Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 28 de outubro de 2021

2 de março de 2020| ,

Espirro, tosse, febre – o que fazer na sua sala de aula?

Coronavírus? Nesta volta às aulas e com a concentração de nossos escolares e estudantes em sala, é muito importante estar bem informado para evitar pânico e prevenir a disseminação dessa ou de outras doenças virais.

Com base em informações oficiais do Ministério da Saúde e de profissionais em hospitais de referência, preparamos este guia para professoras e professores evitarem da melhor maneira qualquer ameaça de vírus.

Algumas escolas particulares de São Paulo têm recomendado que alunos de famílias que viajaram recentemente ao exterior permaneçam em casa, em quarentena – espontânea na maioria dos casos ou mandatória, como registrado em uma escola. A quarentena preventiva não é recomendação das autoridades de saúde.

Coronavírus: 15 perguntas e respostas sobre a pandemia

Mas a atenção a sintomas, os cuidados com a higiene e o encaminhamento ao médico de adultos ou crianças com febre, tosse e espirros é.

Veja aqui como se prevenir contra o vírus.


De olho no vírus

O infectologista Jean Gorinchteyn, do Instituto Emílio Ribas, afirma que é muito importante que os pais participem da proteção das crianças, evitando levar os filhos com sinais de gripe às escolas. Gorinchteyn sugere que a medida que a escola perceba uma criança com sintomas semelhantes a gripe, que informe aos pais para que ela seja levada para casa para ser tratada.

Segundo informe do Hospital Albert Einstein, as escolas devem estar atentas a presença de casos compatíveis com gripes envolvendo dois ou mais alunos em uma mesma sala de aula para evitar a disseminação dos vírus respiratórios.

Rosana Richtmann, infectologista do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, em São Paulo, e membro da Sociedade Brasileira de Infectologia, afirma que as crianças não são as mais vulneráveis à doença. Um dos indicativos disto é que não houve ocorrência de morte em infectados de 0 a 9 anos.

Segundo a Organização Mundial da Saúde – OMS é importante que todos conheçam as formas de prevenção do coronavírus. As escolas devem adotar os mesmo métodos de higienização de superfícies, como móveis e corrimão, e de objetos compartilhados, como teclados e materiais escolares.


Como o coronavírus é transmitido?

As investigações sobre as formas de transmissão do coronavírus ainda estão em andamento, mas a disseminação de pessoa para pessoa, ou seja, a contaminação por gotículas respiratórias ou contato, está ocorrendo. Qualquer pessoa que tenha contato próximo (cerca de 1 metro) com alguém com sintomas respiratórios está em risco de ser exposta à infecção.

É importante observar que a disseminação de pessoa para pessoa pode ocorrer de forma continuada.

Alguns vírus são altamente contagiosos (como sarampo), enquanto outros são menos. Ainda não está claro com que facilidade o coronavírus se espalha de pessoa para pessoa.

Apesar disso, a transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como:

  • gotículas de saliva;
  • espirro;
  • tosse;
  • catarro;
  • contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão;
  • contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Os coronavírus apresentam uma transmissão menos intensa que o vírus da gripe.

O período médio de incubação por coronavírus é de 5 dias, com intervalos que chegam a 12 dias, período em que os primeiros sintomas levam para aparecer desde a infecção.

 


Quais são os sintomas do coronavírus?

Os sinais e sintomas do coronavírus são principalmente respiratórios, semelhantes a um resfriado. Podem, também, causar infecção do trato respiratório inferior, como as pneumonias. No entanto, o coronavírus (SARS-CoV-2) ainda precisa de mais estudos e investigações para caracterizar melhor os sinais e sintomas da doença.

Os principais são sintomas conhecidos até o momento são:

  • Febre.
  • Tosse.
  • Dificuldade para respirar.

Como é feito o diagnóstico do coronavírus?

O diagnóstico do coronavírus é feito com a coleta de materiais respiratórios (aspiração de vias aéreas ou indução de escarro). É necessária a coleta de duas amostras na suspeita do coronavírus.

As duas amostras serão encaminhadas com urgência para o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen).

Uma das amostras será enviada ao Centro Nacional de Influenza (NIC) e outra amostra será enviada para análise de metagenômica.

Para confirmar a doença é necessário realizar exames de biologia molecular que detecte o RNA viral. O diagnóstico do coronavírus é feito com a coleta de amostra, que está indicada sempre que ocorrer a identificação de caso suspeito.

Orienta-se a coleta de aspirado de nasofaringe (ANF) ou swabs combinado (nasal/oral) ou também amostra de secreção respiratória inferior (escarro ou lavado traqueal ou lavado bronca alveolar).

Os casos graves devem ser encaminhados a um Hospital de Referência para isolamento e tratamento. Os casos leves devem ser acompanhados pela Atenção Primária em Saúde (APS) e instituídas medidas de precaução domiciliar.


Como é feito o tratamento do coronavírus?

Não existe tratamento específico para infecções causadas por coronavírus humano. No caso do coronavírus é indicado repouso e consumo de bastante água, além de algumas medidas adotadas para aliviar os sintomas, conforme cada caso, como, por exemplo:

  • Uso de medicamento para dor e febre (antitérmicos e analgésicos).
  • Uso de umidificador no quarto ou tomar banho quente para auxiliar no alívio da dor de garanta e tosse.

Assim que os primeiros sintomas surgirem, é fundamental procurar ajuda médica imediata para confirmar diagnóstico e iniciar o tratamento.

Todos os pacientes que receberem alta durante os primeiros sete dias do início do quadro (qualquer sintoma independente de febre), devem ser alertados para a possibilidade de piora tardia do quadro clínico e sinais de alerta de complicações como: aparecimento de febre (podendo haver casos iniciais sem febre), elevação ou reaparecimento de febre ou sinais respiratórios, taquicardia (aumento dos batimentos cardíacos), dor pleurítica (dor no peito), fadiga (cansaço) e dispnéia (falta de ar).


Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.

Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (máscara cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

 

O que é verdade e o que é falso sobre o coronavírus

Mensagens que circulam nas redes sociais trazem muitas notícias falsas sobre a circulação do vírus e até dicas de prevenção erradas. A equipe do ‘Fato ou Fake’ do portal G1 checou e mostrou o resultado no jornal Hoje. Veja no clipe:

 

 

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio