Fepesp - Federação dos Professores do Estado de São Paulo

segunda-feira, 20 de março de 2023

Por Beth Gaspar em 20 de março de 2023

20/03 - ChatGPT só é monstro se não houver um professor por perto, reconhecimento facial chega às escolas, MEC restaura o Fórum Nacional da Educação, e mais, estudo: por que alguns países ficaram ricos e outros continuam pobres

Uma pensata sobre o ChatGPT nas escolas – dois diretores do Sinpro SP, Lidiane Christovam e Iberê Moreno (nas fotos) discutem o impacto da inteligência artificial na Educação, com o uso do bot ChatGPT, em artigo especial na revista Carta Capital. Confira aqui: https://bit.ly/3LxooYl

 

ESPECIAL INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

O ChatGPT só é monstro se não houver um professor por perto - O uso da Inteligência Artificial (IA) sempre foi tema da ficção científica, seja em versões robóticas materializadas como vemos na saga Star Wars ou mesmo nas consciências sem corpo como no caso do filme Her. Tudo sempre pareceu algo muito distante, seja no espaço ou no tempo. A questão é que agora, em 2023, já vemos os primeiros sinais dessa evolução. O problema é que ainda não sabemos lidar. Chegou a hora de retomarmos os debates da ficção para pensarmos a realidade.

Virar as costas para a nova tecnologia é se render a um ensino que despreza a evolução em sala de aula. Por Lidiane Christovam e Iberê Monteiro, diretores do SinproSP, em Carta Capital via Fepesp 20/03  https://bit.ly/3LxooYl

 

ChatGPT chega ao mercado com ‘jeito, cheiro e cara de humano’, mas é preciso cautela e cuidado - Em entrevista ao jornalista Rafael Garcia, da Rádio Brasil Atual, o sociólogo Glauco Arbix, professor do Departamento de Sociologia da USP, analisou a chegada no mercado do ChatGPT, uma tecnologia de inteligência artificial que representa uma conexão entre humano e máquina. Ele descreve que o ChatGPT tem jeito, cheiro e cara de humano, mas é preciso ter muito cuidado com as desinformações, uma vez que o sistema é operado por banco de dados.

A USP realiza na próxima terça-feira (21), um evento online e gratuito para discutir o impacto do ChatGPT no mercado. Assista ao vídeo. Rádio Brasil Atual  17/03  https://bit.ly/3Z04QPl

 

ChatGPT nas escolas: usar ou banir?–  Se os estudantes utilizam o ChatGPT para responder perguntas e realizar trabalhos que foram passados pelos professores, esse é um excelente momento para uma verdadeira revolução no modo como se avalia o aprendizado dos educandos. Portal FGV  27/02  https://bit.ly/3Z04QPl

 

Tentar proibir ChatGPT nas escolas será perda de tempo, dizem especialistas; veja prós e contras do robô na sala de aula - Se os estudantes utilizam o ChatGPT para responder perguntas e realizar trabalhos que foram passados pelos professores, esse é um excelente momento para uma verdadeira revolução no modo como se avalia o aprendizado dos educandos. G1  29/01  http://glo.bo/40mOe5d

 

Criticado por especialistas, reconhecimento facial se espalha por escolas do país - Uma polêmica medida, criticada por especialistas em educação, está crescendo no país: a instalação de tecnologia de reconhecimento facial nas escolas.

Segundo relatório da InternetLab, centro independente que pesquisa tecnologia, direitos e políticas públicas, essa ferramenta já foi lançada em pelo menos 15 cidades do Brasil, incluindo capitais como Fortaleza, Goiânia e Rio de Janeiro. Usado sob o argumento de aumento da segurança dos alunos e de combate à evasão escolar, o reconhecimento facial ainda não tem resultados comprovados, dizem pesquisadores, que citam que outras ações seriam mais eficazes e menos custosas para tratar da questão. O Globo  18/03  https://bit.ly/3lmluuT

 

 

ENSINO MÉDIO

Como revogar a reforma do Ensino Médio?-  Terminamos a “SuperLive: O que fazer com o Novo Ensino Médio (NEM)?” no canal do DCM TV no YouTube. E apresentamos alternativas para a revogação do NEM – pauta consensual. Basicamente, por passos, foi possível sistematizar as seguintes proposições, no passo-a-passo: [começa por] seguir a mobilização e a pressão e estabelecer um processo democrático de debate sobre a Educação. Daniel Cara em Fepesp 20/03  https://bit.ly/40nm0rl

 

MEC recompõe fórum para ampliar debate sobre políticas de educação -  O Ministério da Educação vai recompor o Fórum Nacional de Educação (FNE), considerada a instância de debate da política pública de educação com diferentes segmentos da sociedade.

O FNE foi criado em 2010, conforme definição do Plano Nacional de Educação (PNE). De acordo com o ministério, o fórum é “espaço de interlocução entre a sociedade civil e o Estado brasileiro”. É também considerado, conforme informou a pasta, uma “reivindicação histórica” de educadores aprovada na Conferência Nacional de Educação (Conae) de 2010. Valor Econômico 18/03  http://glo.bo/3n3oUTC

 

INTOLERÂNCIA

Justiça de Santa Catarina nega prisão, mas amplia para seis meses afastamento de professor que elogiou Hitler em sala de aula - 'Tenho admiração por Hitler', disse Rubenval Sérgio Duarte, da rede pública estadual em Imbituba, litoral catarinense; período inicial de suspensão das funções era de dois meses. Estadão 17/03  https://bit.ly/3FAoudM

 

O NEGÓCIO DA EDUCAÇÃO

Positivo compra Santo Ivo - O Grupo Positivo Educação, do Paraná, comprou 100% do Colégio Santo Ivo, tradicional escola paulista fundada, com cerca de 800 alunos.

A transação marca a entrada do Positivo na cidade de São Paulo. O grupo passa a ter 25 unidades de escolas e 18,5 mil alunos, em cidades do Paraná, Santa Catarina e São Paulo. A operação foi intermediada pela ASG - Advisory Services Group e Baptista Luiz Advogados, que representaram o colégio Santo Ivo, e pela equipe interna de fusões e aquisições do Positivo. Valor Econômico  20/03  http://glo.bo/3Z1geKH

 

Cashback da reforma pode incluir mensalidade escolar - O cashback proposto na reforma tributária sobre consumo pode ser destinado não somente à população mais vulnerável e também poderia servir para aumentar a progressividade em alguns setores, com a devolução, por exemplo, do imposto sobre mensalidades escolares do ensino básico pagas por pessoas de renda mais baixa, segundo Bernard Appy, secretário especial de Reforma Tributária.

O sistema de cashback, defende ele, “pode funcionar, por exemplo, para tratamento diferenciado para educação básica. Em vez de reduzir a alíquota [do IVA para esse serviço], é possível devolver o imposto até determinado valor.” Valor Econômico  20/03  http://glo.bo/3ZYXQ6I

 

SINDICATOS

 

 

 

Por que alguns países ficaram ricos e outros continuam pobres, segundo autor de livro apontado como 'novo Sapiens'
BBC Brasil via Folha de S. Paulo 16/03
https://bit.ly/3n5F5jm

Economista israelense Oded Galor apresenta em 'A Jornada da Humanidade' uma tentativa de desvendar as forças fundamentais que determinaram a evolução das sociedades humanas a partir do aparecimento do homo sapiens

O economista israelense Oded Galor se propôs uma missão que pode muito bem ser classificada de ambiciosa: explicar como o homo sapiens foi capaz de gerar tamanha riqueza e desenvolvimento tecnológico ao longo da história e responder por que essa riqueza foi distribuída de forma tão desigual no mundo.

Ele é professor da Universidade Brown, nos Estados Unidos, e autor do livro "A Jornada da Humanidade" (editora Intrínseca, 2022), lançado recentemente no Brasil.

Por ter desenvolvido durante três décadas a Teoria Unificada do Crescimento, Galor foi apresentado pelo jornal alemão Fran "A teoria é uma tentativa de desvendar as forças fundamentais que determinaram a evolução das sociedades humanas a partir do aparecimento do homo sapiens", diz o economista, em entrevista à BBC News Brasil.

A Teoria Unificada do Crescimento, de forma bastante resumida, pode ser descrita da seguinte forma:

  • O cérebro do homo sapiens deu vantagem sobre outras espécies e proporcionou a introdução de inovações
  • Inovações possibilitam mais recursos para um grupo humano. Com mais recursos, mais crianças nascem, mais crianças conseguem sobreviver, e a população aumenta
  • Consequentemente, com uma população maior, em determinado momento os recursos para sustentá-la se tornam insuficientes e há um retorno às condições anteriores de pobreza. Esse ciclo se repete por centenas de milhares de anos
  • Mas a revolução industrial no século 19 criou a necessidade de desenvolvimento educacional. Assim, as famílias optam por menos filhos para investir em formação escolar, e as taxas de fertilidade caem
  • Para Galor, o progresso tecnológico desde então se converteu em mais prosperidade e não em uma população maior

No entanto, as desigualdades de riqueza entre nações persistem por fatores como geografia, instituições locais, cultura, diversidade genética e impactos da revolução agrícola.

crossmenu