26 de fevereiro de 2021

26/02 – mais de mil casos de covid nas escolas de S. Paulo, recorde de mortes na pandemia, Metodista terá que se explicar em Brasília, e mais: o urbanismo excludente da cerca na praça.

.

Atenção: as noticias do dia 01/03, segunda-feira, estão aqui:  http://fepesp.org.br/noticia-do-dia/01-03/

 

 

 

Especial: mesmo com máscara, face shield e distanciamento de carteiras, o vírus de espalha pelo ar da sala de aula se houver alguém contaminado. Leia aqui:   https://bit.ly/37qJkfw

 

 

 

VOLTA ÀS AULAS

Professores registram 1.045 casos de covid-19 nas escolas de São Paulo, governo Doria deixa de divulgar dados
Rede Brasil Atual; 25/02
http://bit.ly/3sHDdLl

A educação paulista chegou à marca de 1.045 casos de covid-19 entre estudantes, professores e outros trabalhadores da educação, em 548 escolas. O levantamento foi feito pelo Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp). O governo João Doria (PSDB), que prometeu divulgar semanalmente os dados de casos confirmados e suspeitos de covid-19 nas escolas do estado, se negou a divulgar os dados relativos aos últimos nove dias, alegando que está elaborando um novo Painel de Monitoramento. Com isso, limitou-se a apenas informar que cinco escolas foram fechadas na semana passada devido a contaminações.

Na terça-feira da semana passada (16), o secretário estadual da Educação, Rossieli Soares, informou que foram confirmados 741 casos de covid-19 nas escolas, entre alunos e professores. Destes, 456 casos foram na rede estadual, 14 nas redes municipais e 271 na rede particular. Outros 1.133 casos suspeitos estavam em análise. Os dados eram relativos ao período entre 2 de janeiro e 13 de fevereiro. Rossieli afirmou ainda que os dados seriam divulgados toda terça-feira, o que já não se confirmou nesta semana.

 

Toque de restrição em SP é resposta ‘bastante tímida’
Rádio Eldorado FM; 24/02
http://bit.ly/3pUnQwX

O ‘toque de restrição’ anunciado pelo governo de São Paulo é considerada medida ‘bastante tímida’ por especialistas. Na opinião do diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Renato Kfouri, a circulação maior de pessoas ocorre durante o dia e a fiscalização tem dificuldade de atuar, especialmente em eventos privados. O infectologista defende um endurecimento mais rígido da quarentena antes de estratégias mais brandas, como a prevista para vigorar a partir de sexta em São Paulo. “A saída ainda é a educação da população”, avalia.

 

Insensível: Prefeitura de SP vai descontar salário de professor em greve
Estadão; 24/02
http://bit.ly/3qRZiWR

Professores em greve na capital paulista terão o salário descontado, informou a Secretaria Municipal da Educação. A categoria iniciou uma paralisação após a decisão da Prefeitura de reabrir as escolas municipais. A volta às aulas na capital começou no dia 15 de fevereiro e as escolas só podem ter até 35% da capacidade. O Sindicato dos Profissionais em Educação do Ensino Municipal (Sinpeem) diz que a greve, “em defesa da saúde dos profissionais, alunos e famílias”, está mantida.

“Essa postura só radicaliza mais a decisão de continuidade de greve”, afirmou o presidente do Sinpeem, Cláudio Fonseca. Para ele, a Prefeitura “deveria se inclinar para as evidências de que estamos em situação de maior risco, organizar o trabalho remoto e a campanha de vacinação”.

 

Mogi-Mirim: Escolas particulares confirmam oito casos de Covid-19
G1; 25/02
http://glo.bo/3krfM63

Duas escolas particulares de Mogi Mirim (SP) registraram oito casos positivos de Covid-19. Um dos colégios teve seis confirmações da doença, enquanto o outro contabilizou dois infectados. A prefeitura não divulgou os nomes das instituições nem se os casos foram em alunos ou funcionários.

Em nota, a administração informou que as aulas nas instituições não foram suspensas (!) e estão seguindo o manual de Surtos e Casos do Estado de São Paulo.


São Caetano: professora grávida de 8 meses é internada com covid-19 após volta às aulas
Contee; 25/02
https://bit.ly/2NyUYgZ

Com apenas 10 dias da volta às aulas presenciais obrigatórias, a professora Rafaela de Ávila Cardoso, grávida de 8 meses, começou a apresentar sintomas de covid-19. A docente trabalha na Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Luiz Olinto Tortorello, em São Caetano do Sul, e relata que voltou à escola no dia 5 fevereiro por pressão, já que não teve seus pedidos para manter-se em home office aceitos.

“Voltei a trabalhar por pressão. Não consegui preencher a Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT), mesmo com o atestado de 14 dias com o CID de covid-19. Durante quase 11 meses estive em casa e não peguei nada. Foi só voltar duas semanas e já fiquei doente”, relatou Rafaela.

 

Santos: servidores da Educação fazem greve de 24 horas contra a volta das aulas presenciais
G1; 25/02
https://bit.ly/2O3vYOo

Professores e servidores municipais que atuam na Secretaria da Educação de Santos, no litoral de São Paulo, realizam uma greve de 24 horas nesta quinta-feira (25). Segundo apurado pelo G1, os servidores são contra a volta das aulas presenciais e também fazem outras reivindicações. De acordo com a Prefeitura de Santos, há 39 casos suspeitos de Covid-19 na rede municipal de ensino, além de seis casos confirmados.

A categoria decidiu paralisar as atividades por 24 horas após uma assembleia realizada pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Santos (Sindserv), na última terça-feira (23). De acordo com o Sindicato, os servidores são contra as aulas presenciais durante a pandemia.

 

Campinas: retorno às aulas presenciais na rede municipal adiado para abril
CidadeON; 25/02
https://bit.ly/3e1wS9t

Retomada estava marcada para segunda-feira (1º), mas avanço da pandemia e pressão no sistema de saúde mudaram os planos. Nova previsão de reinício é 5 de abril.

 

Mato Grosso: aulas voltarão de maneira remota na Rede Estadual
G1; 25/02
http://bit.ly/3sHGJW3

Previstas para serem retomadas no dia 1° de março, próxima terça-feira, as aulas na Rede Estadual de Educação (REE) de Mato Grosso do Sul voltarão de forma remota, com conteúdo totalmente online. A informação foi confirmada em coletiva de imprensa pela Secretaria de Estado de Educação, que considerou a situação de diversas prefeituras municipais e também o parecer da Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul (Assomasul), pedindo para que o mês de março continue de forma remota.

 


EDUCAÇÃO SUPERIOR

Contee e filiadas se preparam para audiência com MPT sobre metodistas
Contee; 25/02
https://bit.ly/3qWXZpN

Na próxima segunda-feira (1°), a Contee participará, juntamente com os sindicatos filiados que têm instituições metodistas em suas bases, de uma audiência com o Ministério Público do Trabalho (MPT), para a qual também foi convidada a direção da rede metodista.

No fim do ano passado, a Contee protocolou ofício junto ao MPT denunciando o desrespeito a quem têm sido submetidos os trabalhadores da rede há anos, com atrasos nos pagamentos de salários, de décimo terceiro e de férias, além de redução unilateral de 50% dos salários de docentes e técnicos administrativos e descumprimento de acordos trabalhistas e judiciais. auxiliares de administração escolar das instituições de ensino metodistas de todo o país.

Na tarde de hoje (25), o coordenador-geral da Contee, Gilson Reis, o coordenador da Secretaria de Assuntos Jurídicos, João Batista da Silveira, e o consultor jurídico da Confederação, José Geraldo de Santana Oliveira, realizaram uma reunião preparatória com dirigentes de alguns dos sindicatos filiados que participarão da audiência com o MPT.

 

 

POLÍTICA EDUCACIONAL

Presidente do Inep, Alexandre Lopes é exonerado
Estadão; 26/02
http://bit.ly/37KRpLp

O atual presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Alexandre Ribeiro Pereira Lopes, foi exonerado na madrugada desta sexta-feira, 26. A demissão, oficializada em edição do Diário Oficial da União, traz a assinatura do ministro da Casa Civil, Walter Souza Braga Netto. Um substituto não foi nomeado.

Lopes assumiu em maio de 2019 ao ficar no lugar do ex-delegado da Polícia Federal Elmer Coelho Vicenzi – que foi demitido e foi o quarto nome, em menos de cinco meses, a ocupar a presidência do Inep em 2019.

Com insistência em tirar piso de educação e saúde, governo atrasa votação que destravaria auxílio emergencial
Folha de S. Paulo; 25/02
http://bit.ly/3kz5z7H

A insistência do governo federal em manter a proposta de extinção dos mínimos constitucionais para saúde e educação resultou em um grande revés nesta quinta-feira (25), atrasando a votação que destravaria o auxílio emergencial. Parlamentares governistas se depararam com o risco de atrasar em pelo menos duas semanas a tramitação da proposta e por isso agora sinalizam recuo na desvinculação.

A equipe econômica já admite uma derrota nessa disputa, mas prioriza a aprovação de outras medidas relacionadas ao ajuste das contas públicas.

 

CORONAVÍRUS

Com 1.582 mortes por Covid-19 em 24 h, Brasil bate recorde de óbitos na pandemia
Folha de S. Paulo; 26/02
http://bit.ly/37QPjtj

Um ano depois do primeiro caso de Covid-19, o Brasil registrou o maior número de óbitos pela doença em 24 horas em toda a pandemia. Nesta quinta-feira (25), foram registradas 1.582 mortes de brasileiros pela Covid. Com expansão da doença em diversos locais, os dados apontam que o país vive o pior momento da pandemia.

O recorde anterior de mortes (1.554) tinha ocorrido em 29 de julho do ano passado, seguido por 4 de junho, com 1.470 óbitos. O ranking, porém, já é dominado por 2021. Sete dos dez dias com mais mortes na pandemia ocorreram em 2021.

Com as mortes registradas nesta quinta, o país chegou 251.661 óbitos.

 

Em dia de recorde de mortes por Covid-19 no Brasil, Bolsonaro fala contra uso de máscaras
Folha de S. Paulo; 25/02
http://bit.ly/2PeDHKl

No dia em que o Brasil registrou o maior número de óbitos pela doença em 24 horas em toda a pandemia, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) usou sua live semanal para se manifestar contra o uso de máscaras de proteção.

Nesta quinta-feira (25), foram registradas 1.582 mortes de brasileiros pela Covid. Dados apontam que o país vive o pior momento da pandemia, com expansão da doença em diversos locais.

“Pessoal, começam a aparecer estudos aqui, não vou entrar em detalhes, né, sobre o uso de máscaras, que, num primeiro momento aqui, uma universidade alemã fala que elas são prejudiciais a crianças”, começou Bolsonaro, sem mencionar a origem dos dados.

 

 

 



‘Urbanismo excludente’, diz urbanista sobre cercamento da praça do Pôr do Sol

Folha de S.paulo; 26/02
http://bit.ly/3pYgqZC

“A cidade de São Paulo vive novo episódio de um urbanismo excludente, de um urbanismo que não considera que o espaço público é um espaço de todos.”

Essa é a opinião que a urbanista Raquel Rolnik deu em um vídeo publicado na internet e que ganhou redes sociais no último dia 18 para falar sobre o cercamento da praça Coronel Custódio Fernandes Pinheiro, mais conhecida como praça do Pôr do Sol. As obras de fechamento deste que é um dos mais conhecidos cartões-postais da cidade já estão à beira de serem concluídas, com previsão de acabar em março.

Uma manifestação contra a obra executada pela Prefeitura de São Paulo junto com a Subprefeitura de Pinheiros está marcada para este domingo, 28/02, às 16h, e pede a retirada das grades. É uma manifestação tardia. Nesta quinta (25), a estrutura de concreto e tela de arame já cercava quase totalmente a praça, com seus 31 mil metros quadrados e a ampla vista para a USP que marca seu terreno em declive.

A obra de cercamento foi feita por trás de uma cortina. Desde abril, o perímetro da praça está cercado por tapumes. A prefeitura alega que, com essa estrutura, atuou contra aglomerações que facilitam a disseminação do coronavírus.

“Descobrimos [as obras] em janeiro, por trás dos tapumes”, diz o investidor Diego Mengato de Alexandre, um dos organizadores da manifestação.

A praça do Pôr do Sol é um projeto dos anos 1970 das paisagistas Miranda Martinelli Magnoli e paisagista Rosa Kliass, que Rolnik define como “referências absolutas” em suas áreas. “Realmente era necessário o aluguel de tapumes para evitar aglomerações na pandemia quando a mesma prefeitura não tem feito intervenções, por exemplo, no transporte público?”

A decisão lida com o conflito da pior maneira, para ela, que é “construindo muros”. Em conflitos devemos “construir pontes”, encerra.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio