22 de fevereiro de 2021

22/02 – Sindicato pede fiscalização na lotação de escolas, pauta de reivindicações unificada na Educação Básica, MEC não gasta o dinheiro que tem, e mais: as vacinas impedem a transmissão do Covid?

.

Apeoesp, Fepesp e seus sindicatos integrantes, e muitas outras entidades sindicais e representativas de profissionais da educação afirmam: ‘sabemos que a aprendizagem se recupera – mas, vidas, não!’ Veja aqui e compartilhe o texto integral do Manifesto:  http://bit.ly/2NT3x64

 

 

 

VOLTA ÀS AULAS

Em SP, escolas públicas têm menor adesão à volta presencial do que as particulares
Folha de S. Paulo; 21/02
http://bit.ly/37yz0B9

A reabertura das escolas em São Paulo abriu um novo flanco na desigualdade entre o ensino público e o particular. Enquanto unidades privadas chegam a registrar, em esquema de rodízio, a volta presencial de 70% a 100% dos alunos, na rede pública o retorno iniciou mais minguado.

Ao todo, 17% dos 3,5 milhões de estudantes das escolas estaduais voltaram à sala de aula na primeira semana do ano letivo. O dado relativo à segunda semana só será divulgado na terça-feira (23), segundo a Secretaria da Educação da gestão João Doria (PSDB).

Na rede municipal, a administração Bruno Covas (PSDB) diz estimar que 300 mil de 1 milhão de alunos (30% do total) frequentaram as aulas presenciais ao menos um dia na primeira semana do ano letivo, que acabou na sexta-feira (19).

Em colégios da rede particular, a realidade é outra. A Folha procurou unidades da rede privada na capital paulista que atendem alunos de alto nível socioeconômico. Nove delas responderam e informaram uma adesão ao retorno presencial entre 70% a 100%. Para cumprir o decreto municipal que permite a volta só de 35% do alunado, essas escolas organizaram um revezamento das turmas para que todas as crianças interessadas pudessem retornar pelo menos um dia da semana.

 

Sindicato pede fiscalização em escolas particulares que recebem mais de 35% dos alunos
Estadão; 20/02

http://bit.ly/3pI8KKX

O sindicato dos professores de escolas particulares (Sinpro SP) pediu à Prefeitura que tome “medidas urgentes” contra colégios que aumentaram o índice de alunos em aulas presenciais de 35% para 70%, como mostrou nesta quinta-feira o Estadão. As escolas seguiram decreto estadual sobre o assunto, que permite o aumento na fase amarela, em que está a capital atualmente. Já a Prefeitura tem outro decreto, de quando a cidade estava na fase laranja, que determinava o limite de 35%. O conflito de regras deixou as escolas sem saber qual medida seguir.

 

São Paulo: Covas prometeu testar 100% dos alunos e professores mas só testou 17%
UOL; 22/02

http://bit.ly/3pHubMj

Depois de prometer em período eleitoral realizar 777 mil testes de covid-19 em todos os alunos, professores e funcionários da rede municipal de ensino antes da volta às aulas, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), interrompeu as testagens em dezembro, após atingir apenas 17,7% da meta, ou 137.589 pessoas.

A promessa foi feita por Covas no dia 25 de setembro do ano passado, dez dias após o início de sua campanha para a reeleição. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, nem mesmo os 181 mil testes da primeira etapa foram concluídos.

 

Santos: Escola particular entra em quarentena após casos de Covid-19
G1; 19/02

http://glo.bo/3kdeZp5

Uma escola particular no bairro Campo Grande, em Santos, no litoral paulista, confirmou dez casos de Covid-19 nesta segunda-feira (15), sendo oito funcionários e dois alunos contaminados. Conforme comunicado aos pais, as aulas estão suspensas por 14 dias.

O retorno dos alunos ao colégio ocorreu no dia 11 de janeiro, por conta dos cursos de férias ofertados na unidade de forma opcional. As aulas regulares voltaram, efetivamente, em 1º de fevereiro, em formato híbrido, com aulas online e presenciais.

No dia 2 de fevereiro, houve o primeiro caso de coronavírus confirmado na escola, uma professora do Jardim de Infância. A turma que ela atendia teve as aulas suspensas e foi direcionada ao isolamento. No domingo (14), a escola foi comunicada sobre três novos casos positivos e uma suspeita entre os colaboradores. Em seguida, a escola submeteu os demais funcionários a testes para detecção do vírus, e outros outros cinco casos positivos foram confirmados na segunda-feira (15).

 

Rio de Janeiro: Profissionais de educação serão o segundo grupo temático a receber vacina no Rio
CNN; 20/02

http://bit.ly/2Mc04yL

No Rio de Janeiro, os profissionais de Educação serão vacinados logo após a imunização de seus colegas da Saúde e de idosos. A informação foi confirmada neste sábado (20), pelo secretário municipal de Educação Renan Ferreirinha. Com isso, os profissionais da área serão o segundo grupo temático a receber alguma das vacinas contra a Covid-19.

A confirmação ocorre quatro dias antes da retomada das aulas presenciais, que vão começar no dia 24 (quarta-feira), com alunos da pré-escola, do primeiro e do segundo anos, em 38 escolas, 2,5% de toda a rede. Um levantamento feito pela pasta mostrou que 82% dos responsáveis pelos alunos pretende aderir ao ensino presencial.


Amazonas: Prefeito de Manaus diz que professores devem ser vacinados contra Covid a partir de março
G1 AM; 19/02
http://glo.bo/3bsil3p

O prefeito de Manaus, David Almeida, informou que os professores devem ser vacinados contra Covid-19 a partir de março. Segundo o prefeito, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, garantiu é possível incluir a categoria no próximo grupo prioritário, que já começa a ser vacinado no mesmo mês.

A informação foi divulgada nesta sexta-feira (19), durante uma reunião virtual com os integrantes da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP) das capitais.

CAMPANHA SALARIAL 2021

Ensino Básico: pauta de reivindicações começa a ser unificada
Sinpro SP; 19/02
http://bit.ly/3qHpVOg

O SinproSP e outros vinte e cinco sindicatos que integram a Federação dos Professores do Estado de São Paulo (Fepesp) se reuniram virtualmente na quinta-feira, dia 18, para darem início à unificação da pauta de reivindicações para a Campanha Salarial 2021. O documento tem como base as decisões das assembleias locais, realizadas pelos sindicatos em todo o Estado.

Em comum, as assembleias decidiram pela assinatura da Convenção Coletiva com vigência por dois anos, o que garante os direitos até fevereiro de 2023. Também concordaram em definir o reajuste de 2021 com reposição inflacionária pelo INPC, mais aumento real de 3%, e participação nos lucros de 24%. Já em 2022 o índice será composto pela inflação acumulada no período, acrescido em 50% deste valor.

Também foram inseridas na pauta estadual outras deliberações que surgiram nas assembleias locais, como: hora-atividade de 10% e trabalho tecnológico (em São Paulo), proteção os professores em tratamento psicológico/psiquiátrico e testes de voz(Campinas), plano de saúde (ABC) e homologação (Guarulhos).

 


POLÍTICA EDUCACIONAL


Ministério da Educação não gasta o dinheiro que tem disponível e sofre redução de recursos em 2020, aponta relatório
G1; 21/02
http://glo.bo/3sgbCAr

Mesmo em um ano com pandemia, e frente aos desafios do ensino para manter as aulas remotas, o Ministério da Educação (MEC) fechou 2020 como menor dinheiro em caixa desde 2011. Não bastassem os cofres vazios, a pasta gastou ainda menos do que poderia, e teve que devolver R$ 1 bilhão aos cofres públicos.

Ao todo, foram R$ 143,3 bilhões destinados ao MEC em 2020. Antes, o menor valor havia sido em 2011, com R$127,6 bilhões (veja infográfico abaixo). Ainda assim, do valor disponível em 2020, só R$ 116,5 bilhões (81%) foram gastos.


Fuvest pergunta na redação se o mundo está fora da ordem
Valor Econômico; 21/02
http://bit.ly/3pHsz5k

A segunda fase da Fuvest começou neste domingo (21) com a prova de português e redação.

No exame que seleciona os postulantes a vagas na graduação da USP, os candidatos tiveram que dissertar sobre o tema “O mundo contemporâneo está fora da ordem?”. Cinco textos de apoio foram apresentados para acompanhar a proposta.

A prova teve abstenção de 7,69% em relação aos 33.315 convocados, índice compatível com a média histórica.

 

CORONAVÍRUS

São Paulo tem o maior número de pessoas em UTI com covid-19 de toda a pandemia
Rede Brasil Atual; 22/02
https://bit.ly/37zLA36

O estado de São Paulo tem hoje (22) o maior número de pessoas internadas em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) com covid-19 de toda a pandemia: 6.387. O recorde anterior havia sido registrado 14 em julho de 2020, quando havia 6.173 pacientes nessa situação.

As regiões com indicadores de alta de internações são: Araraquara, Bauru, Campinas, Grande São Paulo, Marília, Piracicaba, Presidente Prudente, Registro, São João da Boa Vista e Sorocaba. Além do recorde de pacientes em UTI com covid-19 em São Paulo, outros 7.278 pacientes estão internados em enfermarias. No total, 13.665 pessoas estão internadas por complicações da infecção pelo novo coronavírus. Os dados são do Boletim Coronavírus, do governo de São Paulo.

 


Vacinação precisa aumentar 11 vezes no Brasil para conter covid em 1 ano
UOL; 20/02
http://bit.ly/3shZIpG

Para o Brasil conter a pandemia em até um ano, a vacinação no país precisará chegar a 2 milhões de pessoas por dia, de acordo com os cálculos de um estudo publicado em fevereiro pelo Programa de Pós-Graduação em Modelagem Computacional da UFJF (Universidade Federal de Juiz de Fora) e Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação da UFSJ (Universidade Federal de São João del-Rei).

Com média de 185 mil imunizações por dia — considerando as 5.756.502 de doses aplicadas entre 18 de janeiro e 19 de fevereiro —, o Brasil precisaria aumentar 10,7 vezes a quantidade de pessoas vacinadas por dia para conter a pandemia em um ano.

Chile vacina cinco vezes mais do que o Brasil e já imuniza professores
Monica Bergamo; 20/02
http://bit.ly/3kdpZ5D

A vacinação no Brasil anda em ritmo de tartaruga mesmo quando comparada à de vizinhos da América do Sul. Já foram vacinados até agora 2,6% dos brasileiros —contra 14% dos chilenos, por exemplo.

O Brasil ainda se concentra na imunização dos que têm mais de 80 anos. O Chile está vacinando pessoas com 65 anos —os mais velhos já receberam a sua dose.

Com boa quantidade de doses disponíveis, da Coronavac e da Pfizer, o calendário no país andino é divulgado por dia e com antecedência. Em 1º de março, os chilenos de 64 anos serão vacinados; no dia 2, os de 63 anos; e assim por diante, até 5 de março, quando as doses chegarão aos cidadãos de 60 anos.

O Brasil só agora anuncia a intenção de incluir professores na imunização. No Chile, eles já estão sendo vacinados massivamente.

 

As vacinas impedem a transmissão da covid-19? Veja 7 perguntas e respostas
Valor Econômico; 20/02
http://glo.bo/3stSXl1

A campanha nacional de vacinação contra covid-19 teve início em janeiro deste ano e muitos ainda têm dúvidas sobre o registro e a duração da eficácia dos imunizantes que estão sendo aplicados no país.

No momento, duas vacinas foram aprovadas para uso emergencial no Brasil: a CoronaVac, produzida pelo laboratório chinês Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan, e o imunizante fabricado pela AstraZeneca e desenvolvido pela Universidade de Oxford, que tem uma parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Enquanto isso, outras farmacêuticas seguem negociando com o governo brasileiro para obter seja o uso emergencial ou o registro definitivo para suas vacinas.

Confira abaixo sete perguntas e respostas sobre a duração da vacina, as diferenças entre o uso emergencial e o registro definitivo e a proteção dada pelos imunizantes.

1 – As vacinas em teste hoje impedem a transmissão ou só a doença?
Inicialmente, as vacinas em uso contra a covid-19 protegem da doença e reduzem as chances de agravamento, que teria como consequência hospitalização ou morte do paciente. Ainda está em estudo se elas serão ou não capazes de impedir a transmissão do novo coronavírus. A imunização coletiva, no entanto, provavelmente auxilia na redução da transmissão.

Clique no link para ler a resposta às demais perguntas:

2 – As vacinas contra covid-19 hoje são definitivas?
3 – Por que é importante acompanhar as pessoas imunizadas?
4 – O que é a autorização para uso emergencial?
5 – Quando a vacina recebe um registro definitivo?
6 – Por que o registro definitivo demora mais?
7 – O Brasil já tem suas próprias vacinas?

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio