Federação dos Professores do Estado de São Paulo, 21 de maio de 2022

20 de maio de 2021

20/05 – Vacina de educadores de 18 a 46 em julho, dissídio da Educação Básica já está no Tribunal, Pazuello mente na CPI, e mais: ciência também precisa da intuição e da poesia.

.

Novo presidente da Alesp aplica um cala-boca na Comissão de Educação e elimina deputado que há anos acompanha e defende as causas da Educação pública e privada. 

 



SP: profissionais da educação dos 18 aos 46 anos serão vacinados em julho
Carta Capital; 20/05
https://bit.ly/3ytJv4D

O governo de São Paulo anunciou a vacinação de profissionais da educação dos 18 aos 46 anos para o período de 21 a 31 de julho. O comunicado foi feito nesta quarta-feira 19 pelo governador João Doria (PSDB) em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo.

Após o anúncio, o secretário estadual de Educação, Rossieli Soares, afirmou que, no segundo semestre, todos os profissionais da educação poderão estar imunizados. O secretário ainda salientou que, caso os profissionais tenham comorbidades, serão vacinados antes do período.

 

Educação básica: ação de Dissídio Coletivo já está no Tribunal do Trabalho
SinproSP; 20/05
https://bit.ly/3ytJv4D

[Os] sindicatos que integram a Fepesp protocolaram hoje, 19 de maio, no Tribunal Regional do Trabalho da 2a Região, ação de dissídio coletivo de natureza econômica contra o Sieeesp e demais entidades patronais do Estado de São Paulo.

No processo foi inserida a pauta de reivindicação, com as justificativas dos sindicatos. A pauta prevê reposição integral da inflação, aumento real, manutenção dos direitos com os avanços garantidos no Dissídio Coletivo de 2019/2020, como pagamento da hora-tecnológica, entre outras garantias.

Depois de o processo ser distribuído, o Tribunal convoca as partes para uma audiência preliminar, de conciliação. Se não houver condições de acordo, o processo tem prosseguimento e vai a julgamento. Um juiz relator é designado para analisar cada uma das demandas e apresentar parecer, sugerindo elas devem ou não se concedidas. O julgamento é feito pelo tribunal pleno da Sessão Especializada em Dissídio Coletivo do TRT, composto por dez desembargadores (como são chamados os juízes de segunda instância).

 

Campinas:  MPT determina afastamento de servidores da educação com comorbidades
G1; 18/05
https://glo.bo/3u3NHVm

O Ministério Público do Trabalho (MPT) definiu que a Prefeitura de Campinas (SP) deve afastar do trabalho presencial, no prazo de oito dias, todos os servidores que atuam na educação e possuem comorbidades relacionadas à Covid-19. O despacho desta terça-feira (18), da procuradora Clarissa Ribeiro Schinestsck, faz parte do inquérito que acompanha o retorno das aulas nas escolas da rede municipal.

A decisão também inclui o afastamento dos trabalhadores da educação que estão em tratamento de câncer e fazem uso de medicamentos imunodepressores e quimioterápicos. O retorno ao trabalho presencial ocorrerá após a vacinação destes funcionários. O mesmo vale aos com comorbidades.


Sorocaba: Comunidade escolar de Sorocaba barra implantação de escola cívico-militar na Justiça
Facebook Estela13123; 19/05
https://bit.ly/3fx7jvY

A Justiça suspendeu no dia de ontem (18/05) a tentativa de implantação da 1ª escola cívico-militar em Sorocaba, no interior de São Paulo. O resultado foi obtido com muita mobilização das entidades da comunidade escolar, de direitos humanos. O prefeito de Sorocaba e o governo federal tentaram impor de forma atropelada a implementação da escola cívico-militar.

Muito parecido com o que está acontecendo em Bauru, tentaram ignorar e desacreditar a manifestação de grupos que são contra a medida, através da imprensa.

Em Sorocaba, o Conselho Municipal de Educação manifestou-se em sentido contrário à medida (a aprovação é requisito para a implantação aqui em Bauru também). E naturalmente, não ocorreu uma consulta ampla e democrática à comunidade escolar da cidade.

 

 

Bauru: Profissionais da educação divergem sobre escola cívico-militar no município
94FM; 19/05
https://bit.ly/3v7sQln

A possível implantação de uma escola no modelo cívico militar em Bauru foi tema de reunião entre representantes da Secretaria Municipal da Educação e Sindicato dos Servidores Públicos Municipais. Segundo o Sinserm, o debate, intensificado na semana passada, em audiência pública presidida pela vereadora Estela Almagro (PT), na Câmara Municipal, começou mal, pois não houve diálogo aberto entre as partes. Para Melissa Lamônica, diretora do sindicato, o cenário é confuso e não há diretrizes municipais sendo construídas para a implantação do modelo em Bauru. Para ela, esse modelo de educação desvirtua o sentido da escola.

 

POLÍTICA EDUCACIONAL

Associação Brasileira de Educação Infantil denuncia descumprimento Plano Nacional de Imunização
O Globo; 19/05
https://outline.com/NamWvX

A Associação Brasileira de Educação Infantil (ASBREI) denunciou à 5a Vara de Fazenda Pública do Rio a exclusão dos profissionais da educação do rol de prioridades. Alega que vai contra o que determina o Plano Nacional de Imunização.

De acordo com os advogados da associação, ”Trata-se, evidentemente, de uma interpretação equivocada daquilo que foi determinado na decisão liminar confirmada pelo ministro Ricardo Lewandowski. O respeito pela ordem de prioridades ― que justificou à época a proibição de que profissionais da educação e outras categorias pudessem “furar a fila” de outros grupos ― não pode servir agora como desculpa para a exclusão permanente de outros grupos prioritários do rol de prioridades”.

 

Guedes deve dar explicações sobre corte de verbas na educação na Câmara
IG; 19/05
https://bit.ly/3hAG5Hs

O ministro da Economia, Paulo Guedes, deve ir à Câmara dos Deputados prestar esclarecimentos sobre o corte de verbas na educação no Orçamento 2021 . O convite foi aprovado pela Comissão Permanente de Educação e a reunião deve ser realizada no dia 1° de junho. No entanto, Guedes não será obrigado a comparecer.

A comissão quer entender os motivos do corte dos valores destinados às universidades federais na Lei Orçamentária Anual, que lista todos os gastos da União para o ano vigente. O texto prevê redução de ao menos R$ 1 bilhão em gastos em educação, o que prejudica os trabalhos das universidades públicas.

 

Opinião: ‘A não realização do Enem afetará políticas públicas de inclusão’
Estadão; 19/05
https://bit.ly/2RrOCSu

Por José Roberto Covac, sócio da Covac Sociedade de Advogados: “Ao que tudo indica a não realização do ENEM é em função da falta de orçamento e insuficiência de verba, assim o Ministério da Educação está apelando para o ministro da Economia Paulo Guedes reforçar o orçamento do MEC para viabilizar o ENEM.

O adiamento quebra uma série histórica de avaliação do ensino médio afetando políticas públicas importante, razão pela qual não se pode inviabilizar a falta de verbas para realização do Enem”.


Artigo: ‘Quem quer parar as universidades federais?’
Folha de S. Paulo; 19/05
https://bit.ly/3fwoUUD

“É preciso sempre lembrar que os recursos públicos aplicados nas universidades são investimentos que retornam à sociedade multiplicados, mesmo nos resultados qualificados pelo pensamento mercantilista como inúteis e, assim, dispensáveis.

Nosso alerta é que as condições atuais, se mantidas, irão obrigar universidades e institutos federais a parar. Definitivamente não é essa nossa intenção. Resistiremos e lutaremos, com todas as nossas possibilidades, para que não sejam inviabilizadas atividades essenciais à recuperação e ao desenvolvimento do nosso país. “ [por Ana Beatriz de Oliveira, Reitora da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar); Dácio Matheus, Reitor da Universidade Federal do ABC (UFABC); Nelson Sass, Reitor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp); Silmário Batista dos Santos, Reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP)].


CORONAVÍRUS

Pessoas com comorbidades e deficiências de 40 anos a 44 anos começam a ser vacinadas dia 28
Agora; 19/05
https://bit.ly/3hKBsKT

Esse grupo compreende um total de 760 mil pessoas. Uma nova faixa etária do público em geral, de 55 anos a 59 anos, só deve começar a ser imunizada a partir do dia 1º de julho. Outra data prevista é a da vacinação de profissionais da área de educação de 18 anos a 46 anos de idade.

A vacinação de pessoas desses grupos, porém, depende do envio de doses de imunizantes pelo Ministério da Saúde, segundo o governo do estado.

 

 

CPI da Covid: General Pazuello tenta blindar Bolsonaro na CPI, reage a Renan e mente ao menos quatro vezes
Folha de S. Paulo; 19/05
https://bit.ly/3hKBsKT

O general Pazuello mentiu em ao menos quatro vezes durante o seu depoimento, como ao afirmar que não recebeu ordem de Bolsonaro relacionada à compra da vacina chinesa Coronavac. Também teve momentos de rispidez ao responder perguntas do relator.

Após constatar as mentiras, Renan afirmou que vai sugerir ao presidente da CPI contratar um “pool” de agências de checagem de fatos, para que possa confrontar diretamente os depoentes.

“Vou sugerir ao presidente da comissão e ao vice-presidente a contratação de agências checadoras da verdade para que a comissão parlamentar de inquérito, pela primeira vez, possa acompanhar online e checar essas mentiras que reiteradamente estão sendo ditas”, completou.


 

 

 

A ciência também precisa da intuição e da poesia
Nexo; 20/05
https://bit.ly/3f3PfdJ

Pergunta: Como você explica a sua área de atuação para quem não sabe o que você faz?

Beatriz Raposo: “Eu sou foneticista. Nós estudamos os sons das línguas em todas as suas manifestações. Estudamos coisas como a entoação da fala, a comparação da entoação do canto com a da fala, etc. Todos esses são assuntos que existem dentro da fonética.

Não tem como você se referir a uma língua, falar sobre ela, sobre estrutura, regras, história e mudanças sem você ter ferramentas conceituais de nomenclatura para falar sobre os sons dela. É isso que a fonética e a fonologia fazem.

Sobre a cognição, que é uma outra área de interesse da minha pesquisa. Tudo está ligado. Tudo que a linguística propôs a partir dos anos 1950 com [Noam] Chomsky vai no sentido de um entendimento sobre como nós sabemos a língua, qual a nossa capacidade e habilidade de falar uma língua.

Nós temos a habilidade de dividir os sons da língua em vogais e consoantes, algo que aprendemos desde criança. Isso demonstra que existe algo propenso na nossa cognição, nas nossas estruturas cognitivas, para definir e categorizar coisas’.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio