Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 02 de outubro de 2022

16 de setembro de 2022| , , ,

Ensino Superior: dissídio de greve vai a julgamento

Patronal recebe prazo para defesa e terá que enfrentar julgamento – ou voltar atrás na sua intransigência e aceitar proposta do Tribunal: reajuste integral pela inflação na data base da categoria

Sorteado o relator do dissídio coletivo do ensino superior – Conforme indicado no sistema Processo Judicial Eletrônico do Tribunal Regional do Trabalho nesta segunda-feira, 19/09, foi sorteado o desembargador Francisco Ferreira Jorge Neto como relator do dissídio de greve do Ensino Superior.

O desembargador Jorge Neto conduzirá o julgamento do dissídio, uma vez que não houve qualquer sinal de proposta aceitável ou acordo por parte do patronal nas audiências de conciliação promovidas pelo TRT. Ele também analisará o pedido de “tutela antecipada” apresentado pela Fepesp, que significa conceder o reajuste de 10,80% a partir de agora, antes do dissídio ser julgado.

 

Professores e pessoal administrativo da base da Fepesp, Ensino Superior: seu reajuste será decidido com o julgamento do dissídio!

 

Audiências de conciliação: patronal não tem proposta, dissídio vai a julgamento – Não houve acordo na Audiência de conciliação do dissídio de greve do Ensino Superior privado, na sessão realizada no Tribunal Regional do Trabalho na tarde desta sexta-feira, 16/09. Decisão sobre reajuste salarial e cláusulas da convenção coletiva de trabalho irão a julgamento – a não ser que as mantenedoras das instituições de ensino decidem aceitar acordo proposto pelo TRT ou apresentem proposta melhor.

 

O dissídio foi aberto, por iniciativa da Fepesp e dos seus sindicatos integrantes, após assembleias de professores e pessoal administrativo decidirem por greve diante de propostas econômicas inaceitáveis e pela recusa patronal em negociar seriamente. Em sessão de conciliação inicial, em 26/08, o juiz instrutor Gabriel Lopes Coutinho Filho propôs a aplicação integral do índice da inflação em doze meses sobre salários de aplicados em 1º de março, data base da categoria.

Não houve esforço de negociação por parte do patronal entre a sessão de abertura do dissídio e o retorno ao Tribunal nesta sexta. Como consequência, o juiz Coutinho Filho deu um prazo de três dias para o lado patronal apresentar sua defesa. O prazo começa a contar a partir da segunda-feira, dia 19.

Na sequência, o processo será enviado para o parecer do Ministério Público do Trabalho e encaminhado à Vice Presidência Judicial do TRT/2ª Região, para o sorteio do relator e consequente julgamento do dissídio.

Importante: pedido de tutela antecipada para aplicação imediata de reajuste nos salários – O vice presidente do tribunal apreciará também o pedido de tutela antecipada ao julgamento, solicitada pela Fepesp, que significa aplicar o reajuste correspondente à inflação a partir deste mês, enquanto o dissídio não for julgado.

 

Audiência de conciliação do dissídio de greve do Superior: sem proposta, vai a julgamento

 

Ensino Superior: assembleias votam estado de greve, respeitam proposta do TRT e encostam patronal na parede

Recomendadas para você

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio