Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 18 de abril de 2024

24 de março de 2023

24/03 – Sindicatos rejeitam proposta patronal para o Superior, proposta é ‘indecorosa e indecente’, ‘Anhanguera’ em todas escolas da Kroton, muito celular dá dor nas costas em jovens. E mais: deputado que se acha príncipe quer fim da fiscalização do trabalho, prefere escravos

.

[addthis tool="addthis_inline_share_toolbox_whwi"]

Ensino Superior 2023 – nas negociações desta campanha salarial, o patronal quer fazer de conta que 2022 não existiu: professor não teve aumento mas escolas faturaram o ano inteiro. Não esquecemos o que nos é devido – seguem as negociações e deve aumentar nossa mobilização!

 

Educação Superior: mantenedoras tentam aplicar mão de gato no reajuste  Na rodada de negociação do Ensino Superior 2023 desta quinta-feira, 23/03, a comissão de negociação dos sindicatos, coordenada pela Fepesp, defendeu as reivindicações que afetam diretamente professores e pessoal administrativo diante das condições de trabalho criadas com a introdução de tecnologias em salas de aula e a expansão em grande escala do ensino remoto – que vem promovendo a degradação do ensino, a precarização da atividade do professor e o aumento do volume de trabalho nas IES.

Foi uma rodada em que defendemos o que foi deliberado nas assembleias. E que mostrou, mais uma vez, que as mantenedoras não negociam com seriedade. Fepesp  23/03  https://bit.ly/3TIVaYE

 

Proposta patronal para o Superior é indecorosa e indecente  – Os patrões propuseram um esquema de pagamento de reajuste somente a partir de abril deste ano. Não querem pagar o reajuste de 2022. Respondemos: isso não é sério. Essa proposta patronal é indecorosa e indecente. Por quê? Ponto por ponto:
1. Não reconhece a sentença normativa que mandou pagar 10,78% a partir de março/22;
2. Quer pagar parte dessa dívida parceladamente, até fevereiro de 2024;
3. Quer pagar apenas a metade da inflação no mês abril e deixar de pagar reajuste deste mês de março;
4. “Embolsa” a outra metade da inflação de 2022; e
5. Não discute o pagamento de aumento real ou de abono.

Evidentemente, a comissão dos sindicatos recusou de cara essa proposta descabida. Não há o que inventar e insistimos nisso: reconheçam a sentença do Tribunal e paguem o que devem, como decidido no julgamento de nosso dissídio de greve, que determinou reajuste salarial de 10,78% a partir de março de 2022. Sinpro SP 23/03  https://bit.ly/40ziJoI


Pais de alunos do Dante Alighieri criticam posição do colégio sobre linguagem neutra  Um grupo formado por pais de alunos do colégio Dante Alighieri, um dos mais tradicionais da capital paulista, elaborou uma carta em que critica a maneira como a instituição tratou o fato de uma professora ter exibido em sala de aula um vídeo que faz uso da chamada linguagem neutra.

Na questão da linguagem neutra, esses pais dizem ver de forma bastante crítica o posicionamento recente do colégio. “O grupo entendeu, em primeiro lugar, que perdeu-se a grande oportunidade de, a partir do debate sobre linguagem neutra, se colocar em discussão junto às alunas e aos alunos as questões centrais de pessoas trans e não binárias que possuem seus direitos básicos e constitucionais negados diariamente em todas as esferas da sociedade brasileira”, afirma a carta, que também foi entregue à instituição. Painel, Folha de S. Paulo   23/03  https://bit.ly/3FQm8rw

 

O NEGÓCIO DA EDUCAÇÃO

Cogna (Kroton) volta a crescer e unifica marcas sob o nome Anhanguera Após diminuir 25% de tamanho no acumulado de 2020 e 2021, a Cogna voltou a ver a sua receita líquida crescer no ano passado. O indicador da primeira linha do balanço da companhia aumentou 6,6%, para R$ 5,1 bilhões. No último trimestre de 2022, a alta foi de 13%.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) recorrente cresceu quase 16%, para R$ 1,5 bilhão no ano. A margem do respectivo indicador melhorou 2,3 pontos percentuais para 28,7%.

Unopar, Pitágoras, Unic e Unime mudam de nome para Anhanguera – Outra novidade é no negócio de ensino superior, com a integração das marcas das faculdades, que agora passam a atuar com o nome Anhanguera, com exceção daquelas que ofertam cursos de medicina. Hoje, o grupo também opera com as marcas Unopar, Pitágoras, Unic e Unime. Em praças em que elas são muito fortes, como Pitágoras em Belo Horizonte ou Unopar no Paraná, haverá uma transição de até três anos em que as bandeiras serão apresentadas em conjunto. Valor Econômico  24/03  http://glo.bo/40bk6Kp

 

Anima finca pé na ilegalidade e insiste em reduzir salários a Anima reduziu os salários de seus professores e professoras da Universidade Anhembi Morumbi, e registrou, nas carteiras profissionais, um “novo” valor da hora-aula, inferior àquele que vinha sendo pago.

O SinproSP convocou a direção da Universidade para o Foro de Conciliação, instância prevista na Convenção Coletiva, que tem justamente a responsabilidade de tratar dessas questões. A reunião ocorrerá no próximo dia 3 de abril, e o Sindicato exigirá da instituição que reveja sua posição e anule a redução de salários. SinproSP  23/03  https://bit.ly/3Zfaopl

 

TECNOLOGIA

Lançados há uma semana, apps apresentam falhas nas escolas de SP Lançados há uma semana pelo governo Tarcísio de Freitas (Republicanos), os aplicativos educacionais apresentaram falhas ao serem usados em sala de aula nas escolas estaduais de São Paulo.

Na quinta-feira (16), o secretário de Educação, Renato Feder, disse que os aplicativos iriam ajudar os professores a economizar tempo durante as atividades e que eram fáceis de utilizar. Na prática, no entanto, há relatos de docentes que dizem que não conseguem acessar as plataformas –que são de uso obrigatório em sala de aula.

Secretário empresário – O secretário de Educação de São Paulo, Renato Feder, segue como acionista, por meio de uma offshore, de uma empresa que nas últimas semanas firmou três contratos de cerca de R$ 200 milhões com a pasta que ele comanda. Folha de S. Paulo  23/03  https://bit.ly/40Aaid1

 

Adolescente que usa celular por mais de 3 horas ao dia tem mais dor na coluna, diz estudo Pesquisa ouviu mais de 1,6 mil jovens do ensino médio no interior de São Paulo; comportamento sedentário é fator de risco para problemas de saúde desse tipo, alertam médicos. Estadão 23/03  https://bit.ly/3K1VAVB

 

Inteligência artificial atual é tão revolucionária quanto o Windows, diz Bill Gates, da Microsoft Bill Gates afirma ter assistido a duas demonstrações de tecnologia que considerou revolucionárias: a interface gráfica para usuários que deu origem ao Windows e os modelos de inteligência artificial (IA) da OpenAI, que criou o ChatGPT. A declaração consta em artigo publicado pelo bilionário na terça-feira (21) em seu blog pessoal.

A empresa fundada por Gates, Microsoft, trabalha com a equipe da OpenAI desde 2016, quando a gigante da tecnologia mergulhou no projeto Azure, do qual saiu o primeiro supercomputador dedicado à IA do mundo. Folha de S. Paulo   23/03  https://bit.ly/3TDA0uN

 

OS JUROS DO BANCO CENTRAL

Trabalhadores temem desemprego e endossam reclamação de empresários sobre juros As centrais sindicais criticaram a decisão desta quarta-feira (22) do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central em manter a taxa básica de juros, a Selic, em 13,75% ao ano. Em nota a CUT disse que a decisão é inaceitável e que representa um boicote de Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, à retomada do crescimento econômico

A reclamação dos sindicatos de trabalhadores faz coro à reclamação dos empresários. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) classificou de “equivocada” a decisão. Para a entidade, o cenário atual da economia indicava que o Copom deveria ter começado a reduzir a Selic nesta reunião. “A CNI espera que esse processo de redução da Selic se inicie na próxima reunião”. O Tempo 23/03  https://bit.ly/3Zc1Cse

 

Lula, Luiza Trajano, Fiesp: frente ampla contra Campos Neto e a taxa de juros Com a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) em manter a taxa básica de juros (Selic), em 13,75% ao ano, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto produziu um feito. Em um país dividido politicamente, há quase unanimidade contra a atual política monetária que asfixia a economia do país. Do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), amplos setores criticaram a manutenção dos juros reais mais altos do mundo. Rede Brasil Atual 23/03  https://bit.ly/3Z86ped

 

 

Príncipe e deputado federal, ‘Dom’ Luiz Phillipe de Orleans e Bragança quer acabar com o Ministério Público do Trabalho
Rádio Peão Brasil  23/03
https://bit.ly/3ngKjJh

Fiscalização de condições de trabalho e volta de denúncias e liberação de trabalhadores em condições análogas à escravidão é o fator motivador

Desde a chegada dos portugueses ao Brasil até o fim do império com a proclamação da República, a força de trabalho foi de negros escravizados, trazido da África como mercadorias e a cultura escravocrata permanece até hoje.

Na semana passada, deputado federal Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PL-SP), achou por bem criar uma proposta de Emenda Constitucional (PEC) que extingue o Ministério Público do Trabalho (MPT) e todas as cortes de Justiças trabalhistas, incluindo varas e o Tribunal Superior do Trabalho (TST).

Desde o início deste ano, a explosão de casos de trabalho análogo à escravidão tem ocupado espaço em parte da mídia brasileira.

Isso ocorreu principalmente após a libertação de mais de 200 trabalhadores na cidade de Bento Gonçalves (RS) que trabalhavam na colheita de uva em três vinícolas da região (Aurora, Garibaldi e Salton).

Para a PEC tramitar, o deputado do PL necessita de 171 assinaturas. Ele á conseguiu mais de 70 assinaturas de parlamentares .

A maioria dos apoiadores da proposta é composta por deputados de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul, estados onde ocorreram os casos mais recentes de resgates de trabalhadores em situação análoga à de escravos.

Após a libertação de 207 trabalhadores em vinícolas da região de Bento Gonçalves, políticos e organizações defenderam veladamente a prática.

Uma nota da entidade que representa as vinícolas da região justificou o uso de trabalho escravo dado ao desinteresse da população em trabalhar nos postos disponíveis, consequência do “assistencialismo estatal”.

Ainda nesse sentido, o vereador Sandro Fantinel, de Caxias do Sul, defendeu os empresários e condenou os trabalhadores explorados em um discurso xenofóbico e racista.

Entre apoiadores da PEC estão integrantes da bancada da Bíblia, da Bala e do Boi: Coronel Ulysses (União-AC), Delegado Fábio Costa (PP-AL), Capitão Alberto Neto (PL-AM), Capitão Alden (PL-AL), Delegado Caveira (PL-PA), Cabo Gilberto Silva (PL-PB), Coronel Meira (PL-PE), Sargento Gonçalves (PL-RN), Delegado Ramagem (PL-RJ) e Pastor Marcos Feliciano (PL-SP).

Somente em 2022, mais de 2,5 mil trabalhadores foram resgatados por fiscais do Ministério do Trabalho em condições análogas a de escravos.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio