Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 14 de abril de 2024

21 de março de 2023

21/03 – Presencial volta a crescer no Superior, explosão de disciplinas – muitas irrelevantes – no ‘novo’ Ensino Médio, universidade escandaliza juíza em audiência de conciliação, e mais: etarismo nas escolas, causas e soluções

.

[addthis tool="addthis_inline_share_toolbox_whwi"]

A multiplicação desmedida de cursos em rotas ‘alternativas’ de ensino é um dos motivos que tem levado a protestos por escolares contra a reforma do Ensino Médio. Segundo apurou o jornal Folha de S. Paulo, passam de 1.500 as disciplinas hoje oferecidas para atender às normas da reforma.

  

EDUCAÇÃO SUPERIOR

Ensino presencial volta a crescer nas universidades privadas, diz pesquisa A procura por cursos presenciais nas instituições de ensino superior privadas voltou a subir, segundo levantamento que a Abmes (associação do setor) vai divulgar nesta semana.

De acordo com a entidade, 46% das universidades entrevistadas dizem que o número de novas matrículas para as aulas presenciais superou o patamar do início de 2022. Outros 24% dizem que a captação de alunos se manteve, enquanto 30% observaram redução na procura, de acordo com a pesquisa.Painel S/A 20/03  https://bit.ly/3n31wpj

 

ENSINO MÉDIO

Escolas estaduais ofertam ao menos 1.526 disciplinas no novo ensino médio – As redes estaduais de ensino do país estão ofertando ao menos 1.526 opções de disciplinas no novo ensino médio. Criadas sob o argumento de que tornariam essa etapa mais próxima aos interesses dos jovens, elas têm sido alvo de críticas de estudantes e professores por, segundo eles, tomarem o tempo de aula dos conteúdos curriculares tradicionais.

Insatisfeitos com a nova estrutura do currículo escolar, estudantes protestaram em mais de 50 cidades de todas as regiões do país na última quarta (15) para pressionar o governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) a revogar o modelo.

Estudantes reclamam que aulas de como se tornar um milionário e de RPG estão tomando tempo dos conteúdos curriculares tradicionais.  Folha de S. Paulo 20/03  https://bit.ly/3n31wpj

 

Contee, vídeo: pela revogação do Novo Ensino Médio  A Confederação Nacional de Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino produziu vídeo com os argumentos que embasam o movimento pela revogação da reforma do Ensino Médio de Temer. Conte 20/03 https://bit.ly/3luELdv

 

Artigo: ‘O desafio do ensino médio’  O Novo Ensino Médio, aprovado em 2017, na gestão de Michel Temer, que entrou em vigor no país em 2022, é a pauta do momento na cena nacional. A polêmica se dá em torno de visões bastante antagônicas: um grupo, contrário às mudanças, exige a revogação da medida pelo atual governo, e outro, que concorda com a reforma e quer manter o que determina a a nova legislação, mas admite que é necessário aperfeiçoá-la.

Ambos os lados, apesar das divergências, compactuam da mesma premissa: o Novo Ensino Médio, em seu ano de estreia, ficou muito aquém do idealizado e está sendo mal implantado em praticamente todas as redes e escolas do país. Por Ana Maria Diniz, em Valor Econômico 21/03  http://glo.bo/3yTNoRT

 

SINDICATOS

UNIB: juíza fica’ estarrecida’ com descalabros da Unib A juíza presidenta e a procuradora do Ministério Público do Trabalho ficaram estarrecidas com os relatos feitos sobre as inúmeras práticas escabrosas da UNIB para com as trabalhadoras e trabalhadores em audiência de conciliação do processo instaurado pelo SinproSP contra a UNIB, em dezembro de 2022, denunciando e questionando as demissões de todas as professoras e todos os professores dos cursos de pós-graduação, que tinham se recusado a aceitar uma tentativa de redução brutal dos salários. audiência foi adiada por dez dias, com o compromisso da instituição em elaborar proposta de pagamento. SinproSP 17/03  https://bit.ly/3FFJeku

 

Artigo: ‘Para resolver a questão do financiamento das entidades sindicais’ Não basta que se aprove lei que trate do custeio solidário das atividades sindicais, como até agora se tem apontado na discussão entre as centrais sindicais.

Quem se der ao recomendável e judicioso trabalho de visitar as normas de natureza sindical trazidas ao mundo jurídico no período entre o citado Decreto 979/1903 e a famigerada Lei 13.467/2017, constatará que nenhuma delas criou qualquer empecilho ao financiamento sindical. Todas elas, sem exceção, quer por não abordarem o tema de forma específica, quer por o fazerem solene e expressamente, permitiam a cobrança de contribuição de todos os integrantes da categoria, associados ou não. Por José Geraldo Santana em Contee 20/03  https://bit.ly/42wSQHV

 

 

 

 

Etarismo: nas escolas, 900 mil brasileiros com mais de 40 anos buscam alfabetização e enfrentam preconceito – Número de alunos da modalidade de Educação Para Jovens e Adultos (EJA) aumentou 23% na última década. À procura de mais autonomia e liberdade, estudantes ouvem comentários de intolerância, chegam cansados e famintos às aulas, e tentam superar o que os afastou do colégio na infância e na adolescência.

“A primeira barreira a ser rompida pelos alunos da EJA é com eles mesmos. Existe uma autocensura que faz com que eles se questionem: ‘será que ainda adianta estudar nessa idade?’”, diz Sonia Couto, coordenadora no Instituto Paulo Freire. G1  20/03  http://glo.bo/3JyRRyl

Por que adultos chegam aos 40 anos sem ter concluído a escola?
– histórias de extrema pobreza;
– violência doméstica;
– gravidez e casamento;
– baixa autoestima gerada por problemas de aprendizagem não trabalhados ou identificados;
– bullying na escola;
– necessidade de trabalhar em período integral;
– maridos que proibiam as esposas de irem ao colégio;
– reprovações.

 

‘Fui chamado de velho aos 14 anos’, diz aluno de 74 anos que faz Computação na Ufes – As dificuldades da vida só levaram Hudson a uma escola aos 14 anos, quando os colegas tinham 8. Desde então, ele conviveu com o etarismo durante toda a formação educacional. Mas, a diferença de idade não foi um empecilho para Hudson Ferreira, mineiro que tem 74 anos e é estudante do terceiro período de Computação Gráfica na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes).

De acordo com a Ufes, até o segundo semestre de 2022, dos 18.839 alunos, 611 homens e 811 mulheres têm mais de 40 anos e 46 homens e 57 mulheres passam dos 60 anos de idade. G1  20/03  http://glo.bo/42w1Xc7

 

Saiba o que é convívio digital: nova disciplina que pode evitar episódios como o etarismo em Bauru – O caso de etarismo numa faculdade de Bauru, que teve como palco o Instagram e culminou com o desligamento das estudantes responsáveis pelo vídeo postado, mostra como a internet, entre os jovens, pode ser um ringue entre a ofensa e o cancelamento. A pandemia aprofundou a presença de adolescentes no mundo digital num contexto mundial de banalização dos discursos de ódio. Somado a isso, há o fator desinibidor das comunicações medidas pelas redes, algo visto desde que tudo se resumia aos velhos chats.

Frente a isso, a ONG SaferNet acaba de lançar no país, em parceria com o governo do Reino Unido, uma disciplina eletiva de cidadania digital, de 40 horas, criada em conformidade com o novo ensino médio. A matéria foi testada no ano passado em escolas públicas da Bahia, Pernambuco e Distrito Federal, e hoje é realidade em 50 unidades de ensino, em estados como o Rio de Janeiro, o Paraná e o Espírito Santo. Extra  18/03  http://glo.bo/3yQgJwJ

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio