Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 28 de junho de 2022

24 de julho de 2019

24/07 – MEC acaba com ‘Idiomas sem Fronteiras’, governo bloqueia 1,4 bi, o desmonte dos conselhos profissionais por Bolsonaro, e mais.

.

Pressão do Sindicato deu certo: Laureate amplia garantias
Vitória significativa dos professores, mas a luta política não se encerra aqui. No segundo semestre, vai ser ampliada a organização do Sindicato no conglomerado. Leia mais no site da Fepesphttp://bit.ly/2Z7Mgqg

 

 


Acordo no TRT garante benefícios 
para professores demitidos na Laureate
SinproSP; 23/07
http://bit.ly/2Kdhoi7

Na audiência de conciliação realizada no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), nesta terça-feira, 23 de julho, a rede Laureate apresentou sua resposta às demandas encaminhadas pelo SinproSP, no processo de dissídio coletivo de natureza jurídica instaurado pelo Sindicato. A ação foi autorizada pela assembleia de professores, realizada em 26 de junho, com intuito de discutir as demissões de quase 300 docentes e tentar as readmissões ou garantir benefícios que pudessem amenizar as consequências sociais dessas dispensas.

 

Idiomas sem Fronteiras será encerrado pelo MEC
Estadão; 19/07
http://bit.ly/2JPPvxr

Programa que permitiu a mais de 818 mil alunos e professores universitários aprender uma segunda língua, o Idiomas sem Fronteiras (IsF) será encerrado pelo Ministério da Educação (MEC). Criado para ser um braço do Ciências sem Fronteiras (CsF), finalizado em 2014, o projeto se tornou nos últimos anos a principal ação do governo federal para promover a aproximação do ensino superior brasileiro ao de outros países.

 

MEC quer financiar com verba de cultura
pesquisa feita em universidade

Folha de S. Paulo; 24/07
http://bit.ly/2ydvOJ7

O Ministério da Educação quer que projetos de pesquisa e programas de extensão das universidades federais passem a ser considerados atividades culturais e, com isso, possam ser financiados pela Lei Rouanet. A medida está prevista em minuta de projeto de lei elaborado pelo MEC para a implantação do programa Future-se. Anunciado na semana passada, ele tem o objetivo de atrair mais recursos privados para as instituições de ensino, que passariam parte da gestão a organizações sociais (OSs).

 

Artigo |  ProUni e EaD formam combo para agradar os privatistas
Contee; 23/07
http://bit.ly/2JYTyGH

Por Madalena Guasco Peixoto: A expansão do setor privado no ensino superior foi fomentada pelo próprio Estado brasileiro, que incentivou, via credenciamento, o surgimento de novas instituições e, ao mesmo tempo, possibilitou sua sustentabilidade por meio da transferência de recursos públicos ou da renúncia fiscal. A situação se agrava agora, profundamente. Isso porque, se o objetivo daqueles governos progressistas era nobre — a inclusão, no ensino superior, de quem passara uma vida inteira segregada dele —, havendo, portanto, um mínimo de fiscalização e preocupação com a qualidade, o que se tem agora é a ausência completa de qualquer preocupação com a formação, distorcendo o propósito dos programas e fazendo-os meramente meios de satisfazer o apetite por lucros das empresas de educação e do capital financeiro.

 

Artigo | Um gigante com pés de barro: 
assim caminha a universidade no país
Folha de S. Paulo; 23/07
http://bit.ly/2XZg5g8

Por Thiago de Sousa Barros: O ensino superior é apenas a ponta final de um longo processo educacional e reflete bem as falhas ocorridas nas outras fases de formação, especialmente a educação básica. Em Sobral, no Ceará, a educação ia de mal a pior até que um gestor público decidiu mudar a situação e elevou o município a destaque nacional. A política implementada fortaleceu a gestão escolar —a partir da seleção de diretores por méritos, em detrimento das indicações; a criação de uma escola de formação de professores; e a atribuição de incentivos salariais para eles a partir do desempenho dos alunos.

 


Programação Científica: 71ª Reunião Anual da SBPC
SBPC; 21/07
http://bit.ly/2y6faLN

Ocorre desde domingo (21), em Campo Grande (MS), na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), a 71ª reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). Considerado o principal evento de pesquisa acadêmica do país, reúne professores e cientistas das mais diversas regiões. Até sábado (27), a programação inclui apresentação de trabalhos e debates sobre desafios à produção de conhecimento em distintos campos. Aqui o programa do encontro: http://ra.sbpcnet.org.br/campogrande/atividades/programacao-cientifica/

 

 


TCU: Educação no Brasil está longe de atingir níveis da OCDE
Money Times; 24/07
http://bit.ly/2y9yHec

Entre 2015 e 2017, o percentual de investimento público em educação recuou de 6,31% para 6,10% do PIB, mas desde 2014, os valores aplicados se mantêm acima do mínimo de 18% exigidos pela Constituição. Apesar do volume, as metas estabelecidas no Plano Nacional de Educação demandam investimentos significativamente superiores aos atuais. O Brasil também está longe de atingir níveis de universalização de atendimento e qualidade equivalentes aos dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

 

Artigo | A legitimidade do MEC num governo que ataca o conhecimento
Folha de S. Paulo; 24/07
http://bit.ly/2Y3BHbh

Por Leandro Beguoci: A BNCC (Base Nacional Comum Curricular), nas suas competências gerais, aposta muito na construção de confiança. O documento tem um capítulo que foi resumido, por muitos especialistas, como “educação para a vida”. É a seção em que a Base fala, por exemplo, que as nossas escolas devem incentivar a autonomia das pessoas, a cooperação entre os indivíduos e a empatia com os nossos colegas. Se a escola é uma das instituições-chave de qualquer país, então ela deve contribuir para que as pessoas confiem umas nas outras e construam instituições que levem o Brasil adiante. Infelizmente, tanto o presidente Jair Bolsonaro (PSL) quanto o ministro da Educação, Abraham Weintraub, não estão muito familiarizados com o documento. E, parecem, não levam a construção de confiança a sério.

 

 


Governo bloqueia R$ 1,4 bilhão do Orçamento
Folha de S. Paulo; 22/07
http://bit.ly/2LD7hpN

O enfraquecimento da atividade econômica e a piora na previsão de arrecadação levou o governo a anunciar nesta segunda-feira (22) um novo bloqueio no Orçamento. De acordo com o Ministério da Economia, o corte será de R$ 1,442 bilhão no Poder Executivo.

 

 



PEC 108: desmonte de conselhos profissionais 
representa mais riscos à população
Rede Brasil Atual; 23/07
http://bit.ly/30Z6LGp

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 108/2019, elaborada pelo governo Bolsonaro, pode levar à extinção dos conselhos profissionais ao definir que a filiação a essas entidades deve ser opcional, diferentemente da exigência atual. Na prática, a PEC levaria a uma redução significativa da arrecadação em anuidades – fonte de receita dos conselhos –, inviabilizando o trabalho de regulação e fiscalização das respectivas atividades, possibilitando que profissionais antiéticos ou com formação precária fiquem livres para atuar.

 

Cresce a preocupação dos industriais 
com o baixo consumo, afirma pesquisa da CNI
Portal da Indústria; 22/07
http://bit.ly/2Ye0pRI

O baixo consumo, o excesso de estoques e a difícil situação financeira das empresas atrapalham a retomada da atividade industrial. A preocupação dos empresários com a falta de demanda não para de crescer e é o segundo principal obstáculo da indústria, atrás apenas da elevada carga tributária. A demanda interna insuficiente foi citada por 41,1% das empresas como um dos principais problemas enfrentados pelo setor no segundo trimestre deste ano. O número é 3,6 pontos percentuais acima do registrado no primeiro trimestre.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio