Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 23 de outubro de 2021

7 de dezembro de 2018| , , , , ,

Membros do MP defendem punição aos professores / Damares Alves: ministra e fundamentalista religiosa / Reajuste de mensalidades em escolas em SP deve ficar entre 5% e 7% / Reforma da Previdência segundo economistas / Coleção História Geral da África em pdf

Denúncia: UNIESP frauda professores


A UNIESP, que gosta de ser chamada de ‘Universidade do Brasil’ e tem mais de 110 escolas pelo país, aplicou calote em suas professoras e professores e não pagou até agora o reajuste salarial devido desde o dia 1º de março.
Os sindicatos integrantes da Fepesp que tem a Uniesp em sua base preparam ação coletiva, em nome dos professores, para obrigar a instituição a pagar o que deve. O reajuste, e outros direitos desrespeitados, estão na convenção coletiva e tem força de lei.
Leia a matéria completa emhttp://bit.ly/2Pq6AgQ

 

 

Membros do MP defendem punição de
professores por doutrinação ideológica
(Jota; 05/12)
http://bit.ly/2Pnsamd

Ao final do I Congresso do MP Pró-Sociedade, realizado na última semana, em Brasília, mais de 50 membros do Ministério Público decidiram fundar um grupo auto-intitulado MP Pró-Sociedade.

Os promotores e procuradores da nova associação dizem que o MP não é um “agente de transformação social”, defendem os direitos humanos das vítimas e criticam o “globalismo”, a “bandidolatria” e um ensino voltado para “formação de militantes de qualquer visão política”. Também dizem que “o maior princípio, valor, garantia e direito é a liberdade”.

 

Audiência do Projeto Escola Sem Partido é interrompida em Brasília
(TVT; 05/12)
http://bit.ly/2RB6sxa

Em Brasília, a Câmara dos Deputados retomou nesta quarta-feira (5) a análise do Projeto Escola Sem Partido, mas a audiência foi interrompida após seis horas de debates.

 

Reajuste de mensalidades em escolas em SP
deve ficar entre 5% e 7%, diz sindicato
(Folha de S.Paulo; 06/12)
http://bit.ly/2roacXd

O reajuste das mensalidades escolares no estado de São Paulo deve ficar entre 5% e 7% para o ano letivo de 2019. O presidente do Sieeesp (Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado de São Paulo), Benjamin Ribeiro da Silva, afirma que o índice é somente uma estimativa, pois dependerá do padrão de cada escola.

“Temos, em São Paulo, escolas com mensalidade começando em R$ 500 e outras em até R$ 10 mil”, diz. “Não existe um reajuste igual para todas as escolas, não temos como fazer isso. O que existe é uma planilha de custos. A lei determina que o reajuste seja calculado a partir dela.”

 

CNE passa por cima dos professores e
aprova BNCC do Ensino Médio por decreto
(Esquerda Diário; 05/12)
http://bit.ly/2ronlj9

Na última terça-feira (4), o Conselho Nacional de Educação (CNE), órgão colegiado ligado ao MEC, aprovou por 18 votos favoráveis e 2 abstenções o texto da Base Nacional Comum Curricular. Agora, o texto deve seguir para a aprovação do Ministro da Educação.

Dependendo de quanto tempo levar, a atribuição pode cair no colo de Ricardo Vélez, ministro de Bolsonaro e inimigo do ensino público, apontado pela bancada evangélica.

 

Educação fadada ao fracasso
(Sinpro ABC; 06/12)
http://bit.ly/2zJP9TC

A proposta de educação a distância para o ensino fundamental, do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), vai na contramão dos melhores sistemas de ensino do mundo, Segundo especialistas, nenhum país que se destaca na prática dos melhores práticas educacionais, aplica o EaD desde o início da vida escolar do aluno.

 

 

Cresce número de alunos com mais de 50 anos no ensino superior
(A Cidade ON; 05/12)
http://bit.ly/2EgToKn

O número de pessoas com 50 anos ou mais que buscam o ensino Superior presencialmente ou à distância – em Campinas tem crescido nos últimos anos. Entre 2016 e 2017, houve aumento de 3,2% na procura na faixa etária na cidade. No cenário macro, entre 2010 e 2017, as matrículas no primeiro ano saltaram de 42 mil para 73 mil, um crescimento de 73,6% na quantidade ingressantes com 50 anos completos, segundo a Quero Bolsa. O avanço do EaD foi mais intenso, superando 160% de crescimento no período. Já a modalidade presencial registrou um incremento de cerca de 10% desde 2010.

 

Educação é a bala de prata para o desenvolvimento, diz professor do MIT
(Exame; 06/12)
https://abr.ai/2rpjMsM

A educação é “a bala de prata que todos procuravam para o desenvolvimento”, diz Ben Ross Schneider, professor de ciências políticas do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts).

Especialista em políticas educacionais, ele foi o co-autor de um relatório da Organização das Nações Unidas sobre o tema em 2016 e dirige o programa MIT-Brazil.

Sobre temas em alta no Brasil, como uma suposta influência política na sala de aula, ele alerta que “o debate cultural não deve diminuir o debate do que é mais importante, que é a qualidade da educação”.

 

 

Reforma tornará a Previdência ainda mais excludente,
apontam economistas
(Blog da Rose; 05/12)
http://bit.ly/2Ppz6z8

A proposta de Reforma da Previdência pretendida pela equipe econômica do presidente eleito Jair Bolsonaro tornará o sistema ainda mais excludente, o que significa que um contingente maior de trabalhadores não conseguirá cumprir os requisitos mínimos para requerer a aposentadoria. Dito de outra forma, caso seja aprovada nos termos anunciados, a medida destruirá um dos mais importantes direitos sociais dos brasileiros. A opinião é compartilhada pelos economistas José Celso Cardoso Júnior, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), vinculado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, e Eduardo Fagnani, docente do Instituto de Economia (IE) da Unicamp. “Estão tentando eliminar os direitos conferidos pela Constituição de 1988. A Carta é um marco do processo civilizatório brasileiro. Foi a primeira vez em 500 anos que tivemos ao mesmo tempo direitos sociais, políticos e civis. Ocorre que o documento é um ponto fora da curva do capitalismo, e o capitalismo brasileiro não tolera isso”, aponta Fagnani.

 

Centrais convocam atos contra extinção
do Ministério do Trabalho e Emprego
(Repórter Sindical; 07/12)
http://bit.ly/2EaNB8n

É geral a reação sindical ao anúncio que o governo Bolsonaro vai mesmo extinguir o Ministério do Trabalho e Emprego, fatiando suas funções entre Economia, Justiça e Cidadania. Na linha de frente desse movimento, as Centrais divulgaram, na última quarta (5), uma dura nota, condenando o fim da Pasta.

Em mais uma ação conjunta, os dirigentes também convocam o conjunto da classe trabalhadora para protestar. Na terça (11), em todo o Brasil, haverá o Ato Nacional em Defesa do Ministério do Trabalho. As manifestações serão realizadas em frente às Superintendências do Trabalho, antigas DRTs.

 

 

Contra religião afro, diversidade sexual e feminismo:
eis a nova ministra dos Direitos Humanos
(Jornal GGN; 06/12)
http://bit.ly/2rnAwRj

Jair Bolsonaro entregou a Damares Alves o Ministério dos Direitos Humanos turbinado com a Funai e a Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e Adolescente. A ironia – para dizer o mínimo – está no fato de a pastora e assessora de Magno Malta ter passado os últimos anos batendo cartão em templos, especialmente no Nordeste, pregando sobre o papel “missionário” da Igreja Evangélica na “restauração da Nação” e na evangelização das crianças, que “começa na barriga”. Missão divina e decorrente da “falência das instituições”.

 

Pensamento deve ser livre na sala de aula, diz secretária de Educação
(Portal Correio; 06/12)
http://bit.ly/2AZ0SO1

A declaração da secretaria vem dois dias depois de a Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) aprovar um Projeto de Lei que barra a proposta de Escola Sem Partido, que tramita no Congresso Federal. A matéria é de autoria do Governo do Estado e garante a livre docência nas escolas da Paraíba.

“Antes de ser secretária sou professora e é muito importante que tenhamos autonomia para desenvolver um pensamento. Fica difícil pensar em uma educação ou professor ele sendo censurado. Temos que ter a liberdade de construir conhecimento através de pensamento livre”, afirmou a secretaria.

 

Coleção História Geral da África em português
(Sinpro SP; 06/12)
http://bit.ly/2EittBR

A Unesco disponibiliza, em pdf, a versão em língua portuguesa da coleção História Geral da África. Um obra de referência, organizada em oito volumes que vão da pré-história aos dias de hoje. A coleção foi produzida por mais de 350 especialistas de diversas áreas do conhecimento.

Acesse o link para fazer o download: http://bit.ly/2QhxnRL

 

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio