professores convictos da necessidade da lição de casa.

Pode-se melhorar o currículo. Mas só vai dar certo mesmo no dia em que se fizer a principal, talvez a única, reforma do ensino realmente necessária: um aumento de 500% no salário dos professores

Assustam-se e reagem negativamente ao saber que a inteligência artificial irá liberar o tempo dos alunos. Acho que logo mudarão de ideia, quando perceberem que a inteligência artificial também irá dispensá-los de corrigir sozinhos as tarefas que encomendaram dos alunos.

Enquanto isso, nova pesquisa anuncia que aulas antes das 9 da manhã não são recomendáveis.

Tenho certeza de que já estarei descansando no túmulo quando alguma escola ou faculdade resolver levar isso a sério e colocar a recomendação em prática.

Os objetivos básicos de toda instituição escolar são primeiro, aliviar os pais de passarem o dia cuidando das crianças. Depois, impor aos adolescentes uma vida de chateações, a ser compensada com entretenimento de péssima qualidade e alucinógenos químicos ou digitais. Terceiro, vender livros didáticos e posteriormente diplomas.

Produz-se, com variações aqui e ali, uma população incapaz de ler, de escrever ou de pensar. Precisamos de censura na internet porque não ensinamos ninguém a desacreditar da cretinice que nela se divulga.

Pode-se melhorar o currículo. Mas só vai dar certo mesmo no dia em que se fizer a principal, talvez a única, reforma do ensino realmente necessária: um aumento de 500% no salário dos professores. Só assim atrairemos pessoas capazes de fazer o que estou pedindo.

Para ser menos radical, proponho o seguinte. Fim da lição de casa. E que o espaço das escolas, com seu tempo letivo, seja utilizado justamente para isso: para a lição de casa, acompanhada pelo professor. Aí, acho, estaremos perdendo menos tempo e enganando um pouco menos a nós mesmos.

O mais provável, em todo caso, é que terminem fechando as escolas de vez. Dada a frequência dos massacres e atentados, se não for pelo esgotamento do modelo, será por razões de segurança.

Marcelo Coelho é jornalista, com mestrado em sociologia pela USP (Universidade de São Paulo). Escreveu três livros de ficção (“Noturno”, “Jantando com Melvin” e “Patópolis”), dois de literatura infantil (“A professora de desenho e outras histórias” e “Minhas férias”) e um juvenil (“Cine Bijou”).

crossmenu