21 de janeiro de 2021

21/01 – Sindicatos querem prioridade na vacinação de professores, alunos na Justiça para reagendar Enem, o dilema da volta às aulas – e mais.

.

A urgência na vacinação contra o coronavírus e os
educadores – veja aqui:  http://fepesp.org.br/noticia/10255/

 

Covid 19: São Paulo vai endurecer quarentena nesta semana após 50 000 mortos
Veja SP; 21/01
http://bit.ly/3qyRIQiA grande São Paulo e a regiões do interior vão regredir de fase no Plano SP de reabertura econômica. “Nesta sexta, nós teremos uma reclassificação”, disse nesta quarta-feira (20) o governador de São aulo, João Doria.Nesta terça-feira (19), o estado São Paulo ultrapassou os 50 000 óbitos e mais de um milhão e meio de casos confirmados do novo coronavírus. A taxa de ocupação dos leitos de UTI chegou aos 70% em alguns hospitais da região metropolitana. Na capital, quatro unidades registraram 100% de ocupação desses leitos. São elas: Hospital da Cruz Vermelha, Santa Casa de Santo Amaro, Hospital Carmem Prudente e Hospital São Luiz Gonzaga.

Na última sexta-feira (15), a gestão estadual já havia anunciado o endurecimento da quarentena em oito regiões. Araçatuba, Bauru, Franca, Piracicaba, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto e Taubaté deixaram a fase amarela e foram para a laranja. Marília saiu da fase laranja e foi para a vermelha.

 

 

 

Sindicato quer priorizar vacina contra a Covid-19 em professor para volta às aulas em SP
Folha de S. Paulo; 20/01
http://bit.ly/2NgPJSk

O SinproSP, sindicato que representa os professores do ensino particular no município de São Paulo, quer que a categoria seja incluída em grupo prioritário para a vacinação contra a Covid-19 ou mantenha o ensino remoto a exemplo do que ocorreu em 2020.

O sindicato solicitará uma audiência com o Secretário Municipal da Saúde, Edson Aparecido, para que os professores do município de São Paulo tenham prioridade na vacinação.

Para Luiz Antônio Barbagli, presidente da entidade, o problema é que o professor estará em contato diariamente com um grupo renovado de alunos.

“Não entendemos o porquê da pressa. O aluno não está só em contato com o professor. Ele usa a van escolar, vai à cantina, quando sai da escola tem alguém vendendo alimento, há o contato familiar”, afirma.

 


Jundiaí: prioridade na vacinação
Sinpro Jundiaí; 20/01
http://bit.ly/3oZALhD

A presidente do Sindicato dos Professores de Jundiaí, Sandra Baraldi, protocolou, na tarde desta quarta-feira, dia 20, junto à à Unidade de Gestão de Promoção da Saúde, ofício solicitando que professoras e professores da rede particular sejam incluídos no grupo prioritário de vacinação contra a covid-19.

O Sinpro Jundiaí entende que, em um momento de crescimento do número de casos de covid-19 e sem fiscalização das medidas sanitárias exigidas das escolas, o risco de contaminação ainda é muito grande enquanto não houver vacinação da categoria.


Quais os dilemas na volta às aulas na cidade de São Paulo
Nexo; 17/12
http://bit.ly/3mxz2hm

O SinproSP (Sindicato dos Professores de São Paulo), que reúne os docentes da rede privada, também exige que os profissionais da educação façam parte do grupo prioritário de vacinação. O sindicato também cobra providências a serem tomadas ao longo do ano, enquanto a pandemia não acabar.

FISCALIZAÇÃO – O SinproSP cobra das autoridades públicas não apenas o estabelecimento de normas de funcionamento, mas também uma efetiva fiscalização. Os professores de escolas particulares reclamam que, em 2020, “foi dada ampla liberdade de atuação aos estabelecimentos privados”, sem o supervisionamento do poder público.

TESTAGEM – Outra exigência do sindicato é que as escolas particulares sejam obrigadas a realizarem testes para a covid-19 em seus estudantes e trabalhadores.

CARGA – O sindicato também destaca a necessidade de que os professores sejam ouvidos a respeito de suas necessidades na relação de trabalho, considerando que o modelo de retorno, com sistema de rodízio de alunos e coexistência de aulas presenciais e remotas, demandará grande esforço do corpo docente.

 

SP: Ensino infantil na capital não terá rodízio de alunos, diz secretária
UOL; 20/01
http://bit.ly/2NoECqG

Enquanto no ensino fundamental e médio os estudantes podem ser impedidos de irem todos os dias da semana à escola, para o infantil a Secretaria de Educação paulistana avalia que esse sistema não traria benefícios.

“É muito ruim fazer uma adaptação com rodízio. Não achamos adequado para as crianças menores. O grupo que voltar será atendido todos os dias, já os demais permanecem com as atividades online”, explicou Minea.

Para o fundamental e médio, a secretária afirmou que será necessária uma seleção dos alunos que entrarão no rodízio caso mais do que 35% dos estudantes de uma unidade de ensino decidam voltar às aulas presenciais.

 

 

O NEGÓCIO DA EDUCAÇÃO

Saint Paul Escola de Negócios investe em educação básica
Valor Econômico; 21/01
http://glo.bo/2XYghK6

A Saint Paul Escola de Negócios está investindo R$ 40 milhões na expansão de sua plataforma de aprendizado digital LIT para a educação básica.

A ferramenta, já bastante difundida em cursos de pós-graduação, será ofertada inicialmente para o ensino médio de escolas particulares e depois para outras etapas de aprendizado e na rede pública.

A ferramenta será comercializada para professores, alunos e secretarias de educação. A ideia é que a plataforma seja um complemento de aprendizado aos materiais didáticos usados pelos alunos.

 

Empresa de investimentos cria holding de startups de ensino
Valor Econômico; 21/01
http://glo.bo/3p8ApoQ

Holding é ligada à gestora Gama Investimentos, que captou R$ 30 milhões em seu primeiro fundo

A empreitada é tocada em parceria com a gestora Gama Investimentos que decidiu entrar no mercado de private equity e venture capital, realizando uma primeira captação de R$ 30 milhões para investir em startups de educação. “Estamos com duas negociações avançadas para aquisição de ‘edtechs’ e outros dois projetos em desenvolvimento interno”, disse Jonas Gomes, ex-sócio da Bozano Investimentos. Gomes foi um dos braço-direito de Paulo Guedes, atual ministro da Economia, na época em que ambos eram sócios das gestoras BR Investimentos e Bozano.

 

ENEM

Justiça mantém provas do Enem no próximo domingo, dia 24
Folha de São Paulo; 21/01
http://bit.ly/39PfZec

A Justiça federal de São Paulo negou nesta quarta-feira (20) pedido da Defensoria Pública da União e manteve a realização do segundo dia de provas do Enem 2020, agendado para o domingo (24).

A Defensoria havia ingressado, na segunda-feira (18), com novo pedido de suspensão da prova argumentando que o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) não teria garantido os protocolos de segurança sanitárias na aplicação da primeira etapa do exame, no último domingo (17).

 


Ação de alunos na Justiça pede reagendamento do Enem para quem perdeu a prova
Folha de S. Paulo: 21/01
http://bit.ly/3o8EOGZ

A Associação Nacional dos Estudantes de Educação à Distância entrou com ação na Justiça Federal da 4ª região pedindo que alunos que não puderam fazer o Enem no último final de semana possam reagendar o exame com apenas uma solicitação online.

Eles fariam as provas nos dias 23 e 24 de fevereiro, datas já previstas no calendário do Inep.

Atualmente é permitido o reagendamento para candidatos que estavam com Covid-19 na data da prova. A ação afirma que estudantes não puderam realizar a prova por causa da lotação das salas, que tiveram o número de alunos permitidos reduzido para evitar contágio

 

Em 1º dia na Casa Branca, Biden já mostra mudanças na política dos EUA
Folha de S. Paulo; 21/01
http://bit.ly/3p4v69H

O novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, tomou posse hoje em uma cerimônia sem público e cercado por policiais da Guarda Nacional. Já no seu primeiro dia, prometeu medidas para reverter as políticas do antecessor, Donald Trump. O ato é preocupante para a política externa brasileira que, durante os dois últimos anos, seguiu a cartilha trumpista.

Mesmo antes da cerimônia de posse, a equipe de Biden já havia anunciado a reversão de 17 decretos de Trump. Entre eles, decidiu pelo retorno dos EUA ao Acordo de Paris, sobre o clima, pela anulação da decisão de deixar a OMS (Organização Mundial da Saúde) e pela interrupção da construção do muro na fronteira com o México.

A pauta ambiental será central no novo governo democrata, como já mostrou o UOL, o que abre caminho para transformar o Brasil no grande vilão da agenda americana. É possível que, se o país continuar desmatando nos níveis atuais e negando o aquecimento global, o novo governo americano exerça pressão para uma drástica mudança de atitude.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio