28 de maio de 2019

28/05 – ‘30 de Maio’ pode ser maior que primeiro ato, mais categorias aderem à greve geral, cortes na educação afastam investidores, e mais.

.

TODOS NA PORTA DO TRT, AMANHÃ
A audiência de instrução e conciliação do Dissídio Coletivo dos Sinpros Guarulhos, Santos, São José do Rio Preto e São Paulo foi designada para a quarta-feira, 29/05 , às 14h, no Tribunal Regional do Trabalho em São Paulo (Rua da Consolação, 1272).
Saiba mais: https://bit.ly/2PSy5ll

 

 


Estudantes confirmam atos em Brasília
e 23 capitais contra cortes na educação na quinta-feira
Rede Brasil Atual; 27/05
http://bit.ly/2VUceez

Estudantes de todo o país saem às ruas para a segunda mobilização contra os cortes na educação do governo Bolsonaro. Eles prometem repetir os protestos realizados no último dia 15, que paralisaram as atividades em universidades, institutos federais e escolas públicas e privadas em mais de 170 cidades pelo Brasil que reuniram mais de 1 milhão de participantes. As entidades estudantis já confirmaram atos em Brasília e mais 23 capitais do país (confira abaixo) na próxima quinta-feira (30). As ações também devem servir para acumular forças para a greve geral do dia 14 de junho contra a proposta de reforma da Previdência.

 

30 de Maio:
Saiba onde serão os atos em defesa da educação em todo o país
Revista Fórum; 27/05
http://bit.ly/2QuBeaY

Entidades estudantis, movimentos sociais, sindicatos e organizações dos mais variados segmentos realizam na próxima quinta-feira (30) a segunda Greve Nacional da Educação, que tem como principal pauta a defesa da educação pública e de qualidade e visa barrar os cortes de 30% dos recursos destinados às universidades e institutos federais anunciados pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub. A expectativa é que a segunda mobilização seja maior que a primeira. Atos já estão confirmados em ao menos 14 estados.

 

 

Policiais e professores reivindicam regras especiais
na reforma da Previdência
Câmara Notícias; 23/05
http://bit.ly/2WaawuF

Policiais e professores apresentaram nesta quinta-feira (23) aos deputados da Comissão Especial da Reforma da Previdência (PEC 6/19) argumentos que, segundo as categorias, justificam regras especiais para as suas aposentadorias. O assessor político e jurídico na Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, Eduardo Ferreira, disse que a fixação de uma idade mínima de 60 anos para os professores, sem diferenciação entre homens e mulheres, prejudica a categoria, que é formada em sua maioria por mulheres – 88% nas prefeituras –, que hoje se aposentam, em média, com 50 anos, a atual idade mínima.

 

Capitalização falhou em 60% dos países
que mudaram Previdência, diz estudo
UOL; 28/05
http://bit.ly/2Wc03yE

O sistema de capitalização, previsto na reforma da Previdência apresentada pelo governo do presidente Jair Bolsonaro, falhou em 60% dos países que o adotaram, de acordo com estudo publicado no ano passado pela OIT (Organização Internacional do Trabalho). Na capitalização, o trabalhador faz a própria poupança para sua aposentadoria. Entre 1981 e 2014, 30 países modificaram seu sistema –seja completamente ou uma parte dele – para adotá-la, segundo o estudo. Até o ano passado, 18 desses países já haviam feito uma nova reforma, revertendo ao menos em parte as mudanças.

 


Greve geral: motoristas de ônibus da Grande São Paulo
e Baixada Santista vão parar
Rede Brasil Atual; 27/05
http://bit.ly/2VQnN6s

Motoristas de ônibus que atuam no transporte coletivo municipal e intermunicipal de Guarulhos, Arujá, do ABC paulista e da Baixada Santista anunciaram nesta segunda-feira (27) que vão participar da greve geral, no dia 14 de junho, contra a “reforma” da Previdência proposta pelo governo Bolsonaro. Os trabalhadores se juntam aos motoristas e cobradores de ônibus da capital paulista e aos metroviários, que também vão paralisar os serviços. Na Baixada Santista, a greve geral deve parar o transporte coletivo municipal e intermunicipal de Santos, Guarujá, Cubatão, Bertioga, Praia Grande, Mongaguá, Itanhaém e Peruíbe.

 

 

Servidores das universidades paulistas aprovam indicativo de greve
Estadão; 27/05
http://bit.ly/2HGVrru

Com uma proposta de reajuste abaixo da inflação acumulada no último ano, os professores e funcionários das três universidades estaduais paulistas aprovaram indicativo de greve a partir de 6 de junho. Em reunião nesta segunda-feira, 27, o Cruesp, conselho dos reitores, propôs 2,2% de reajuste para os servidores da USP e Unicamp e zero, aos da Unesp.

 


A violência simbólica de atacar uma faixa
CENPEC; 27/05
http://bit.ly/30QkBLS

Os atos de rua ocorridos neste domingo (26) em dezenas de cidades brasileiras, em apoio ao Governo Bolsonaro e crítica ao Congresso e ao Supremo Tribunal Federal, que estariam obstruindo os projetos do presidente da República, tiveram um momento surpreendente em Curitiba. Manifestantes arrancaram uma faixa estendida em prédio da Universidade Federal do Paraná, com os dizeres “Em Defesa da Educação”. A faixa foi colocada no último dia 15 de maio, durante ato de protesto também de alcance nacional, contra os cortes anunciados pelo ministério da Educação, que atingem da educação infantil à superior.

 

Cortes na educação afastam investidores estrangeiros do Brasil
Exame; 17/05
http://bit.ly/2MdaEom

A disponibilidade de mão de obra qualificada é um requisito fundamental para o país receber investimentos, sobretudo para atividades de alta concentração tecnológica – justamente aquelas que mais geram valor agregado para o Produto Interno Bruto (PIB). Empresas buscam capital humano elevado para construir bases que possam se integrar às cadeias globais de valor.

 

Artigo | O corte de investimentos na educação e o Novo Regime Fiscal
Jornal GGN; 27/05
http://bit.ly/2XcKenM

Por Jonattan Rodriguez Castelli: Desde 2016, a educação no Brasil não cabe no orçamento federal devido ao teto dos gastos, que congela as despesas primárias, entre as quais as destinadas a bolsas, capacitação e funcionamento das instituições federais.

 

 


Alunos de escola integral têm mais chance de passar no vestibular
Agência Brasil; 26/05
http://bit.ly/2Ka3JJW

Passar mais tempo na escola e participar de atividades como teatro, dança e reforço escolar aumenta a chance de estudantes do ensino médio serem aprovados no vestibular. Além disso, eles terão, em média, um salário maior do que os demais ao ingressar no mercado de trabalho. O resultado faze parte da pesquisa inédita Mais integral, mais oportunidades: um estudo sobre a trajetória dos egressos da rede estadual de Pernambuco, feita pelo Laboratório de Pesquisa e Avaliação em Aprendizagem da Fundação Getúlio Vargas (Learn/FGV) e pelo Instituto Sonho Grande, em parceria com a Secretaria de Educação de Pernambuco.

 

Em Minas Gerais: Escolas particulares serão proibidas
de vender bala, refrigerante e salgado
O Tempo; 14/05
http://bit.ly/2HYm5Lq

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio do Procon, juntamente com a Secretaria de Estado de Saúde e o Sindicato das Escolas Particulares de Minas Gerais (Sinep-MG) enviaram, em abril, um comunicado às escolas privadas para informar que esses tipos de alimento não podem mais ser vendidos nessas instituições. A partir de 24 de junho, as instituições privadas de ensino estão proibidas de vender alimentos com alto teor calórico, de açúcar e gordura. Isso significa que balas, chiclete, salgadinhos, refrigerantes e biscoitos recheados estarão excluídos do “menu” das cantinas.

 

 


Bolsonaro não deve ter gostado das manifestações de domingo
El País; 27/05
http://bit.ly/2I65OUE

O presidente, que tinha insuflado suas hostes mais aguerridas a saírem às ruas para defendê-lo dos que preferem, segundo ele, um país “ingovernável”, não deve ter se entusiasmado, de fato, com a marcha de milhares de seus seguidores sobre Brasília. Não porque lhe parecessem poucos, já que certamente temia que fossem menos, mas porque preferia que se manifestassem com mais garra, mais radicais, pedindo em coro, por exemplo, o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal. Fizeram-no só um punhado de vozes isoladas.

 

‘Elegeram professores como inimigos,
quando eles deveriam ser vistos como aliados’
Estadão; 28/05
http://bit.ly/2I6nr6X

Em visita ao Brasil, Vikas Pota, CEO da Varkey Foundation, instituição que organiza o Prêmio Melhor Professor do Mundo, que concede US$ 1 milhão ao vencedor (R$ 4,1 milhões), se reuniu com educadores e representantes de ONGs e fundações da área. Em entrevista ao Estado, mostrou-se informado sobre as políticas do governo federal e criticou o ambiente educacional que coloca alunos e professores uns contra os outros. “Elegeram os professores como inimigos, eles que são, e deveriam ser reconhecidos, como os maiores aliados da melhora do ensino”.

 

 


A violência urbana aumenta ou diminui com o porte de armas?
Portal IF USP; 23/05
http://bit.ly/2Ww0XFz

No dia 7 de maio, a presidência da República publicou o decreto nº 9.785, retificado no dia 22 de maio. Ele trata da aquisição, cadastro, registro, posse, porte e comercialização de armas de fogo e de munição no Brasil. As mudanças ampliam o acesso da população às armas e têm gerado controvérsias. Para a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão do Ministério Público Federal (MPF), o decreto alterou de forma inconstitucional e ilegal a política pública brasileira sobre armas. Além do ponto de vista jurídico, ficam as dúvidas. Armar a população aumenta ou diminui a violência urbana? O cidadão armado tem maiores ou menores chances de ser vítima de crime? O que dizem as estatísticas e os estudos sobre o tema? Todas essas questões serão discutidas, no dia 28 de maio, durante o USP Talks, que será realizado no auditório do Museu de Arte de São Paulo (Masp), na capital.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio