Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 21 de maio de 2022

22 de novembro de 2018

Bancada evangélica reage a Mozart Neves / Unesco e o gasto familiar na Educação / Dia de luta sindical em defesa da Previdência / Sinpro SP: Palestra sobre Cyberbullying / ‘Projeto’ para perdoar dívida do FIES através do + Médicos / Veja como foi: Feminismo, Negritude e Educação

GOVERNO CONTRA DIREITOS?

Professores não vão dar moleza!

 

Assista agora, na TV Fepesp: https://youtu.be/JvDHrYegu_4

Vai começar um novo governo, vai mudar a política econômica?
Os sindicatos de professores e de auxiliares já estão se preparando.
No início de novembro a Federação convocou o Conselho de Sindicatos em reunião especial em Praia Grande, São Paulo  e se prepara para uma nova organização sindical – e o roteiro de lutas está descrito na ‘Carta de Praia Grande’.

Veja a carta, veja tudo, aqui: https://youtu.be/JvDHrYegu_4

 

 


Bancada evangélica reage a nome de
Mozart Neves para o Ministério da Educação
(Estadão; 21/11)
http://bit.ly/2DRRjUQ

A escolha do educador Mozart Neves Ramos para assumir o Ministério da Educação no futuro governo de Jair Bolsonaro (PSL) provocou forte reação da bancada evangélica na Câmara. Segundo fontes ouvidas pelo Estado, Mozart foi convidado pelo presidente eleito e pretendia aceitar o cargo em uma reunião marcada para a manhã desta quinta-feira, 22, em Brasília.

“Não há afinidade ideológica. A bancada evangélica não vai respaldar um ministro que não tenha afinidade. Dois temas cruciais para a bancada são o Escola Sem Partido e a ideologia de gênero”, disse o deputado Ronaldo Nogueira (PTB-RS), ligado à Assembleia de Deus.

 

‘Bancada’ de promotores pró-Bolsonaro se articula
em torno de Escola Sem Partido
(El País; 20/11)
http://bit.ly/2Q8PGbd

O presidente eleito Jair Bolsonaro irá contar com uma outra bancada de apoio, que não a da Bíblia, Boi e Bala, quando assumir o cargo no Palácio do Planalto: a de promotores e procuradores favoráveis às suas pautas, tais como o Escola sem Partido, o enfrentamento às agências de checagem e contra uma agenda de desencarceramento e políticas de “ideologia de gênero”. Pequena amostra do que está por vir poderá ser vista no 1º Congresso Nacional do Ministério Público Pró-Sociedade, organizado pela Fundação Escola Superior do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios, que será realizado entre os dias 29 e 30 de novembro no Distrito Federal. A organização não tem vínculos diretos com o MP. Mas dentre os palestrantes, membros do Ministério Público de diversos Estados que já ganharam manchetes por defender nas redes sociais que o nazismo era “de esquerda”, por serem contrários a cotas para mulheres dentro do MP e por pregarem a fiscalização de professores para evitar “ideologização” nas escolas. Além de espalharem notícias falsas.

 

Unesco: quanto mais pobre é o país, maior gasto familiar com educação
(Agência Brasil; 19/11)
http://bit.ly/2Ko6CoR

O Relatório de Monitoramento Global da Educação 2019 (GEM 2019), divulgado hoje (19) na Alemanha pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), mostra que quanto mais pobre é o país, geralmente maior é a contribuição das famílias na educação.

Na média global, as famílias ficam com um quinto da conta dos gastos em educação. Mas, em alguns países, particularmente os mais pobres, como El Salvador, os gastos das famílias chegam a 50% do total do custo da educação.

 

Artigo | Educação é grande ausente do debate econômico
(Folha de S.Paulo; 22/11)
http://bit.ly/2TyYSEC

Por Renato Janine Ribeiro: Leiam a revista The Economist, o jornal Financial Times, a newsletter semanal do Banco Mundial, bíblias que são da economia liberal: dizem todos eles que o principal fator para a economia crescer é a educação.

Agora, passem aos economistas e empresários brasileiros: eles mal falam nela (a grande exceção são os economistas da educação, poucos embora ativos, e as fundações e institutos privados). Fala-se em Previdência, em reforma trabalhista, em redução do Estado. Mas a educação é a grande ausente no debate da economia.

 

 

 


Centrais realizam hoje dia de luta em defesa da Previdência Pública
(Repórter Sindical; 22/11)
http://bit.ly/2R42BbE

As Centrais Sindicais promovem nesta quinta (22) o dia nacional de conscientização contra a reforma da Previdência. A mobilização, aprovada em plenária dia 12, no Dieese, terá protestos, panfletagem de material informativo produzido unitariamente, diálogo nas ruas com a população e assembleias nos locais de trabalho.

Será a primeira manifestação da Campanha Permanente em Defesa da Previdência e Seguridade Social. CUT, Força Sindical, CTB, Nova Central, UGT, Intersindical, CSB e Conlutas também orientaram suas entidades filiadas a organizar ações unitárias, em todas as Capitais.

 

O sonho que virou pesadelo: Modelo de Previdência
proposto por Bolsonaro cria miséria entre idosos
(Sinpro ABC; 21/11)
http://bit.ly/2BqnTeg

A esperança de um país melhor; mais justo; com distribuição de renda e respeito aos direitos fundamentais da pessoa humana, se tornaram decepção e desapontamento para 47 milhões de brasileiros, quando foi anunciado o resultado da eleição presidencial no último dia 28 de outubro. A vitória do capitão reformado do exército Jair Bolsonaro, trouxe à metade do eleitorado que votou, a indignação e o medo pertencentes ao século passado, mais precisamente ao ano de 1964, quando ocorreu o golpe militar e marcou o início de 21 anos de ditadura no Brasil.

De acordo com o cientista político, professor da Unicamp e da Universidade de Sorbonne em Paris, Luiz Felipe de Alencastro, a vitória de Bolsonaro significa um enorme retrocesso ao País e às Américas. “É a primeira vez, desde o final do século 18, que a extrema-direita chega ao poder por meio do voto. Estamos numa situação inédita na história das Américas, uma situação que demanda muita vigilância e defesa dos direitos”, afirma.

 

“Cortar direitos trabalhistas não gera emprego”
(Sinprosasco; 21/11)
http://bit.ly/2Adpdzf

Para o chefe do Ministério Público do Trabalho, novas flexibilizações de direitos, como previstas por Bolsonaro, seriam desastrosas. Ele avalia que a reforma trabalhista de Temer não trará desenvolvimento econômico. O chefe do Ministério Público do Trabalho (MPT), Ronaldo Fleury, afirmou que, com base na experiência internacional e com os resultados iniciais da reforma trabalhista no Brasil, o problema do desemprego não será solucionado com a flexibilização de direitos dos trabalhadores.

O programa de governo do presidente eleito Jair Bolsonaro prevê medidas para que as normas trabalhistas sejam menos “engessadas”, mantendo, porém, os direitos constitucionais, como férias remuneradas, 13° salário e o Fundo de Garantia (FGTS). O símbolo dessas propostas é a chamada “Carteira [de Trabalho] Verde e Amarela”, promessa de campanha de Bolsonaro.

 


Sinpro SP: Palestra sobre ‘Cyberbullying e Educação Digital’

(Sinpro SP; 15/11)
http://bit.ly/2PL7slm

Nesta quinta-feira, (22), o Sindicato dos Professores de São Paulo promoverá uma palestra sobre ‘Cyberbullying e Educação Digital’. Os oradores convidados são a Dra. Yara R. Gonçalves Dias, pedagoga e advogada especializada nos temas de bullying e cyberbullying, também a Dra. Renata Sijanas, consultora na área de Direito Educacional.

Será na sede do Sindicato, na Rua Borges Lagoa, 170, às 14h.

 

 

Deputado propõe perdão da dívida do Fies
para quem entrar no Mais Médicos
(Poder 360; 21/11)
http://bit.ly/2zjGua3

O deputado Danilo Forte (PSDB-CE) apresentou, nesta 4ª feira (21.nov.2018), projeto de lei que perdoa a dívida do Fies (Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior) de quem ingressar no Mais Médicos.

Pelo texto, o formado teria que atuar no programa por pelo menos 2 anos para ter seus débitos zerados. Segundo o congressista, o objetivo é “incentivar a adesão de médicos brasileiros” após “a súbita saída dos médicos estrangeiros”.

 

Artigo | Bolsonaro vacila na Educação
(G1; 22/11)
https://glo.bo/2Ko7v0F

Por Helio Gurovitz: Depois da política externa, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, volta a se tornar refém da ideologia noutra área: a educação. Por pressão da bancada evangélica depois que o convite vazou, hesita em chamar para seu ministério Mozart Neves Ramos, diretor de inovação do Instituto Ayrton Senna.

Ex-reitor da Universidade Federal de Pernambuco e ex-secretário da Educação daquele estado, Mozart é um dos profissionais mais respeitados no setor, com trânsito nos setores púbico e privado, solidez acadêmica e capacidade de gestão comprovada.

 

 


#NegritudeFeminismo: Palestra sobre Negritude, Feminismo e Educação
(Sinpro SP; 21/11)
http://bit.ly/2KosG2o

Veja como foi a palestra ‘Negritude, feminismo e educação’, com a Dra. Helen Fabiola, advogada e militante do movimento negro e de mulheres, no Sindicato dos Professores de São Paulo (SinproSP).

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio