18 de novembro de 2020

18/11 – escolas suspendem aulas por causa de contaminação, fiasco na reabertura de escolas, trabalho remoto aumenta carga horária e mais: o segundo turno no Interior de SP.

.


13º salário deve ser integral para quem teve jornada reduzida, diz nota técnica do governo, e deve ser calculado com base na remuneração integral, sem influência das reduções temporárias de jornada e salário.
Veja aqui (G1, 18/11): https://glo.bo/2KbgnKO

 

 

Escolas particulares em SP suspendem aulas presenciais após alunos contraírem coronavírus
Folha de S. Paulo; 18/11
https://bit.ly/3lNOtCQ

Ao menos três escolas particulares de São Paulo decidiram suspender as atividades presenciais devido a riscos de contaminação por coronavírus. A reabertura de instituições de ensino na cidade foi liberada em 8 de outubro, há cerca de 40 dias.

Os colégios Gracinha, Graded e São Luís comunicaram aos pais nesta semana que suspenderiam total ou parcialmente as atividades presenciais que estavam desenvolvendo. Os dois primeiros registraram casos de infecção, e o terceiro não confirmou se teve alunos ou funcionários contaminado.

“Diante do aumento do número de casos de Covid-19 na cidade, dos casos confirmados na escola, dos casos suspeitos entre funcionários e alunos e da necessidade de isolamento das pessoas contaminadas, bem como de todas as que tiveram contato com elas, optamos por suspender as atividades de acolhimento, o reforço e as aulas presenciais da escola”, diz o comunicado da direção do Gracinha, no Itaim Bibi, às famílias.

 

Pesquisa indica que trabalho remoto aumentou carga horária
Contee; 17/11
http://contee.org.br/pesquisa-indica-que-trabalho-remoto-aumentou-carga-horaria/

Um levantamento de comentários em redes sociais brasileiras feito pela Orbit Data Science registrou que em janeiro, antes do isolamento social, cerca de 70% das pessoas elogiavam a prática. Depois do isolamento, entre abril e junho, a aprovação caiu para 45%. O trabalho em casa tornou a percepção de que os dias são mais longos e passaram a ocorrer mais reuniões (a quantidade cresceu 13%, segundo o Bureau Nacional de Pesquisa Econômica).

Como analisou artigo publicado pela Fepesp (ver aqui), “além de todas as preocupações com a didática do ensino, é necessário, e de extrema importância, que os docentes se preocupem e considerem todo o contexto dessa migração que ocorre em meio à pandemia, que impõe nova organização do cotidiano e preocupação com a saúde, além das apreensões causadas pela instabilidade do vínculo profissional, ameaçados a todo instante como consequência de proposições legislativas que visam redução das mensalidades, encerramento do ano letivo e rescisão de contratos”.

 

Medo do vírus e desgaste da voz preocupam professora na volta às aulas
Folha de S. Paulo; 17/11
https://bit.ly/35LspmN

Máscara, face shield e turmas cada vez maiores. Essa tem sido a rotina de Danielle Koza desde o início de outubro quando, depois de sete meses, voltou a dar aulas presenciais. Professora de química do ensino médio em duas escolas particulares —uma em Osasco, na grande São Paulo e outra na capital paulista—, Danielle  sobre a dificuldade com os equipamentos de segurança e o medo de contaminação, que vivencia junto de desafios como a postura da voz, a presença simultânea em sala e no online e a readaptação dos alunos.



Reajuste da mensalidade escolar 2021: Conheça seus direitos na rematrícula
Estadão; 17/11
https://bit.ly/2INOF6o

Com a proximidade do fim do ano letivo, escolas particulares dão início ao processo de rematrícula e boa parte já comunicou os pais sobre reajustes nas mensalidades escolares. Em um ano atípico para a educação por causa da pandemia do coronavírus, sobram dúvidas sobre a manutenção de descontos, índices de aumento nas mensalidades e o modelo de contrato para o ano que vem.

O colégio deve comunicar o reajuste na mensalidade escolar até 45 dias antes do prazo final para a matrícula. Segundo o Procon-SP, o aluno tem direito à devolução integral do valor pago pela matrícula se desistir do curso antes do início das aulas.

 

Artigo: ‘Escolas reabertas e vazias: a reabertura foi um fiasco’
Fepesp; 17/11
https://bit.ly/3nwAbH5

Por Fernando Cássio e Hélida Lança: “A falta de condições objetivas para o retorno nas escolas públicas vale, em grande medida, também para as escolas privadas, onde a adesão ao retorno tem sido aquém do esperado. Se a manutenção dos banheiros está em dia nas particulares, o padrão construtivo dos edifícios escolares é amiúde inferior ao das públicas. As pequenas escolas de bairro que oferecem ensino apostilado massificado representam muito mais o setor do que as escolas de elite que contratam hospitais renomados para desenvolver sofisticados protocolos de retorno”.

 

USP promove congresso internacional sobre educação escolar na pandemia
Jornal da USP; 17/11
https://bit.ly/3pDXUXF

Para discutir esse momento de profundas transformações, que envolve também a educação, a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP promove o primeiro Congresso Internacional de Educação Escolar: cenário de pandemia, seus desafios, perspectivas e possibilidades, que será realizado totalmente on-line de 24 a 27 de novembro. As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas até o dia 27 pelo formulário na internet (aqui).

O evento contará com a participação de 34 convidados que vão analisar a educação escolar, formular ideias e compartilhar opiniões durante as palestras e mesas-redondas. Entre os temas debatidos estão: leitura, alfabetização, formação de professores, emoções na aprendizagem, letramento, relações étnico-raciais, tecnologias da informação, psicanálise e educação.


Nota mínima redação do Enem para acesso ao Fies é postergada
MIxVale; 16/11
https://bit.ly/32W0yhB

Nota mínima redação do Enem para acesso ao Fies é postergada. O Ministério da Educação (MEC) adiou para janeiro de 2021 a exigência de que participantes do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) tenham nota igual ou superior a 400 pontos na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A exigência deveria entrar em vigor já neste ano.

Ao determinar a medida, o MEC informou que as mudanças foram feitas para garantir “a meritocracia como base para formar profissionais ainda mais qualificados”.

 

Uip alerta para aumento de casos: ‘população está cansada, o vírus não’
UOL; 18/11
https://bit.ly/35H5lFG

O médico infectologista e membro do Centro de Contingência do Coronavírus, David Uip, fez um alerta hoje sobre o aumento de casos de infecções pelo novo coronavirus no Brasil, especialmente em São Paulo. Em entrevista à GloboNews, Uip disse que a população está cansada, mas o vírus não.

“O cansaço venceu o medo, e a população está cansada e nós entendemos. O vírus não, está ativo como sempre esteve. E isso é causa de grande preocupação”, respondeu o infectologista ao ser questionado diretamente se o cansaço havia vencido o medo.

 

ELEIÇÕES 2020

Plano de governo de Covas foca continuidade, e Boulos promete mais participação social
Folha de São Paulo; 18/11
https://bit.ly/38T03bT

Quem vencer nas urnas no próximo dia 29 em São Paulo vai ter que administrar uma cidade de 12,3 milhões de habitantes com problemas tão distintos quanto uma infestação de pernilongos, calçadas ruins e a falta de creches, além da pandemia da Covid-19.

Bruno Covas (PSDB) e Guilherme Boulos (PSOL), que se propõem a essa empreitada, têm visões diferentes de como encarar os mesmos problemas, pelo menos nos planos de governo apresentados à Justiça Eleitoral.

O QUE DIZEM OS PLANOS DE GOVERNO DOS CANDIDATOS: EDUCAÇÃO

Bruno Covas (PSDB)
– Zerar a fila existente e garantir vagas nas creches da prefeitura para filhos de mães que cumprirem o pré-natal no programa Mãe Paulistana
– Construir 12 novos CEUs (Centros Educacionais Unificados) em todas as regiões da cidade
– Ampliar o ensino integral com aulas presenciais e conteúdo online

Guilherme Boulos (PSOL)
Destinar 31% da receita da cidade para o ensino
– Zerar a fila das creches
– Reverter o processo de privatização, terceirização e conveniamento da educação
– Garantir a formação continuada dos profissionais de educação por meio de parcerias com universidades públicas

 

Saiba quem foi para o 2º turno nas eleições 2020 para prefeito
Estadão; 17/11
https://bit.ly/32TWxKP

Somente cidades com mais de 200 mil eleitores são aptas a ter a segunda etapa da disputa. Entenda quando acontece o segundo turno aqui.

Bauru: Suéllen Rosim (Patriota) e Dr Raul (DEM)

Campinas: Dário Saadi (Republicanos) e Rafa Zimbaldi (PL)

Diadema: Filippi (PT) e Taka Yamauchi (PSD)

Franca: Flávia Lancha (PSD) e Alexandre Ferreira (MDB)

Guarulhos: Guti (PSD) e Elói Pietá (PT)

Limeira: Mario Botion (PSD) e Murilo Félix (Podemos)

Mauá: Átila Jacomussi (PSB) e Marcelo Oliveira (PT)

Mogi das Cruzes: Marcus Melo (PSDB) e Caio Cunha (Podemos)

Piracicaba: Barjas Negri (PSDB) e Luciano Almeida (DEM)

Praia Grande: Raquel Chini (PSDB) e Danilo Morgado (PSL)

Ribeirão Preto: Duarte Nogueira (PSDB) e Suely Vilela (PSB)

São Vicente: Solange Freitas (PSDB) e Kayo Amado (Podemos)

Sorocaba: Rodrigo Manga (Republicanos) e Jaqueline Coutinho (PSL)

Taboão da Serra: Engenheiro Daniel (PSDB) e Aprigio (Podemos)

Taubaté: Saud (MDB) e Loreny (Cidadania)

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio