6 de novembro de 2020

06/11 – assembleias do Superior aprovam acordo de dois anos mas rejeitam reajuste abaixo da inflação, aumentam casos de covid em SP, o plano dos candidatos a prefeito na Capital,  e mais.

.


Ensino Superior:  professores e auxiliares aprovam abono e manutenção de cláusulas por dois anos mas rejeitam teto de reposição de inflação. Leia aqui:  https://bit.ly/3ewF3sq
  

Professores do ensino superior dizem não a reajuste abaixo da inflação
Radio Peão Brasil; 05/11
https://bit.ly/3k1sLt1

“Não é possível limitar o reajuste a um índice que tende a ser superado”, explica Celso Napolitano, presidente da Fepesp, que tem coordenado as negociações nesta campanha salarial. “A inflação pode estar baixa agora, mas dá sinais de elevação no futuro, acima dos 3%”. De acordo com cálculos preparados pelo Dieese, o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos, a inflação poderá superar 4,2% no início de 2021, acima do limite proposto pelo setor patronal.

As negociações para a renovação da convenção coletiva de professores e auxiliares no Ensino Superior, neste ano, foram iniciadas dois meses antes da data base da categoria em 1º de março. “Foi um ambiente muito adverso, que colocou os trabalhadores em Educação e os sindicatos em desvantagem”, afirmou Napolitano.

Proposta patronal – 1. Manutenção dos direitos coletivos por dois anos, com ajuste temporário de redação para o ano de 2020, durante o período em que vigoraram as medidas provisórias 927 e 936.    2. Salários sem reajuste em 2020. A massa salarial perdida em decorrência da inflação de março/2019 a fevereiro/2020 (3,54%) seria recuperada por um abono salarial ou participação nos resultados no valor de 50% do salário, pago em três parcelas, apenas em 2021: março, junho e setembro.
3. Salários de 2021 sem reajuste A perda, mês a mês, decorrente da inflação acumulada entre março/2020 e fevereiro/2021 não será paga, mas servirá para corrigir a base de cálculo a ser usada no reajuste de março de 2022. Os mantenedores estabeleceram 3% como teto da correção, pois esta era a inflação prevista para o período mar/20 a fev/21.

O que as assembleias aprovaram –  Seguindo a orientação dos demais sindicatos que integram a Fepesp, as professoras, professores e auxiliares presentes às assembleias aprovaram a proposta patronal, condicionada a duas mudanças: a) teto de 3,5% na base de cálculo que servirá para o reajuste salarial em março/2022; b) caso a inflação supere 3,5%, o excedente será incorporado ao salário e pago até agosto de 2022. Em último caso, o teto pode até ser de 3%, desde que garantido o pagamento do valor excedente.

 

Gasto com educação básica eleva padrão de vida e remuneração
Estadão; 06/11
https://bit.ly/3ev7hne

Se o Brasil investir apenas 1% a mais, a cada ano, do seu Produto Interno Bruto (PIB) em educação básica, o padrão de vida médio da população poderá aumentar até 26% nos próximos 50 anos. Os dados são de um levantamento recente publicado por pesquisadores da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Os economistas apontam, ainda, que investir na educação 2% do que o País produz por ano levaria a um aumento de quase 32% na produtividade do trabalhador. Para as empresas, a baixa qualificação média do brasileiro no mercado de trabalho e o contingente de desempregados resultante da crise causada pela covid-19 são motivos de preocupação.


Rede estadual de SP terá aprovação continuada em todas as séries em 2020
Folha de S. Paulo; 05/11
https://bit.ly/3ev5bUy

A rede estadual de ensino de São Paulo terá progressão continuada em todas as séries em 2020 para os estudantes que tiverem feito alguma atividade letiva. A proposta foi aprovada nesta quarta-feira (4) pelo Conselho Estadual de Educação.

Todo aluno que tiver feito atividades será aprovado para a próxima série escolar em 2021. Estudantes que não tenham feito nenhuma atividade neste ano serão convocados para recuperação presencial em janeiro para que possam seguir ao próximo ano escolar em 2021.

 

56% dos alunos que não estudaram na pandemia apontam como motivo a busca por emprego, diz pesquisa
G1; 05/10
https://glo.bo/2JIKvNy

A pandemia afetou alunos de baixa renda de duas formas diferentes: fez com que o acesso à educação se tornasse mais difícil pela restrição de acesso à tecnologia usada nas aulas remotas e, ao mesmo tempo, retirou renda das famílias, empurrando os estudantes para a busca por emprego.

A pesquisa “TIC Covid-19”, divulgada nesta quinta-feira (5), aponta que 56% dos alunos que não estudaram na pandemia apontaram como motivo a busca por emprego.

No recorte por renda, o levantamento aponta que a maior parte (29%) dos alunos que não acompanharam aulas remotas é da classe D e E. Na classe B estão 20% e, na classe AB, 11%.

 

Funcionários administrativos da USP decidem entrar em greve sanitária
Folha de S. Paulo; 05/11
https://bit.ly/2GEBZ0Y

Os funcionários dos setores técnico-administrativos da USP decidiram, na tarde desta quinta-feira (5), fazer uma greve sanitária —quando o motivo é a existência de um risco à saúde ou segurança do trabalhador presente no ambiente de trabalho— a partir do próximo dia 9. O movimento é por tempo indeterminado.

Há duas semanas e sem dialogar com o Sintusp (Sindicato dos Trabalhadores da USP), que representa a categoria, a reitoria da USP decidiu mudar o Plano USP para o Retorno Gradual das Atividades Presenciais, que havia sido apresentado no final de agosto.

Por isso, parte dos 13.700 servidores deverão retornar ao trabalho presencial a partir desta sexta (6), exceto os docentes, que só voltarão aos campi em 2021.

 

Espírito Santo: Professores de escola particular têm sintomas de Covid e aulas são suspensas
Tribuna Online; 05/11
https://bit.ly/3505QKtApós quase um mês do retorno das atividades presenciais, os alunos do 1º ao 5º ano de ensino do Centro de Ensino Charles Darwin, de Vila Velha, vão ter de estudar de casa novamente.  As atividades presenciais na escola foram suspensas após quatro professores apresentarem sintomas compatíveis com quadro de síndrome gripal.
 

Internações por covid-19 aumentam 48,7% na capital paulista
Rede Brasil Atual; 05/11
https://bit.ly/2JHLJsp

Após várias semanas consecutivas de queda, a capital paulista voltou a registrar aumento no número de internações por covid-19. Dez dias depois da cidade entrar na fase 4-verde do Plano São Paulo, que coordena a reabertura do comércio e dos serviços, o número de pessoas internadas chegou a 228, o mais baixo desde o pico da pandemia do novo coronavírus, segundo dados da Secretaria Municipal da Saúde, divulgados em 18 de outubro. Depois disso, houve um novo aumento, que se mostrou contínuo. Agora a cidade chegou a 368 pessoas internadas, segundo o boletim municipal divulgado ontem (4). Um aumento de 48,7% nas internações em cerca de duas semanas.

 




Conheça as propostas dos principais candidatos à prefeitura de SP para a educação
Yahoo; 05/11
https://bit.ly/368CVDw

Saiba quais são as propostas para a educação dos seis candidatos melhor colocados na corrida eleitoral em São Paulo: Bruno Covas (PSDB), Celso Russomano (Republicanos), Guilherme Boulos (PSOL), Márcio França (PSB), Jilmar Tatto (PT) e Arthur do Val (Patriota).

BRUNO COVAS (PSDB) – O programa de governo do atual prefeito e candidato à reeleição, Bruno Covas, não tem uma parte dedicada exclusivamente à educação, mas à infância. O projeto do tucano consiste em criar um “robusto programa de educação e proteção da primeira infância para garantir o futuro de crianças e jovens” da cidade.

CELSO RUSSOMANO (REPUBLICANOS) – O candidato pretende criar uma plataforma digital para os alunos da rede municipal.

GUILHERME BOULOS (PSOL) – A prioridade do programa de Boulos e Erundina em relação à educação é melhorar a qualidade das escolas públicas na cidade de São Paulo. A chapa quer transformar a capital em uma “Cidade Educadora”.

JILMAR TATTO (PT) – O candidato à Prefeitura pelo PT, Jilmar Tatto e seu vice, Carlos Zarattini (PT), afirmaram em seu plano de governo que qualquer ação que seja implementada na Educação precisa ter como referência o PNE (Plano Nacional de Educação) e o PME (Plano Municipal de Educação).

MÁRCIO FRANÇA (PSB) – O candidato e seu vice, Antonio Neto (PDT), incluíram suas propostas à Educação no que chamaram de “A retomada”, referindo-se às propostas que estabelecem estímulos para retomada de setores prejudicados pela pandemia da Covid-19.

ARTHUR DO VAL (PATRIOTA) –  o candidato afirma que vai “fazer uma mudança semântica e simbólica na atual secretaria de educação”, mas que a pasta “permanecerá com as mesmas funções”.

 

Nos EUA: Biden passa à frente na contagem de Georgia e Trump diz que está sendo roubado
Folha de S. Paulo; 06/11
https://bit.ly/3k1Thmb

Caso Biden vença ali, acumulará 269 do total de 538 delegados, ficando a apenas um delegado da vitória no Colégio Eleitoral e efetivamente impedindo que Trump alcance os 270 votos necessários para garantir a reeleição.

inda assim, em um cenário em que o republicano vença em todos os demais estados que seguem indefinidos —Arizona, Nevada, Pensilvânia, Carolina do Norte e Alasca—, Trump também alcançaria a marca de 269 delegados e empataria com Biden.

Se nenhum candidato obtém a maioria dos votos dos delegados no Colégio Eleitoral, quem decide o vencedor é a Câmara dos Representantes. Mas não pelo sistema “uma pessoa-um voto”. Cada estado tem um voto, decidido pela bancada estadual dos deputados.

Acompanhe a apuração em tempo real
(Azul, Biden. Vermelho, Trump)
UOL; 04/11
https://bit.ly/389L2SN

Os eleitores também votaram para escolher cerca de um terço dos senadores e todos os 435 parlamentares da Câmara dos Representantes (equivalente à Câmara dos Deputados), além de governadores e prefeitos.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 FEPESP - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: PWI WebStudio