Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 17 de outubro de 2021

21 de janeiro de 2021| , ,

A vacina e os educadores: na linha de frente, com escolares aglomerados, requer vacinação para segurança

A boa notícia é que já começamos a vacinar os profissionais da saúde no Brasil. A má notícia: o desgoverno federal, a incompetência do ministro da Saúde e a agressividade infantil do ministro das Relações Exteriores atrasam a produção de vacina no país. Índia, China e Rússia, que fazem parte do grupo econômico dos BRICS como o Brasil, tem vacina própria – e Bolsonaro agrediu todos eles, que agora não querem cooperar com o país.

A vacinação de professores é fundamental para garantir qualquer plano de retorno seguro às aulas.

O anúncio do governo do Estado pela volta às aulas em 1º de fevereiro esbarra na evidência de que a pandemia não enfraqueceu. Pelo contrário: a maior parte de São Paulo regride agora para a fase vermelha, com aceleração da transmissão do novo coronavírus.

Como disse Celso Napolitano, presidente da Fepesp, apenas ‘um número ínfimo’ de escolas estão preparadas para aplicar protocolos de prevenção de contaminação –  o que reforça a necessidade de incluir os educadores – professores, auxiliares, pessoal administrativo, todos que tem contato com escolares – nos grupos prioritários de vacinação.

 

LIMINAR GARANTE EDUCADORES EM GRUPO DE RISCO – é importante lembrar também que temos duas decisões judiciais que protegem professores enquanto permanecem os efeitos da pandemia. No primeira, obtida pela Federação e sindicatos integrantes já em março do 2020, exclui os professores em grupos de risco (idade, portadores de comorbidades ou doenças crômicas) da participação em atividades presenciais. E também, ainda está em vigor a liminar obtida em Outubro que veda a convocação de para atividades presenciais de professores que vivam com pessoas em grupos de risco, incluindo idosos, grávidas ou parturientes.

Procure imediatamente o seu sindicato se você enquadra se você se enquadra em alguma dessas condições e está sendo indevidamente convocado pela escola.

 

 

Sindicato quer priorizar vacina contra a Covid-19 em professor para volta às aulas em SP
Folha de S. Paulo; 20/01
http://bit.ly/2NgPJSk

SinproSP, sindicato que representa os professores do ensino particular no município de São Paulo, quer que a categoria seja incluída em grupo prioritário para a vacinação contra a Covid-19 ou mantenha o ensino remoto a exemplo do que ocorreu em 2020.

O sindicato solicitará uma audiência com o Secretário Municipal da Saúde, Edson Aparecido, para que os professores do município de São Paulo tenham prioridade na vacinação.

Para Luiz Antônio Barbagli, presidente da entidade, o problema é que o professor estará em contato diariamente com um grupo renovado de alunos.

“Não entendemos o porquê da pressa. O aluno não está só em contato com o professor. Ele usa a van escolar, vai à cantina, quando sai da escola tem alguém vendendo alimento, há o contato familiar”, afirma.

 

 


Jundiaí: prioridade na vacinação
Sinpro Jundiaí; 20/01
http://bit.ly/3oZALhD

A presidente do Sindicato dos Professores de Jundiaí, Sandra Baraldi, protocolou, na tarde desta quarta-feira, dia 20, junto à à Unidade de Gestão de Promoção da Saúde, ofício solicitando que professoras e professores da rede particular sejam incluídos no grupo prioritário de vacinação contra a covid-19.

O Sinpro Jundiaí entende que, em um momento de crescimento do número de casos de covid-19 e sem fiscalização das medidas sanitárias exigidas das escolas, o risco de contaminação ainda é muito grande enquanto não houver vacinação da categoria.

 

 

São Paulo: secretário diz que professor não pode ser vacinado antes de duvidosos ‘prioritários’

 

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio