Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 13 de agosto de 2022

21 de outubro de 2019

21/10 – Projeto-piloto do Enem digital, gigantes compram no ensino superior privado, área da educação concentra franquias, e mais.

.

Outubro da Educação – entrevista de Paulo Freire ao Jornal dos Professores de 1991 (editado na época pelo Sinpro SP) é relembrada em evento e permanece atual.
Leia aqui: http://fepesp.org.br/noticia/6678/.

 


Em projeto-piloto, Enem 2020 será digital para 50 mil inscritos
Folha de S. Paulo; 19/10
https://bit.ly/2Mzr096

O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) vai iniciar em 2020 a aplicação digital do Enem. A proposta, que será progressiva e tem previsão atingir a totalidade das provas em 2026, começará como um modelo-piloto com 50 mil participantes de 15 capitais.

 

Dez anos após vazamento do Enem, nenhum envolvido em roubo foi preso
Folha de S. Paulo; 19/10
https://bit.ly/2BrhPBn

Em 2009, no meio do otimista segundo mandato do presidente Lula (PT), 4,1 milhões de candidatos haviam se inscrito para a primeira edição do novo Enem: a partir dali, a nota do exame criado em 1998 para avaliar o ensino médio valeria como vestibular unificado para universidades federais. Mas tinha um furto no meio caminho. Em 1º de outubro daquele ano, a dois dias do início das provas, o Enem vazou e a aplicação foi cancelada.

 

Yduqs (ex-Estácio) fecha compra da Adtalem por R$ 2 bi
Valor Econômico; 21/10
https://glo.bo/2P2BvTU

Dois anos após quase ter sido vendida para a Kroton, a Yduqs (ex- Estácio) fechou a aquisição de 100% da Adtalem Brasil, grupo educacional americano que no país é dono de 12 instituições como Ibmec e Damásio, por R$ 1,9 bilhão. Trata-se de uma das maiores transações do setor e marca um salto para a companhia carioca que, na metade deste ano, criou uma holding para diversificar seu negócio. Com a aquisição, a Yduqs passa a ter uma receita líquida combinada de R$ 4,5 bilhões e quase 700 mil alunos, o que representa um incremento de 102 mil matrículas de uma só vez num momento em que o crescimento orgânico na graduação presencial tem sido uma das principais dificuldades para o setor devido à crise econômica e redução do Fies, programa de financiamento estudantil do governo.

 

Base total de alunos da Cogna (ex-Kroton) no 3º trimestre recua 5,3%
Isto É; 18/10
https://bit.ly/2oOkAKl

A base de alunos total da Cogna totalizou 825.076 no terceiro trimestre, queda de 5,3% em relação ao mesmo período do ano passado decorrente do aumento da evasão registrada no período e do aumento de formaturas de alunos Fies, destacou a companhia. No ensino a distância (EAD), a base de alunos teve queda de 3,7%, para 483.125 alunos, enquanto no presencial, a baixa foi de 7,4%, para 341.951 alunos no mesmo período.

 

Receita da Cogna cresce 19%
com captação de alunos para 2º semestre
Money Times; 18/10
https://bit.ly/2MyQZ0n

A Cogna (KROT3), ex–Kroton, disse nesta sexta-feira que a receita com as matrículas de alunos para o segundo semestre cresceu 19% na comparação com o mesmo período do ano anterior. A receita com captação no segmento presencial aumentou 16%, registrando cerca de 64,025 mil novos alunos, 0,6% a mais que o terceiro trimestre de 2018, conforme comunicado da empresa, referindo-se a dados excluindo ProUni. Desse total, 52,773 mil foram novos alunos pagantes, um avanço 14,6% ante mesmo período anterior, enquanto o ingresso de alunos do Fies aumentou 14,2%, a 2,054 mil estudantes. O número de novos alunos que utilizaram o Parcelamento Estudantil Privado (PEP), por sua vez, recuou 41,6%, para 9,198 mil.

 



‘Estadão’ lança projeto que reúne planos de aulas para professores
Estadão; 18/10
http://bit.ly/2MYFfTN

O jornal Estado de S. Paulo lançou projeto para professores que queiram usar  reportagens em sala de aula. São sugestões de discussões, trabalhos, redações e outras atividades que o docente pode propor aos alunos a partir das matérias publicadas no Estado.

 

Educação não pode ser vista como
panaceia para acabar com a desigualdade
Rede Brasil Atual; 18/10
https://bit.ly/2BtJWj7

A gente não vai conseguir defender a educação dizendo que ela vai acabar com a desigualdade. Ou que vai desenvolver o país. A educação não pode ser vista como panaceia de solução de problemas”, ponderou o professor Jones Manoel, no debate Educação contra a Barbárie, do seminário Democracia em Colapso?, realizado no Sesc Pinheiros, em São Paulo. “A gente não pode trabalhar com isso, porque a própria população, nesse momento, está sentindo que a educação sozinha não resolve as coisas”, completou. Jones ressaltou que, apesar das políticas de inclusão nas universidades nos governos petistas, a crise econômica e a implementação de políticas ultraneoliberais estão ampliando o desemprego e jogando milhões na miséria absoluta.

 

Artigo | O ataque estratégico do neoliberalismo à educação
Blog da Boitempo; 30/09
https://bit.ly/32zEUh6

Por Christian Laval: Desde o início da sua expansão o neoliberalismo mirou a escola, o sistema escolar, a universidade etc. Isso por várias razões diferentes, mas uma das motivações fundamentais é que se trata de um lugar de formação de um certo tipo de subjetividade. Em termos mais simples, é o lugar de criação de um “capital humano”, pensado como tal, que vai alimentar um sistema produtivo baseado na concorrência generalizada. Por isso, acredito que estudar, analisar o sistema educacional neoliberal é absolutamente fundamental para compreendermos o que é o neoliberalismo.

 


Apesar de lei, combate ao bullying segue
como desafio para escolas de todo o país
Folha de S. Paulo; 19/10
https://bit.ly/2PfiYUP

O IBGE mapeou há quatro anos o tamanho do estrago: 7,4% dos adolescentes entre 13 e 15 anos no país já disseram ter sido vítima de bullying. Outros 20% afirmaram ser autores dos atos. Em 2011, o Brasil registrou o primeiro massacre em escolas da história, cujo autor tinha sido vítima de bullying. Wellington Menezes de Oliveira, 23, abriu fogo na escola Tasso da Silveira, no Rio, matou 12 estudantes e depois se matou.

 

 


Grupo de Estudos do governo insiste em reforma da estrutura sindical
Agência Sindical; 18/10
https://bit.ly/2o4xXWl

O Grupo de Altos de Estudos do Trabalho (Gaet), criado pelo governo, deixou claro ontem na reunião com as Centrais, na UGT, em SP, que seu foco é a reforma sindical. No dia seguinte (18), o encontro foi na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, Fiesp, de orientação governamental. O sindicalismo levou ao encontro a Agenda da Classe Trabalhadora, documento finalizado pelo Dieese em 2018 e atualizado agora. O encontro na UGT, a pedido do Gaet, teve presença da CUT, CTB, CSB, Força, Nova Central e UGT, além do Dieese e Diap. O eixo estratégico da Agenda é a retomada do crescimento econômico, com mais emprego e renda. O movimento alerta para a necessidade de políticas públicas de combate ao desemprego e ao subemprego, que cresce no País.

 


Centrais sindicais não compactuam com projeto do Governo
RPB; 17/10
https://bit.ly/35SXq68

As seis Centrais Sindicais (CUT, Força Sindical, UGT, CTB, NCST e CSB) estiveram reunidas com o Secretário Especial do Trabalho e da Previdência Social Rogério Marinho, o Secretário do Trabalho Bruno Dalcomo e com os coordenadores e membros dos quatro Grupos de Trabalho do GAET no dia 17/10/19. Na oportunidade as Centrais afirmaram a importância da abertura do diálogo, mas que a história recente era de rompimentos e de divergência estruturais. Aceitavam olhar para a frente e construir o diálogo, mas sem ilusões. O Secretário afirmou seu compromisso com o diálogo e a construção negociada de propostas e projetos para as questões do trabalho e reforma sindical. Afirmou que as divergências não deveriam ser motivos para se romper o diálogo.

 

Senado pode concluir nesta terça (22) a reforma da Previdência
Diap; 21/10
https://bit.ly/2VYDcmU

Comissão de Constituição, Justiça (CCJ) analisa, nesta terça-feira (22), às 11 horas, as últimas emendas apresentadas à reforma da Previdência. No mesmo dia, à tarde, a PEC 6/19 deve ser votada em 2º e último turno no plenário do Senado Federal. Em seguida vai à promulgação em sessão do Congresso Nacional.

 


Assembleia de Professores da PUC Campinas
sobre processo hora dedicação e hora pesquisa
Sinpro Campinas; 18/10
http://bit.ly/2o3gAoH

No dia 23 de outubro, às 18h30, O Sindicato dos Professores de Campinas convoca uma assembleia com os professoras da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo para discutir questões trabalhistas e que envolvem pesquisa na universidade.

 


Sinpro Campinas: como prevenir lesões por esforço repetitivo
Sinpro Campinas; 21/10
http://bit.ly/2Bw7Evi

As Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e os Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT) são as doenças que mais afetam os trabalhadores brasileiros. A constatação é do estudo Saúde Brasil 2018, do Ministério da Saúde. Nesse episódio do Sinpro Saúde, o fisioterapeuta Felipe Tardivel dá dicas de como prevenir esses tipos de doenças, voltadas para o cotitidiano específico dos professores.

 

 


Áreas de serviço e educação concentram franquias em alta
Folha de S. Paulo; 20/10
https://bit.ly/2N0vl41

O setor de franquias cresceu 6% no segundo trimestre deste ano, se comparado ao mesmo período de 2018. O faturamento foi de R$43 bilhões. Dentre os segmentos, os que tiveram maior alta foram o de serviços, com 8,9% e os de serviços específicos do campo educacional, com 8,7%. Os dados são da Associação Brasileira de Franchising (ABF).

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio