Fepesp - Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 13 de janeiro de 2024

Por Beth Gaspar em 23 de janeiro de 2019

Brasil ‘merece alguém melhor’, diz vencedor do Nobel

Jair Bolsonaro esteve durante a tarde desta terça-feira, (22), em Davos, Suiça, para discursar no conhecido Fórum Econômico Mundial. O intuito do Fórum é reunir grandes líderes empresariais e políticos, intelectuais e jornalistas renomados para que questões de urgência no mundo contemporâneo sejam debatidas; de pautas econômicas até meio-ambiente.

 

 

O presidente do Brasil, no entanto, fracassou e foi mal visto pela imprensa internacional. Diversos órgãos da mídia global comentaram sua participação adjetivando-a como "genérica" ou "um fiasco". Sylvie Kauffmann, diretora e colunista do Le Monde e colaboradora do NY Times escreveu em seu Twitter:

 

“Fiasco de Bolsonaro em Davos, incapaz de responder concretamente às questões de Klaus Schwab. 15 min. de generalidades”.

 

Ainda, disseram que Bolsonaro tentou vender a ideia de "um novo Brasil", mas não convenceu. Houve críticas até ao tempo de seu discurso; considerado insosso, sem sustância, repleto de "generalidades".

Nesta linha de pensamento, Robert Shiller, vencedor do prêmio Nobel de Economia - Professor na Universidade de Yale - Tido com um dos maiores economistas do nosso tempo, também não ficou convencido com a discursiva do novo presidente brasileiro:

 

“O Brasil é um grande país. Merece alguém melhor”, disse. “Ele me dá medo”, insistiu.

 

Shiller chegou a comparar, em tom de brincadeira, Bolsonaro com Trump e Viktor Orban, dois representantes da extrema-direita e indivíduos conhecidos pela agressividade nas falas: “Vi Viktor Orban (primeiro-ministro da Hungria) em um discurso e ele também (em relação a Trump) parecia moderado e razoável”, apontou.

 

"Bolsonaro não combinou com a multidão de Davos. Um discurso de campanha curto, muito geral, depois evita dar respostas concretas às perguntas de Klaus Schwab. Definitivamente, nenhum aplauso de pé", escreveu a jornalista Kauffmann.

 

"O presidente brasileiro Bolsonaro falou por menos de 15 minutos. Grande fracasso. Ele tinha o mundo inteiro assistindo e sua melhor linha era dizer às pessoas para irem de férias ao Brasil. Bolsonaro é classificado como ‘Trump sul-americano’, mas ele parecia morno", escreveu Heather Long, jornalista do The Washington Post.
crossmenu