Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 25 de outubro de 2021

28 de abril de 2021| ,

Ensino Superior: patronal cede, volta a negociar, propõe acordo

Patronal queria se safar com ofício não deu certo protesto foi grande, uniu as três federações e levou Semesp de volta à mesa de negociações

Depois de forte protesto das federações de professores as escolas particulares, os representantes das mantenedoras de instituições de ensino superior privadas voltaram à mesa de negociações na manhã desta quarta-feira, 28/04, retroagiram da negativa de qualquer ajuste salarial e apresentaram proposta de abono aos seus professores e funcionários administrativos.

 

Como demonstrou Celso Napolitano na sessão desta terça, ao negar recompor as perdas da inflação nos salários de 2020 e 2021, as mantenedoras deixando de assumir uma defasagem de 11% na sua folha de pagamentos, em prejuízo dos educadores e favorecendo as instituições:

“Não é justo que nossa categoria pague essa defasagem”, disse Celso, que coordena a comissão de negociadores pela Fepesp. “Não admitimos suspender cláusulas da convenção coletiva com a desculpa do período de exceção”.

Na última ocasião em que os negociadores do lado dos sindicatos e o patronal se reuniram, havia consenso em uma série de ajustes salariais, na extensão da convenção coletiva por dois anos e outros itens. No início de abril, no entanto, o Semesp (entidade que representa as instituições de ensino superior privadas) enviou ofício às Federações reclamando

das condições econômicas do país e das dificuldades impostas pela pandemia para rejeitar qualquer reajuste salarial ou correção de vencimentos por conta das perdas provocadas pela inflação de 2020 e 2021. A esse ofício seguiu-se a denúncia, pela Fepesp, de que “ao privilegiar o lucro sobre o resultado acadêmico, as IES desvalorizam e pauperizam seus profissionais, desprezam a necessidade de formação de profissionais qualificados para o desenvolvimento do país e, em última análise, se alinham à política de desindustrialização promovida pelo governo federal”. O Semesp, então, decidiu pelo retorno à mesa de negociações.

Os dois lados voltam a se encontrar em nova sessão na próxima quarta-feira, dia 5, para discutir ajustes salariais e outras cláusulas. Importante lembrar que todas as cláusulas da convenção coletiva de 2019 ainda estão vigentes, em função de acordo firmado no inicio das tratativas em fevereiro de 2020.

A Fepesp recomenda atenção especial a todos os professores e auxiliares no Ensino Superior qualquer nova informação nas negociações desta campanha salarial 2021 será comunicada pelos sindicatos e pode exigir a mobilização de todos – em defesa da vida e dos nossos direitos!

 

Ensino Superior privado: patronal sucateia ensino, despreza seus profissionais

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio