22 de março de 2019| , ,

Nosso protesto contra a reforma da Previdência

Manifestação unitária deste dia 22 é a primeira de uma série contra a proposta de reforma da Previdência de Bolsonaro

No Chile, nesta sexta, o presidente sem prestígio elogiou o sistema de previdência daquele país. Desinformado, não sabe que o modelo chileno de aposentadoria está levando o povo que trabalhou a vida toda à penúria e gerando uma onda inédita – e ruinosa – de suicídios entre os mais idosos.

O modelo do Chile, criado na ditadura de Pinochet, não serve para o Brasil (leia aqui). Não serve para ninguém.

Nossa rejeição a esse modelo que engorda os banqueiros e esfola quem trabalha ficou claro nesta sexta-feira, 22. E isto é só o começo.

Já derrotamos a reforma da Previdência de Temer, o preso. Agora, iremos derrotar a reforma de Bolsonaro, o entreguista.

 

Campanha da CONTEE: “Com a reforma da Previdência o governo quer destruir o edifício da proteção social e construir o muro das desigualdades, atacando os mais pobres. A TV Contee preparou ‘pílulas’, vídeos curtos, para denunciar os impactos da reforma da Previdência aos trabalhadores”. Confira clicando na imagem ou aqui.

 

 

IMAGENS DO PROTESTO DE 22 DE MARÇO

São Paulo: Paulista ocupada no protesto unitário contra a reforma da aposentadoria.

Campinas: presença maciça.

São José do Rio Preto: Sinpro,lidera contra a Reforma

Osasco: todos no centro, no protesto unitário

 

A nota do SinproSP e a chamada que pegou, na campanha salarial e no protesto contra a reforma da Previdência: ‘Tamo junto!’

 

 

 

 

 

 

 

Como começou – As centrais sindicais do país estabeleceram uma agenda de manifestações contra a reforma da Previdência proposta pelo governo de Bolsonaro (PSL). O primeiro grande ato foi marcado para 22 de março, em várias cidades do país. O movimento sindical não descarta a possibilidade de greve geral.

Agenda de manifestações, definida em fevereiro, estabeleceu que dia 22/03, numa sexta-feira, será realizado o Primeiro grande ato nacional contra a reforma da Previdência. Já em abril e maio, haverá uma sequência de atos nacionais a depender da tramitação da proposta no Congresso.

 

 

O chamado Dia Nacional de Luta e Mobilização em Defesa da Previdência está sendo organizado por sindicatos e associações de trabalhadores como CUT (Central Única dos Trabalhadores), Força Sindical, FPSM (Frente Povo Sem Medo) e Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo) e com apoio de outras entidades de representação, como a Fepesp (Federação dos Professores do Estado de São Paulo).

A ideia é que vários locais do Estado de São Paulo sejam ocupados por manifestações no dia 22.

 

________________________________________________________________________________

Calculadora do Dieese mostra o que sua aposentadoria perde com a reforma

 

Será necessário trabalhar mais tempo, contribuir mais e para se aposentar com bem menos

 

 

O projeto de reforma da Previdência de Bolsonaro afeta profundamente a vida do trabalhador brasileiro e de suas famílias. Retarda o início da aposentadoria, diminui o alcance da assistência social e ataca as mulheres, parcela já afetada pelo quadro de desigualdade social no país, ao aumentar o tempo mínimo de contribuição para 20 anos. Impossibilita a manutenção da vida na velhice, ao impedir que esta aconteça de maneira digna e exagerando o tempo laboral para pessoas com mais de 60 anos.

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) lançou a Calculadora da Aposentadoria, para alertar sobre as perdas que cada trabalhador poderá ter. É possível comparar uma aposentadoria baseada nas regras atuais e uma caso a PEC 6/2019 seja aprovada.

Para acessar a Calculadora, clique aqui: http://bit.ly/2FcGTNY 

 

______________________________________________________________________________

O ato na Sé, dia 20/02:

Na defesa da Previdência Social e da sua Aposentadoria

 

Governo quer livrar patrões da contribuição e jogar o peso da aposentadoria – piorada – nas costas dos trabalhadores. Professores serão mais prejudicados.

Em defesa da Previdência Social e da sua aposentadoria, trabalhadores lotaram Praça da Sé em São Paulo na manhã desta quarta-feira, 20/02, com o intuito de organizar uma luta unitária contra o projeto de reforma proposto pelo governo Bolsonaro – que a apresentou, de maneira oficial, em uma grande marketagem no Congresso, também na manhã desta quarta, acompanhada de uma campanha publicitária que procura amenizar a pancada que se pretende contra os trabalhadores.

 

Trabalhadores se reuniram nesta quarta-feira, na Praça da Sé, em defesa da Previdência Social e da aposentadoria.

 

“A importância deste ato é a demonstração clara da união dos movimentos sociais e das centrais sindicais, dando início a um processo de discussão e rejeição da Reforma da Previdência proposta pelo governo. A partir daí, então, iniciar uma luta, um esclarecimento à população; contra a capitalização, contra o fim da aposentadoria e a defesa do regime participativo. A expectativa é a de que o movimento cresça e chegue ao Congresso Nacional”, disse no ato Celso Napolitano, presidente da Federação dos Professores do Estado de São Paulo.

 

A Proposta de Emenda Constitucional 06/2019, a PEC da reforma da Previdência, prevê a obrigatoriedade de idade mínima para aposentadoria de 65 anos para homens e 62 para mulheres com o fim do direito à aposentadoria por tempo de serviço.

Fica ainda pior para professoras e professores: pela proposta, a sua aposentadoria virá apenas por idade, quando completar 60 anos.

 

Veja o recado de Celso Napolitano, sobre a proposta de aposentadoria para professores:

 

Ademais, o governo pretende adotar o regime de capitalização da Previdência, acabando com o modelo pelo qual todos contribuem para todos em um fundo social. Com a capitalização, o trabalhador teria que fazer sua própria poupança, que, segundo cálculos, para que receba um valor integral de aposentadoria, seria necessário atividade por 40 anos.

A PEC da reforma da Previdência vai ser discutida no Congresso. Queremos uma discussão de verdade, queremos que as propostas de emendas sejam discutidas e consideradas – não se pode aceitar que uma reforma prejudique quem trabalhou toda a vida, enquanto deixa de fora quem se considera com privilégios.

 

Leia artigo:

‘Reforma da Previdência: modelo chileno é alerta aos brasileiros’, por Silvia Barbara

 

 

 

 

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio