27 de agosto de 2020

27/08 – professores na frente da fila de vacinação, Mourão quer estudante pagando universidade pública, Nova Iorque permite aula ao ar livre – e mais.

.

 

Secretário da Educação de SP defende que professores sejam grupo prioritário na vacinação da covid
Terra; 26/08
https://bit.ly/31yhydJ

O secretário da Educação do Estado de São Paulo, Rossieli Soares, defendeu a inclusão dos professores no grupo prioritário de vacinação assim que um imunizante contra a covid-19 estiver disponível no País. “Os profissionais da saúde, professores e policiais, que trabalham com o público, devem ser públicos prioritários, além daquelas pessoas com mais de 60 anos e que têm comorbidades”, disse em entrevista à Rádio Eldorado, na manhã desta quarta-feira, 26.

Mas, enquanto o Brasil não tiver uma vacina registrada, os profissionais de ensino que fazem parte do grupo de risco não deverão retornar às atividades no Estado.

O secretário Rossieli Soares também afirmou que a autorização para a volta às aulas será dada no mesmo momento para escolas particulares e públicas. Soares defendeu a simultaneidade no retorno após ser questionado sobre a ação judicial do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de São Paulo (SIEEESP) para que retomassem as atividades presenciais na capital paulista em 8 de setembro. O Tribunal de Justiça do Estado (TJ-SP) negou o pedido na última sexta-feira, 21.

 

Mourão defende que quem tem condições pague por ensino em universidade pública
Folha de S. Paulo; 26/08
https://bit.ly/3loLukk

O vice-presidente Hamilton Mourão defendeu nesta quarta-feira (26) que estudantes que tenham condições devem pagar pelo ensino em universidades públicas para garantir o acesso daqueles que não podem arcar com os custos educacionais.

“Nós temos um paradoxo, que eu gostaria de trazer para todos, que é uma visão que eu tenho de longa data, que é nós termos dentro da universidade federal gente que poderia pagar os seus custos recebendo um ensino de graça e, posteriormente, não devolvendo nada para o país. Simplesmente é formada e passa única e exclusivamente a lidar com a sua vida privada”, disse Mourão em participação virtual em uma aula magna do grupo Ser Educacional.

Em 2019, Abraham Weitraub, então ministro da Educação, teve que ir a público negar que o governo Jair Bolsonaro (sem partido) pretendia cobrar mensalidades de estudantes das universidades federais.​

 


Opinião: ‘Educação, livros e cortes: a descabida proposta de taxar livros em 12%’
Estadão; 26/08
https://bit.ly/31wgWFd

Por Marisa Eboli: “Medida proposta como parte da reforma tributária reforça a mensagem da desvalorização da educação no Brasil; sem boa educação não há chance de desenvolvimento econômico sustentável, diz especialista.

É oportuno lembrar que, no PISA de 2018, o Brasil ficou em 58º lugar (dentre 79 países). Está incluído, portanto, dentre os 20 mais mal colocados no ranking das três áreas avaliadas pelo exame: leitura, matemática e ciências. Metade dos alunos não entende o que lê nem sabe fazer contas simples. Precisamos de crianças, jovens e adultos com livros na mão, e não o contrário. Necessitamos sim urgentemente de uma reforma tributária, mas não é tributando livros que avançaremos.

 

Campinas: audiência no MPT dia 4 de setembro
Sinpro Campinas; 26/08
https://bit.ly/31yMIBO

A audiência de ontem, dia 25 de agosto, sobre a volta às aulas restou frustrada, pois o Ministério Público do Trabalho (MPT) não conseguiu notificar os representantes patronais a tempo. O Sinpro Campinas e região forneceu novos meios de contato para viabilizar a devida notificação. Foi agendada nova audiência para o dia 04 de setembro, às 16 horas, perante o MPT15.

Na nova audiência agendada, o Sinpro buscará a mediação do MPT15 para evitar que a volta às aulas se faça do modo veiculado, ou seja, sem prévia discussão e estabelecimento de critérios objetivos que protejam a saúde dos professores, alunos e famílias.

 

Brasil perdeu 3 milhões de sindicalizados após reforma trabalhista, diz IBGE
Folha de S. Paulo, 26/08
https://bit.ly/2G6fAZT

Eram 13,5 milhões de brasileiros ocupados e sindicalizados em 2016, último ano antes de a reforma entrar em vigor. A partir do ano seguinte, o país começou a ter queda brusca no contingente de trabalhadores ligados a sindicatos. No ano passado, chegou a 10,5 milhões, uma queda de aproximadamente 3 milhões.

Além da redução, o país também aumentou o número de pessoas ocupadas em quase 4 milhões no período. Eram 90,8 milhões em 2016, passando a 94,6 milhões no ano passado. E o percentual de trabalhadores sindicalizados caiu de 14,9% para 11,2%.

 

Escolas em SP usam aulas de idiomas e esportes como atalho para reabrir parcialmente
Estadão, 26/08
https://bit.ly/3li1kNH

Enquanto os colégios de São Paulo continuam proibidos de oferecer classes presenciais, aulas de idiomas e esportes viram atalhos para reabrir a escola. Atividades extracurriculares, com turmas de crianças, ganham espaço dentro de colégios particulares e de unidades voltadas para o contraturno na capital paulista, impulsionadas pela demanda de retomada da rotina escolar pelas famílias.

O Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado de São Paulo (Sieeesp) oferece consultoria jurídica para esse modelo de abertura na capital. Segundo Ademar Batista, da Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep), essa oferta tem crescido em todo o País. Com receio de fiscalização, diz, “as empresas estão fazendo sem muito alarde”.

A Fenep entende que mesmo cursos livres oferecidos pelas próprias escolas (e não por uma terceirizada) podem funcionar nos Estados que já permitiram as atividades extracurriculares. Já para Benjamin Ribeiro, presidente do Sieeesp, as escolas precisam ter cadastro específico para a oferta desses cursos.

 

Prefeitura de Nova York autoriza escolas a darem aulas ao ar livre
Folha/Wall Street Journal; 26/08
https://bit.ly/2D2q2jG

Em uma súbita mudança de planos sobre a reabertura das escolas na cidade de Nova York, o prefeito Bill de Blasio anunciou na segunda-feira (24) que dará aos diretores do ensino fundamental e médio a opção de dar aulas ao ar livre, citando preocupações sobre a qualidade do ar e a ventilação nas escolas.

O prefeito disse que a cidade facultará às escolas, que estão com reabertura prevista para 10 de setembro, o acesso a parques públicos e fechará as ruas sempre que possível. Segundo ele, a mudança melhorará as condições de saúde e segurança para alunos e funcionários.



Vírus solto: depois de uma semana de queda, taxa de transmissão da covid-19 no Brasil volta a subir
Rede Brasil Atual; 26/08
https://bit.ly/31yRAa4

A taxa de transmissão do novo coronavírus voltou a crescer no Brasil, de acordo com relatório semanal do Imperial College de Londres. A instituição britânica calcula que o país abriu a semana, no domingo (23), com o índice em 1. Ou seja, cada 100 pessoas infectadas pela covid-19 transmitem o vírus para outras 100 pessoas. Uma semana antes, pelo mesmos cálculos a taxa de contaminação era de 0,98 – o primeiro resultado mais baixo desde abril.

O novo índice indica que a epidemia no Brasil ainda não está desacelerando. Apenas uma taxa de transmissão abaixo de 1 leva à queda de novos casos de contaminação pelo coronavírus. Um índice em 0,98  por exemplo, mostra que cada 100 infectados contaminam outros 98 pessoas, que poderiam transmitir o vírus para outras 96. E assim sucessivamente, até o alcance do patógeno ir reduzindo dentro da mesma proporção.

 

Em meio à pandemia, capital paulista está há 11 dias sem o serviço de vigilância sanitária
Rede Brasil Atual; 26/08
https://bit.ly/2EmubQl

Reestruturação interna conduzida pela gestão Bruno Covas, com remoção de servidores da Vigilância Sanitária, já afeta empresas do setor de saúde.

A remoção de 261 técnicos e funcionários administrativos da Coordenadoria de Vigilância em Saúde (Covisa) para coordenadorias regionais de saúde da Prefeitura de São Paulo, no último dia 14, já afeta o atendimento da vigilância sanitária na capital paulista. Em audiência pública virtual realizada na tarde de hoje (26) pela Comissão de Saúde, Promoção Social, Trabalho e Mulher da Câmara Municipal, uma servidora removida da Covisa afirmou que nada está funcionando na coordenadoria há 11 dias.

 

O trabalho que recria os rostos de imperadores romanos
Nexo; 26/08
https://bit.ly/31yDaq9

A partir de estátuas, pinturas e moedas, designer reconstitui líderes de uma das maiores civilizações do mundo. Projeto usa Photoshop e técnicas de inteligência artificial, e conta com consultoria de historiadores

O designer canadense Daniel Voshart aproveitou a quarentena imposta pelo novo coronavírus para simular como imperadores romanos pareceriam na vida real. Mapeando estátuas, pinturas e moedas, ele criou rostos fotorrealísticos dos líderes com ajuda de inteligência artificial e do programa Adobe Photoshop.

Veja aqui a reconstituição dos imperadores romanos: https://medium.com/@voshart/appearance-of-the-principate-pt-i-efa3c759d2b6

São 54 imperadores de quatro dinastias do período do Principado romano, que data de 27 a.C. a 285 d.C.. Entre eles, estão, por exemplo, Augusto, fundador e primeiro líder do Império Romano; Nero, um dos imperadores mais tiranos e extravagantes, que promovia execuções e perseguições sistemáticas; e Trajano, sob o qual o Império atingiu sua maior extensão, quando se expandiu por territórios ao Oriente.

Link para matéria: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2020/08/26/O-trabalho-que-recria-os-rostos-de-imperadores-romanos

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio