Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 14 de abril de 2024

10 de março de 2023

10/03 – Como foi a primeira rodada de negociação na campanha do Ensino Superior, mais EaD no MEC, Justiça combate propaganda que discrimina mulheres – e mais: o ‘dono’ do ChatGPT prevê robô no lugar de professor

Ensino Superior: Sindicatos e mantenedoras se encontram em primeira rodada de negociação. Ponto de partida é sentença normativa do TRT, em julgamento – vitorioso! – do dissídio de greve dos trabalhadores no ano passado. Outras três rodadas ocorrem até o final de março. Fique atento aos avisos do seu sindicato!

[addthis tool="addthis_inline_share_toolbox_whwi"]

Ensino Superior: negociação de 2023 começa com defesa de dissídio de 2022 – Um dos pontos mais importantes nesta campanha do Ensino Superior é a defesa e reafirmação dos direitos relacionados na convenção coletiva de trabalho, todos consagrados pela sentença normativa do TRT de novembro passado (veja o resumo do julgamento aqui: https://bit.ly/3fdY7R1). São direitos e condições de trabalho construídas por anos de negociação e defendidas com nossa mobilização – e mesmo greve! – em muitas campanhas salariais.

Negociação segue – Ficaram agendadas outras três rodadas de negociação, nos dias 16, 23 e 31 de março. Os sindicatos, em todo o Estado, deverão intensificar a visita às escolas e a mobilização de professoras, professores e auxiliares de administração escolar. E importante a recomendação de compartilhar os avisos do sindicato entre seus colegas, e de muita atenção às convocações neta campanha salarial de 2023!  Fepesp  09/03  https://bit.ly/3ZR2ZNw

 

 

EDUCAÇÃO

 Justiça suspende concursos da USP que não previram cotas para pretos, pardos e indígenas – A 13ª Vara de Fazenda Pública do Tribunal de Justiça de São Paulo suspendeu, liminarmente, inscrições abertas pela USP (Universidade de São Paulo) para vagas de procurador, analista administrativo e médico veterinário. De acordo com a decisão, a instituição não respeitou a legislação que prevê reserva de vagas ou pontuação diferenciada para candidatos pretos, pardos e indígenas em concursos públicos. Monica Bergamo 09/03  https://bit.ly/41YOI3b

 

Governo cria grupo de trabalho para mudanças no Fundeb O governo decidiu criar um grupo de trabalho temporário para elaborar estudos preliminares para subsidiar proposta de atualização da legislação que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). E vai longe: O grupo de trabalho temporário terá um prazo de 12 meses para conclusão de estudos preliminares.

Os recursos oriundos do Fundeb são destinados/distribuídos aos Estados, Distrito Federal e Municípios, para o financiamento de ações de manutenção e desenvolvimento da educação básica pública, Valor Econômico  10/03  http://glo.bo/41Z0L0y

 

Enquanto isso, no MEC, mais cursos EaD O ministério da Educação (MEC) vai instituir Grupo de Trabalho para estudos que subsidiem a oferta de cursos de graduação em Direito, Enfermagem, Odontologia e Psicologia, na modalidade Educação a Distância (EaD). A criação do GT, de caráter técnico, foi oficializada pela Portaria nº 398, publicada no Diário Oficial da União nesta quinta-feira, 9 de março. MEC via gov.br  09/03  https://bit.ly/3L9TIfx

 

Flávio Arns é eleito presidente da Comissão de Educação no Senado A Comissão de Educação, Cultura e Esporte foi instalada nesta quarta-feira (8) e será comandada pelos próximos dois anos pelo senador Flávio Arns (PSB-PR). A Vice-Presidência da CE será ocupada pelo senador Cid Gomes (PDT-CE). Rádio Senado  07/03  https://bit.ly/3ysIqLL

 

SINDICATO

Sem acordo na campanha salarial da Fasesp, o ensino superior do Sesi – Durante a deliberação em assembleia de professoras e professores, foi apontada a falta de cumprimento de exigências trabalhistas dos professores. A principal reclamação foi em relação às condições pedagógicas do projeto de ensino, em conjunto com o Ensino Médio. Além disso, a assembleia entendeu que é importante insistir no aumento salarial real de 50% (pelo INPC), no abono salarial de 18%, na implementação de programa de inclusão de pessoas com deficiências e na garantia de emprego para quem está a 24 meses da aposentadoria. Sinpro SP 09/03  https://bit.ly/3ZOGOI4

 

 

Igualdade constitucional entre homens e mulheres ainda não tem 35 anos no Brasil – Faz mais de um século que mulheres organizam grandes marchas em defesa de seus direitos, mas não faz nem 35 anos que, no Brasil, a Constituição estabeleceu a igualdade entre elas e os homens.

Isso aconteceu somente em 5 de outubro 1988, quando o Congresso promulgou a sétima Constituição brasileira. Mesmo assim, até o começo dos anos 2000, algumas leis continuaram tratando as mulheres como se fossem cidadãs de segunda classe. Folha de S. Paulo 09/03  https://bit.ly/3J3Zrkl

 

Ministério da Justiça vai combater publicidade que discrimina mulheres- Segundo o documento do ministério, publicidade sexista, apresentando preconceito e discriminação em relação às mulheres, propagandas que usam a imagem feminina de forma pejorativa, além da chamada “taxa rosa”, que é a cobrança abusiva de produtos destinados ao público feminino, cujos preços dos mesmos itens para o mercado masculino ou unissex são mais baixos, como as lâminas de depilação, são alguns tipos de infrações que estarão na mira do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor (SNDC) a partir deste mês. do Brasil  08/03  https://bit.ly/3J91gfW

 

Os feminismos e o direito das mulheres à não violência Por que tantas mulheres – em todos os grupos sociais – não denunciam agressões? A resposta expõe o machismo ubíquo e mostra: para que as redes de solidariedade e proteção atuem é preciso garantir segurança e enfrentar a vergonha e o medo Outras Palavras 08/03  https://bit.ly/3J6mbjB

 

 

-.

Robô vai substituir professor e médico, diz manifesto de empresário que criou o ChatGPT
Folha de São Paulo 09/03
https://bit.ly/3ZACCMg

Problema do desemprego teria de ser enfrentado com redistribuição de renda e produtos e serviços mais baratos, defende Sam Altman, criador da empresa que inventou o chat de respostas

O CEO da OpenAI, Sam Altman (na foto, na universidade de Stanford, nos EUA), diz acreditar que a inteligência artificial geral, capaz de superar humanos em habilidade cognitiva, vai revolucionar a sociedade. A substituição de homens por computadores tornaria possível baratear serviços de educação e saúde, cada vez mais caros nos Estados Unidos, no Brasil e em outros países.

Altman lidera a startup que desenvolveu o ChatGPT, chatbot que responde a perguntas diversas e e já tem mais de 100 milhões de usuários. A inteligência artificial seria a responsável pelo próximo grande boom de desenvolvimento, de acordo com essa personalidade do Vale do Silício. Esse movimento iria requerer uma resposta política drástica para distribuir riqueza.

O executivo levanta esses argumentos no manifesto Moore’s Law for Everything (Lei de Moore para Tudo, em tradução livre), publicado em 2021, antes do estardalhaço do robô inteligente. Esse axioma do Vale do Silício vaticina que o avanço tecnológico barateia produtos de forma contínua —a premissa é que a cada dois anos os chips dobram sua potência se mantendo com o mesmo preço.

“Nos últimos 20 anos, os preços nos Estados Unidos de televisões, computadores e entretenimento baixaram. Mas outros custos com habitação, saúde e educação superior subiram significativamente”, escreve Altman.

A solução para habitação viria com robôs construtores, fabricados por outros robôs, segundo o CEO da OpenAi. Para educação, inteligências artificiais docentes no lugar de professores universitários com altos salários. Na saúde, médicos automatizados permitiram economia. O segredo seria dar escala ao trabalho feito exclusivamente por humanos hoje.

De acordo com Altman, é possível conseguir qualidade de vida adquirindo mais dinheiro ou com queda de preços. “Riqueza é poder de compra: o quanto podemos comprar com os recursos que temos em mãos.”

 


Elon Musk/Tesla entrevista Sam Altman/ChatGPT


ChatGPT: quem é o empreendedor que quer transformar o mundo da inteligência artificial –
A primeira coisa que fizemos para saber sobre a vida de Sam Altman foi perguntar ao ChatGPT, o revolucionário sistema de inteligência artificial que ele mesmo idealizou por meio da empresa que fundou em 2015, a OpenAI.

“Sam Altman é um empresário e tecnólogo americano, conhecido por ser o presidente da OpenAI e ex-CEO da Loopt”, nos informou o robô virtual de que muito se fala desde que foi lançado em 30 de novembro.

Também em sua resposta, o robô fez referência ao fato de ser considerado um líder influente na comunidade tecnológica e de ministrar palestras sobre temas relacionados à inteligência artificial. Uma carta de apresentação confiável baseada em fatos ou generalizações, mas que, como o próprio sistema reconhece, “não faz declarações subjetivas sobre a personalidade ou o caráter de um indivíduo”

Primeiro o não artificial – Samuel H. Altman aprendeu a programar e desmontar um dos primeiros computadores da Apple, o Macintosh, quando tinha 8 anos, segundo entrevista ao The New Yorker.

Altman disse na mesma entrevista que ter um computador o ajudou com sua sexualidade, graças às conversas e grupos dos quais pôde participar na adolescência.

Aos 16 anos, ele contou aos pais que é gay e depois falou sobre isso abertamente na escola onde estudava. Ingressou na Universidade Stanford (na Califórnia, EUA) para estudar ciência da computação, mas não concluiu o curso.

Juntamente com alguns amigos decidiram dedicar-se totalmente a desenvolver a sua primeira ideia , o Loopt , um aplicativo para compartilhar a localização com outras pessoas. Estamos falando do ano de 2005, muito antes do WhatsApp existir e quase na mesma época do surgimento do Facebook. O Loopt não teve muita importância, mas serviu de trampolim para lançar a carreira de empresário de Altman e abriu as portas para o mundo dos grandes investimentos em tecnologia.

Uma das empresas que apoiou a Loopt em seus primórdios foi a Y Combinator (YC) , uma das mais prestigiadas e bem-sucedidas aceleradoras de startups, que investiu em inovações como AirBNB e Dropbox.

Altman vendeu seu primeiro projeto por mais de US$ 40 milhões, o que lhe permitiu expandir suas áreas de interesse e investir em várias das ideias sob o guarda-chuva YC, que chegou a presidir entre 2014 e 2019. Foi neste período que, juntamente com Elon Musk, criou a OpenAI , uma empresa que lhe permitiu mergulhar num mundo que despertava nele, ao mesmo tempo, fascinação e temor: o da inteligência artificial.

Vai dar certo? – Ao longo de sua carreira, Altman conseguiu atrair o capital de fortes investidores para financiar projetos que aprovou durante sua passagem pela Y Combinator e nos quais investiu posteriormente.Pouco se sabe exatamente quanto Altman tem em termos de riqueza, mas recentemente houve vários anúncios projetando seu crescimento para o seleto grupo de bilionários.

A OpenAI, que nasceu como um projeto sem fins lucrativos, tornou-se uma empresa híbrida com benefícios limitados.

Há algumas semanas, o Wall Street Journal mencionou em um artigo que a OpenAI estava a caminho de se tornar uma das startups mais prósperas dos Estados Unidos, com um valor de US$ 29 bilhões, apesar dos poucos benefícios que gera. Pouco depois, ficou conhecido o acordo plurianual e multibilionário que a empresa alcançou com a Microsoft com a promessa de ter um forte impacto em um futuro não muito distante “na computação pessoal, na Internet, nos dispositivos inteligentes e na nuvem”.

E esta semana passamos a conhecer a versão plus do ChatGPT , um serviço de assinatura que está sendo testado nos EUA e que paga 20 dólares por mês. As mudanças que eles garantem não afetarão seu compromisso de criar sistemas e produtos de inteligência artificial confiáveis ​​e seguros.

Vai dar certo? Isso pode ser algo que podemos perguntar ao ChatGPT no futuro. BBC Brasil 08/03  https://bbc.in/3FdQqEc

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio